Desde 28 015 euros

Testámos a Renault Mégane ST GT Line TCe 140 FAP: honras de estreia

O Mégane foi o primeiro Renault a receber o novo 1.3 TCe. Para saber como correu o "casamento" testámos a Renault Mégane ST GT Line TCe 140 FAP.

Visão muito habitual nas nossas estradas, o Renault Mégane (principalmente na versão ST) continua a ser um dos best-sellers da marca francesa, mesmo após o boom dos SUV. Para garantir que este continua a vender como tem vendido, a Renault decidiu reforçá-lo oferecendo-lhe um novo motor.

Desenvolvido em conjunto pela Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi e pela Daimler, o novo 1.3 TCe estreia-se na gama Renault debaixo do capot do Mégane, precisamente numa fase, em que as vendas dos Diesel continuam a cair um pouco por toda a Europa.

Assim, para descobrirmos o que este motor tem para oferecer, testámos a Renault Mégane ST GT Line TCe 140 FAP com caixa manual de seis velocidades.

VÊ TAMBÉM: Carlos Ghosn abandonou os cargos de CEO e Chairman da Renault

Esteticamente, a carrinha gaulesa mantém-se inalterada. Quer isto dizer que continua a apresentar um visual bem conseguido e, acima de tudo, muito semelhante ao da “irmã mais velha”, a Talisman ST.

Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel

No interior da Mégane ST

Se no exterior a Mégane ST apresenta semelhanças com a Talisman ST, o mesmo acontece no interior, com o interior a seguir as linhas de estilo dos Renault mais recentes, ou seja, um ecrã tátil de grandes dimensões colocado ao topo e ao centro, ladeado pelas condutas de ventilação.

No que diz respeito aos materiais utilizados, o interior da Mégane ST mistura materiais moles no topo do tablier e mais duros na parte inferior. Quanto à montagem, esta apresenta-se em bom plano, no entanto, está ainda longe de modelos como o Civic ou o Mazda3.

Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel
A Mégane ST conta com um prático head-up display. A unidade ensaiada estava equipada com um ecrã tátil de 8,7”.

Apesar de a Mégane ST abdicar de muitos dos comandos físicos em detrimento do ecrã tátil, é fácil navegar através dos menus do sistema de infotainment (graças também aos comandos no volante). Assim, em termos ergonómicos a única crítica vai para o posicionamento do comando do limitador de velocidade e do cruise control (junto à caixa de velocidades).

Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel
A bagageira oferece 521 litros. É possível rebater os bancos traseiros através de duas patilhas na lateral da bagageira.

Já quanto ao espaço, isso é algo que a Mégane ST tem para oferecer de sobra. Desde a bagageira (que oferece 521 l que ir até 1695 l com o rebatimento dos bancos traseiros), até aos bancos traseiros, se há coisa que esta Mégane é capaz de fazer é levar quatro adultos e respetiva carga com conforto.

Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel
Apesar de ser mais desafogada em termos de espaço para as pernas e cabeça do que em largura, nos lugares traseiros da Mégane ST há muito espaço para que dois adultos viagem com conforto.

Ao volante da Mégane ST

Uma vez sentados aos comandos da Mégane ST há uma coisa que se torna evidente: os bancos desportivos que vêm com o nível de equipamento GT Line têm muito apoio lateral. Tanto, que até se chega a tornar incomodativo em algumas manobras pois acabamos por estar sempre a bater com os cotovelos no banco.

VÊ TAMBÉM: Citroën Ami One. O “cubo” que quer revolucionar a mobilidade
Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel
O apoio lateral oferecido pelos bancos dianteiros pode tornar-se incómodo dependendo da estatura do condutor. É que por vezes, durante manobras ou quando manuseamos a caixa de velocidades, acabamos por embater com o cotovelo direito na lateral do banco.

Ainda assim, é possível encontrar uma posição de condução confortável na Mégane ST, sendo que a visibilidade para o exterior, apesar de não ser referencial (para isso a Renault tem o Scénic), não se apresenta em mau plano.

VÊ TAMBÉM: Audi A6 40 TDI testado. The Lord of the… Autobahn
Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel
O sistema Multi-Sense permite escolher entre cinco modos de condução diferentes.

Tal como acontece com a maioria dos Renault, também a Mégane ST conta com o sistema Multi-Sense que te permite escolher cinco modos de condução (Eco, Sport, Neutral, Comfort e Personalizado). Estes atuam sobre vários parâmetros como a resposta do acelerador, a direção e até a iluminação ambiente e o painel de instrumentos, mas as diferenças entre si são (no geral) discretas.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Ford Focus Active. Quem não tem cão…

Dinamicamente falando, a Mégane ST revela-se competente, segura e estável, sendo apenas de lamentar o tacto geral dos comandos ser filtrado. É que se a suspensão e o chassis fazem bem a sua parte (afinal de contas esta é a base do Mégane RS Trophy), o mesmo não se pode dizer da direção (pouco comunicativa) e do tacto da caixa e travões que privilegiam claramente o conforto.

Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel
As jantes de 17” equipadas com pneus 205/50 permitem um bom compromisso entre conforto e comportamento.

Já o 1.3 TCe, aqui na versão de 140 cv, revela-se uma ótima opção. Linear na entrega de potência e sem acusar a baixa cilindrada, este permite imprimir ritmos elevados à Mégane. Ao mesmo tempo, a caixa manual de seis velocidades permite extrair todo “o sumo” do motor e o melhor de tudo, sem que os consumos disparem, ficando-se por uns bem razoáveis 6,2 l/100 km em percurso misto e sem subir para lá dos 7,5 l/100 km em cidade.

VÊ TAMBÉM: Ford Focus 1.5 EcoBoost Vignale SW. Testámos o Focus com sotaque italiano
Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel
A unidade ensaiada contava com os opcionais faróis Full LED, e acredita, são um opcional que vale a pena ter.

É o carro certo para mim?

Espaçosa, despachada, confortável e ainda por cima económica, quando equipada com o novo 1.3 TCe, a Renault Mégane ST ganha argumentos mais que suficientes para continuar a figurar no topo das tabelas de vendas.

VÊ TAMBÉM: Diesel ainda compensa? Teste completo ao Peugeot 308 SW 1.5 BlueHDi
Renault Mégane ST © Raul Mártires / Razão Automóvel

É que para além das qualidades inerentes a qualquer Mégane, nomeadamente o conforto, a facilidade de utilização e a boa relação custo/equipamento, o novo motor vem provar que é possível um pequeno motor a gasolina permitir, ao mesmo tempo, conciliar boas performances e consumos baixos.

Assim, se precisas de espaço mas não abdicas de chegar depressa ao destino, a Mégane ST GT Line TCe 140 FAP pode muito bem ser a escolha certa. É que ainda por cima, no nível de equipamento GT Line a Mégane ST vem bem equipada e com uma série de apontamentos estéticos mais desportivos.

Preço

unidade ensaiada

30.250

Versão base: €28.015

IUC: €137

Classificação Euro NCAP: 5 / 5

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cil. em linha
    • Capacidade: 1332 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção Direta + Turbo + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: 140 cv às 5000 rpm
    • Binário: 240 Nm às 1600 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de seis velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4626 mm / 1.814 mm / 1457 mm
    • Distância entre os eixos: 2712 mm
    • Bagageira: 521 l
    • Jantes / Pneus: 205/50 R17
    • Peso: 1362 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,1 l/100 km
    • Emissões de CO2: 139 g/km
    • Vel. máxima: 205 km/h
    • Aceleração: 9,8s
  • Equipamento
    • Head-Up Display
    • Sistema de ajuda ao estacionamento dianteiro
    • Sistema Renault MULTI-SENSE
    • Banco do passageiro com regulação em altura
    • Banco traseiro com função Easy Break (Rebatimento Fácil) e com apoio de braços
    • Badges GT Line
    • Jantes em liga leve de 17” GT Line
    • Pack Look Exterior GT Line
    • Apoios de cabeça GT Line
    • Ecrã TFT 7” (no painel de instrumentos)
    • Pack Look Interior GT Line • Retrovisores exteriores em Dark Metal
    • Retrovisor interior eletrocromático
    • Volante em couro GT Line
    • Retrovisores exteriores em Dark Metal
Extras
Faróis Full Led (800 euros); Câmara de marcha atrás (490 euros); ecrã tátil de 8.7'' (300 euros); pneu sobressalente de dimensões reduzidas (100 euros).
Avaliação
7 / 10
Bem equipada, segura, confortável e (muito) espaçosa, a Renault Mégane ST tem no novo 1.3 TCe um bom aliado para ir "à caça" de mais vendas num mercado que aos poucos vai abandonando o Diesel. Sem grandes defeitos a assinalar mas também sem se revelar referencial em nenhum parâmetro específico, a Mégane ST GT Line TCe 140 FAP faz da homogeneidade a sua principal arma e, verdade seja dita, essa é uma das principais razões pelas quais continua a surgir no topo das tabelas de vendas.
  • Motor
  • Conforto
  • Espaço/capacidade da bagageira
  • Consumos
  • Tacto filtrado dos comandos
  • Excesso de apoio lateral dos bancos dianteiros
Sabes responder a esta?
Em que ano foi lançado o Renault 19?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te deste? Renault 19 16V
Em cheio!!
Vai para a próxima pergunta

ou lê o artigo sobre este tema:

Lembras-te deste? Renault 19 16V

Mais artigos em Testes, Ensaio

Os mais vistos