Desde 21 357 euros

Testámos o Ford Fiesta Active. Será capaz de agradar a gregos e a troianos?

O Ford Fiesta Active tenta agradar a gregos e a troianos, cativando os fãs de utilitários com a "moda" SUV. Será que o consegue?

Apesar do visual inspirado no mundo dos SUV/Crossover, que tudo parecem dominar no mundo automóvel de hoje, o Ford Fiesta Active é uma proposta (curiosamente) pouco comum no segmento B.

Afinal de contas, hoje em dia apenas o Hyundai i20 Active e o Dacia Sandero Stepway contam, no segmento, com versões mais… aventureiras.

Ora, para saber até que ponto a aposta da Ford tem argumentos para nos tentar dos cada vez mais comuns e numerosos SUV e crossover no mercado — a própria Ford tem duas propostas distintas no segmento, EcoSport e Puma —, colocámos à prova o Fiesta Active.

VÊ TAMBÉM: “Irmãos” e rivais. Colocámos à prova os Fiat 500X Sport e Jeep Renegade Orange Edition
Ford Fiesta Active
Gosto do visual do Ford Fiesta Active. Robusto e um pouco mais aventureiro, acaba por ter uma aparência mais jovial que os B-SUV. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Visual à altura por fora…

Seja pelas proteções em plástico, pelas jantes de maiores dimensões ou pela maior altura ao solo, o Fiesta Active consegue mesmo marcar a diferença no capítulo estético.

É verdade que é mais discreto que os B-SUV tradicionais, mas também não é menos verdade que me parece mais jovial e menos familiar em aparência — talvez seja das suas dimensões mais compactas — que muitos dos pequenos SUV.

Mas atenção, o Fiesta Active não é só “fogo de vista”. Graças à maior altura ao solo e às proteções plásticas, o utilitário da Ford oferece um à vontade acrescido tanto em meio urbano como nas típicas escapadelas de fim de semana.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Honda HR-V. Um B-SUV injustamente esquecido?
Ford Fiesta Active
“Passeios? Subo-os todos, um dia pode não haver lugares” eis algo que o Fiesta Active poderia dizer. Recomendamos no entanto, que não te tornes um praticante de estacionamento… selvagem. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Com 115 cv, testámos o SEAT Ibiza mais potente à venda em Portugal

… mas não tanto por dentro

Previsivelmente é no interior que o Fiesta Active mais se afasta dos B-SUV, sobretudo quando o assunto é cotas de habitabilidade.

As dimensões exteriores mais contidas refletem-se nas dimensões interiores mais acanhadas quando o comparamos com os mais compridos, largos e altos B-SUV — afinal trata-se de um utilitário.

Ford Fiesta Active
Nos bancos traseiros dois viajam com conforto, e é possível viajarem três, mas é menos aconselhável. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Não nos podemos esquecer que muitos dos B-SUV são projetados já a pensar nas famílias, enquanto o utilitário Ford Fiesta Active não. Mesmo assim, o espaço atrás é mais que razoável para dois ocupantes, equivalendo-se a outras propostas do segmento como os franceses Renault Clio e Peugeot 208.

Também a bagageira de 311 litros está alinhada com a maioria das propostas do segmento. Para os que precisam de levar a “casa às costas”, os maiores B-SUV estão melhor preparados. Como exemplo, o “irmão” Puma adiciona 145 l de capacidade, além de ter uma MegaBox por baixo do piso da bagageira.

Ford Fiesta Active
Os 311 litros de capacidade da bagageira do Fiesta Active não impressionam, estando ao nível do que encontramos no Peugeot 208, mas abaixo dos 355 l do SEAT Ibiza ou dos 391 l do Renault Clio. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Novo Renault Captur testado. Tem argumentos para continuar a liderar?

Se por fora, as adições efetuadas para distinguir o Fiesta Active dos restantes Fiesta foram eficazes e bem conseguidas, o interior, por outro lado, carece dessa qualidade distintiva.

No entanto, apesar disso e de recorrer a um design idêntico ao de outras propostas da Ford (como o Focus, por exemplo), replicando o mesmo estilo e disposição dos vários comandos, o interior do Fiesta Active revela-se robusto e ergonomicamente bem conseguido — todos os comandos surgem onde esperamos que estejam.

Ford Fiesta Active
O interior do Fiesta Active não esconde as parecenças com outros Ford, como o Focus. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Novo Toyota Yaris (2020). Primeiro teste em PORTUGAL

Dinamicamente… é um Fiesta

Onde o Ford Fiesta Active mais se distingue dos B-SUV e, também, de muitos utilitários, é no capítulo dinâmico e nem mesmo os 18 mm extra de altura ao solo parecem ter “beliscado” as suas competências dinâmicas.

Ford Fiesta Active
Simples e fácil de usar, o sistema de infotainment do Fiesta Active podia ser um pouco mais rápido por vezes. Felizmente a Ford já o atualizou noutros modelos e deverá ser uma questão de tempo até essa versão chegar ao Fiesta. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A direção é precisa, direta e o peso é correto, o chassis revela um muito bom equilíbrio e a altura extra ao solo até permite evitar dissabores caso surja uma inesperada e mais grave irregularidade no piso.

Tudo no Fiesta Active parece pedir para o levarmos para uma estrada com curvas e quando o fazemos não saímos desiludidos, com o utilitário da Ford a conseguir entreter mais que a maioria dos concorrentes. Se o compararmos com os B-SUV, as diferenças são, obviamente, ainda mais evidentes.

Ford Fiesta Active
As jantes de 17” permitem uma boa relação conforto/comportamento. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Mazda2 (2020). 4 cilindros e ATMOSFÉRICO ainda faz sentido?

Já quando saímos do “parque de diversões” e atacamos a malha urbana, o Fiesta Active volta a afastar-se dos B-SUV em caráter, apesar da “influência” que estes tiveram na sua criação.

Mais pequeno e ágil, todos os cantos parecem servir para metermos o Fiesta. Já em autoestrada, também surpreende pela estabilidade que demonstra, com o pequeno Fiesta Active a revelar-se um bom companheiro de viagem.

Ford Fiesta Active
Apesar do visual simples, os bancos oferecem um bom apoio lateral. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A tudo isto junta-se um motor, o 1.0 EcoBoost de 125 cv, que faz jus aos muitos prémios que já recebeu. Económico (mesmo quando não selecionamos o modo “Eco”), este revela-se progressivo e agradável de usar e tem na caixa manual de seis velocidades uma ótima aliada.

Por falar nela, tenho de dar os parabéns à Ford. Precisa e com um curso curto, esta encontra-se à altura da caixa usada (e muito elogiada) no Mazda CX-3 e relembra-nos o porquê de ser importante salvar este tipo de transmissão, que tanto contribui para uma condução interativa.

Já quando acaba o asfalto, o modo “Deslizante” (que desliga parcialmente os controlos de tração e estabilidade) permite-nos ir um pouco mais longe — uma opção incomum até em propostas que se auto-denominam SUV.

Quanto aos consumos, não foi difícil conseguir médias de 5 l/100 km em circuitos mistos e mesmo quando me deixei entusiasmar pelo conjunto motor/caixa/chassis estas não andaram longe dos 6,5 l/100 km.

Ford Fiesta Active
Como seria de esperar, o interior mistura materiais mais duros na zona inferior do tablier com mais macios na zona superior e onde mais tocamos. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Testámos o novo Nissan Juke 2020 (vídeo). TUDO o que precisas de saber

É o carro certo para mim?

Num mercado onde os SUV são cada vez mais os reis, ao criar uma versão mais aventureira do seu “eterno” Fiesta, a Ford dá-nos uma interessante alternativa.

Nem todos precisamos de um mais volumoso e caro SUV, mas apreciamos o visual mais aventureiro que nos permite distinguir da multidão, e apreciamos também os práticos centímetros adicionais de altura ao solo que oferecem uma utilização mais descansada e versátil do utilitário.

Ford Fiesta Active
A fórmula usada no Ford Fiesta Active é, na minha opinião, a ideal para um utilitário. Alia uma maior versatilidade como um pequeno SUV à facilidade de utilização de um utilitário. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

O Ford Fiesta Active não faz tantas concessões à praticabilidade como um B-SUV faz, assumindo-se como uma proposta mais indicada para quem não precisa de muito espaço.

