Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

Porsche Macan (2022). A última renovação antes de passar a ser 100% elétrico

Há uma dupla estratégia para o futuro do Porsche Macan. No imediato o SUV alemão terá uma evolução (que irá estar à venda até 2025), mas dentro de dois anos vai ser lançado como 100% elétrico.

Na vida das empresas há decisões que são difíceis de tomar, como a de mudar por completo um modelo que gera receitas chorudas, como é o caso do Porsche Macan (600 000 unidades vendidas desde a primeira geração em 2014 e sempre com margens saudáveis de lucros).

Há dois anos, quando o diretor executivo da Porsche, Oliver Blume, declarou que não haveria mais motores Diesel na sua marca, houve algum desconforto na rede de concessionários, porque a maioria dos clientes europeus se inclinavam para os SUV Diesel da Porsche, isto apesar da China ser o maior mercado do Macan.

E agora voltava a haver o risco de criar descontentamento interno e em muitos clientes se se confirmasse que o sucessor do Macan apenas teria uma versão 100% elétrica, o que motivou um ajuste da estratégia. Assim, o atual Macan vai continuar no portfolio da Porsche até meados da presente década (2025), com alguns retoques no design exterior e uma nova geração de sistema operativo no interior, para que possa manter-se comercialmente competitivo.

VEJAM TAMBÉM: Novo Porsche 911 Safari a caminho? Fotos-espia “apanham” protótipo
Porsche Macan GTS e Macan S 2022
Porsche Macan GTS e Macan S

“Na Europa a procura de automóveis elétricos está a aumentar exponencialmente, mas noutras regiões do mundo esse crescimento será forçosamente mais moderado. (Razão pela qual) o atual Macan está a ser refrescado visualmente, funcionalmente e também com melhorias nas suas motorizações convencionais”.

Michael Steiner, administração da Porsche

Muda mais por dentro do que por fora

O que menos muda é o design exterior, com ligeiros retoques no nariz do SUV médio (em negro), um novo difusor na traseira e passando os faróis LED com funcionamento dinâmico a ser de série em todas as três versões deste modelo.

Por dentro a evolução é bastante mais significativa, com a estreia de uma nova geração de sistema de infoentretenimento: os botões deram quase todos lugar a comandos táteis no novo ecrã central de 10,9”, com um novo sistema operativo e esta nova consola central completa-se com um novo seletor de transmissão (sempre a automática PDK, de sete velocidades, com dupla embraiagem).

O volante multifuncional e mais desportivo também é novo (“cedido” pelo novo 911), mas a Porsche ficou a meio caminho nesta renovação ao decidir manter a instrumentação analógica diante dos olhos do condutor.

Motores ganham rendimento

Mecanicamente existem evoluções interessantes. O pequeno quatro cilindros de 2.0 l (preferido no mercado chinês) recebe 20 cv e 30 Nm adicionais, para um rendimento máximo de 265 cv e 400 Nm, determinantes para que o sprint de 0 a 100 km/h se possa fazer em 6,2s e a velocidade máxima alcance os 232 km/h (contra os 6,7s e 225 km/h do antecessor).

Um degrau acima, o Macan S tem um incremento de potência superior (26 cv), para um total de 380 cv e os mesmos 480 Nm que antes, cortando 0,7s na aceleração de 0 a 100 km/h (de 5,3s para 4,6s) e elevando a velocidade de ponta de 254 km/h para 259 km/h.

VEJAM TAMBÉM: Q6 e-tron. As primeiras fotos-espia do novo SUV 100% elétrico da Audi

Finalmente, o Macan GTS eleva a potência máxima em 60 cv, passando de 380 cv para 440 cv, o que lhe permitirá suprir a falta da versão Macan Turbo que deixou de existir. O GTS será capaz de disparar até aos 100 km/h em 4,3s (anteriormente 4,9s) e de prosseguir até aos 272 km/h (261 km/h anteriormente).

 

Mesmo assim, tal como acontece atualmente com o Macan Turbo, o novo Macan GTS continuará a ter dificuldades em ombrear com os rivais BMW X3 M/X4 M, o Mercedes-AMG GLC 63 ou até o Alfa Romeo Stelvio Quadrifoglio, que ficam sempre acima dos 500 cv de potência máxima.

A versão de topo dispõe de suspensão pneumática de série, que reduz a altura ao solo em 10 mm e torna a rigidez mais elevada (10% no eixo dianteiro e 15% no traseiro). Todos os Macan têm tração integral e, à exceção do modelo mais acessível, controlo variável do amortecimento em cada roda (PASM). O Macan GTS pode ainda tornar-se mais desportivo e eficaz com o Pacote Sport que inclui jantes de 21” com pneus mais desportivos, sistema de vetorização de binário Porsche Plus e pacote Sport Chrono.

Elétrico em desenvolvimento

Em outubro teremos, então, a melhorada geração do Macan nas estradas, enquanto decorrem também os testes dinâmicos do futuro modelo, totalmente elétrico.

porsche-macan-electrico
Michael Steiner, da administração Porsche, entre dois dos protótipos de desenvolvimento do novo Macan elétrico.

Depois das primeiras sessões de desenvolvimento dentro de portas, no circuito de testes de Weissach, em junho começaram as primeiras saídas para asfaltos públicos, com os SUV devidamente camuflados: “o momento de início dos testes em ambiente real é um dos mais importantes em todo o desenvolvimento”, garante Steiner. Aos incontáveis quilómetros “feitos” por simulação em computador, o Macan 100% elétrico juntará cerca de três milhões de quilómetros reais quando for lançado no mercado, em 2023.

TÊM DE VER: Novo Porsche Macan 100% elétrico. Protótipos já estão na estrada

O trabalho está a ser feito sobre a nova plataforma elétrica PPE há já bastante tempo. “Começámos há cerca de quatro anos com os estudos aerodinâmicos em computador”, revela Thomas Wiegand, chefe de desenvolvimento de aerodinâmica. Como acontece com todos os veículos elétricos, a aerodinâmica é particularmente importante, pois mesmo as mais pequenas melhorias no fluxo de ar podem produzir bons resultados.

porsche-macan-electrico
Protótipos do Porsche Macan elétrico já estão na estrada, mas a estreia comercial só vai acontecer em 2023.

Mas não só a aerodinâmica ou os primeiros milhares de quilómetros foram feitos em computador. Também o novo quadro de instrumentos e ecrã central foram desenvolvidos de forma puramente virtual e depois instalados nos primeiros painéis de bordo. “A simulação permite-nos avaliar os ecrãs, os processos operativos e a resposta geral do sistema mesmo antes de o cockpit estar pronto e de o colocarmos nas mãos de um engenheiro de testes no veículo”, explica Fabian Klausmann, do departamento de Experiência de Condução da Porsche.

Já Steiner salienta que “tal como o Taycan, o Macan elétrico terá prestações tipicamente Porsche graças à sua arquitetura de 800 V, o que quer dizer uma autonomia adequada para viagens longas, carregamentos rápidos de alto desempenho e performances dinâmicas de nível muito alto”. Ao mesmo tempo que deixa a promessa de que este será o modelo mais desportivo do seu segmento, ao contrário do que acontece na gama atual com motores a gasolina face à muito bem apetrechada concorrência alemã.

porsche-macan-electrico

O sistema de propulsão elétrica (da bateria ao motor) requer um conceito sofisticado de arrefecimento e de controlo de temperatura, muito diferentes do que acontece nos automóveis com motores de combustão. Enquanto estes têm uma temperatura ideal de funcionamento entre os 90 ºC e os 120 ºC, na propulsão elétrica os diversos componentes principais (eletrónica, bateria, etc) “gostam” de temperaturas mais amenas, entre os 20 ºC e os 70 ºC (dependendo do componente).

Autores: Joaquim Oliveira/Press-Inform.

Mais artigos em Notícias