Desde 20 235 euros

Ford Fiesta 1.0 95 cv ST-Line testado. Tem argumentos para os novos rivais?

Longe de estar desatualizado, o Ford Fiesta corre hoje num segmento que viu chegar uma autêntica "enxurrada" de novidades. Ainda está à altura da concorrência?

Lançada em 2017, a sétima geração do Ford Fiesta está longe de estar desatualizada. Ainda assim, a autêntica “enxurrada” de novos modelos que ocorreu no último ano e meio no segmento B elevou a fasquia.

Será que o Fiesta continua a ter argumentos num segmento em constante ebulição e onde os principais rivais — Renault Clio, Peugeot 208 e Opel Corsa — foram renovados ainda recentemente?

Para descobrir pusemos à prova o Ford Fiesta ST-Line equipado com o multi-premiado 1.0 Ecoboost, aqui na sua variante de 95 cv. Ainda há razões para festejar? Descobre nas próximas linhas.

VÊ TAMBÉM: Com 115 cv, testámos o SEAT Ibiza mais potente à venda em Portugal
Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Visual exterior atrevido

Esteticamente, a versão ST-Line não esconde a sua inspiração na radical (e desportiva) variante ST.

Desde para-choques e grelha específicos até ao spoiler, tudo contribui para um visual desportivo menos discreto do que o apresentado pelas variantes apimentadas de alguns dos seus concorrentes como o Opel Corsa GS Line, Peugeot 208 GT Line ou Renault Clio R.S. Line.

VÊ TAMBÉM: O Skoda Fabia foi renovado, mas pouco. Ainda tem argumentos?

Pessoalmente, acho que este visual assenta que “nem uma luva” ao Fiesta, servindo como a ponte perfeita para as sensações que este nos transmite quando o conduzimos.

Já face à concorrência, o visual do utilitário da Ford mantém-se tão atual como há três anos, disfarçando bem o facto de ter passado, quase de um momento para o outro, a ser um “veterano” do segmento.

Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line Thomas van Esveld

E interior também

Esquecendo as claras semelhanças entre o estilo do tablier do Fiesta ST-Line e o de vários outros Ford, o que mais sobressai são os detalhes desportivos.

Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line
Um rápido olhar para o tablier do Fiesta não deixa dúvidas: estamos a bordo de um Ford. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Testámos o novo Renault Clio. Rei morto, rei posto?

O volante (com boa pega) é forrado a couro e o punho da caixa de velocidades metálico não só cria um ambiente mais desportivo — para o qual também ajudam os bancos desportivos — como traz à memória a solução usada no primeiro Puma (o coupé).

Tal como te disse no teste à versão Active, a montagem é robusta e os materiais, apesar de maioritariamente rijos (como seria de esperar num utilitário), revelam uma boa qualidade, permitindo ao Fiesta fazer jogo igual com a concorrência.

Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line
Ao contrário do Fiesta Active que testámos há uns tempos, esta versão ST Line já contava com a versão atualizada do sistema de infotainment. Os bons gráficos e a facilidade de utilização mantiveram-se, mas a lentidão por vezes apresentada no Fiesta Active desapareceu. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Testámos o Volkswagen T-Cross 1.0 TSI Life: vale a pena poupar?

Já no capítulo da ergonomia, o estilo conservador dá cartas e permite ao Fiesta impor-se perante modelos como o novo 208, cuja utilização exige uma maior habituação.

Por fim, no que diz respeito ao espaço, dois ocupantes viajam com conforto nos bancos traseiros, com o Fiesta a equiparar-se a modelos como o Renault Clio ou o Peugeot 208.

Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line
O volante tem uma boa pega e o seu revestimento é agradável. “Vês, Peugeot. Os volantes redondos também conseguem ser desportivos”. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Já a bagageira com 311 litros acaba por ficar aquém dos valores apresentados pelo Renault Clio (391 litros), Hyundai i20 (351 litros) ou SEAT Ibiza (355 litros), ficando mais em linha com o par de propostas da PSA, o Opel Corsa e o Peugeot 208, com 309 litros de capacidade.

VÊ TAMBÉM: Opel Corsa GSi. Uma sigla é suficiente?

Prático e divertido

Se no interior o Ford Fiesta continua a conseguir bater-se de igual para igual com os seus concorrentes, onde o modelo da Ford mais se destaca face à grande maioria destes é no capítulo dinâmico.

Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line
Os bancos desportivos vão ao encontro do caráter mais dinâmico desta versão. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Este é o Skoda Kamiq mais barato que podes comprar. Será preciso mais?

Hoje tal como quando foi lançado o Fiesta continua a afirmar-se como uma das referências do segmento no que ao comportamento dinâmico diz respeito.

Seguro e estável quando conduzido de forma calma, este revela-se interativo e divertido quando decidimos explorar a sua “costela ST”.

VÊ TAMBÉM: Novo Toyota Yaris (2020). Primeiro teste em PORTUGAL

A direção tem um bom peso, sendo precisa e direta, a suspensão contém muito bem o movimento da carroçaria (sem ser excessivamente firme) e os níveis de aderência são invejáveis.

Se a tudo isto juntarmos um eixo traseiro que apoia o dianteiro na inserção em curva e uma boa capacidade para sair das curvas em aceleração, acabamos por ter um modelo no qual tudo parece incentivar-nos a procurar uma estrada de serra só para explorar as potencialidades do chassis.

O melhor de tudo é que apesar de parecerem algo modestos no papel, os 95 cv com que o 1.0 Ecoboost se apresenta dão bem conta do recado, com o motor a subir alegremente de rotação e a permitir imprimir ritmos mais elevados.

Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line
Mesmo com “apenas” 95 cv o 1.0 Ecoboost não se faz rogado e faz com que este Fiesta ST-Line não seja só “fogo de vista”. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Ford Puma testado. A prova que os B-SUV podem ser também cativantes de conduzir

A juntar a este cocktail dinâmico temos uma caixa manual de seis velocidades com um tato referencial e um escalonamento capaz de conjugar consumos e prestações sem sacrificar um em detrimento do outro.

Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line
A caixa é precisa e tem um bom tato. O punho metálico tem uma boa pega. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por falar em consumos, numa condução calma é bem possível andar na casa dos 5 l/100 km. Mesmo quando te deixes entusiasmar pelos dotes dinâmicos do Fiesta, estes fixam-se entre os 6 a 6,5 l/100 km, só se aproximando dos 7 l/100 km quando juntamos à equação o trânsito urbano.

É o carro certo para mim?

Pode não ser o mais acessível (para isso há o Dacia Sandero), o mais vanguardista (Peugeot 208), espaçoso (Renault Clio) ou sóbrio (Opel Corsa ou Volkswagen Polo) mas uma coisa é certa, o Ford Fiesta continua a ser uma proposta a ter em conta no segmento B.

É que a um bom nível de equipamento e a um preço justo face a tudo o que oferece (mesmo com opcionais “obrigatórios”, como o Pack Segurança Premium, o preço desta unidade não foi além dos 22 811 euros), o Ford Fiesta junta um fator extra: é divertido de conduzir.

Ford Fiesta 1.0 Ecoboost ST Line © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Ao volante do renovado Mazda2. Afinal o que mudou?

Ao volante do utilitário da Ford todas as viagens que envolvam enfrentar curvas se tornam interessantes e acabamos mesmo por procurar o caminho mais sinuoso para casa só para explorar um pouco mais essa vertente.

Já quando abrandamos o ritmo o Fiesta ST-Line tem todas as qualidades de um bom utilitário, revelando-se prático, seguro e fácil de conduzir, dando à Ford razões mais que suficientes para ainda “festejar” face aos mais recentes rivais.

Posto isto, para quem quer um utilitário económico e bem equipado, mas não quer ter de abdicar do prazer de condução, o Ford Fiesta ST-Line é uma das melhores opções do segmento.

Preço

unidade ensaiada

22.811

Versão base: €20.235

IUC: €103

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 998 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção Direta + Turbo + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: 95 cv às 6000 rpm
    • Binário: 170 Nm entre as 1400 e as 4500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de seis velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4065 mm / 1735 mm / 1466 mm
    • Distância entre os eixos: 2493 mm
    • Bagageira: 311 litros
    • Jantes / Pneus: 205/45 R17
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,1 l/100 km
    • Emissões de CO2: 117 g/km
    • Vel. máxima: 180 km/h
    • Aceleração: 10,9s
  • Equipamento
    • Faróis nevoeiro dianteiros
    • Faróis automáticos de halógeneo com luzes diurnas
    • Jantes de liga leve de 17" ST-Line
    • Pára-choques dianteiro e traseiro ST-Line cor da carroçaria
    • Retrovisores exteriores eléctricos e aquecidos
    • Tubo de escape com acabamento cromado
    • Pack Visibilidade
    • Grelha exclusiva ST-Line
    • Ar condicionado dianteiro manual
    • Sistema de áudio ecrã tátil 6,5" SYNC 3
    • Duas entradas USB
    • Pedais em alumínio
    • Assentos desportivos parcialmente em couro
    • Volante, punho mudanças, travão de mão forrados em pele
    • Ford MyKey
    • Computador de bordo
    • Ajuste lombar do banco do condutor e ajuste manual do banco em 4 posições
    • Kit de reparação de pneus
    • Assistência ao arranque em subidas (HLA)
    • Aviso de saída de estrada com manutenção em faixa
    • Sensor de pressão dos pneus
    • Limitador de velocidade
Extras
Pintura “Desert Island Blue” — 393 €; Spoiler traseiro — 124 €; Revestimento Parcial a Couro Inserções Red — 455 €; Vidros escurecidos — 99 €; Sistema de Navegação — 290 €; Roda Suplente — 99 €; Pack Segurança Premium (Controlo automático de velocidade adaptativo ACC+ Sistema de aviso de saída de estrada + Assistência à pré-colisão + Reconhecimento de sinais de trânsito + Alerta ao condutor + Faróis máximos automáticos + Proteção das portas+ Câmara visão traseira + Sistema de estacionamento automático + Sistema deteção ângulo morto) — 1116 €.
Avaliação
8 / 10
Apesar do Ford Fiesta ser um "simples" utilitário, o seu comportamento dinâmico denuncia que este foi pensado para servir para bem mais do ir apenas do ponto A ao ponto B. Num segmento recheado de concorrentes (e de novidades) o Fiesta faz da dinâmica o seu grande argumento, aproveitando a sua homogeneidade nos restantes capítulos de avaliação para se manter como uma das melhores propostas entre os utilitários.
  • Comportamento
  • Rendimento do motor
  • Tato da caixa de velocidades
  • Capacidade da bagageira
  • Ausência de entradas USB na traseira
Sabes responder a esta?
Em que ano foi lançado o Ford Cougar?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Coupés dos anos 90 (parte 1). Lembras-te de todos eles?

Mais artigos em Testes, Ensaio