Vídeo

Mercedes-Benz EQA em vídeo. Testámos o “Tesla Model Y” da Mercedes

Neste vídeo o Diogo viajou até Madrid para pôr à prova o novo Mercedes-Benz EQA, o mais recente membro da cada vez maior família de elétricos da marca alemã.

Em Madrid, Espanha

A família de modelos elétricos da Mercedes-Benz irá crescer substancialmente em 2021 e tem no Mercedes-Benz EQA a sua primeira e mais compacta adição — ainda este ano veremos chegar os EQB, EQE e EQS, este último já conduzido por nós, ainda que tenha sido um protótipo de desenvolvimento.

Regressando ao novo EQA, foi desenvolvido com base na plataforma MFA-II (a mesma do GLA), apresentando-se, para já, com tração dianteira e um motor elétrico com 190 cv (140 kW) e 375 Nm, alimentado por uma bateria de 66,5 kWh. Já a autonomia fixa-se nos 426 km (WLTP).

Será que tudo isto lhe permite estar à altura de concorrentes como o Volvo XC40 Recharge, Volkswagen ID.4, Nissan Ariya ou o Tesla Model Y? Para o descobrir e depois do Joaquim Oliveira, foi a vez do Diogo Teixeira viajar até Madrid para pôr à prova o mais recente modelo da Mercedes-Benz.

Subscreve o nosso canal de Youtube.

A NÃO PERDER: 190E City. O rival do Golf que a Mercedes-Benz nunca produziu

Os “custos” da eletrificação

Uma vez que o EQA partilha a plataforma com o GLA, há algumas comparações que acabam por ser inevitáveis, principalmente entre este EQA 250 com 190 cv e o GLA 220 d com… 190 cv.

E é precisamente nesta comparação que nos deparamos com alguns dos “custos” da eletrificação. Para começar, com 2040 kg o EQA é consideravelmente mais pesado que o 220 d, que pesa 1670 kg.

Onde essa diferença mais se faz sentir é no capítulo das prestações, onde apesar da entrega imediata de binário, o modelo elétrico não é capaz de acompanhar o Diesel nos 0 aos 100 km/h: são 8,9s do primeiro contra os 7,3s do segundo.

Mercedes-Benz EQA 2021
VÊ TAMBÉM: MBUX Hyperscreen. Mercedes-Benz antecipa “ecrã gigante” para o EQS

A “culpada” por trás deste aumento de peso, a bateria de 66,5 kWh, está também por trás da menor capacidade da bagageira do EQA, com esta a fixar-se nos 340 litros (menos 95 litros que no GLA).

Já no campo dos benefícios, além dos ecológicos há também os económicos, com o custo por quilómetro ao volante do Mercedes-Benz EQA a ser mais baixo, assim como o seu preço, ao que tudo indica.

Apesar de só ter chegada prevista para a primavera e de os preços ainda não estarem “fechados”, estes deverão rondar os 50 mil euros. Tendo em conta que a variante com motor Diesel de potência equivalente arranca nos 55 399 euros, a poupança está à vista.

Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Mercedes-Benz E 50 AMG (W210)?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Lembras-te deste? Mercedes-Benz E 50 AMG (W210)

Mais artigos em Testes