Desde 19 509 euros

Testámos o Renault Clio a GPL. Utilitário (económico) e com orgulho

Numa gama com propostas a gasolina, Diesel e até híbridas, será o Renault Clio a GPL uma boa opção? Nós já o testámos e damos-te a resposta neste artigo.

Se há algo que não falta a um potencial comprador do Renault Clio é escolha. Desde versões a gasolina e Diesel até uma opção híbrida há de tudo um pouco, inclusive a variante a GPL que aqui te trazemos hoje.

Assim, depois de já termos posto à prova a versão mais luxuosa do utilitário gaulês, a Initiale Paris, e a mais desportiva, a R.S. Line, desta vez “descemos à terra” e pusemos à prova o Clio com motor a GPL na versão intermédia Intens.

O objetivo? Simples. Perceber até que ponto o Clio a GPL é uma boa opção no seio da gama do utilitário francês e se é até capaz de se estabelecer como a escolha certa.

VÊ TAMBÉM: Renault Clio vs Peugeot 208. QUAL É O MELHOR?
Renault Clio GPL © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Simplesmente Clio

Tanto no exterior como no interior este Renault Clio a GPL é em tudo idêntico aos restantes Clio, sendo a única diferença a presença do bocal de enchimento do depósito de GPL ao lado do de gasolina e de, no interior, o interruptor que permite selecionar qual o combustível a que recorremos.

Curiosamente, as principais diferenças face aos seus “irmãos de gama” são motivadas pelo nível de equipamento Intens, com o Clio que testámos a ser bem mais próximo daquele que, muito provavelmente, a maioria das pessoas acaba por adquirir.

VÊ TAMBÉM: Captur contra Captur. Qual a melhor opção: gasolina ou bi-fuel (GPL)?
Renault Clio GPL
Estás a ver este interruptor? Permite-te selecionar qual o combustível que queres usar (e se queres ou não poupar) e é a única diferença no interior do Clio a GPL face aos seus “irmãos”. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Equipamento na dose certa

Assim sendo, é mais simples e discreto do que os Renault Clio que por norma testamos. Por exemplo, esta unidade não contava com jantes de liga leve, enquanto no interior o enorme ecrã de 9,3″ deu lugar a um mais modesto com 7” e o painel de instrumentos digital foi substituído por um analógico com um ecrã TFT de 4,2” em vez de 7”.

VÊ TAMBÉM: “É o novo normal”. Testámos o Opel Corsa-e… o Corsa 100% elétrico
Renault Clio GPL
O ecrã até pode ser mais pequeno (7”) mas nem por isso é mais difícil de usar, mantendo todas as qualidades que já reconhecemos ao sistema de infotainment do novo Clio. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

O mais interessante é que apesar disso tudo nunca sentimos que nos falte nada, com o Clio Intens a oferecer tudo aquilo que, normalmente, precisamos num utilitário. No fundo, esta versão traz-me à memória uma máxima que referi quando testei o Dacia Duster: temos somente o necessário (e não há nenhum mal nisso).

Senão vejamos. Sensores de estacionamento traseiros? Sim, tínhamos. Ar condicionado? Também. Vidros traseiros elétricos? Check. E de resto todos os equipamentos de segurança e ajuda à condução estavam lá, incluindo o cruise control (se bem que não fosse adaptativo) ou o leitor de sinais de trânsito.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Ford Fiesta Active. Será capaz de agradar a gregos e a troianos?
Renault Clio GPL
Onde é que já vimos este painel de instrumentos? No Duster! Com um grafismo simples e de fácil leitura, só peca pela ausência do computador de bordo. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Quanto ao resto, ao invés de umas jantes de liga leve, este Clio conta com uns embelezadores de rodas que disfarçam bem as suas origens. E sejamos honestos, depois de levarem os inevitáveis toques a que as jantes maioritariamente estão sujeitas, os embelezadores são bem mais baratos de substituir.

Jantes com embelezadores de rodas
Parecem jantes de liga leve, não parecem? Mas não são! Tratam-se de uns bem conseguidos embelezadores de rodas em plástico e são uma mais valia num carro usado maioritariamente em cidade. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Já os valores intrínsecos ao Clio independentemente da versão, como a qualidade de construção (em bom plano, revelando a evolução da Renault neste capítulo) ou o espaço habitável, continuam a marcar presença, com o utilitário gaulês até a conseguir manter os excelentes 391 litros de capacidade da bagageira — mais do que vários segmento C —, mesmo com o depósito de GPL no lugar do pneu sobressalente.

VÊ TAMBÉM: Dacia Sandero Stepway Bi-Fuel. O GPL compensa?
Renault Clio GPL
A bagageira manteve os 391 litros de capacidade pois o depósito de GPL está no lugar do pneu sobressalente.

E ao volante, o que muda?

Bem, ao volante desta versão a GPL do Renault Clio deparamo-nos com as qualidades típicas de um bom utilitário. Fácil de conduzir, nesta versão os comandos pareceram-me um pouco mais leves do que na variante R.S. Line que testei anteriormente, mas nada que o torne menos agradável no acumular quilómetros ao volante, com o pequeno francês a revelar-se um bom estradista.

