Chega em 2021

Já conduzimos o Mercedes-Benz EQS, o Classe S dos elétricos

Muitos tentaram (e falharam) disputar o reinado do Classe S no topo do mercado automóvel de luxo. Mas em breve haverá um concorrente sério de dentro da própria marca, o Mercedes-Benz EQS.

O Mercedes-Benz EQS , ou Vision EQS (de seu nome completo), destaca-se do Classe S por ser um sedã exclusivamente elétrico, que estará no mercado em meados de 2021. Fomos conhecer e até guiámos “o inimigo”, totalmente elétrico, do Classe S, que também terá uma nova geração alguns meses antes.

Apesar de que deveria ser possível as coisas começarem a acalmar no Grupo Daimler, depois de quatro avisos de diminuição de lucros e algumas chamadas de carros às oficinas, ainda não há sinais de alívio de pressão na empresa.

Ola Källenius fez a sua primeira aparição como CEO do Grupo no Salão de Guangzhou, no final de novembro, com alguma tensão normal, já que a China é o maior mercado da Mercedes-Benz para o Classe S (mais de um em cada três matriculados em todo o mundo são vendidos lá).

A NÃO PERDER: Todas as novidades automóveis para 2020 estão aqui
Mercedes-Benz EQS

Mas a presença de um sedã elétrico de topo de gama, juntamente com a revelação mundial do primeiro SUV da marca Maybach (GLS), deu aos clientes chineses muito interesse em visitar o stand da marca alemã.

Onde, no dia reservado à imprensa, Kaellenius respirava confiança, principalmente devido à impressão positiva que esperava ser criada com este concept car, que dá uma primeira perspetiva do modelo de produção em série que celebrará sua estreia mundial oficial em meados de 2021, depois da apresentação mundial no Salão de Frankfurt. em setembro passado, e presença no Salão de Tóquio, onde a Mercedes foi uma das duas únicas marcas não japonesas com presença oficial.

VÊ TAMBÉM: Testámos os híbridos plug-in do Classe E, a gasolina e também a gasóleo

Mais escolha

Fontes internas dizem-nos que a estreia mundial da nova Classe S foi adiada do próximo mês de fevereiro até o início do verão de 2020 e a reprogramação também afetará o lançamento do Mercedes-Benz EQS, que deverá materializar-se na segunda metade de 2021.

Mercedes-Benz EQS
Plataforma própria
Ao contrário do que vimos no EQC ou no já revelado EQV, a futura versão de produção do Mercedes-Benz EQS não assentará numa variante da base do seu equivalente a combustão, neste caso o Classe S. EVA (Electric Vehicle Architecture) é o nome da nova plataforma dedicada que será estreada pelo EQS e servirá futuros modelos elétricos da marca.

É um momento bastante delicado para a Daimler, tendo em conta que a liderança do Classe S no segmento superior do mercado nunca foi realmente contestada pela Audi, BMW ou Lexus e agora vai passar a existir um rival entre muros.

Isto porque qualquer cliente que entre num concessionário (ou configurador do site da marca) terá diferentes opções se estiver interessado no topo de gama da Mercedes: um equipado com motor a combustão e outro com motor elétrico, ambos com muito espaço, a mais alta qualidade do segmento e enorme conforto, tecnologia de condução autónoma e o estatuto fornecido pela estrela no capot.

Daí que quanto mais distantes forem os dois lançamentos, melhor, especialmente porque a Mercedes-Benz vai apresentar diversos novos modelos em 2021 que também podem fazer sombra ao novo Classe S, como o Classe E elétrico, por exemplo, que provavelmente se tornará no seu quinto modelo elétrico.

Mais que um Classe S elétrico

O Mercedes-Benz EQS é um pouco mais curto que o futuro Classe S longo (a versão preferida pelos chineses). No entanto, uma vez que as baterias estão no piso do veículo, sem túnel de transmissão ou motor sob o capot, o EQS oferece um interior ainda mais espaçoso e flexível.

Como é provável que o CLS não venha a ter sucessor, o EQS poderá brilhar como o único modelo com portas sem moldura e uma silhueta plana, na qual o para-brisas flui sem transições marcadas até ao capot. O mesmo pode ser dito da traseira, onde o grande óculo se estende até a tampa do porta-bagagens, numa espécie de mistura de CLS e Porsche Panamera.

A carroçaria em si é plana e tonificada, enquanto as poderosas rodas (24″) contribuem para a opulenta aparência geral do EQS, tal como a dianteira achatada e com vários módulos de luz dentro dos faróis e grelha e uma faixa de luz traseira que integra 229 pequenas estrelas da Mercedes-Benz.

VÊ TAMBÉM: Vai mesmo acontecer. Vem aí um Mercedes-Benz Classe G elétrico

Interior de próxima geração

Entro no conceito EQS e fica claro que todo o painel se funde com os painéis das portas para formar uma escultura, envolvendo os ocupantes como o convés de um iate. O painel de instrumentos, a consola central e os apoios de braços flutuam no interior, oferecendo uma visão antecipada dos interiores dos futuros sedãs de luxo da Mercedes-Benz.

Mercedes-Benz EQS

A instrumentação dificilmente pode ser descrita como tal. As informações mais importantes são projetadas nas superfícies decorativas atrás do volante, mas as mentes progressistas não devem ficar muito empolgadas porque a versão de produção da série final continuará a usar um conjunto de instrumentos mais clássico, ainda que digital.

Os quatro bancos com contornos lembram o estudo Maybach Ultimate Luxury, ao mesmo tempo que revelam que, mesmo na Mercedes-Benz, é hoje incontornável a intenção de deixar até os clientes afluentes viverem sem pele verdadeira: é usada uma madeira com um granulado especial no painel de bordo e os bancos são cobertos com uma microfibra feita de garrafas de plástico recicladas. Como opção, é possível especificar um couro artificial com uma fina película técnica, enquanto o revestimento do teto é coberto com um tecido que consiste parcialmente em detritos de plásticos recolhidos nos oceanos.

Muitas marcas afirmam que oferecem o mesmo nível de conforto para cada passageiro, independentemente da fila ou do banco em questão. Neste caso, realmente parece que isso foi alcançado, tanto em termos de espaço disponível, como na construção dos bancos e recursos de informação e entretenimento disponíveis.

Por baixo do “capot”

O concept car de tração às quatro rodas é movido por dois motores elétricos, que juntos geram 476 cv e 760 Nm, o que teoricamente possibilitará que o Mercedes-Benz EQS alcance os 100 km/h em apenas 4,5s.Ao contrário do EQC da Mercedes (limitado a 180 km/h), o EQS, de mais de cinco metros de comprimento, deve ir além dos 200 km/h.

A bateria de cerca de 100 kWh anuncia uma autonomia de até 700 km — aceitando uma potência de recarga próxima dos 350 kW, a bateria deve poder carregar até 80% de sua capacidade total em apenas 20 minutos. 

Mercedes-Benz EQS

Em viagens longas, ou com trânsito muito congestionado em vias rápidas, o condutor deve poder livrar-se do fardo de controlar o carro por conta própria, graças ao assistente de nível 3 (condução autónoma) e aos sistemas modulares de sensores que poderão permitir que o nível de condução autónoma possa ser ampliado até ao máximo (nível 5) no futuro.

VÊ TAMBÉM: EQV. Os elétricos na Mercedes também vêm em formato MPV

O contacto dinâmico (possível)

Para competir em termos de prestações com o Tesla Model S (de um segmento de mercado inferior, é verdade), a Mercedes-Benz está a considerar a possibilidade de lançar versões de mais de 600 cv. Nada que pudéssemos sentir nesta primeira experiência de condução (limitada, como sempre, nestes “ratos de laboratório” sobre rodas) porque, independentemente da pressão feita no pedal da direita, a velocidade máxima estava limitada a 50 km/h.

Um dos técnicos que me acompanha nesta experiência exclusiva até admite que poderíamos ir um pouco além dessa velocidade, mas ainda assim não é possível ficar com muito mais do que uma vaga impressão de como será a versão final da produção em série.

O Mercedes-Benz EQS parece muito estável e bem “plantado” no chão (o peso das baterias na base ajuda…) e a posição elevada do assento cria uma experiência de condução completamente diferente do que se sente ao volante de um Classe S. E o mesmo pode ser dito sobre o impacto do interior extremamente moderno, a partir do qual algumas soluções visuais e técnicas devem chegar ao carro final de produção em série.

Mercedes-Benz EQS
A NÃO PERDER: O melhor de dois mundos? Já conduzimos o novo McLaren GT

Especificações técnicas

Motor
Potência 476 cv (350 kW)
Binário 760 Nm
Transmissão
Tração Integral variável
Bateria
Capacidade 100 kWh
Potência de carga 350 kW (DC)
Prestações e Consumos
Velocidade máxima > 200 km/h
0-100 km/h < 4,5 s
Autonomia 700 km
Emissões CO2 0 g/km
Mercedes-Benz Vision EQS
O protótipo da Mercedes-Benz conta com umas massivas jantes de 24”.

Sabes responder a esta?
Qual a autonomia máxima do Mercedes-Benz EQC?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Silêncio. Já conduzimos o Mercedes-Benz EQC

Mais artigos em Testes

Os mais vistos