Ensaio Testámos o Volkswagen T-Cross 1.0 TSI Life: vale a pena poupar?

Desde 22 432 euros

Testámos o Volkswagen T-Cross 1.0 TSI Life: vale a pena poupar?

Depois de termos testado a versão topo de gama do T-Cross, "descemos à terra" e pusemos à prova a versão intermédia Life. Será que vale a pena poupar?

Volkswagen T-Cross
© Raul Mártires / Razão Automóvel

O T-Cross foi a resposta da Volkswagen ao enorme sucesso que os SUV de segmento B têm conhecido e, tal como o Polo ou os “primos” SEAT Arona e Skoda Kamiq, recorre à plataforma MQB-A0.

Ora, o recurso a esta plataforma permite ao T-Cross fazer da versatilidade e do aproveitamento do espaço interior duas das suas principais “armas”. Disponível em três níveis de equipamento — T-Cross (a versão base), Life e Style —, quase que podemos dizer que há um T-Cross para todos os gostos (e carteiras).

Agora, depois de já termos testado em vídeo a versão de topo do SUV alemão, fomos descobrir os argumentos da versão Life com a variante de 95 cv do 1.0 TSI.

VÊ TAMBÉM: Renault Mégane R.S. Trophy em vídeo. Melhor do que o Honda Civic Type R?

Esteticamente, no exterior, há poucas diferenças face ao topo de gama Style, sendo as jantes de menor dimensão a principal diferença. Ainda assim, o T-Cross mantém o aspeto robusto que o caracteriza.

Volkswagen T-Cross
© Raul Mártires / Razão Automóvel

No interior do T-Cross

Independentemente do nível de equipamento, o T-Cross presenteia-nos sempre com três coisas: uma boa qualidade de construção, materiais rijos e uma ergonomia à prova de críticas. No caso da versão Life, por se tratar de um nível de equipamento intermédio, os acabamentos mais coloridos dão lugar a uns mais monocromáticos (e discretos).

Quanto ao sistema de infotainment, é business as usual com este a revelar-se intuitivo de usar, com uma navegação de fácil compreensão e botões de grandes dimensões. Conta ainda com teclas de atalho a ladear o ecrã central, que rapidamente nos levam para a vista desejada.

Onde o T-Cross se destaca, sendo um dos seus pontos mais fortes, é no espaço disponível. Apesar de apenas medir 4,11 m de comprimento (menos 12 cm que o T-Roc), o T-Cross oferece cotas de habitabilidade que concorrem com os pequenos familiares do segmento acima.

VÊ TAMBÉM: Testámos o novo Mazda3 SKYACTIV-D com caixa automática. Uma boa combinação?
Volkswagen T-Cross
Na versão Life o T-Cross apresenta um visual mais sóbrio, deixando de lado os acabamentos mais coloridos. © Raul Mártires / Razão Automóvel

Para tal, “apoia-se” nos bancos traseiros reguláveis longitudinalmente para oferecer ou mais espaço para as pernas, ou uma maior bagageira — capacidade varia entre os 385 l e os 455 l —, tendo espaço mais que suficiente para transportar quatro adultos ou a jovem família que a Volkswagen aponta como público alvo do seu mais pequeno SUV.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Honda CR-V Hybrid. Diesel para quê?

Ao volante do T-Cross

Uma vez sentados ao volante do T-Cross rapidamente encontramos uma posição de condução confortável. Quanto à visibilidade, essa sai algo prejudicada pela dimensão do pilar C e na unidade ensaiada pela ausência da câmara de estacionamento traseira.

VÊ TAMBÉM: Citroën C3 Aircross. Rei do espaço e do conforto?
Volkswagen T-Cross
Não te deixes enganar pelo aspeto simples. Os bancos do T-Cross são confortáveis mesmo nas viagens mais longas. © Raul Mártires / Razão Automóvel

Confortável por natureza, na versão Life o T-Cross vê essa tendência aumentada, muito graças aos pneus de perfil mais alto. No entanto, se este pneus ajudam não só a aumentar o conforto como a versatilidade do SUV alemão, acabam por passar a fatura ao nível da dinâmica, revelando muito mais cedo os seus limites.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Porsche Macan 2.0 turbo. Será que faz sentido?
Volkswagen T-Cross
© Raul Mártires / Razão Automóvel

Por falar em comportamento dinâmico, o T-Cross revela-se seguro, estável e previsível, apresentando um tato muito próximo ao das restantes propostas do Grupo Volkswagen e uma interatividade ao volante bem inferior, por exemplo, à revelada pelo CX-3.

