Desde 32 881 euros

Testámos o SEAT Ateca 1.5 TSI com 150 cv. Faz esquecer o 2.0 TDI?

Com a mesma potência do 2.0 TDI e a promessa de bons consumos, será que o SEAT Ateca 1.5 TSI faz esquecer a proposta Diesel? Fomos descobrir.

Numa fase em que os motores Diesel parecem condenados (já várias marcas decidiram despedir-se deles), a SEAT parece já pronta para a transição. Por isso, propõe um motor a gasolina com 1.5 l que oferece a mesma potência do 2.0 TDI e promete também consumos reduzidos.

Mas será que o 1.5 TSI de 150 cv é mesmo capaz de fazer esquecer o 2.0 TDI que tão bem conhecemos? Para saber, pusemos à prova o Ateca equipado com o 1.5 TSI e caixa manual de seis velocidades, neste caso no nível de equipamento Excellence.

Lançado há três anos, o Ateca foi o primeiro SUV da SEAT, dando início a uma família de modelos que conta hoje com mais dois membros: o pequeno Arona e o topo-de-gama Tarraco.

VÊ TAMBÉM: Nova estratégia de produto pode tornar a SEAT mais premium
SEAT Ateca 1.5 TSI 150 cv © João Delfim Tomé / Razão Automóvel

Esteticamente, devo admitir que gosto do Ateca. Menos discreto que os seus “primos” Tiguan e Karoq, o SUV da SEAT mantém ainda assim um visual sóbrio e um pouco agressivo (mas sem exageros), sendo que, no esquema de cores com que a unidade ensaiada se apresentou, até “dá ares” do irmão mais desportivo, o CUPRA Ateca.

VÊ TAMBÉM: Testámos o SEAT Ibiza 1.6 TDI 95 cv DSG FR. Quanto valem duas siglas?

No interior do SEAT Ateca

Uma vez no interior do Ateca encontramos um tablier com um desenho simples que, apesar de não ganhar concursos de beleza ou originalidade, convence graças a uma ergonomia referencial, bem ao estilo daquilo a que as propostas do Grupo Volkswagen já nos habituaram.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Kia Sportage 1.6 CRDi. A antiguidade ainda é um posto?
SEAT Ateca 1.5 TSI 150 cv © João Delfim Tomé / Razão Automóvel
No interior do Ateca reina, acima de tudo, a simplicidade e a ergonomia.

No que diz respeito à qualidade, encontramos uma mistura de materiais macios no topo do tablier e de materiais mais duros nas zonas mais “escondidas” do habitáculo. Já quanto à montagem, com exceção de um teimoso ruído parasita na zona da coluna de direção, esta até se revelou em bom plano.

Quanto ao sistema de infotainment, este revela-se fácil e intuitivo de usar e conta com um bom grafismo. Outro dos pontos positivos do interior do Ateca é o grande número de espaços de arrumação, uma mais valia num modelo destinado às famílias.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Honda CR-V Hybrid. Diesel para quê?

Por fim, ao nível da habitabilidade, o Ateca não esconde as vocações familiares, oferecendo espaço mais que suficiente para transportar, confortavelmente, uma família e respetiva bagagem (a bagageira conta com 510 l de capacidade).

VÊ TAMBÉM: Testámos o Renault Scénic 1.3 tCe: já não é moda, mas ainda tem argumentos?

Ao volante do SEAT Ateca

Uma vez ao volante do Ateca rapidamente se encontra uma posição de condução confortável. Já a visibilidade, apesar de não ser referencial (no mundo automóvel atual talvez só no pequeno Smart fortwo o seja), também não se apresenta como um problema, sendo auxiliada pela câmara de estacionamento traseira.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Jeep Compass Night Eagle. É um Jeep mas será um bom SUV?
SEAT Ateca 1.5 TSI 150 cv © João Delfim Tomé / Razão Automóvel
Encontrar uma posição de condução confortável ao volante do Ateca é tarefa fácil.

Dinamicamente, o Ateca impressiona. Mesmo não tendo a acutilância do Hyundai Tucson, o SUV espanhol conta com um acerto de chassis que “casa” muito bem o comportamento com o conforto, apresentando-se como um dos melhores SUV do segmento no que às competências dinâmicas diz respeito.

No que diz respeito ao motor, o 1.5 TSI de 150 cv revela alguma falta de pulmão. Neste aspeto, o 2.0 TDI, também com 150 cv, revela-se uma melhor opção. Apesar de ser bastante suave, o motor parece preferir uma condução calma e económica a grandes correrias — é até capaz de desativar dois cilindros para consumos mais reduzidos em determinadas condições —, valendo-nos a caixa manual de seis velocidades para o “despertar”.

VÊ TAMBÉM: Ao volante do renovado Renault Kadjar. Objetivo? Perseguir Qashqai e companhia
SEAT Ateca 1.5 TSI 150 cv © João Delfim Tomé / Razão Automóvel

Quem sai a ganhar com este caráter “pacato” do motor é a nossa carteira. Numa condução normal em circuito misto (com mais proporção de estrada do que cidade) o Ateca apresenta consumos na casa dos 5,9 l/100 km. Já quando acionamos o modo “Eco” e o nosso modo Tio Patinhas, os consumos chegam mesmo a baixar para os 5,1 l/100 km. Já em cidade estes sobem para os 8 l/100 km.

VÊ TAMBÉM: Testámos a Renault Mégane ST GT Line TCe 140 FAP: honras de estreia
SEAT Ateca 1.5 TSI 150 cv © João Delfim Tomé / Razão Automóvel

Resumindo, se no capítulo do rendimento o 1.5 TSI sai a perder para o 2.0 TDI, no que diz respeito à economia o motor a gasolina cumpre com o que promete, revelando consumos que seriam até capazes de envergonhar alguns motores Diesel.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Hyundai i30 N Line. O que vale a “vitamina N”?

É o carro certo para mim?

Apesar de já contar com três anos de mercado, o Ateca mantém-se como uma das principais opções a ter em conta no segmento dos SUV compactos.

Se procuras um SUV versátil, confortável, espaçoso e com um comportamento dinâmico que está entre as referências do segmento, o Ateca é uma das principais opções a teres em conta.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Volkswagen T-Cross 1.0 TSI Life: vale a pena poupar?
SEAT Ateca 1.5 TSI 150 cv © João Delfim Tomé / Razão Automóvel
Pode não ter tração integral mas não é por isso que o Ateca deixa de permitir algumas aventuras fora de estrada.

Quanto ao motor, o 1.5 TSI cumpre no capítulo da economia e, caso faças poucos quilómetros por ano e não sejas especialmente apressado, é uma opção a teres em conta.

No entanto, depois de termos tido oportunidade de andar com o Ateca com os dois motores, a verdade é que não podemos dizer que faça esquecer totalmente a opção Diesel, pois no capítulo do rendimento o Diesel parece sempre mais capaz de empurrar o Ateca com decisão e até de nos ajudar a explorar o seu chassis.

Preço

unidade ensaiada

39.644

Versão base: €32.881

IUC: €171

Classificação Euro NCAP: 5 / 5

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1498 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta + turbo + intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: 150 cv entre as 5000 e as 6000 rpm
    • Binário: 250 Nm entre as 1500 rpm e as 3500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de seis velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4363 mm / 1841 mm / 1601 mm
    • Distância entre os eixos: 2638 mm
    • Bagageira: 510 litros
    • Jantes / Pneus: 215/50 R18
    • Peso: 1355 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,6 l/100 km
    • Emissões de CO2: 152 g/km
    • Vel. máxima: 201 km/h
    • Aceleração: 8,5 s
  • Garantias
    • Pintura e corrosão: 3 anos (pintura) e 12 anos (corrosão)
    • Mecânica: 2+2 anos ou 80 000 km
    • Reviews Interval: 30 000 km/2 anos (o que ocorrer primeiro)
  • Equipamento
    • SEAT Full LED + Luzes diurnas em LED
    • Farolins traseiros em LED
    • Faróis de nevoeiro dianteiros em LED com função Cornering
    • Pára-choques específicos com grelha em Preto Glossy + Para-choques traseiros com aparência de alumínio
    • Espelhos retrovisores e manípulos das portas na cor da carroçaria
    • Barras de tejadilho cromadas
    • Dupla saída de escape cromada
    • Direção progressiva
    • Manete da alavanca de velocidades em pele
    • Porta-objetos por baixo dos bancos dianteiros
    • Aplicações em cromado (saídas de ventilação e controlo de luzes)
    • Zonas de iluminação de ambiente dianteira em LED + Luz Ambiente Avançada (multicolor)
    • Iluminação interior LED no piso na parte dianteira e mala
    • Proteção dos estribos das portas iluminados
    • Bancos dianteiros desportivos
    • Sensor de Luz e de Chuva
    • Ativação automática das luzes e função Coming Home
    • Espelho interior antiencandeamento automático
    • Climatronic 2 zonas
    • Sistema Kessy (Entry + Go) sem função SAFE
    • Travão de mão elétrico com função Auto-Hold
    • Volante desportivo multifunções em pele
Extras
Carregador sem fios (Connectivity Box) (178,47 euros); Pacote de Assistência à Condução Avançado (inclui assistente de máximos, assistente de faixa de rodagem, deteção do ângulo morto, aviso de trânsito cruzado à retaguarda) (651,41 euros); Câmara 360º (inclui Câmara traseira)(669,24 euros); Painel de instrumentos digital (352,24 euros); Regulação eléctrica do banco do condutor (altura, longitude, inclinação e lombar) sem memória (227,54 euros); Roda suplente de emergência + Kit de ferramentas (89,22 euros); Bagageira com função de mãos-livres (inclui Bagageira com abertura e fecho Elétrico, abertura com o pé e Sistema keyless)(437,24 euros); Assistente automático de estacionamento (inclui sensores de estacionamento dianteiros e traseiros)(339,07 euros); Sistema de som BeatsAudio (439,59 euros); DAB - Digital Audio Broadcasting (178,47 euros); Teto panorâmico (981,56 euros); Jantes de Liga Leve Performance 18” (356,92 euros); Cartografia da Europa (Com Mapcare)(120 euros); Cruise Control Adaptativo até 210km/h (160,61 euros); Alarme com Função SAFE (223,07 euros); Pacote inverno (inclui bancos dianteiros aquecidos, lava faróis, jato de água do limpa pára-brisas aquecido, indicador de nível do limpa para-brisas)(334,62 euros); Sistema de Navegação Plus (inclui ecrã táctil de 8" a cores,formato de som MP3/ WMA, conectividade: USB /2 Cartões SD/I-Pod /Aux-in/DVD/Bluetooth (telemóvel & audio streaming), 8 altifalantes, reconhecimento de voz (Navegação), computador de bordo "Medium"com Display multifunções a cores, SEAT Full Link , controlo media por WLAN, 2 entradas USB para os bancos traseiros + rede porta-objetos)(1024,53 euros).
Avaliação
7 / 10
Espaçoso, versátil, confortável e com um bom comportamento dinâmico, o SEAT Ateca continua a ser, mesmo três anos depois do seu lançamento, uma das propostas mais equilibradas do segmento dos SUV compactos. Quanto ao motor 1.5 TSI, apesar de não desiludir nos consumos, acaba por parecer "casar" pior com o SUV espanhol do que o 2.0 TDI que não só consegue consumos igualmente bons (quiçá até melhores) como convence muito mais em termos de rendimento.
  • Relação conforto/comportamento
  • Consumos
  • Espaço
  • Ergonomia
  • Alguma falta de pujança do motor
  • Custo dos opcionais
Sabes responder a esta?
Qual foi o primeiro modelo da SEAT?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

O primeiro SEAT da história faz 65 anos
Em cheio!!
Vai para a próxima pergunta

ou lê o artigo sobre este tema:

O primeiro SEAT da história faz 65 anos

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos