Ford Puma ST-Line Vignale com 155 cv. O melhor Puma de todos?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 32 916 euros

Ford Puma ST-Line Vignale com 155 cv. O melhor Puma de todos?

Com 155 cv, o Ford Puma ST-Line Vignale tenta aliar luxo e desportividade. Será esta a melhor opção dentro da gama?

O Ford Puma já foi várias vezes elogiado pelo seu comportamento dinâmico, mas a verdade é que para extrair o melhor do seu chassis parece que a regra é quanto mais potência, melhor.

É aí que «entra em ação» o Puma ST-Line Vignale, uma versão que mistura o maior requinte das versões Vignale com o carácter mais desportivo associado às variantes ST-Line.

Carácter desportivo que se vê reforçado por vir equipado com a versão mais potente do 1.0 EcoBoost que anuncia 155 cv — acima deste só existe o mais exclusivo e radical Puma ST. Será esta a melhor opção no Puma?

A NÃO PERDER: Testámos o Volkswagen T-Roc@PT. O que é nacional é bom?
Ford Puma ST Line traseira © Fernando Gomes, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Refinado e bem equipado

No exterior, o «casamento» entre a versão ST-Line e a Vignale passa algo despercebido, assumindo, sobretudo, um visual mais em linha com o «espírito desportivo» associado à versão ST-Line do que ao visual mais «luxuoso» das variantes Vignale.

Já no interior, a «fusão» ST-Line/Vignale resulta num dos ambientes mais refinados entre os B-SUV. A montagem está em bom plano e os materiais são agradáveis ao tato e à vista, pelo menos nas zonas com que acabamos por ter mais contacto.

A oferta de equipamento de série é também bastante completa e a ergonomia relembra-nos que, por vezes, as soluções consagradas — como a manutenção dos comandos físicos da climatização — são a melhor opção.

Descubra o seu próximo carro:

Cumprir as expectativas

Apesar de o Ford Puma apresentar cotas de habitabilidade mais do que enquadradas na média do segmento, o lugar mais desejado a bordo do SUV da Ford é mesmo o do condutor.

Mal colocamos o multipremiado 1.0 EcoBoost em funcionamento a sua sonoridade relembra-nos de que tem apenas três cilindros, mas a sua desenvoltura faz questão de nos recordar do porquê de ter sido tantas vezes elogiado.

 

Se os 190 Nm de binário não são particularmente elevados, o facto de estarem disponíveis entre as 1900 rpm e as 5500 rpm permitem uma agradável desenvoltura.

Além disso, a caixa de dupla embraiagem de sete relações permite extrair o melhor deste tricilíndrico, principalmente quando selecionamos o modo “Sport”. Neste a caixa muda mais tarde de relação e a resposta do motor é mais imediata e «em linha» com o carácter felino associado ao nome do modelo da Ford.

bancos dianteiros do Ford Puma ST-Line Vignale
Os bancos são confortáveis e oferecem um bom apoio lateral. © Fernando Gomes, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Não, não ficamos com um Puma «efervescente» como o Puma ST, mas os 155 cv já permitem impor ritmos bastante interessantes e, acima de tudo, explorar as potencialidades do chassis do SUV da Ford.

VEJAM TAMBÉM: Novo Suzuki Vitara híbrido promete consumos mais baixos. Cumpre o prometido?

Sim, as jantes de 19” associadas a pneus de baixo perfil e a um amortecimento algo seco fazem com que o Puma não seja uma referência no campo do conforto — concorrentes como o Renault Captur ou o Skoda Kamiq fazem melhor), mas depressa nos esquecemos disso quando o levamos para uma estrada recheada de curvas.

Numa estrada com essas características a direção precisa, direta e com bom peso começa por nos «ligar» muito bem à estrada; depois é a vez da suspensão nos impressionar pelo bom controlo dos movimentos da carroçaria; por fim, todo o chassis mostra-nos que os B-SUV também podem ser divertidos de conduzir.

Uns dias ao volante do Ford Puma relembram-nos que a forma mais rápida de ligar dois pontos até pode ser uma reta, mas a forma mais divertida de o fazer é mesmo o percurso que tem mais curvas.

E os consumos?

Tal como o seu nome indica, o 1.0 EcoBoost tenta conjugar o melhor de dois mundos: boas prestações e consumos comedidos. Após alguns dias ao volante do Puma posso-vos dizer que este motor consegue cumprir com aquilo a que se propõe.

Do lado das prestações está entre as propostas mais interessantes nesta faixa de potência, este mil turbo de três cilindros equipara-se até a propostas de potência semelhante, mas com mais capacidade e um cilindro — como o 1.5 TSI do Grupo Volkswagen.

Quanto aos consumos, o melhor é deixar os números falarem por si. Quando devolvi o Ford Puma ST-Line Vignale o computador de bordo assinalava 5,8 l/100 km, um valor alcançado em percursos que contemplaram muitos quilómetros em autoestrada, mas também as habituais filas de trânsito de início e fim do dia.