Quanto ao 1.0 TSI de 95 cv, este revela-se suficiente para a maioria das situações. No entanto, é notória a preferência pelas estradas nacionais em vez das auto-estradas onde se sente alguma “falta de pulmão” e somos obrigados a recorrer à caixa (manual de cinco velocidades) para “espevitar” o pequeno tri-cilíndrico nas ultrapassagens.

VÊ TAMBÉM: Smart EQ fortwo nightsky edition: um vislumbre do futuro?
Volkswagen T-Cross
Os 95 cv do 1.0 TSI revelam-se poupados mas algo escassos em auto-estrada. © Raul Mártires / Razão Automóvel

Felizmente, o que lhe falta em performance o 1.0 TSI na versão de 95 cv compensa em frugalidade, sendo possível alcançar consumos bastante baixos: com calma consegues andar na casa dos 5 l/100 km, sendo que se tiveres mais pressa estes andam pelos 6 l/100 km (tudo isto sem os muitas vezes irritantes modos “Eco”).

É o carro certo para mim?

Se és fã do formato SUV, não és especialmente apressado e procuras um modelo versátil, bem construído, com um nível de equipamento já bastante aceitável e, acima de tudo, bastante espaço, então o T-Cross pode muito bem ser o carro ideal para ti.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Skoda Karoq 1.0 TSI: será que o Diesel faz falta?
Volkswagen T-Cross
© Raul Mártires / Razão Automóvel

Quanto à decisão entre o nível de equipamento Life e Style resume-se apenas a três coisas: a quanto valorizas o nível de equipamento, a alguns detalhes estéticos (obviamente o Style tem mais… estilo) e a quanto estás disposto (ou podes) gastar.

É que se for pelo motor, o Life também pode vir com a versão mais expedita do 1.0 TSI de 115 cv com caixa manual de seis velocidades e sempre poupas algum dinheiro.

Testámos o Volkswagen T-Cross 1.0 TSI Life: vale a pena poupar?

Volkswagen T-Cross 1.0 TSI 95cv Life

7/10

Tal como te dissemos aquando da sua apresentação, o T-Cross é, acima de tudo, uma opção racional. Confortável, robusto e espaçoso, o T-Cross revela-se uma boa escolha para uma jovem família. Na versão Life o nível de equipamento é bastante aceitável, sendo que o 1.0 TSI na variante de 95 cv revela-se bastante económico, mas algo "curto" para os condutores mais apressados.

Prós

  • Habitabilidade
  • Consumos
  • Conforto
  • Robustez

Contras

  • Ausência de câmara traseira
  • Plásticos duros em todo o habitáculo
  • Comportamento pouco interativo

Versão base:€22.432

IUC: €103

Classificação Euro NCAP: 5/5

€23.424

Preço unidade ensaiada

  • Arquitectura:3 cil. em linha
  • Capacidade: 999 cm3 cm³
  • Posição: Transversal Dianteira
  • Carregamento: Injeção direta + Turbo + Intercooler
  • Distribuição: 3 cil. em linha
  • Potência: 95 cv entre as 5000 rpm e as 5500 rpm
  • Binário: 175 Nm entre 2000 rpm e as 3500 rpm

  • Tracção: Dianteira
  • Caixa de velocidades:  Manual de cinco velocidades

  • Largura: 4110 mm
  • Comprimento: 1782 mm
  • Altura: 1558 mm
  • Distância entre os eixos: 2563 mm
  • Bagageira: 385 a 455 litros
  • Jantes / Pneus: 205/60 16"
  • Peso: 1245 kg

  • Média de consumo: 5,8 l/100 km
  • Emissões CO2: 135 g/km
  • Velocidade máxima: 180 km/h
  • Acelaração máxima: >11,5s

    Tem:

    • Bluetooth
    • Front Assist e Lane Assist
    • Volkswagen Connect
    • Cruise Control Adaptativo (ACC)
    • Volante Multifunções em Couro
    • Pacote Lights & Vision (sensores de luz e chuva)

Ar Condicionado Climatronic (-)
Jantes em Liga Leve Rochester de 16'' (-)
Pacote Life Plus (992,66 €)
Sistema de Navegação Discover Media (-)
Guide & Inform, com Duração de 3 Anos (-)
Rádio Composition Media (-)
App-Connect e Volkswagen Media Control (-)
Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros (-).

Sabe esta reposta?
Em que ano é que o Fiat Punto foi eleito Carro do Ano em Portugal?
Oops, não acertou!

Pode encontrar a resposta aqui:

Fiat Punto. Vencedor Carro do Ano 1995 em Portugal
Parabéns, acertou!
Vai para a próxima pergunta

ou lê o artigo sobre este tema:

Fiat Punto. Vencedor Carro do Ano 1995 em Portugal