Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Restomod

Lembram-se do Testarossa da Officine Fioravanti? Está pronto e ultrapassa os 300 km/h

Tal como prometido, o Ferrari Testarossa "atualizado" pela Officine Fioravanti é capaz de atingir uns impressionantes 323 km/h de velocidade máxima.

À primeira vista o Ferrari Testarossa que vos mostramos neste artigo até pode parecer exatamente igual ao modelo que desde os anos 1980 encanta os petrolhead um pouco por todo o mundo. Contudo, acreditem quando vos dizemos que este não é um Testarossa igual aos outros.

Fruto do trabalho da empresa suíça Officine Fioravanti, este Testarossa é o mais recente exemplo de uma “moda” que tem cada vez mais adeptos: o restomod. Assim, às icónicas linhas do modelo transalpino juntaram-se as mais recentes tecnologias e um nível de performance consideravelmente superior ao oferecido pelo modelo original.

Mas comecemos pela estética. Neste campo a Officine Fioravanti optou por manter quase tudo na mesma, afirmando que “não há razão para dar mais uma lição a um maestro”. Assim, as únicas novidades no exterior surgem no campo da aerodinâmica que, graças à carenagem total da parte inferior do chassis, saiu muito beneficiada.

A NÃO PERDER: Ferrari junta-se à empresa do ex-designer da Apple, Jony Ive. O que vem aí?

Trazer o interior para o século XXI

Se no exterior não há novidades, o mesmo não acontece no interior. Completamente revestido a couro italiano, este viu os comandos em plástico darem lugar a equivalentes em alumínio e acolheu um novo sistema de som que não só conta com Apple CarPlay como apresenta uma “obrigatória” ficha USB-C.

Já as comunicações com o “exterior” são asseguradas através de um telemóvel vintage (tipicamente da década de 1980) que se liga ao Testarossa através de Bluetooth.

Ferrari Testarossa restomod_3 Officine Fioravanti

Mais potente e mais rápido

Tal como no interior, também no campo da mecânica a “preocupação” passou por trazer o Testarossa para o século XXI, oferecendo-lhe prestações e um comportamento dinâmico à altura do que de melhor são capazes os superdesportivos modernos.

Apesar de ter mantido o V12 a 180º com 4.9 l de capacidade, o Testarossa viu a potência subir dos originais 390 cv para uns bem mais interessantes 517 cv alcançados às 9000 rpm. Para conseguir este aumento a Officine Fioravanti melhorou diversos componentes do V12 e ofereceu-lhe até um escape em titânio.

Tudo isto, associado a uma poupança de 130 kg, permitiu melhorar consideravelmente as performances do Ferrari Testarossa, levando-o a alcançar os tais 323 km/h de velocidade máxima que a empresa suíça havia estabelecido como “meta” quando se lançou neste restomod.

LEIAM TAMBÉM: Perfeição? Este «restomod» do Giulia GT Junior tem o V6 do novo Giulia GTA

Ligações ao solo não foram esquecidas

Para garantir que este Ferrari Testarossa não servia apenas para “andar a direito”, a Officine Fioravanti equipou-o com amortecedores eletronicamente controlados da Öhlins, um sistema capaz de elevar a dianteira em 70 mm (muito útil para entrar e sair de garagens) e barras estabilizadoras ajustáveis.

Além de tudo isto, o Testarossa conta com um sistema de travagem melhorado da Brembo, ABS, controlo de tração e novas jantes de liga leve (de 17” à frente e 18” atrás) que surgem “calçadas” com uns Michelin GT3.

Agora que a Officine Fioravanti já revelou o “seu” Ferrari Testarossa (e logo na cor branca com a qual o modelo se celebrizou na série “Miami Vice”), resta apenas saber em quanto é que a empresa suíça avaliou este ícone melhorado.

Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelado o Ferrari 365 GT4 BB?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Fomos enganados. Afinal BB em Ferrari 365 GT4 BB não significa Berlinetta Boxer

Mais artigos em Notícias