Aliás, mesmo quando «puxei» mais pelo Puma a média não subiu para valores proibitivos — o valor mais alto que vi foi de 8,3 l/100 km, após «atacar» um traçado mais sinuoso com mais ímpeto.

Parte desta poupança é conseguida graças ao sistema mild-hybrid que surge associado a este motor e que apesar de discreto no funcionamento não deixa «créditos por mãos alheias».

É o carro certo para si?

Se nas versões menos potentes o Ford Puma já era uma opção a ter em conta para todos os que querem «aderir à moda» dos B-SUV, mas não abdicam de um modelo divertido de conduzir, nesta variante ST-Line Vignale com o 1.0 EcoBoost de 155 cv o modelo da Ford faz ainda mais sentido — ainda que o preço elevado possa afastar mais que atrair.

A juntar ao bom comportamento dinâmico e às prestações interessantes, o Puma ST-Line Vignale oferece ainda bastante equipamento de série e, claro está, os argumentos que são reconhecidos a toda a gama: uma bagageira espaçosa e níveis de habitabilidade que, sem serem referenciais, estão longe de desiludir.

Preço

unidade ensaiada

37.694

Versão base: €32.916

IUC: €139

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cil. em linha
    • Capacidade: 998 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Inj. direta; Turbo; Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válvulas por cilindro (12 válv.)
    • Potência: 155 cv às 6000 rpm
    • Binário: 190 Nm entre 1900-5500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática (dupla embraiagem) de 7 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4207 mm / 1805 mm / 1534 mm
    • Distância entre os eixos: 2588 mm
    • Bagageira: 401 litros
    • Jantes / Pneus: 225/40 R19
    • Peso: 1334 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,3 l/100 km
    • Emissões de CO2: 142 g/km
    • Vel. máxima: 185 km/h
    • Aceleração: 10,3s
  • Equipamento
    • Embaladeiras nas portas dianteiras
    • Faróis de nevoeiro com luzes de canto
    • Faróis máximos automáticos
    • Faróis Full LED
    • Grelha exclusiva Vignale com friso cromado
    • Limpa pára-brisas com sensor de chuva
    • Luzes traseiras LED
    • Pára-choque dianteiro/traseiro desportivo da cor da carroçaria
    • Pára-brisas acústico e laminado e com aquecimento parcial
    • Retrovisores exteriores eléctricos, aquecidos e rebatíveis
    • Spoiler
    • Tubo de escape com acabamento cromado
    • Travões de disco à frente e atrás
    • Ajuste manual em 4 posições do banco do condutor e com função de massagem
    • Ar condicionado automático
    • Bancos desportivos
    • Bancos dianteiros aquecidos
    • Carregador sem fios
    • Consola central com apoio de braços e espaço de arrumação
    • Estofos em couro sintético Windsor
    • Navegação Premium com B&O + 10 colunas + SYNC3 + 2 USB + DAB
    • Painel de instrumentos com ecrã a cores de 12,3''
    • Palas do sol com luzes de cortesia
    • Piso da bagageira duplo
    • Porta-luvas com iluminação
    • Sistema auxiliar de estacionamento frente e atrás
    • Vidros escurecidos
    • Volante forrado a couro
    • Controlo automático de velocidade com limitador de velocidade
    • Limitador de velocidade inteligente+reconhecimento sinais trânsito
    • Sistema de aviso de saída de estrada com manutenção em faixa
    • Sistema de controlo da pressão dos pneus
    • Suspensão desportiva
    • Trancagem eléctrica das portas com fecho central
Extras
Pintura “Desert Island Blue” — 559 €; Abertura eléctrica da bagageira (inclui sistema de chave inteligente-botão Ford Power e retrovisores rebatíveis) — 610 €; Tecto Panorâmico Open Air — 1017 €; Roda suplente mini — 102 €; Pack Tech (inclui: Sistema de deteção de ângulo morto (BLIS); ACC com função Stop & Go com transmissão automática; Sistema de reconhecimento de sinais de trânsito; Sistema de pré-colisão; Sistema de estacionamento automático) — 1321 € ; Pack Winter (inclui:Párabrisas “Quickclear”, bancos da frente e volante aquecidos) — 559 €; Jante Liga Leve 19” — 610 €.
Avaliação
8 / 10
O Ford Puma é daqueles modelos cujo comportamento dinâmico pede que não se opte pelas versões menos potentes e por isso esta variante ST-Line Vignale com o 1.0 Ecobost de 155 cv parece fazer mais sentido. Não é um Puma ST, mas já nos permite explorar um pouco mais o bom comportamento do Puma ao mesmo tempo que nos proporciona bons consumos e prestações interessantes. Em tudo o resto o Puma continua a ser uma boa opção dentro do segmento, sendo que nesta versão a oferta generosa de equipamento de série reforça os seus argumentos.
  • Comportamento dinâmico
  • Robustez
  • Relação prestações/consumos
  • Desempenho do motor
  • Preço
  • Ruído de rolamento
Sabe responder a esta?
Em que modelo se baseava o Mazda 121?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Antes do Mazda2 Hybrid, também o Mazda 121 usou a mesma «receita»

Mais artigos em Testes, Ensaio