VÊ TAMBÉM: Com 115 cv, testámos o SEAT Ibiza mais potente à venda em Portugal
Renault Clio GPL
Os bancos não só são confortáveis como oferecem um bom apoio lateral. © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

Dinamicamente continuamos a ter um chassis bem conseguido no qual as forças em curva são suportadas pelo conjunto chassis/suspensão e não pelos pneus, que nesta variante são mais modestos em dimensão, e amigos do ambiente e da carteira na hora de substituir (têm a medida 195/55 R16).

De resto, o Clio continua a ser uma referência ao nível do conforto e consegue conjugá-lo muito bem com uma dinâmica apurada, se bem que nesta versão tudo nos convide a adotar ritmos mais calmos.

VÊ TAMBÉM: Low cost? Nem por isso. Testámos o Fiat Tipo 1.3 Multijet Sport

É que apesar de expedito e solícito, o motor com os seus 100 cv e 160 Nm prefere ritmos intermédios nos quais nos presenteia com uma agradável suavidade de funcionamento e bons consumos (a gasolina e a GPL), se bem que estes não sejam facilmente confirmáveis devido à ausência do computador de bordo e conta quilómetros parcial.

Quanto à caixa manual de cinco velocidades, conta com um curso curto e apesar de ter um escalonamento a pender para o longo (tudo em nome dos consumos e emissões) não castra em excesso o motor, algo que o modo de condução “Eco”, o único disponível, também não pode ser acusado de fazer.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Hyundai Kauai Hybrid. É esta a escolha ideal?

É o carro certo para mim?

Depois de ter passado uma semana e de ter feito largos quilómetros aos comandos do Renault Clio a GPL na versão Intens devo admitir que não só considero esta uma boa opção como talvez seja a melhor opção dentro da gama do utilitário francês.

VÊ TAMBÉM: MINI Cooper D 1.5 116 cv. Neste caso, o Diesel ainda compensa?
Renault Clio GPL © Thomas van Esveld / Razão Automóvel

As qualidades já reconhecidas ao Clio como o bom comportamento ou a habitabilidade continuam todas a marcar presença e com a adoção do motor a GPL conquistamos uma economia de utilização ao nível do Diesel mantendo a agradabilidade de um motor a gasolina e sem ter de pagar o custo adicional desta motorização.

Quanto ao nível de equipamento, é verdade que não oferece ao Clio o visual chique ou desportivo de outros que estão disponíveis, mas por pouco mais de 20 mil euros temos um utilitário prático, económico, fácil de conduzir e com uma oferta de equipamento já assinalável. No final de contas, não é isso que procuramos neste segmento?

Posto isto, se procuras um utilitário que faça jus ao nome, o Renault Clio a GPL pode muito bem ser a resposta às tuas “preces”.

Preço

unidade ensaiada

21.955

Versão base: €19.509

IUC: €103

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 999 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta + turbo + intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas/cilindro
    • Potência: 100 cv às 5000 rpm
    • Binário: 160 Nm às 2750 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de cinco velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4050 mm / 1798 mm / 1440 mm
    • Distância entre os eixos: 2583 mm
    • Bagageira: 391 litros
    • Jantes / Pneus: 195/55 R 16
    • Peso: 1212 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: Gasolina: 5,4 l/100 km (GPL: 6,8 l/100 km)
    • Emissões de CO2: Gasolina: 122 g/km (GPL: 110 g/km)
    • Vel. máxima: 188 km/h
    • Aceleração: 12,5s
  • Equipamento
    • Reconhecimento dos sinais de trânsito
    • Alerta de distância de segurança
    • Sistema de assistência na transposição involuntária de via
    • Sistema de travagem de emergência ativa com deteção de peões, ciclistas
    • Sistema de ajuda ao arranque em subida
    • Regulador e limitador de velocidade
    • Kit de enchimento de pneus
    • Modo ECO
    • Sensores de luminosidade
    • Luzes diurnas dianteiras
    • Indicador de mudança de velocidade
    • Vidros escurecidos
    • Retrovisores exteriores elétricos c/função de desembaciamento
    • Ar condicionado manual
    • Banco do condutor regulável em altura
    • Banco traseiro rebatível 1/3-2/3
    • EASY LINK 7" (sem navegação)
    • Ecrã TFT 4,2"
    • Jantes Fleexwheel de 16"
    • Retrovisores exteriores da cor da carroçaria
    • Design Flexwheel Volante em TEP regulável em altura e profundidade
Extras
Vermelho Flamme — 650 €; Pack Clim — 910 €; Pack NAV — 590 €.
Avaliação
7 / 10
No nível de equipamento Intens e com o sistema GPL o Renault Clio recorda-me do porquê de gostar de utilitários. Sem luxos supérfluos, com um preço adequado, fácil de conduzir, confortável e versátil, esta versão do Clio permite uma utilização despreocupada e económica, e é, na minha opinião, uma das melhores propostas dentro da gama do bem sucedido utilitário gaulês.
  • Economia de utilização
  • Habitabilidade e capacidade da bagageira
  • Relação Conforto/Comportamento
  • Ausência do computador de bordo
  • Visibilidade traseira
Sabes responder a esta?
Em que ano é que a Renault conquistou a sua primeira vitória na Fórmula 1?

Mais artigos em Testes, Ensaio