Desde 35 021 euros

O melhor do segmento? Novo Audi A3 Sportback S Line 30 TDI testado

Nada melhor que uma longa viagem para descobrir se a fórmula que sempre caracterizou o Audi A3 Sportback se mantém válida nesta nova e evoluída geração.

Nem sempre acontece, mas quando acontece, é bom que tenhamos o carro certo para a ocasião. Foi o que aconteceu durante o tempo em que tive o novo Audi A3 Sportback, aqui no “sabor” S Line 30 TDI, que coincidiu com a necessidade de efetuar 600 km no mesmo dia.

Não deve haver melhor teste para averiguar os vícios e virtudes de um automóvel do que uma longa viagem. E para mais, com lotação (quase) esgotada…

Muitas horas ao volante e centenas de quilómetros depois — distribuídos por autoestrada, vias rápidas e, sobretudo, muitas estradas nacionais (EN) —, será que o A3 se elevou à ocasião?

TENS DE VER: “Vitamina S” em dose dupla. Audi apresenta os S3 Sportback e S3 Sedan
Audi A3 Sportback S Line 30 TDI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Ao início tive algumas dúvidas

Afinal não só o carro ia carregado (de pessoas e alguma bagagem) e o 30 TDI que ostenta na traseira traduz-se em “só” 116 cv extraídos do 2.0 TDI; como ao ser um S Line, a distância ao solo é 15 mm inferior e os bancos eram do tipo desportivo — à partida não parecem ser os melhores ingredientes para lidar com períodos de condução longos ou com estradas que já viram melhores dias.

Não foi preciso muito para perceber que os receios eram infundados. O Audi A3 Sportback S Line 30 TDI revelou-se um estradista nato, muito bem adaptado a este tipo de utilização.

Audi A3 Sportback S Line 30 TDI
Com o S Line temos também uma frente de estilo mais agressivo, talvez agressivo de mais… Afinal trata-se de um 2.0 TDI de 116 cv, não de um 2.0 TFSI de 310 cv, como no novo S3. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Novo BMW 118d (F40) em vídeo. Melhor ou pior que a anterior geração?

2.0 TDI continua a convencer

Comecemos pelo motor. É a segunda vez que lido com o novo 2.0 TDI, que nesta versão de 116 cv toma o lugar do anterior1.6 TDI. A primeira foi com o “primo”, e também novo, Volkswagen Golf que testei não faz muito tempo.

No Golf o motor convenceu plenamente. Como referi nessa altura, os centímetros cúbicos a mais do 2000 em relação ao 1600 garantem-lhe uma disponibilidade superior a qualquer regime. Não tive oportunidade de andar carregado no Golf, mas no A3, com quatro a bordo, os receios do 2.0 TDI ser “curto” não se concretizaram — sempre são “gordos” 300 Nm de binário logo às 1600 rpm  —, e mais uma vez, convenceu-me dos seus méritos.

Motor 2.0 TDI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Com apenas 116 cv não vamos ganhar nenhuma corrida, é certo, mas mesmo neste contexto — carro cheio e viagem longa —, o 2.0 TDI revelou-se mais que suficiente e adequado para a tarefa.

O melhor de tudo? Os consumos. Mesmo não tendo grandes cuidados no tipo de condução adotado durante esta viagem — houve vários momentos com o pedal da direita a ser “esmagado” —, estes ficaram-se entre os 4,3 l/100 km e os 4,8 l/100 km.

De resto, os consumos são em tudo idênticos aos que obtive no Golf: menos de quatro litros a velocidades moderadas e estabilizadas, a roçar os cinco litros em autoestrada, só subindo para lá dos seis em condução urbana ou agressiva.

VÊ TAMBÉM: Já conduzimos o novo Golf GTI. Rápido e mais ágil, mas ainda convence?

S Line, um bom compromisso?

Quando vi o pequeno emblema S Line na lateral do Audi A3, assumi que nas estradas mais degradadas o amortecimento mais firme e a distância ao solo reduzida resultassem em desconforto. Felizmente, não foi nada assim…

Audi A3 Sportback S Line 30 TDI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Aliás, o compromisso entre conforto e comportamento foi um dos aspetos que mais surpreendeu pela positiva. Sim, por vezes sentimos o amortecimento ser algo seco nalgumas irregularidades, mas o S Line não deixa de ser confortável — ninguém a bordo se queixou da falta de conforto…

Como referi antes, este S Line tinha bancos desportivos, um item incluído no opcional Pacote Interior S Line. E se há um opcional que não prescindiria entre os praticamente 13 mil euros de opcionais — sim, leram bem… quase 13 mil euros em opcionais (!) — seria este pacote, simplesmente porque inclui estes muito bons bancos.

Bancos desportivos S Line
Após 600 km, o banco do condutor passou a ser o meu item favorito no A3. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Não só têm bom aspeto que faz jus ao epíteto de “desportivos”, como seguram eficazmente o corpo e são revestidos com material muito agradável ao toque. E ainda conseguem a proeza de serem confortáveis, à prova de longas viagens.

VÊ TAMBÉM: Testámos o novo Mazda3 SKYACTIV-D com caixa automática. Uma boa combinação?

Mais qualidades de estradista

As qualidades estradistas do Audi A3 Sportback S Line 30 TDI não se resumem ao competente motor e ao bom conforto constatado. Fazendo jus à reputação da marca, temos um isolamento e refinamento bastante bons a bordo. Mesmo em autoestrada a velocidades elevadas não é preciso elevar o tom de voz; os ruídos mecânicos, aerodinâmicos e de rolamento são sempre contidos — um dos melhores do segmento.

Para tal, também contribui o interior de montagem sólida com que nos deparamos — um dos melhores do segmento. Um patamar acima do que podemos encontrar no arquirrival Classe A e em linha com o do Série 1, o outro membro do “trio alemão do costume”.

Tabliê Audi A3 2020
O antecessor tinha um interior mais simples e elegante. As saídas de ventilação para o condutor estão bem posicionadas do ponto de vista prático, mas a sua integração visual no todo deixa muito a desejar, não contribuindo para a agradabilidade do desenho, no geral. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Pessoalmente não sou o maior fã do interior que agracia a quarta geração do Audi A3 — o anterior tinha mais… classe —, mas não deixa de ser curioso que, ao contrário do Golf, com o qual o A3 partilha tanto, a Audi tenha optado por não “mergulhar” tanto na sua digitalização e supressão de botões, distanciando-se do aspeto mais depurado do Golf ou futurista do Classe A.

As funções mais comuns recorrem a botões ou interruptores e a verdade é que… funciona melhor. Não é preciso desviar tanto ou durante tanto tempo os olhos da estrada, e com o hábito, deixa de ser preciso olhar de todo para aceder a algumas funcionalidades. Ainda há espaço para melhorar a interação em alguns aspetos — vejam na galeria abaixo:

TENS DE VER: Do Audi TT nasceram 11 concepts. Conhece-os a todos

O rei da autoestrada

Por fim, se há característica que se destaca no arsenal de qualidades estradistas do Audi A3 é a sua estabilidade, aparentemente imperturbável. É um traço dinâmico que partilha com o Golf e continua a surpreender no A3 — surpreende porque é algo que só costumamos encontrar um ou dois segmentos acima…

© Thom V. Esveld / Razão Automóvel

E quanto mais depressa, mais estável e sereno o A3 parece ficar, por muito pouco lógico que soe. Para aqueles que passam a vida na autoestrada, não encontrei ainda nada melhor no segmento para a percorrer — super-estável e muito bem insonorizado, é o parceiro ideal.

Tanta estabilidade reflete-se também nas curvas, em condução mais apressada. O comportamento do Audi A3 Sportback caracteriza-se por ser muito eficaz, previsível e seguro, com elevados níveis de aderência, mesmo quando as ajudas estão desligadas (controlo de estabilidade e tração) e até quando provocado. Não é, de todo, o carro mais divertido de conduzir ou explorar, mas a sua elevada competência não chega a ser… aborrecida.

Manípulo da caixa manual
Caixa manual não destoa neste 30 TDI. O seu tato é positivamente mecânico e um pouco mais leve do encontrado no Golf com o mesmo motor, o escalonamento está bem ajustado ao motor, e só se agradecia um manípulo um pouco mais pequeno — parece ter sido desenhado para mãos de basquetebolistas. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Apesar de partilhar tanto com o Golf que testei — incluindo a mesma combinação de motor e caixa (manual) —, todos os comandos têm um tato um pouco mais leve e mais agradável de usar, sempre muito precisos,  o que contribui para uma experiência de condução mais… suave.

VÊ TAMBÉM: Volkswagen ID.3 1st (2020). Primeiro contacto em vídeo

É o carro certo para mim?

Após os cerca de 600 km percorridos pelas mais variadas estradas e mais variados ritmos, chegar ao final desse longo dia, sem grandes sinais de cansaço e sem queixumes do corpo, diz muito sobre a qualidade do Audi A3 Sportback como parceiro para longas viagens.

Mesmo não sendo o modelo que oferece mais espaço no segmento — as cotas são idênticas às do antecessor, um dos aspetos em que não evoluiu —, é-o em quantidade suficiente para garantir muitos quilómetros confortáveis aos ocupantes traseiros — desde que sejam dois e não três (o passageiro central sai prejudicado em espaço e conforto).

