Salão de Frankfurt 2019

As 32 novidades eletrificadas do Salão de Frankfurt

A eletrificação do automóvel foi o grande destaque do Salão de Frankfurt e a prova são os múltiplos modelos que por lá conhecemos e agora apresentamos.

Numa era em que muitos apontam que os salões estão em vias de extinção (algo que Genebra já provou ser demasiado pessimista), a edição deste ano do Salão de Frankfurt foi, apesar de muitas ausências, uma montra para o futuro (e presente) do automóvel: a eletrificação.

Prova disso mesmo foi a “enxurrada” de modelos eletrificados que por lá ficámos a conhecer (e que te fomos apresentando) tendo sido poucas as marcas que não mostraram um modelo que recorresse a eletrões, fosse como fonte única de energia ou para auxiliar um qualquer motor de combustão.

E se muitas das marcas se limitaram a revelar protótipos, outras houve que revelaram modelos que representam não só a sua estreia no mundo dos automóveis eletrificados como até a sua visão para o seu próprio futuro na indústria. Fica a conhecer, marca a marca, todos os modelos de produção eletrificados que vimos em Frankfurt.

ESPECIAL: Todas as novidades do Salão de Frankfurt 2019 estão aqui

Audi

Começando pela Audi, a marca dos quatro anéis aproveitou o certame germânico para revelar não só a sua aposta na eletrificação como a conjugação desta com as versões mais desportivas dos seus modelos.

No que diz respeito à gama mild-hybrid a Audi mostrou em Frankfurt os novos SQ8, RS6 AvantRS7 Sportback e ainda o renovado S5. Já nos híbridos plug-in a novidade foi o A7 Sportback 55 TFSI e quattro, com uma potência combinada de 367 cv e um pack de baterias com 14,1 kWh de capacidade que oferece 40 km de autonomia em modo 100% elétrico, a velocidades até 135 km/h.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Audi e-tron em vídeo. O PRIMEIRO de muitos!

BMW

Nas hostes da marca bávara a aposta na eletrificação traduziu-se em soluções híbridas plug-in que se apresentaram no renovado X1 e no X5, que em Frankfurt se apresentou na versão xDrive45e, que agora inicia comercialização, apesar de já ter sido revelado há um ano.

VÊ TAMBÉM: Testámos o BMW i3s: agora só em modo elétrico

Ford

Ausente dos últimos certames europeus, a Ford aproveitou Frankfurt para revelar toda a sua nova gama eletrificada. Assim, por lá ficámos a conhecer o Puma EcoBoost Hybrid, os Explorer e Tourneo Custom Plug-In Hybrids, o Mondeo Hybrid e ainda o novo Kuga, o primeiro Ford com versões mild hybrid, híbridas e híbridas plug-in.

VÊ TAMBÉM: Conduzimos o novo Ford Focus ST 2.3 Ecoboost. Trabalho de artesãos

Honda

Depois de ter mostrado o “e” ainda como protótipo em Genebra, a Honda levou a Frankfurt a versão de produção do seu primeiro elétrico. Representante da visão elétrica da marca para a Europa, o Honda e, apresenta-se com uma nova plataforma, dois níveis de potência 100 kW (136 cv) e 113 kW (154 cv), uma bateria de 35,5 kWh e uma autonomia de 220 km.

Honda e 2019
Honda e
VÊ TAMBÉM: Testámos o Honda CR-V Hybrid. Diesel para quê?

Lamborghini

Como que a provar que a eletrificação “toca a todos”, até a Lamborghini mostrou o seu primeiro modelo híbrido. O Lamborghini Sian conjuga um 6.5 l V12 naturalmente aspirado a um motor elétrico integrado na caixa de velocidades oferecendo um total de 819 cv (602 kW). Curiosamente, ao contrário de outros híbridos, este prescinde da bateria e surge com um supercondensador.

VÊ TAMBÉM: Lamborghini LM002. O «touro indomável» de Sant’Agata Bolognese
Lamborghini Sian
Lamborghini Sian

Land Rover

Uma das maiores (e mais aguardadas) novidades de Frankfurt, também o Land Rover Defender se rendeu à eletrificação. Para já trata-se apenas de uma versão mild-hybrid que conjuga um seis cilindros em linha com 400 cv a um sistema semi-híbrido de 48 V. No entanto, para o ano, já está prometida uma versão híbrida plug-in, a P400e.

VÊ TAMBÉM: Land Rover Discovery. Isto sim, é um verdadeiro SUV
Land Rover Defender 2019

Mercedes-Benz

Uma das marcas que mais novidades eletrificadas levou ao Salão de Frankfurt foi, sem dúvida, a Mercedes-Benz. Entre os modelos 100% elétricos a novidade foi o EQV 300. Já a oferta híbrida plug-in da marca da estrela viu-se reforçada com a chegada de um quarteto de modelos: A 250 e, B 250 e, GLC 300 e, e GLE 350 de.

VÊ TAMBÉM: Silêncio. Já conduzimos o Mercedes-Benz EQC

MINI

Depois de (longos) anos de espera, a MINI finalmente eletrificou-se e o resultado é o Cooper SE. Equipado com o mesmo motor que o BMW i3s, o Cooper SE oferece 184 cv e conta com um pack de baterias com 32,6 kWh de capacidade que oferece uma autonomia entre 235 e 270 km (valores WLTP convertidos para NEDC).

