Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

Daytona SP3. O Ferrari de combustão mais potente de sempre traz «faróis escamoteáveis»

Limitado a 599 unidades, o Ferrari Daytona SP3 é o novo membro da gama Icona da marca de Maranello e uma homenagem à vitória alcançada nas 24 Horas de Daytona de 1967.

Depois dos Monza SP1 e SP2 em 2018, a gama Icona da Ferrari recebeu agora o seu terceiro membro: o Ferrari Daytona SP3. Ao contrário dos seus «irmãos», o Daytona SP3 está mais apto a circular nas vias públicas em todo o mundo (por exemplo, tem um para-brisas), mas nem por isso é menos espetacular.

Uma homenagem ao resultado alcançado nas 24 Horas de Daytona de 1967 (prova na qual a Ferrari ficou com os 1.º, 2.º e 3.º lugares), o Ferrari Daytona SP3 partilha a monocoque em fibra de carbono com o LaFerrari, mas abdica da tecnologia híbrida, algo que o ajudou a ficar-se pelos 1485 kg (peso a seco e com opções lightweight instaladas).

Em vez disso, o primeiro Ferrari com um motor V12 em posição central traseira desde o lançamento do LaFerrari em 2013, apresenta-se com o motor de combustão interna mais potente alguma vez instalado num carro de estrada da marca de Maranello.

A NÃO PERDER: Ferrari junta-se à empresa do ex-designer da Apple, Jony Ive. O que vem aí?
Ferrari Daytona SP3

Os números do Daytona SP3

Com o nome de código F140HC este 6.5 V12 a 65º é baseado no usado pelo 812 Competizione. Após ter recebido um escape e admissão melhorados, bielas em titânio e uma cambota mais leve, este motor passou a debitar 840 cv às 9250 rpm e 697 Nm de binário às 7250 rpm (mais 10 cv e 5 Nm que o 812 Competizione). Já o limitador surge apenas às 9500 rpm.

A enviar os 697 Nm de binário para as rodas traseiras encontramos uma versão mais rápida da caixa automática (dupla embraiagem) de sete relações usada pelo 812 Competizione. Tudo isto permite ao novo Ferrari Daytona SP3 alcançar os 100 km/h em 2,85s, os 200 km/h em 7,4s e acelerar até aos 340 km/h de velocidade máxima.

Equipado com um diferencial autoblocante eletrónico (e-Diff 3.0) o Ferrari Daytona SP3 conta ainda com diversos sistemas eletrónicos de ajuda à condução como a mais recente geração do sistema SSC 6.1 (Side Slip Angle Control) ou o FDE (Ferrari Dynamic Enhancer).

A NÃO PERDER: Fim dos motores de combustão em 2035? A Ferrari diz não ter problemas com isso

Inspirado no passado

Apesar do foco no desempenho aerodinâmico, o Ferrari Daytona SP3 não esconde a inspiração noutros modelos icónicos da marca de Maranello.

O para-brisas, por exemplo, traz à memória o usado pelo Ferrari P3/4 de competição, enquanto o formato dos guarda-lamas dianteiros relembram os de modelos de competição do passado como os 512 S, 712 Can-Am ou 312 P.

Contudo, um dos maiores chamarizes na dianteira do Daytona SP3 são mesmo os seus faróis. É que à frente destas unidades com tecnologia LED a Ferrari instalou duas «pálpebras» retráteis numa referência clara aos faróis escamoteáveis que outrora eram a norma entre tantos desportivos e superdesportivos.

Já na traseira é difícil não relembrar o saudoso Testarossa — é também uma referência clara ao Ferrari 250 P5 (1968), um concept desenhado pela Pininfarina — ao olhar para a solução adotada pelo Daytona SP3, com diversas «lâminas» a surgirem por cima do difusor traseiro e a integrarem no topo uma fina faixa LED para os grupos óticos.

LEIAM TAMBÉM: Tipo F134. O motor com três cilindros, a dois tempos e com um compressor desenvolvido pela… Ferrari!?

Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelado o Ferrari 365 GT4 BB?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Fomos enganados. Afinal BB em Ferrari 365 GT4 BB não significa Berlinetta Boxer

Mais artigos em Notícias