Apresentação

Mais que uma renovação. Arteon Shooting Brake, Arteon R, Arteon eHybrid revelados

Novidades não faltam na renovação do Volkswagen Arteon que vão desde de novas versões — desportivas e híbridas — a uma inédita Arteon Shooting Brake.

Atualização? Mais parece o lançamento de um modelo 100% novo, tendo em conta o número de estreias com que a Volkswagen nos brindou na revelação do renovado e muito reforçado Arteon. A principal novidade é a já antecipada e estilizada carrinha Arteon Shooting Brake, mas não se fica por aqui.

Surge pela primeira vez um Arteon R, o novo topo de gama; e também pela primeira vez uma variante híbrida plug-in, o Arteon eHybrid.

E ainda há mais novidades mecânicas, tecnológicas e também visuais: o Arteon recebeu novas jantes, para-choques, passa a ser possível estender a assinatura luminosa pela grelha, e o interior também recebe uma nova consola central, além de iluminação ambiente.

TENS DE VER: Conduzimos o Volkswagen ID.3. Mais barato em Portugal do que na Alemanha

Volkswagen Arteon Shooting Brake

Começando pela novidade maior, a nova Shooting Brake adiciona ao Arteon uma mais prática, mas ao mesmo tempo cheia de estilo, variante carrinha.

As diferenças exteriores são óbvias — basta olhar para o seu volume traseiro. Apesar de manter o mesmo comprimento do carro, a Arteon Shooting Brake é ligeiramente mais alta (19 mm) e o desenvolvimento horizontal do tejadilho permite um importante ganho de espaço em altura atrás de 48 mm, além de que o acesso é também facilitado.

A capacidade da bagageira, por outro lado, mantém-se virtualmente idêntica (565 l contra 563 l do carro), mas pode crescer, com os bancos rebatidos, até aos 1632 l contra os 1557 l do carro.

Volkswagen Arteon R

Com a Arteon Shooting Brake chega também uma inédita versão R — disponível nas duas carroçarias —, que nos foi prometida, originalmente em… 2018.  E depois de muitas especulações sobre que motor estaria por baixo do capot — um novo VR6 foi colocado como hipótese na altura —, a Volkswagen optou por uma nova versão do ubíquo EA888 (Evo4).

Ou seja, é mais uma variante do mesmo quatro cilindros em linha de 2.0 l e turbo que podemos encontrar em tantos modelos do Grupo Volkswagen, desde o Golf GTI, ao CUPRA Ateca até ao Audi S3. No caso do Arteon R, ficamos a conhecer a sua versão mais potente até à data: 320 cv entre as 5350 e 6500 rpm complementado com fartos 420 Nm de binário às 2000 rpm. Valores que são transmitidos às quatro rodas via uma caixa de dupla embraiagem de sete velocidades (DSG).

2020 Volkswagen Arteon R
EA888, o 2.0 TSI que equipa o Arteon R
TENS DE VER: Volkswagen T-Roc R com 300 cv. O Hot SUV com sotaque português

O Arteon R e Arteon Shooting Brake R vêm ainda munidos com o R Performance Torque Vectoring (vetorização de binário). Este sistema gere a distribuição de binário entre os dois eixos e entre as rodas traseiras (uma roda pode receber até 100% do binário). A forma como a gestão é feita depende da posição do acelerador, ângulo da direção, aceleração lateral, velocidade e a velocidade angular da rotação sobre o eixo vertical (yaw). Ainda ao nível do chassis, o R vem com suspensão adaptativa de série (DCC).

Por fim, os Arteon R diferenciam-se pelo recurso a jantes de 20″ — e discos de 18″ com maxilas a azul —, distância ao solo reduzida em 20 mm, para-choques exclusivos, escape desportivo e, caso optem, pela cor Lapiz Blue, exclusiva para esta versão.