VÊ TAMBÉM: MINI Cooper D 1.5 116 cv. Neste caso, o Diesel ainda compensa?
MINI Cooper SE
MINI Cooper SE.

Opel

Protagonista do espaço da Opel, o Corsa deu a conhecer em Frankfurt a sua inédita versão elétrica. O Opel Corsa-e, surge equipado com uma bateria de 50 kWh de capacidade que lhe oferece uma autonomia de 330 km e alimenta um motor de 136 cv e 280 Nm, estando já disponível para encomenda em Portugal.

Não só apresentou o seu primeiro elétrico, como também apresentou o seu primeiro híbrido plug-in, o Grandland X Hybrid4. Com 300 cv de potência combinada é o mais potente Opel em comercialização e ainda consegue até 50 km de autonomia elétrica — as primeiras entregas acontecem no início de 2020.

VÊ TAMBÉM: Ao volante da Opel Zafira Life. A evolução da espécie?
Opel Corsa-e
Opel Corsa-e.

Porsche

Uma das estrelas do salão, o Porsche Taycan conta com duas versões — Turbo e Turbo S — com níveis de potência distintos, 500 kW (680 cv) ou 560 kW (761 cv). Recorre a uma bateria com 93,4 kWh de capacidade e promete uma autonomia de 450 km para o Turbo e 412 km para o Turbo S, podendo esta ser carregada entre 5% a 80% em 22,5 minutos, isto com uma potência de carregamento de 270 kW.

VÊ TAMBÉM: Já conduzimos o Porsche 911 Carrera S Cabriolet. Cabrio ou Coupé? A eterna dúvida…
Porsche Taycan
Porsche Taycan

SEAT

As novidades eletrificadas da SEAT em Frankfurt colocam-se nos dois extremos da oferta da marca espanhola. Na base surge o Mii electric, que reforma as versões com motor de combustão e conta com um motor elétrico de 83 cv (61 kW) um pack de baterias de 36,8 kWh de capacidade e uma autonomia de até 260 km (de acordo com o ciclo WLTP).

VÊ TAMBÉM: Testámos o SEAT Ibiza 1.6 TDI 95 cv DSG FR. Quanto valem duas siglas?
SEAT Mii electric
SEAT Mii electric.

Já no outro extremo surge o Tarraco FR PHEV, com o topo de gama da SEAT a assumir-se como o primeiro híbrido plug-in da marca. Revelado como um showcar, mas já bem próximo da produção este conta com 245 cv (180 kW) de potência combinada e graças à bateria de 13 kWh anuncia uma autonomia elétrica superior a 50 km (valor ainda provisório).

VÊ TAMBÉM: Testámos o Kia Sportage 1.6 CRDi. A antiguidade ainda é um posto?
SEAT Tarraco FR PHEV
SEAT Tarraco FR PHEV.

Skoda

A aposta elétrica da Skoda em Frankfurt resultou na divulgação dos dois primeiros produtos da sua submarca iV. Assim, por lá conhecemos o Citigoe iV (em tudo idêntico ao SEAT Mii electric) e ainda o novo Superb iV, um híbrido plug-in com até 55 km de autonomia elétrica e 218 cv de potência total combinada.

VÊ TAMBÉM: O Skoda Fabia foi renovado, mas pouco. Ainda tem argumentos?

Smart

Depois de se despedir dos motores de combustão, a Smart revelou o restyling dos EQ fortwo e EQ forfour que se focou exclusivamente na estética. Assim, os dois modelos continuam a oferecer 82 cv (60 kW), a recorrer a uma bateria de 17,6 kWh e a contar com uma autonomia entre 147 e 159 km (145 a 157 km no EQ fortwo cabrio e 140 a 153 km no EQ forfour).

VÊ TAMBÉM: Smart EQ fortwo nightsky edition: um vislumbre do futuro?
Smart EQ
A gama Smart foi alvo de um restyling.

Volkswagen

Partilhou com o Taycan o título de “estrela do salão” e é fácil perceber porquê. Desenvolvido com base na plataforma MEB, o Volkswagen ID.3 assinala o ponto de partida de uma nova era na marca que até é sinónimo de um novo logótipo.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Volkswagen T-Cross 1.0 TSI Life: vale a pena poupar?
Volkswagen ID.3
Volkswagen ID.3.

disponível para pré-reserva, o ID.3 pode ser equipado com baterias de 45 kWh, 58 kWh ou 77 kWh de capacidade que permitem (respetivamente) autonomias de 330 km, 420 km ou 550 km. Quanto ao preço, o ID.3 vai estar disponível em Portugal a partir de 30 500 euros.

Volkswagen e-Up!
Volkswagen e-Up!.

A par do ID.3, esteve também por lá o renovado e-Up!, que viu os seus argumentos reforçados com uma maior bateria (passou de 18,7 kWh para 32,3 kWh de capacidade) que consigo trouxe um incremento de autonomia para os 260 km (antes era apenas 160 km e ainda de acordo com o ciclo NEDC).

Sabes responder a esta?
Em que ano foi apresentado o Porsche Semper Vivus, o primeiro híbrido da história do automóvel?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Porsche Semper Vivus. O primeiro híbrido da história do automóvel