Dinamicamente entusiasmante, com um motor competente e apto para nos levar um pouco mais longe, o Fiesta Active parece reunir fortes argumentos para quem precisa de mais versatilidade, mas não precisa ou não se quer “render” aos valores familiares da maioria dos SUV.

Nota: A Ford deixou de comercializar, muito recentemente, o Fiesta Active com o motor 1.0 EcoBoost de 125 cv. Por enquanto ainda é possível encontrar unidades disponíveis em stock. O Ford Fiesta Active passa a estar disponível apenas com o 1.0 EcoBoost de 95 cv e o 1.5 TDCI de 85 cv. O 1.0 EcoBoost de 125 cv está disponível apenas com o Fiesta Vignale.

Preço

unidade ensaiada

24.568

Versão base: €21.397

IUC: €103

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 998 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção Direta + Turbo + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: 125 cv às 6000 rpm
    • Binário: 170 Nm entre as 1400 e as 4500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de seis velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4068 mm / 1756 mm / 1498 mm
    • Distância entre os eixos: 2493 mm
    • Bagageira: 311 litros
    • Jantes / Pneus: 205/45 R17
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 4.9 l/100 km
    • Emissões de CO2: 139 g/km
    • Vel. máxima: 196 km/h
    • Aceleração: 10,3s
  • Equipamento
    • Faróis de nevoeiro
    • Faróis e limpa para-brisas automáticos
    • Jantes de liga leve de 17" Active
    • Kit carroçaria exterior Active
    • Ford EasyFuel
    • Ar condicionado Automático
    • Sistema de com Navegação, ecrã tátil a cores de 8" + Ford SYNC 3+FPassConnect
    • Consola central premium com apoio de braços
    • Sistema de Som Premium B&O Play
    • Estofos parcialmente em couro Active
    • Controlo automático de velocidade
    • Ford MyKey
    • Selector de 3 modos de condução: Normal / Eco / Slippery
    • ABS com distribuição electrónica da força de travagem (EBD)
    • ESP – Controlo Electrónico de Estabilidade e Assistência à travagem de emergência (EBA)
    • Assistente de Arranque em subidas (HLA)
    • Aviso de saída de estrada com manutenção em faixa
    • Direcção Assistida Electrónica
    • Airbags do condutor e passageiro; laterais à frente; cortinas laterais insufláveis
Extras
Pintura “Frozen White” — 203 €; Tecto panorâmico com abertura eléctrica — 712 €; Vidros eléctricos atrás — 127 €; Vidros escurecidos — 122 €; Sistema de chave inteligente — 254 €; Protecção das portas — 127 €; Pack Tech 3 (Controlo automático de velocidade adaptativo ACC+ Assistência à pré-colisão com alerta de distância + Reconhecimento de Sinais de Trânsito + Alerta ao condutor + Faróis máximos automáticos) — 407€; Faróis Full LED — 559 €; Câmera de visão traseira — 457 €; Sistema auxiliar de estacionamento atrás (inclui retrovisores eléctricos e aquecidos) — 203 €.
Avaliação
7 / 10
Devo admitir que gosto do Ford Fiesta Active. Mais alto que os Fiesta "normais", mas sem se focar em demasia nas tarefas familiares como os B-SUV, o Fiesta Active consegue realmente conjugar o melhor dos utilitários e dos pequenos SUV, oferecendo uma versatilidade de utilização desconhecida aos utilitários e uma competência dinâmica que os SUV só podem invejar. Ahh, e tudo isto enquanto recorre a um motor que lhe assenta como uma luva.
  • Comportamento
  • Relação motor/caixa
  • Versatilidade
  • Capacidade da bagageira
  • Alguma lentidão do sistema de infotainment
Sabes responder a esta?
Qual é a velocidade máxima do Volvo XC60 Polestar Engineered?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Performance sueca. Testámos o Volvo XC60 Polestar Engineered

Mais artigos em Testes, Ensaio