Volkswagen Arteon eHybrid

No outro lado do espectro surge também um inédito Arteon híbrido plug-in, o Arteon eHybrid e Arteon Shooting Brake eHybrid. A versão pode ser inédita, mas a cadeia cinemática é bem conhecida, partilhando-a com o Passat GTE — um modelo que já tivemos oportunidade de testar na Razão Automóvel. Vê na ligação abaixo:

TESTE: Familiar, desportiva e “poupadinha”? Testámos a híbrida (plug-in) Volkswagen Passat Variant GTE

Assim, tal como no Passat GTE, a dupla Arteon eHybrid casa um motor de combustão 1.4 TSi de 156 cv com um motor elétrico de 115 cv, disponibilizando uma potência combinada de 218 cv. A energia elétrica necessária ao motor elétrico provém de uma bateria de iões de lítio de 13 kWh, que promete até 54 km de autonomia 100% elétrica.

Do Passat GTE, o Arteon eHybrid também herda a DSG de seis velocidades — a tração continua a ser apenas dianteira — e os seus modos de condução, incluindo o modo mais desportivo GTE.

Ainda há mais novidades mecânicas

Não se ficam pelo R e pelo eHybrid as novidades por debaixo do capot. O Arteon introduz também uma nova variante do 2.0 TSI que funciona de acordo com o denominado ciclo B (de Budack, o seu inventor) de combustão, uma variante ou evolução dos mais conhecidos ciclos Atkinson e Miller.

O seu objetivo? Aumentar a eficiência da combustão, que a Volkswagen diz ser superior em 10% — resultando em menores consumos e emissões —, ainda que à custa de rendimento específico. Como funciona? Revê o nosso artigo que o explica em mais pormenor, quando o Grupo Volkswagen o revelou há três anos:

COMO FUNCIONA? Otto, Atkinson, Miller… e agora motores de ciclo B?

A sua maior eficiência é constatada na anunciada taxa de compressão de 12,2:1, um valor bastante elevado para um motor turbo — por norma a taxa de compressão de um moderno motor turbo é de 10:1. O motor em si debita 190 cv e 320 Nm entre as 1500 rpm e 4100 rpm.

O Arteon também recebeu a mais recente evolução do motor 2.0 TDI que vimos ser estreado pelo novo Golf, surgindo em dois patamares de potência, 150 cv e 200 cv, sempre associado à DSG de sete velocidades, com versões de duas rodas motrizes (150 cv e 200 cv) e quatro rodas motrizes (200 cv).

A grande novidade, tal como no Golf, está na adição de mais um catalisador SCR (redução catalítica seletiva), posicionado mais perto do motor, o que significa que atinge também mais rapidamente a sua temperatura ideal de funcionamento. O resultado: até 80% menos das nefastas emissões NOx (óxidos de azoto).

Por fim, encontramos o 1.5 TSI de 150 cv (ciclo Miller) e o 2.0 TSI de 280 cv, exclusivamente com tração às quatro rodas.

TENS DE VER: Os motores Diesel têm futuro? Qual a tua opinião?

E mais?

O renovado Arteon e a nova Arteon Shooting Brake também ganharam mais tecnologia. O destaque vai para o reforço dos sistemas de assistência à condução, com o Arteon agora a permitir condução semi-autónoma (nível 2) graças ao Travel Assist, que já vimos ser introduzidos noutros modelos da marca e do grupo.

O Arteon também recebe o mais recente sistema MIB3, o painel de instrumentos digital passa a ser de série, há um novo volante multifunções e até os comandos da climatização passam a ser… digitais, com uma solução idêntica em funcionamento à que vimos no Golf 8.

Também ao nível da conectividade, passa a estar disponível o We Connect e We Connect Plus, que permite, entre outros, navegação em tempo real e controlo de várias funções através do smartphone, com este até a poder servir de chave móvel do carro (só para alguns modelos Samsung).

2020 Volkswagen Arteon R Line
R Line
VÊ TAMBÉM: Coupés dos anos 90 (parte 1). Lembras-te de todos eles?

A gama

A renovação trouxe também uma gama Arteon reestruturada. Começando pelo Arteon “base”, este declina em duas versões equivalentes, mas específicas em propósito: uma mais requintada denominada Elegance e outra de aspeto mais desportivo denominada R Line. No topo reside o Arteon R e Arteon Shooting Brake R.

2020 Volkswagen Arteon R Line
R Line

Sabemos que chegarão ainda este ano, durante o mês de novembro, mas ainda não foram avançados preços para o renovado Arteon e para a inédita Arteon Shooting Brake.

Mais artigos em Notícias