Desde 23 522 euros

Smart EQ fortwo nightsky edition: um vislumbre do futuro?

A partir de 2020 a Smart vai tornar-se 100% elétrica na Europa. Para saber o que nos reserva o futuro da marca testámos o Smart EQ fortwo nightsky edition.

Com um futuro a médio prazo ainda incerto (há até rumores que apontam para o seu desaparecimento), para já a Smart avança a passos largos para a sua primeira grande revolução desde o surgimento do fortwo em 1998: a eletrificação total da gama.

Apesar de a meta da eletrificação total apontar só para 2020, a verdade é que já hoje a smart conta com versões elétricas tanto do fortwo (tal como na anterior geração) e do forfour. E foi exatamente a versão elétrica do fortwo que tivemos oportunidade de testar.

Esteticamente semelhante à versão com motor de combustão, o EQ fortwo mantém o ar “fofinho” que lhe é reconhecido, sendo que a unidade que ensaiámos contava ainda com vários detalhes da Brabus (cortesia da série especial nightsky edition).

VÊ TAMBÉM: Testámos o Skoda Karoq 1.0 TSI: será que o Diesel faz falta?
Smart EQ fortwo nightsky edition © Raul Mártires / Razão Automóvel
Graças aos detalhes Brabus o pequeno Smart passa a contar com um visual mais “desportivo”.

Por dentro do Smart EQ fortwo

Com um visual jovem, o interior do EQ fortwo revela uma boa qualidade de montagem que sobressai devido ao facto de não termos o som do motor para nos distrair de possíveis ruídos parasitas. Já os materiais são, como seria de esperar, maioritariamente duros, no entanto, o uso de tecido em grande parte do tablier disfarça esse facto.

Smart EQ fortwo nightsky edition © Raul Mártires / Razão Automóvel
O interior do EQ fortwo está repleto de detalhes engraçados como os comandos da ventilação que se assemelham a uma lupa permitindo ver melhor qual a temperatura que selecionámos.

Ergonomicamente falando, tudo no Smart funciona, sendo apenas de lamentar o número escasso de espaços de arrumação fechados. Já o sistema de infotainment não só conta com gráficos bastante aceitáveis como se revela fácil e intuitivo de usar.

VÊ TAMBÉM: Nissan 350Z. Conhece 7 carros que usaram o seu V6

No entanto, a maior surpresa que o pequeno EQ fortwo nos reserva diz respeito ao espaço. Uma autêntica surpresa para quem nunca se sentou dentro de um Smart, o espaço habitável oferecido pelo pequeno alemão é bastante aceitável, transportando com conforto, e sem “falta de ar”, dois adultos e respetiva bagagem.

VÊ TAMBÉM: O mais hardcore dos Mercedes-AMG GT perde “a cabeça”

Ao volante do Smart EQ fortwo

Com uma posição de condução confortável e fácil de encontrar (mesmo apesar de as baterias fazerem com que o piso surja mais alto do que à partida esperávamos), uma vez ao volante do EQ fortwo salta à vista uma das mais valias conquistadas graças às suas pequenas dimensões: a excelente visibilidade.

Smart EQ fortwo nightsky edition © Raul Mártires / Razão Automóvel
Ao volante do EQ fortwo acabamos por desenvolver um novo jogo: onde é que não cabe o Smart?

Ágil e fácil de conduzir, o EQ fortwo é o companheiro ideal para andar na cidade. As reduzidas dimensões tornam qualquer manobra um simples jogo de crianças e a sua agilidade torna-o até divertido de conduzir em meio urbano à medida que serpenteamos entre o trânsito.

Estacionar, como é óbvio, também deixa de ser um problema, tornando-se até divertido descobrir o espaço mais pequeno onde o EQ fortwo cabe. Já quando chegamos às curvas, apesar de se revelar seguro e estável e de contar com uma direção direta (mas não muito comunicativa), a reduzida distância entre eixos acaba por lhe oferecer um comportamento algo saltitão.

VÊ TAMBÉM: Em Genebra também pudemos ver o futuro… próximo
Smart EQ fortwo nightsky edition © Raul Mártires / Razão Automóvel
Apesar de ser estável e seguro, a reduzida distância entre eixos torna o EQ fortwo um pouco “saltitão”.

Assim, chegamos ao maior ponto de interesse do EQ fortwo: o motor elétrico. Com 82 cv de potência e 160 Nm de binário (entregue de imediato), este chega e sobra para tornar o EQ fortwo despachado e até para deixar carros mais potentes para trás.

O problema é que a bateria de 17.6 kWh que o alimenta acaba por se ressentir com o entusiasmo do pé direito e vê a carga (e consequentemente a autonomia de cerca de 110/125 km reais) desaparecer depressa, sendo que caso não a consigamos gerir bem, a alegria de circular com o fortwo EQ pela cidade depressa se torna em ansiedade à procura de uma tomada.

VÊ TAMBÉM: GFG Style Kangaroo. Um superdesportivo crossover? Porque não?

É o carro certo para mim?

Ágil, pequeno, confortável e divertido de conduzir, o Smart fortwo EQ é o companheiro ideal para quem circula quase exclusivamente em cidade. Aí o citadino alemão sente-se como peixe na água e chega e sobra para as “encomendas”, sendo o único problema a (muito) reduzida autonomia que está mais próxima dos 110 km reais do que dos 160 km anunciados.

Smart EQ fortwo nightsky edition © Raul Mártires / Razão Automóvel
Na bagageira do EQ fortwo encontra-se um local próprio para guardar os cabos de carregamento.

A juntar a este facto, o tempo de carga anunciado de seis horas numa tomada “normal” para repor 80%  revela-se demasiado otimista, ajudando a aumentar ainda mais o estado de ansiedade com que ficamos sempre que temos de percorrer mais quilómetros com o Smart.

VÊ TAMBÉM: Fomos conhecer o novo Mazda3 e já sabemos quanto vai custar

Assim, o EQ fortwo acaba por ser o o carro  ideal para todos aqueles que fazem muito poucos quilómetros diariamente, que não se importam de seguir à risca um percurso pré-definido e de andar (quase) sempre com pé leve.

Preço

unidade ensaiada

28.658

Versão base: €23.526

Classificação Euro NCAP: 4 / 5

  • Motor
    • Posição: Traseira transversal
    • Potência: 82 cv (60 kW)
    • Binário: 160 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Traseira
    • Caixa de velocidades: Caixa de relação única
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 2695 mm / 1663 mm / 1555 mm
    • Distância entre os eixos: 1873 mm
    • Bagageira: 230 l
    • Jantes / Pneus: R16; 185/50 à frente e 205/45 atrás
    • Peso: 1085 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 18,0 kWh/100 km
    • Vel. máxima: 130 km/h
    • Aceleração: 11,5 s
  • Equipamento
    • Computador de bordo
    • Ar condicionado
    • Volante multifunções 3 raios em pele
    • Sistema arrefecimento bateria
    • Alarme
    • Sistema de luzes diurnas LED
    • Brake assist ativo
    • Cruise control
    • Vidros elétricos
    • Acesso smart control
    • Bolsa para cabo carregamento
    • Cabo de carregamento trifásico
Extras
Linha prime (inclui estofos em pele preta e painel e centro da porta em tecido preto com elementos contrastantes em cinzento)(528,46 euros); Sistema de som JBL (459,35 euros); Carregador de bordo de 22 kW (707,32 euros); Sintonizador digital (178,86 euros); Teto panorâmico com proteção solar (296,75 euros); Apoio de braço para condutor e consola central com gaveta (81,30 euros); Pack Cool & Media (504,07 euros); Smart Media system com DAB e JBL sound system (504,07 euros); TomTom LIVE services (-); Retrovisores exteriores elétricos e aquecidos (-); Pack Cabos Carregamento (252,03 euros); nightsky edition inclui: Pack Exterior Style com spoiler dianteiro BRABUS, saias laterais, difusor traseiro em preto com partes contrastantes em “pacific blue”, jantes BRABUS "Monoblock VIII" em preto com aro em azul, capas dos espelhos em “pacific blue”, logo “nightsky”, pack interior Style com alavanca de velocidades BRABUS com logo smart EQ fortwo, travão de mão BRABUS em alumínio e pedais desportivos BRABUS, pack interior color com apontamentos e saídas de ar em “pacific blue”, tapetes BRABUS em veludo com pesponto em azul e lettering “nightsky" (1365,85 euros); Pack LED & Sensor (-); Faróis de nevoeiro com luzes de berma (-); Sensor de chuva e luz (-); Coluna de direção regulável em altura (-); Banco do condutor regulável em altura (-); Pack Inverno (inclui Volante aquecido e bancos aquecidos para condutor e passageiro)(117,89 euros); Radar e câmara traseira (544,72 euros); Tailor made nightsky edition (2772,36 euros).
Avaliação
6 / 10
Mantendo todas as qualidades típicas do fortwo (as dimensões reduzidas, a facilidade de condução, o visual engraçado e até o espaço), o EQ fortwo é daquelas ideias que parecem perfeitas no papel mas que na realidade revelam algumas arestas por limar. É que numa utilização que não esteja restrita apenas ao percurso casa-trabalho-casa, a autonomia acaba por se revelar demasiado escassa o que torna o normalmente divertido e descontraído exercício da condução de um fortwo numa experiência algo ansiosa tal é o receio de ficar sem bateria. Assim, se, tal como eu, és daquelas pessoas que de vez em quando gostam de ir dar uma volta ao fim do dia sem destino mas precisas de um carro que se sinta como peixe na água, o ideal talvez seja comprares um fortwo a gasolina antes que acabem.
  • Facilidade de utilização
  • Agilidade
  • Ergonomia
  • Estilo
  • Autonomia
  • Tempo de carregamento
  • Ausência de porta-objetos fechados

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos