Desde 21 680 euros

Este é o Skoda Kamiq mais barato que podes comprar. Será preciso mais?

O Skoda Kamiq 1.0 TSI 95 cv Ambition é o degrau de acesso à gama do B-SUV da marca checa. Será que é preciso mais? Fica a saber nas próximas linhas.

“Primeiro estranha-se, depois entranha-se” poderia ser muito bem o ditado que sintetizaria a minha experiência com o Skoda Kamiq, o B-SUV da marca checa.

“Estranha-se” à primeira porque… bem, olhem para ele; dificilmente ganhará prémios de beleza e, tal como o Scala com quem partilha tanto, parece ficar um pouco em “terra de ninguém” no que toca à sua aparência e proporções.

O que quero dizer com isto? Bem, sabemos que o Kamiq encaixa no segmento dos B-SUV, mas o seu design pouco nos diz de que se trata de um. Ao apresentar-se com uma carroçaria nua de elementos típicos da estética SUV — nem sequer temos as proteções em plástico à volta da carroçaria — o Skoda Kamiq passa mais depressa por um carro convencional, que é apenas um pouco mais alto que a norma.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Skoda Scala. TDI ou TSI, eis a questão
Perfil do Skoda Kamiq
Tal como o Scala, as proporções de perfil tornam o Kamiq algo difícil de definir, sobretudo quando nos focamos do volume traseiro, ou seja, na forma como os seus elementos interagem entre eles (posição do eixo traseiro, terceira janela lateral e o curto vão traseiro). © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Não deixa de ser distinto, é certo, mas a verdade é que entre a miríade de propostas que existem no segmento, talvez seja o Kamiq aquele que menos poder de atração inicial tem.

Porém, como rapidamente descobri, os atributos do Kamiq não se esgotam na sua aparência — bem pelo contrário. O lado pragmático do Kamiq não demora muito tempo a sobressair e, sem darmos conta, já nos encontramos na parte do “entranha-se” que o ditado refere.

Para mais, consegue-o fazer mesmo tratando-se do Kamiq mais barato que podes comprar, ou seja, a versão 1.0 TSI 95 cv Ambition. Talvez por isso, ao ser o mais “básico”, não somos distraídos com detalhes acessórios e focamos-nos apenas nos seus aspetos essenciais… que se revelaram, por norma, bem bons.

VÊ TAMBÉM: Já conduzimos o novo Suzuki Vitara 48 V mild-hybrid. É tão poupado como promete?

Amigo das famílias

Entre os seus principais argumentos, senão o principal, está o espaço disponível — é uma das referências do segmento. O espaço atrás para pernas e em altura iguala o do maior Skoda Karoq, e só quando tentamos sentar três pessoas atrás é que o Kamiq denuncia ser um mais compacto B-SUV. Dentro do segmento só o Dacia Duster equivale-se nas cotas e o Honda HR-V é o único a conseguir mais espaço para pernas.

Bancos traseiros
Os passageiros traseiros vão gostar do Kamiq. Espaço referencial e janelas altas que dão para ver para fora bem melhor do que na maioria das restantes propostas do segmento. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Não se fica pelo espaço. Ao contrário da maioria das propostas do segmento, os passageiros traseiros são brindados ainda com janelas altas, a permitir uma excelente visibilidade para o exterior; e temos saídas de ventilação — na versão de acesso…

Peca apenas por não ter maior flexibilidade nas soluções. Por exemplo, o banco traseiro não desliza longitudinalmente como no “primo” Volkswagen T-Cross ou no Renault Captur.

Bagageira
400 l de capacidade. Há rivais que anunciam uma superior capacidade absoluta, mas o Kamiq revela um excelente aproveitamento útil, e um acesso também amplo. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Déjà vu…

Saltando para a primeira fila a sensação é de elevada familiaridade. A estreita proximidade com o Scala não podia ser mais evidente do que quando olhamos para o tabliê, pois é exatamente o mesmo.

Não é o desenho mais apaixonante, mas é inofensivo e não incomoda. Nada a apontar, no entanto, à disposição lógica dos vários elementos e à correta ergonomia dos comandos disponíveis. Não se perde muito tempo a aprender a “navegar” neste interior.

Pode ser a versão de acesso, mas neste, como é comum nos Skoda, “respira-se” robustez. A montagem é sólida, e apesar de não faltarem materiais duros e pouco agradáveis ao toque espalhados pelo habitáculo, nos principais pontos de contacto temos sempre materiais mais cuidados, de tato mais agradável.

Tabliê
Scala, és tu? O tabliê é rigorosamente idêntico, e nesta versão Ambition até surge algo austero, culpa talvez dos tons mais escuros usados no interior. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
Simply Clever
Não seria um Skoda se não tivesse aqueles pormenores "Simply Clever" que caracteriza a marca. Há um chapéu de chuva embutido na porta do condutor — "à la" Rolls-Royce… —, um raspador de gelo na tampa do depósito de combustível, e a luz da bagageira é amovível transformando-se numa lanterna.

No entanto, alguns aspetos da sua utilização necessitam de revisão — não são assim tão simply clever

Por um lado, temos práticos e acessíveis comandos físicos para controlar o ar condicionado… Bem, para controlar algumas funções do ar condicionado. Só permitem selecionar o modo Auto e temperatura, basicamente. Se pretenderem ajustar a velocidade da ventilação têm de carregar em “Menu” e fazê-lo no… sistema de infoentretenimento.

O mesmo acontece com a ativação/desativação dos assistentes à condução. Queres desligar o “chato” do sistema de manutenção da faixa de rodagem (Lane Assist)? Não existe um botão para isso. A forma mais fácil de o fazer consiste em aceder a um menu presente no computador de bordo no painel de instrumentos… e temos de o fazer sempre que ligamos o carro, pois não memoriza a nossa escolha.

Ao volante

O pragmatismo do Skoda Kamiq sente-se também ao seu volante. Não deve haver B-SUV com melhor visibilidade, uma “arte” algo esquecida nos dias de hoje, sendo uma das críticas mais recorrentes que faço não só aos rivais, como a muitos outros automóveis.

À muito boa visibilidade junta-se um raio de viragem também muito bom mesmo, tornando a condução urbana e o efetuar das manobras mais apertadas uma brincadeira de crianças — não há câmara traseira, mas os sensores atrás são mais que suficientes.

Sentados ao volante, facilmente encontramos uma boa posição de condução — não tão alta como noutros B-SUV… Até neste ponto, o Kamiq afasta-se dos rivais, aproximando-se mais do típico carro. Destaque para a presença de ajuste de apoio lombar no banco do condutor, algo raro de encontrar, para mais na versão mais acessível. Por outro lado, o arranque é ainda feito com chave e não um botão.

Em andamento, o Skoda Kamiq revelou-se bastante confortável — um Renault Captur ou um Peugeot 2008 talvez o sejam mais, mas não muito mais —, mas conjuga essa faceta com uma agradável precisão dinâmica e movimentos da carroçaria contidos.

Skoda Kamiq 1.0 TSI 95 cv Ambition © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Se aumentarmos o ritmo não entretém como o “primo” SEAT Arona, ou os rivais Ford Puma e Hyundai Kauai, mas também não entedia. Além de que é senhor de maior compostura que, por exemplo, os modelos gauleses em estradas mais enroladas e degradadas.

As muito boas aptidões familiares são reforçadas pelas suas qualidades estradistas, com a estabilidade em alta, assim como refinamento geral acima da média. A insonorização do habitáculo não é referencial, mas também não compromete, com  os ruídos de rolamento, mecânicos e aerodinâmicos bem contidos.

VÊ TAMBÉM: Uma semana ao volante do Kia e-Soul (64 kWh)

Números não lhe fazem justiça

Os modestos números que vemos na ficha técnica não fazem justiça ao 1.0 TSI de 95 cv. O mil de três cilindros turbo do Grupo Volkswagen continua a ser uma das melhores unidades do género no mercado (independentemente do nível de potência).

Motor 1.0 TSI 95 cv
Os números são modestos, mas a disponibilidade do 1.0 TSI surpreendeu pela positiva, assim como os consumos revelaram-se contidos. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Não só demonstra um saudável “nervosismo”, muito boa disponibilidade e um confortável à vontade nos regimes mais elevados, como também tem um nível de refinamento convincente no seu trato, mais refinado do que, por exemplo, o 1.0 EcoBoost da Ford — apesar disso, o EcoBoost ganha a minha preferência por ser ainda mais… “efervescente”.

A caixa manual de cinco velocidades também ajuda: o escalonamento está bem ajustado à disponibilidade do motor e o seu tato é positivamente mecânico. Só se lamenta que o curso não seja mais curto, assim como o do pedal da embraiagem.

Skoda Kamiq 1.0 TSI 95 cv Ambition © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Além do mais revelou um apetite, por norma, contido. A ritmos moderados e estabilizados (90 km/h) os consumos ficaram-se pelos 4,2-4,3 l/100 km, subindo para os 6,8 l/100 km em autoestrada. Sem surpresas, é na cidade que revela o maior apetite, com os consumos a oscilarem entre os 7,5 l/100 km e os 8,0 l/100 km.

VÊ TAMBÉM: “Irmãos” e rivais. Colocámos à prova os Fiat 500X Sport e Jeep Renegade Orange Edition

É o carro certo para mim?

Tal como o Scala parece ser o elo perdido entre o carro e a carrinha, também o Kamiq parece ser o elo perdido entre o carro e o SUV. No entanto, não há dúvidas sobre o seu pragmatismo e positiva homonegeidade, sendo um dos B-SUV melhor conseguidos para um uso familiar.

Mesmo tratando-se do degrau de acesso à gama, o Skoda Kamiq 1.0 TSI 95 cv Ambition cumpre eficazmente esse papel, revelando-se bastante completo. As outras versões, mais caras, encantam mais ao virem com outros equipamentos e até performance, mas quase parecem ser uma extravagância.

Porém, talvez a maior ameaça ao Kamiq não sejam os seus “primos” e rivais no universo B-SUV, mas sim, precisamente o… Scala, com o qual partilha tanto.

Porquê? Os B-SUV adicionam aos utilitários dos quais derivam espaço, versatilidade e praticabilidade — superam, em alguns casos, até os familiares do segmento C, um patamar acima. Algo que também podemos “acusar” em parte o Skoda Kamiq de o fazer, caso o comparemos com o Fabia.

Mas dado a proximidade estreita entre o Kamiq e o Scala (segmento C) — partilham mecânicas, equipamentos e também o interior —, é impossível não os confrontar, para mais ao apresentarem preços idênticos — ambos começam pouco acima dos 21 mil euros, e com as campanhas que decorrem, a prometer ficar abaixo dos 20 mil euros.

E é o Scala que, do meu ponto de vista, está em vantagem.

Skoda Kamiq 1.0 TSI 95 cv Ambition © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Faz tudo o que o Kamiq faz, mas é superior dinamicamente (está tudo mais próximo do solo) e oferece ainda mais espaço para passageiros e bagagens, consequência dos 12 cm adicionais em comprimento (o Scala é uma das referências do segmento C em habitabilidade).

Um facto que coloca o Skoda Kamiq, numa posição peculiar no universo B-SUV.

Preço

unidade ensaiada

22.365

Versão base: €21.680

IUC: €103

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 999 cm3
    • Posição: Dianteira Transversal
    • Carregamento: Inj. Direta, Turbo e Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válv./cil.
    • Potência: 95 cv entre as 5000-5500 rpm
    • Binário: 175 Nm entre as 2000-3500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de 5 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4241 mm / 1793 mm / 1531 mm
    • Distância entre os eixos: 2651 mm
    • Bagageira: 400-1395 l
    • Jantes / Pneus: 205/55 R17
    • Peso: 1214-1291 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,7 l/100 km
    • Emissões de CO2: 129 g/km
    • Vel. máxima: 181 km/h
    • Aceleração: 11,1s
  • Garantias
    • Mecânica: 4 anos / 80 000 km
  • Equipamento
    • Faróis LED, com função cornering
    • Faróis traseiros LED
    • Front Assist - com sistema de travagem de emergência
    • Lane Assist
    • Cruise Control + Speedlimiter
    • Apoio de braços dianteiro com Jumbo BOX
    • Inserções decorativas Grained Black
    • Jantes de liga leve 16" Hoedus Aero
    • Pneu sobressalente
    • Ar condicionado Climatronic
    • Hill Hold control
    • Keyless Go
    • Sistema de Infotainment com rádio Bolero, ecrã de 8,25"; navegação Amundsen
    • Bluetooth
    • Wired & Wireless SmartLink
    • Volante multifunções em pele
    • Bancos dianteiros com apoio lombar ajustável
    • Monitorização da pressão dos pneus
    • Sensor de parqueamento traseiro
    • Sensor de luz e chuva
    • Computador de bordo Maxidot
    • Vidros elétricos à frente e atrás
    • Espelhos retrovisores exteriores elétricos e aquecidos
    • 8 altifalantes
    • Chapéu de chuva
Extras
Jantes de liga leve 17" Propus Aero, polido — 185 €; Pintura metalizada — 500 €;
Avaliação
7 / 10
Não é o modelo do segmento com a aparência mais atrativa, mas é definitivamente uma das melhores propostas para quem necessita de fazer um uso familiar mais intenso. Mesmo sendo o mais acessível dos Skoda Kamiq, este convence pelas suas soluções maioritariamente pragmáticas de usabilidade, espaço disponível e até pelo efervescente motor, apesar dos números modestos. Tal como o Scala do qual deriva, além das cotas internas, não se destaca particularmente em nenhum parâmetro, mas convence pela coesão do conjunto, sendo, provavelmente, a mais pragmática proposta do segmento.
  • Visibilidade
  • Espaço atrás referencial
  • Motor enérgico
  • Manobrabilidade
  • Binómio conforto/comportamento
  • Curso longo da caixa de velocidades e pedal da embraiagem
  • Espaço não falta, mas podia oferecer soluções mais flexíveis
  • Detalhes na usabilidade

Mais artigos em Testes, Ensaio