Tal como referi no teste ao Golf, a escolha pelo 2.0 TDI só faz efetivamente sentido se for para percorrer muitos quilómetros — a diferença de praticamente 4000 euros para o 30 TFSI, a gasolina com 110 cv, dá para muita gasolina.

TENS DE VER: Audi A3 Limousine. Já conduzimos o mais clássico dos A3… modernos

E por falar em euros…

Sendo o Audi A3 Sportback considerado premium, seria de esperar um preço elevado. No caso deste S Line, o preço arranca nos 35 mil euros, longe de ser acessível, mas na “melhor tradição” premium, contamos ainda com extras… praticamente 13 mil euros em extras, que atira o preço deste Audi A3 para lá do razoável, ficando muito perto dos 48 mil euros!

Será que precisamos de todos os muitos opcionais que traz? Dificilmente… E mesmo assim, detetei lacunas no equipamento trazido: os retrovisores são elétricos, mas não rebatem; e apesar de haver saídas de ventilação atrás, não há uma entrada USB que acabou por fazer falta durante a viagem.

Audi A3 Sportback S Line 30 TDI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Adeus, Mercedes-AMG A45? Novo Audi RS3 poderá chegar aos 450 cv

 

Preço

unidade ensaiada

47.976

Versão base: €35.021

IUC: €225

Classificação Euro NCAP: N/D

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1968 cm3
    • Posição: Dianteira Transversal
    • Carregamento: Injeção Direta Common Rail; Turbo de Geometria Variável; Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c./4 válv. por cilindro
    • Potência: 116 cv entre 2750-4250 rpm
    • Binário: 300 Nm entre 1600-2500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de 6 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4343 mm / 1816 mm / 1449 mm
    • Distância entre os eixos: 2636 mm
    • Bagageira: 380-1200 l
    • Jantes / Pneus: 225/45 R17
    • Peso: 1420 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 4,4 l/100 km
    • Emissões de CO2: 114 g/km
    • Vel. máxima: 206 km/h
    • Aceleração: 10,1s
  • Garantias
    • Mecânica: 2 anos, máx. 80 000 km
Extras
Câmara traseira de estacionamento — 500 €; Estofos em Alcantara e Couro Sintético — 575 €; Faróis Led Plus com indicadores de mudança de direção traseiros — 1085 €; Pacote de arrumação — 245 €; Interior em alumínio — 110 €; Vidros traseiros escurecidos — 430 €; Pacote de iluminação plus multicor — 430 €; Reconhecimento de sinais de trânsito — 305 €; Audi Hold Assist — 100 €; Pacote interior S line — 1635 €; Suspensão dinâmica desportiva — 270 €; Banco traseiro rebatível 40/20/40 — 245 €; Banco do condutor elétrico — 470 €; Bancos aquecidos à frente — 415 €; Para brisas de conforto acústico — 125 €; Advanced key — 525 €; Pacote negro Audi Exclusive — 365 €; Retrovisores exteriores em preto — 130 €; Adaptive cruise assist — 295 €; Apoio lombar elétrico — 330 €; MMI Navegação Plus — 2175 €; Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros com ajuda ao estacionamento — 430 €; Assistente de mudança de faixa com aviso de saída — 645 €; Assistente de máximos — 125 €; Cruise control adaptativo — 345 €; Audi Virtual Cockpit plus — 295 €; Audi Sound system — 355 €.
Avaliação
8 / 10
Se a fórmula de sucesso do Audi A3 permanece válida nesta geração? Sem dúvida. Estamos na presença de um dos modelos mais sólidos e refinados do segmento, com aptidões estradistas reforçadas — um dos melhores, senão o melhor — e só peca por não oferecer um pouco mais de espaço que o antecessor. É suficiente, mas há propostas melhores. Nesta versão S Line 30 TDI destaque para os consumos comedidos e para o muito bom compromisso entre conforto e comportamento. Só recomendado para aqueles que realmente passam a vida na estrada. Premium ou não, o preço é difícil de justificar. Apesar dos muitos e cumulativamente onerosos opcionais, ainda faltam alguns equipamentos de ordem mais prática.
  • Qualidades estradistas
  • Equilíbrio conforto/comportamento
  • Estabilidade
  • Refinamento geral
  • Consumos
  • Bancos dianteiros (ainda que sejam também um opcional)
  • Preço e… 13 mil euros em opcionais
  • Algumas lacunas de equipamento
  • Cotas internas idênticas às do antecessor

Mais artigos em Testes, Ensaio