Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Curiosidades

BMW. Como decifrar o código das designações dos seus modelos

Apesar da BMW ter explicado no seu podcast oficial "Changing Lines" a lógica por detrás das designações dos seus modelos, pode levar ainda a alguma confusão.

Os dias em que os números que designavam um BMW faziam referência ao seu posicionamento na gama e à capacidade do motor já lá vão.

Com a crescente popularidade dos SUV e crossovers e a diversificação de motorizações — híbridos e elétricos — a gama da BMW é mais extensa do que nunca e isso obrigou, naturalmente, a encontrar novas formas de denominar os seus modelos.

Tanto que a marca de Munique até criou um departamento dedicado à estratégia de nomes e à identificação de veículos, pelo que há quem esteja unicamente preocupado em encontrar uma designação que faça sentido e que reflita o posicionamento do veículo na gama, o tipo de motor e até a potência.

A NÃO PERDER: BMW M vai voltar a ter um modelo independente, mas não é um novo M1
BMW 840d Gran Coupé © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Tudo isto parece simples, mas está muito longe de o ser. E ciente disso mesmo, a BMW resolveu explicar no seu podcast oficial “Changing Lines” a denominação dos seus automóveis e usou o BMW 745e como exemplo.

O “7” na designação continua, como sempre, a fazer referência ao posicionamento do modelo na gama (quanto maior o algarismo, mais alto é), referindo-se, neste caso ao Série 7. Convém ainda distinguir os números ímpares (Série 7, X5 ou i3) dos números pares (Z4, Série 2 ou i8), com os ímpares a identificar os modelos mais convencionais, enquanto os pares os modelos de cariz mais desportivo (ou alternativo, no caso do Série 6GT).

Mas há exceções, como vimos recentemente com o iX, que não tem qualquer algarismo, e que, se os rumores estiverem certos, poderá ser acompanhado futuramente por um… XM.

BMW iX

Voltando ao 745e, os dois números que surgem a seguir, “45”, já não se traduz, necessariamente, na capacidade (em litros) do motor. Ou seja, o 745e não vem equipado com um motor com 4,5 l de capacidade. Efetivamente combina um motor a gasolina com 3,0 l de capacidade com um motor elétrico.

Hoje em dia, os últimos dois algarismos são, assim, uma referência à categoria de potência onde se inserem. Neste caso, “45”, refere-se aos modelos que estão entre os 300 kW (408 cv) e os 350 kW (476 cv) — não nos escapou o facto de que o 745e tem 290 kW ou 394 cv… Talvez a anunciar uma atualização para a próxima geração?

A BMW não é a única a estruturar desta forma, pela potência, as suas designações. A Audi usa uma solução idêntica, sendo que na marca de Ingolstadt o “45” identifica os veículos cuja potência está entre os 169 kW (230 cv) e os 185 kW (252 cv):

LEIAM TAMBÉM: Que comece a confusão: Audi altera identificação das versões dos seus modelos

Quanto à letra “e” que surge no final, serve para identificar as versões híbridas plug-in, ao passo que as motorizações a gasolina continuam a ser representadas por um “i” e as Diesel por um “d”.

BMW 330i

No entanto, caso o “i” surja no início da designação do modelo, refere-se à sub-marca da BMW para modelos elétricos. Como exemplo temos o já mencionado iX ou o novo i4.

Quanto aos roadsters da família “Z” (que também já identificaram coupés) e aos SUV/Crossovers da família “X”, também podem receber o sufixo sDrive e xDrive, que identifica as versões de tração traseira (ou dianteira no caso do Série 1, Série 2 Active Tourer, Série 2 Gran Coupé e X1 e X2) e de tração integral, respetivamente.

BMW X1 xDrive 25e
Esta designação “denuncia” a variante híbrida plug-in do BMW X1 que conta com tração às quatro rodas. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

E os BMW M?

Os BMW M dividem-se em duas categorias: os “M” e os “M Performance”. No topo da gama estão os “M”, cuja letra mágica surge quase sempre antes do algarismo que identifica o carro. São exemplo disso os M3, M4 e M5, bem como a inédita e cada vez mais próxima M3 Touring.

Porém, há exceções. Se o modelo pertencer à família “X” ou “Z”, a letra “M” só surge no final, como por exemplo, X4 M.

Pormenor óticas traseiras

Os modelos identificados como “M Performance”, posicionados um degrau abaixo dos “M”, vêm a sua designação ser composta pela letra “M”, seguida de dois ou três algarismos e uma letra. São exemplo disso o M440i e o X5 M50i. Porém, o novo i4 M50 prescinde da letra no final.

Sabe responder a esta?
Qual era a potência do BMW 530 MLE?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

BMW 530 MLE. O avô do M5 era um puro especial de homologação

Mais artigos em Notícias