Já disponível

Já conduzimos o novo Scala, o “Golf” da Skoda

O novo Skoda Scala aponta diretamente ao coração do "segmento do Golf", ainda um dos mais competitivos no mercado. Que argumentos traz o Scala para vingar?

Em Mourão, Alentejo, Portugal

O Skoda Scala é o novo representante da marca checa para o segmento C, onde habitam carros como o Ford Focus, Renault Mégane ou até o “primo afastado” Volkswagen Golf. Vem tomar o lugar do Rapid, apesar de não o substituir diretamente — o Scala está firmemente plantado no segmento C, ao contrário do Rapid, posicionado mais abaixo.

Mas o segmento C da Skoda não é o Octavia? Sim, mas… O Octavia, devido às suas dimensões (bem maior que a média) e formato (dois volumes e meio), acaba por não “encaixar” no meio do exército de hatchbacks (carroçarias de dois volumes) que são a essência do segmento. Até é frequente ler e ouvir que está entre dois segmentos — esse tipo de dúvidas desaparece com o Scala.

De forma intrigante, o Skoda Scala, ao assentar sobre a plataforma MQB A0 — uma estreia no construtor —, recorre às mesmas fundações do SEAT Ibiza e Volkswagen Polo, do segmento abaixo.

RELACIONADO: Skoda Scala já está disponível em Portugal. Quanto custa?

Mas o Scala não engana. As suas dimensões são claramente do “segmento do Golf”, como os 4,36 m de comprimento e 1,79 m de largura atestam, ou os 2,649 m de distância entre eixos deixam adivinhar — é 31 cm mais comprido do que o Polo (com o qual partilha a MQB A0), mas 31 cm mais curto que o Octavia.

O que as dimensões mais compactas do Scala não deixam adivinhar é o espaço a bordo — este é, muito provavelmente, o carro mais espaçoso do segmento. Sentem-se no banco atrás e mesmo que passem “à vontade” os 1,80 m de altura, o Scala tem espaço de sobra — a percepção com que se fica é estarmos num carro maior.

O espaço para pernas atrás é referencial, equivalente ao Octavia; não falta espaço em altura, mesmo quando equipado com o opcional teto panorâmico; e a bagageira, com 467 l, só é ultrapassada pelo maior Honda Civic, mas só por meros 11 l (478 l).

Sentados à frente, há um mix de novidade e familiaridade. O desenho do tablier é novo na Skoda, mas os comandos ou o sistema de info-entretenimento são facilmente relacionados não só com a Skoda, mas com outros produtos do imenso grupo Volkswagen. O que perde em individualidade, ganha em facilidade de uso e interação, não requerendo grandes “esforços mentais” para saber onde tudo fica e reduzindo os níveis de distração.

VÊ TAMBÉM: O interior do novo Volkswagen Golf quase não tem botões

Ao volante

Altura de nos pormos à estrada, com aproximadamente 200 km a separar-nos do destino, entre Lisboa e Mourão, no Alentejo. Oportunidade para o Skoda Scala demonstrar as suas capacidades como estradista — grande parte do percurso seria por autoestrada.

E um bom estradista foi o que o Scala se revelou. Banco e volante (em pele) têm ajustes amplos o suficiente para encontrar uma posição de condução à nossa medida, o banco revelou-se confortável mesmo após um “turno” de condução mais longo.

Skoda Scala 2019

A velocidades de cruzeiro mais elevadas — 130-140 km/h —, nota para os ruídos de rolamento e aerodinâmicos, que se mantém em níveis aceitáveis. Não é um “Lord of the Autobahn“, mas permitiu perceber que está mais que talhado para as viagens longas que acontecem neste período de férias, graças aos bons níveis de conforto e refinamento.

Se querem uma experiência de condução mais acutilante e excitante, é melhor irem à procura noutro lado, mas o Scala não compromete. Não só o tato dos comandos se encontra num muito bom plano, revelando peso adequado, muito boa precisão e progressividade, como o comportamento revelou-se sempre preciso e previsível, garantindo elevados níveis de confiança ao volante.

Skoda Scala 2019

Ao nosso dispor estavam duas das três motorizações que o Scala terá (para já) em Portugal, o 1.0 TSI de 116 cv e o 1.6 TDI de 116 cv. Ambos com a muito boa caixa manual de seis velocidades — precisa,, mas com níveis de equipamento distintos — Style, o nível mais elevado, no 1.0 TSI; e Ambition para o 1.6 TDI. Faltou apenas à chamada o 1.0 TSI de 95 cv, motorização que servirá de acesso à gama Scala.

Nesta versão de 116 cv e caixa manual, o 1.0 TSI revelou-se, para já, na proposta mais interessante. O ubíquo três cilindros turbo do grupo Volkswagen é um dos melhores do mercado, quase mais parecendo um motor naturalmente aspirado de maior capacidade. Linear na entrega, dá o seu melhor nos médios regimes, garantindo ao Scala prestações minimamente decentes para um uso familiar.

É mais refinado e silencioso que o 1.6 TDI que conduzi no regresso, e até permite consumos razoáveis, com esta viagem a ter-se ficado pelos 6,5 l/100 km, mesmo considerando que não foi praticada uma condução pró-consumos.

Skoda Scala 2019

Sendo o Style, vinha equipado com jantes de 17″ — 16″ para o Ambition —, pelo que o que perdemos em conforto (não muito), ganhamos um pouco mais em acutilância dinâmica.

Para consumos, o 1.6 TDI não tem rival, naturalmente — 5,0 l/100 km, para o mesmo tipo de condução —, e como “corredor de fundo”, sobretudo para as grandes tiradas em autoestrada efetuadas, revelou-se o parceiro ideal.

Menos agradável é a experiência quando os ritmos abrandam e precisamos de recorrer mais à caixa — é mais audível e menos agradável de ouvir que o 1.0 TSI, e a aparente falta de binário abaixo das 1500 rpm torna a sua utilização em percursos de caráter urbano mais hesitante.

A NÃO PERDER: Os quatro cilindros mais potentes à venda no mercado (2019)

Em conclusão

Uma entrada robusta por parte da Skoda no coração do segmento C. O Skoda Scala apresenta um conjunto de argumentos fortes, sobretudo ao nível do espaço, conforto e preço, revelando-se uma proposta madura e homogénea, sem pontos fracos dignos de nota.

Já se encontra em comercialização em Portugal com preços concorrenciais, a começar nos 21 960 euros para o 1.0 TSI de 95 cv. O 1.0 TSI de 116 cv e 1.6 TDI que tivemos oportunidade de conduzir têm preços a começar nos 22 815 euros e 26 497 euros, respetivamente.

Skoda Scala 2019

Primeiras impressões

7 / 10
O rei do espaço do segmento? Muito provavelmente. Como pequeno (mas também grande) familiar não há nada verdadeiramente a apontar ao Skoda Scala. Uma proposta madura e homogénea, destacando-se o espaço, conforto e preço concorrencial — não existem pontos negativos dignos de nota. Existem propostas mais excitantes de conduzir, ou até outras com interiores mais sumptuosos, mas o Scala não compromete, revelando-se uma proposta completa e racional.

  • Espaço a bordo

  • Conforto

  • Equipamento

  • Alguns materiais no interior

  • Agradabilidade 1.6 TDI

Preço

21.960

Data de comercialização: Julho 2019


Sabes responder a esta?
Qual o nome dado à nova sub-marca elétrica da Skoda?

Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos