2018 foi assim

Elétrico, desportivo e até SUV. Os carros que se destacaram

Balanço do ano 2018. O ano foi profícuo em novidades automóveis, mas alguns destacaram-se mais do que outros — e nem todos foram SUV ou crossover…

O ano de 2018 foi frutífero em novidades automóveis — e sim, muitos foram SUV e crossover. Muitas das novidades eram previsíveis, novas gerações de modelos já conhecidos; outros foram inéditas adições às gamas dos seus construtores, e até houve espaço para surpresas.

Entre as centenas de modelos novos lançados, houve alguns que sobressaíram.

Resumimos alguns dos destaques de 2018, sem detrimento para os outros. Não significa que sejam objetivamente os melhores carros a terem sido lançados este ano, mas são definitivamente aqueles que mais captaram a nossa atenção.

RELACIONADO: As notícias que “pararam” o mundo automóvel

O futuro pode ser elétrico…

Se houvesse um prémio para o carro mais mediático de todos em 2018 — e 2017 e 2016… —, esse prémio teria de ser entregue ao Tesla Model 3. Ok, as primeiras unidades começaram a ser entregues ainda em 2017, mas por todas as razões e mais alguma é, sem dúvida, um dos carros de 2018.

Fosse pelos seus problemas de qualidade inicial, fosse pelos problemas na linha de produção, fosse pelo relatório onde desmontaram uma unidade para o analisar até ao último parafuso, tudo parece ter acontecido ao Model 3. As coisas parecem estar, finalmente, a entrar nos eixos…

Nós já pudemos conduzi-lo e logo a versão Performance, e temos que admitir que surpreendeu… pela positiva.

Mas o mundo dos elétricos não se resume à Tesla, apesar de às vezes parecer.

Temos de destacar, igualmente, o Jaguar I-PACE. Não só antecipou-se ao trio alemão do costume, como trouxe com ele um novo conjunto de (muito boas) proporções, muito bons valores de performance e autonomia, e uma dinâmica exemplar — algo nem sempre fácil de conseguir quando lidamos com o peso excessivo dos automóveis elétricos. Uma aposta ousada e surpreendente da Jaguar.

…mas esta receita tem sempre futuro

Reduzir o lastro dos nossos automóveis continua a ser a melhor forma de os tornar melhores. Menos peso terá — e se tudo o resto for bem executado — influências positivas sobre a dinâmica e prestações, assim como nas questões que preocupam a indústria de hoje, como os consumos e emissões.

O mais recente exemplo a seguir esta filosofia é o Alpine A110, que além de leve também soube permanecer compacto face ao gigantismo de que sofrem os carros de hoje.

É mais leve que os pequenos hot hatch, o que conjugado com um pequeno motor e “modestos” 252 cv permite prestações capazes de envergonhar máquinas de calibre superior, sempre com consumos muito razoáveis. E tudo acompanhado com uma dinâmica a roçar o sublime.

A receita não é de agora, mas tendo em conta os desafios que a indústria automóvel enfrenta, certamente deveria ser reconsiderada.

É de felicitar também o recuperar da marca Alpine — algo que vem a ser discutido desde os anos 90(!) — com um carro que é um refrescante contraste ao restante panorama automóvel atual.

Os Super SUV

Deixamos ao vosso critério se a seleção destes dois modelos foi pelas melhores ou piores razões — também o estamos a discutir na Razão Automóvel —, mas por isso mesmo são dois dos destaques automóveis do ano.

A febre por crossover e SUV continua em alta em 2018, e alastrou até pelos construtores mais insuspeitos. Estes dois SUV, ou serão Super SUV, representam dois novos extremos na interpretação desta tipologia, mas por razões bastante distintas.

Lamborghini Urus

Do lado da performance pura temos o Lamborghini Urus. Apesar da partilha extensa de componentes com outros membros do grupo Volkswagen os números são de respeito. O Urus quer ser para os SUV o que o Huracán e Aventador são para os automóveis. O extremismo não é visível apenas nos números que apresenta; as suas dimensões e linhas são o equivalente a um… “abre-olhos”.

Rolls-Royce Cullinan

Do lado do luxo, temos o também gigante Rolls-Royce Cullinan, um SUV que promete levar-nos ao fim do mundo e voltar no máximo de luxo e conforto possível. Podemos questionar o porquê de um SUV da Rolls-Royce (ou da Lamborghini), mas se teria de haver um “Rolls-Royce dos SUV”, nada melhor que ser o original.

O épico regresso das travessas e longarinas

Um tipo de construção em risco de extinção, já que trocámos a capacidade pela aparência, mas 2018 viu o seu regresso de forma marcante. A sua robustez inata continua a ser a melhor solução para a prática de todo-o-terreno, pelo que não admira que os próximos modelos mencionados sejam todos verdadeiros veículos todo-o-terreno “civis” (o conceito SUV levado à sua essência).

Suzuki Jimny
Longarinas e travessas… o épico regresso em 2018.

O Mercedes-Benz Classe G, apesar de totalmente revisto, manteve-se igual a ele próprio. Super capaz fora de estrada, mas agora mais espaçoso, refinado, tecnológico, luxuoso e… absurdo, isto se nos referimos ao AMG G63

A FCA também foi exímia com a nova geração do Jeep Wrangler, modernizando-o onde era necessário — tecnologia, conforto, uso diário —, mas ainda capaz de “trepar paredes”. E que outro carro atual no mercado podemos arrancar capota, portas e dobrar o pára-brisas? Fenomenal. Mas por aqui ficámos com um “fraquinho” ainda maior pela Gladiator, a pick-up do Wrangler…

RELACIONADO: Testámos o novo Jeep Wrangler. Como não estragar um ícone

O único modelo capaz de rivalizar em mediatismo com o Tesla Model 3 em 2018? Só se for o Suzuki Jimny. Continua a gerar enorme fascínio e curiosidade e a procura pelo modelo é tão grande que a lista de espera já ultrapassa um ano em alguns mercados…

Suzuki Jimny
No seu habitat natural… e somos pessoas mais felizes

Porquê tanto burburinho pelo Jimny? Há muito por onde gostar, mas se pudéssemos resumi-lo a uma palavra seria autenticidade. Ao contrário de quase todo o universo crossover e SUV, não quer ser várias coisas ao mesmo tempo.

RELACIONADO: Ao volante do Suzuki Jimny, um todo-o-terreno puro e duro… em miniatura

Tem uma honestidade e claridade de foco absolutamente refrescante nos tempos que correm e todo ele o transmite — desde o seu desenho simples, nostálgico até, mas unanimemente apelativo; às escolhas efetuadas para o seu hardware, “artilhado” com as ferramentas certas para as capacidades que apregoa e demonstra.

E vocês? O que capturou a vossa atenção em 2018?

Lê mais sobre o que se passou no mundo automóvel em 2018:


2018 foi assim… Na última semana do ano, momento de reflexão. Recordamos os acontecimentos, os automóveis, as tecnologias e as experiências que marcaram o ano numa indústria automóvel efervescente. 

Mais artigos em Crónicas

Os mais vistos