Volkswagen Taigo 1.5 TSI 150 cv. A versão mais potente compensa?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 35 267 euros

Volkswagen Taigo 1.5 TSI 150 cv. A versão mais potente compensa?

Já o testámos na variante 1.0 TSI de 110 cv, mas será que este Volkswagen Taigo 1.5 TSI de 150 cv é o Taigo a ter?

O Volkswagen Taigo 1.5 TSI assume-se como o mais potente dos Taigo à venda, graças aos 150 cv declarados.

É por isso o Taigo com as melhores prestações e, graças à linha R-Line da unidade testada, tem um visual mais desportivo que «casa» bem com as suas pretensões mais dinâmicas.

Aliás, o Volkswagen Taigo, lançado no início do ano, onde aposta mais forte é precisamente no visual mais dinâmico ou não fosse este o primeiro “SUV-Coupé” da marca alemã.

VEJAM TAMBÉM: Toyota Yaris Cross testado. Demorou a chegar, mas tem argumentos para vingar?
Volkswagen Taigo dianteira
Pode ter algumas semelhanças com o T-Cross, mas a dianteira do Taigo não é igual à do outro SUV da Volkswagen no segmento B-SUV. © Sofia Teixeira, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Será, assim, este o Taigo que faz mais sentido ou basta o 1.0 TSI de 110 cv, que o Guilherme Costa testou no início do ano? Ou será que esses dois fatores — performance e estilo — são indiferentes perante as restantes qualidades do SUV germânico.

Diferente por fora…

Mais baixo que o T-Cross — 1,515 m contra 1,558 m — e 15 cm mais comprido, o Taigo destaca-se muito mais no trânsito do que o seu «irmão» de carácter mais familiar.

É verdade que a dianteira tem semelhanças visuais com a do T-Cross, mas a silhueta não podia ser mais distinta, muito graças à linha de tejadilho descendente, com o Taigo a ter um carácter bastante diferente.

Nesta versão R-Line, há ainda detalhes que mais ajudam ao Taigo destacar-se, seja pelas jantes de 18″ (opcionais; de série traz 17″) ou os logótipos “R” que a identificam.

Descubra o seu próximo carro:

… por dentro nem por isso

Se no exterior ninguém confunde o Taigo com o T-Cross, no interior já não acontece o mesmo. É impossível não constatar a proximidade do design do tabliê do Taigo com o do T-Cross.

É verdade que temos revestimentos um pouco mais agradáveis — por exemplo no topo do tabliê o material é mais macio e agradável ao toque — e mais opções de personalização, mas tudo o resto é idêntico.

Volkswagen Taigo interior
A robustez está em linha com os pergaminhos da Volkswagen. Já os comandos da climatização que são superfícies táteis, não são os mais práticos de se usar. © Sofia Teixeira, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Isto quer dizer que temos uma montagem à prova de críticas e uma boa ergonomia cuja única exceção são os comandos táteis da climatização, cuja utilização durante a condução não é tão intuitiva como a dos comandos físicos rotativos.

Quanto ao espaço a bordo, o recurso à plataforma MQB-A0 «dá frutos». O espaço atrás permite transportar dois adultos (ou duas cadeiras de criança) com conforto. Já a bagageira com 438 l está a meros sete litros de capacidade do T-Roc.

O motor certo?

Se no exterior e no interior a versão R-Line vai ao encontro do visual mais dinâmico do Taigo, é ao volante do SUV alemão que este «casamento» entre o motor mais potente e a linha mais desportiva faz mais sentido.

Sem ter o «nervo» do 1.0 Ecoboost de 155 cv que testei não faz muito tempo no Ford Puma, o 1.5 TSI não desilude, mostrando uma agradável disponibilidade desde os baixos regimes — os 250 Nm de binário estão disponíveis entre as 1500 rpm e as 3500 rpm.

Volkswagen Taigo motor
Com 150 cv, o 1.5 TSI «casa» bem com o visual dinâmico do Taigo. © Sofia Teixeira, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Sem modos de condução para «mascarar» a sua resposta, este motor permite impor ritmos mais condizentes com o visual dinâmico do Taigo e, acima de tudo, bem superiores aos permitidos pelo 1.0 TSI.

A auxiliá-lo temos a caixa DSG (dupla embraiagem) de sete relações à qual apenas posso repetir, mais uma vez, os elogios que tenho feito uma e outra vez a esta transmissão: é rápida, suave e bem escalonada.

Tal como referi quando testei o T-Roc 1.5 TSI, também no Taigo este 1.5 TSI acaba por ser a escolha mais adequada para quem não se desloca maioritariamente em cidade.

As recuperações são mais lestas e as ultrapassagens tornam-se mais fáceis em estrada e autoestrada e, talvez mais importante, os consumos nem se ressentem assim tanto.

Acabei este teste com uma média de 5,6 l/100 km, um valor obtido em percursos que incluíram desde longas tiradas em autoestrada a velocidades de cruzeiro elevadas até situações típicas de «pára-arranca» citadino.

Esta frugalidade deve-se, em parte, ao sistema que permite desativar dois dos quatro cilindros quando estes não são necessários e cujo funcionamento é quase imperceptível.

VEJAM TAMBÉM: SEAT Arona FR testado. Ainda competitivo e divertido de conduzir?

