Apresentação

Fiat eletrifica 500 e Panda com inéditas versões mild-hybrid

As versões mild-hybrid dos Fiat 500 e Fiat Panda são o primeiro passo para a eletrificação da marca italiana. Mais novidades virão em rápida sucessão.

Até agora a eletrificação parece ter passado ao lado da Fiat, mas este ano será diferente. A abrir o ano, a marca italiana decidiu eletrificar (levemente) os seus dois citadinos, líderes de segmento, acrescentando ao Fiat 500 e ao Fiat Panda uma inédita versão mild-hybrid.

É um primeiro passo numa aposta bem mais vasta, que verá, por exemplo, no próximo Salão de Genebra, a revelação de um novo Fiat 500 elétrico.

Este, assente numa nova plataforma dedicada (revelada o ano passado com o Centoventi), não tem nada a ver com o 500e que esteve em comercialização apenas em alguns estados dos… Estados Unidos da América. O novo 500 elétrico será comercializado também na Europa.

VÊ TAMBÉM: Citadinos a caminho da extinção? Fiat quer sair do segmento A
Fiat Panda e 500 Mild Hybrid

A técnica por detrás dos mild-hybrid da Fiat

Regressando aos novos citadinos mild-hybrid, os Fiat 500 e Fiat Panda estreiam também um novo motor. Debaixo do capot encontramos uma nova versão do Firefly 1.0 l de três cilindros, estreado na Europa pelos Jeep Renegade e Fiat 500X, que toma o lugar do veterano Fire de 1.2 l — a família de motores Firefly surgiu originalmente no Brasil.

Ao contrário do que vimos até agora, o novo Firefly 1.0 l não recorre a um turbo, sendo um motor atmosférico. A simplicidade caracteriza-o, ao ter apenas uma árvore de cames e duas válvulas por cilindro, sem que a eficiência seja comprometida, como se verifica na taxa de compressão elevada de 12:1.

O resultado da sua simplicidade são os 77 kg que acusa na balança, contribuindo para isso o bloco ser em alumínio (camisas dos cilindros são em ferro). Nesta configuração debita 70 cv e 92 Nm de binário às 3500 rpm. Novidade é também a caixa de velocidades manual, que passa a ter seis relações.

O sistema mild-hybrid em si é composto por um motor-gerador acionado por correia, ligado a um sistema elétrico paralelo de 12 V e a uma bateria de iões de lítio.

Capaz de recuperar a energia produzida durante as travagens e desacelerações, o sistema usa depois essa energia para assistir o motor de combustão nas acelerações e para alimentar o sistema Start & Stop, sendo ainda capaz de desligar o motor de combustão quando se circula a velocidades inferiores a 30 km/h.

VÊ TAMBÉM: Foi há 50 anos que a Fiat comprou a Lancia

Face ao motor Fire 1.2 l de 69 cv que vem substituir, o 1.0 l de três cilindros promete uma redução de emissões de CO2 entre 20% e 30% (Fiat 500 e Fiat Panda Cross, respetivamente) e, claro, um menor consumo de combustível.

Talvez o aspeto mais curioso da novo grupo motriz é o facto de surgir montado numa posição 45 mm mais baixa, contribuindo para um centro gravítico inferior.

VÊ TAMBÉM: FIAT 500 X Sport. Agora em modo “desportivo”

Quando chegam?

Os primeiros mild-hybrid da Fiat têm lançamento internacional previsto para os próximos meses de fevereiro e março. O primeiro a chegar será o Fiat 500 seguindo-se o Fiat Panda.

Comum a ambos será a versão exclusiva de lançamento “Launch Edition”. Estas versões vão contar com um logo exclusivo, serão pintadas na cor verde e vão contar com acabamentos em plástico reciclado

VÊ TAMBÉM: Fiat. A marca que «inventou» os motores Diesel modernos

Para Portugal, não se sabe ainda quando é que os novos Fiat 500 e Fiat Panda mild-hybrid chegarão, nem qual será o seu preço.

Sabes responder a esta?
Em que ano foi lançado o Autobianchi A112 Abarth?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Estes Abarth não derivaram de modelos Fiat

Mais artigos em Notícias