Dinâmica à altura do visual

Graças ao motor mais potente, é também possível explorar um pouco melhor as aptidões dinâmicas do SUV germânico. Numa estrada sinuosa o Taigo acabou por se revelar como um dos B-SUV mais interessantes de conduzir.

Volkswagen Taigo jantes
As jantes de 18” são opcionais, mas o conforto a bordo não parece ter sido afetado. © Sofia Teixeira, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Não, não é tão divertido como o Puma, pois a aposta do modelo da Volkswagen é outra: a eficácia.

As curvas sucedem-se a bom ritmo e só o jogo de pneumáticos da unidade ensaiada obrigou a «refrear» a velocidade de passagem em curva. Já a direção precisa e de peso correto dá-nos confiança na hora de enfrentar os traçados sinuosos. E o amortecimento consegue um bom compromisso entre conforto e comportamento.

Por fim, a elevada estabilidade verificada em autoestrada deixa bem evidente que parte do desenvolvimento do Taigo teve de passar pelas autobahn, as autoestradas alemãs.

Volkswagen Taigo traseira © Sofia Teixeira, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

É o carro certo para si?

Derivado do T-Cross, o Volkswagen Taigo junta aos argumentos do seu «irmão» de cariz mais familiar — boa habitabilidade e uma elevada robustez — um visual mais dinâmico e apelativo e uma bagageira maior.

Face às outras duas motorizações presentes na gama — o 1.0 TSi de 95 cv ou 110 cv —, este 1.5 TSI de 150 cv ganha em todos os fatores de avaliação: permite melhores prestações e consegue até ser mais económico que o mil de três cilindros que equipa os outros Taigo.

Claro que equipado com um motor 50% maior, o Taigo 1.5 TSI é também muito mais caro que o equivalente 1.0 TSI, devido ao nosso ISV.

São 4000 euros de diferença — empurrando o preço para mais de 35 000 euros, um valor muito elevado —, o que pode ser uma diferença grande de mais para dar o salto para aquele que é motor mais adequado ao Taigo.

Preço

unidade ensaiada

35.267

Versão base: €37.131

IUC: €139

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1498 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta + Turbo + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válv. por cil. (16 válv.)
    • Potência: 150 cv entre as 5000-6000 rpm
    • Binário: 250 Nm entre 1500-3500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática DSG de sete velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4266 mm / 1757 mm / 1515 mm
    • Distância entre os eixos: 2554 mm
    • Bagageira: 440 litros
    • Jantes / Pneus: 215/45 R18
    • Peso: 1304 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,1 l/100 km
    • Emissões de CO2: 140 g/km
    • Vel. máxima: 212 km/h
    • Aceleração: 8,3s
  • Equipamento
    • Apoio braço diant. c/ 2 entradas USB-C
    • Banco dianteiros com regulação em altura
    • Bancos dianteiros Top Confort
    • Barras de tejadilho em preto
    • Capas dos pedais em alumínio
    • Espelhos de cortesia iluminados nas palas do sol
    • Forro do tejadilho em preto
    • Manípulo da alavanca de velocidades em couro
    • Punho da alavanca do travão de mão em couro
    • Retrovisores exteriores rebatíveis eletricamente
    • Volante multifuncões em couro
    • Ar condicionado automático Climatronic
    • Digital Cockpit Pro
    • Faróis Anti-Nevoeiro
    • Faróis IQ.LIGHT LED Matrix (inclui: friso iluminado em LED entre os faróis dianteiros; sistema Dynamic Light Assist; sistema de controlo de alcance de faróis; faróis de nevoeiro dianteiros e luzes de canto)
    • Faróis traseiros em LED
    • Apple Car Play & Android Auto sem fios
    • Rádio "Ready 2 Discover" com ecrã tátil de 8''; preparação para ativação de navegação posteriormente via in-Car Shop Serviços Online
    • Jantes de 17''
    • Câmara multifuncões
    • Monitorização de peões e ciclistas
    • Sensores de estacionamento frente e trás
    • Sistema "Front Assist" com sistema de travagem de emergência em cidade (City Emergency Brake)
    • Sistema Travel Assist (inclui: sistema Travel Assist com Lane Assist e Front Assist em combinação com Cruise Control Adaptativo)
    • Sistema de detecão de fadiga
Extras
Vermelho Kings — 645 €; Sistema Keyless — 360 €; Bluetooth com carregamento indução — 114 €; Jantes 18'' Misano — 327 €; Câmara traseira — 271 €; Pacote Lights & Vision — 147 €.
Avaliação
7 / 10
Há carros que pelo seu visual mais dinâmico «pedem» um motor que garanta melhores prestações. Para o Volkswagen Taigo o 1.5 TSI de 150 cv é esse motor, que oferece prestações condizentes com esse visual mais dinâmico, sem sacrificar os consumos que são comedidos. Contudo, a penalização no preço final do Taigo é excessiva.
  • Bagageira
  • Estilo distinto
  • Relação prestações/consumos
  • Robustez
  • Comandos táteis da climatização
  • Preço
Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançado o Volkswagen Golf R32?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Glórias do Passado. Volkswagen Golf R32, o primeiro R

Mais artigos em Testes, Ensaio