Skoda Octavia RS é uma melhor opção que o «primo» Golf GTI?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 45 749 euros

Skoda Octavia RS é uma melhor opção que o «primo» Golf GTI?

Com a mesma mecânica do Volkswagen Golf GTI, o Skoda Octavia RS é uma alternativa aos hot hatch. Mas será melhor que a referência?

Desde 2001 que o Skoda Octavia RS é a prova de que a marca checa não se limita apenas a criar modelos práticos e versáteis.

O Octavia está disponível com motorizações a gasolina, Diesel e híbridas plug-in, mas tem no RS a sua variante a octanas mais interessante.

A sua mecânica é partilhada com o incontornável Volkswagen Golf GTI, com todos os ganhos de performance que isso acarreta, mas sem perder pitada dos argumentos racionais que associamos ao mais familiar Octavia. Será que o Octavia RS consegue-se impor a uma das referências entre os hot hatch?

A NÃO PERDER: Testámos o Hyundai Kauai N. O que vale o primeiro N em formato SUV?
Skoda Octavia RS vista traseira 3/4
A dupla saída de escape, o discreto spoiler e os apontamentos em vermelho não deixam dúvidas: este Octavia não é igual aos restantes. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

À altura das expectativas

Tendo em conta que o Skoda Octavia RS partilha o hardware com o Golf GTI, as expectativas acerca da sua experiência de condução eram altas. Depois de o conduzir posso afirmar que o modelo checo não desiludiu.

Na prática a sua experiência de condução assemelha-se bastante à do Golf GTI apresentando «múltiplas» personalidades.

Skoda Octavia RS em movimento vista dianteira
O Octavia RS enfrenta com o mesmo «à vontade» um encadeado de curvas como uma viagem longa ou até a tarefa de levar os miúdos à escola. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Nos modos de condução “Eco” ou “Comfort” — há ainda o “Individual” que nos permite criar uma configuração personalizada — o Octavia RS revela-se cómodo, mesmo nas viagens mais longas, e até surpreende pela facilidade de condução e… pelos consumos.

Num ritmo mais calmo não foi difícil conseguir médias entre os 6,5 e os 7 l/100 km e tudo isto sem ver o motor 2.0 TSI (o ubíquo EA888) apresentar um comportamento excessivamente «domado».

É no modo “Sport” que o Octavia RS parece «acordar». A direção fica mais pesada e responde com maior prontidão, a caixa DSG deixa que o motor suba mais de rotação antes de mudar de relação mais tarde e o motor vê a sua resposta tornar-se (ainda) mais imediata.

Quanto ao comportamento, este pauta-se, acima de tudo, pela eficácia. Tal como o Golf GTI, o Octavia RS não é a proposta mais divertida de conduzir com a «faca nos dentes», mas é sem dúvida uma das mais eficazes e uma das que nos permite andar depressa com mais facilidade, não exigindo ao condutor um «super kit de unhas».

Motor 2.0 TSI do Octavia RS
O 2.0 TSI impressiona pela disponibilidade, só é pena a sua sonoridade não condizer com o seu rendimento. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

À mínima provocação o Octavia RS arranca com vigor, fazendo «jogo igual» com o Golf GTI. É verdade que os 0 aos 100 km/h são um pouco mais lentos — 6,7s em vez de 6,2s —, mas no «mundo real» a diferença é quase imperceptível.

Neste modo os consumos ressentem-se e não é raro vermos o computador de bordo marcar valores na casa dos 11 l/100 km. Contudo, se o aumento dos consumos é aceitável o mesmo não se pode dizer da sonoridade artificial do motor.

 

Se a bordo do Octavia RS até soa bem, basta abrir a janela para perceber que o som que invade o habitáculo é gerado pelas colunas e não pelo escape.

Lobo em pele de cordeiro? Nem por isso

Habitualmente sóbrio, o Skoda Octavia RS abdica da discrição para se tornar bem mais vistoso. Seja pela pintura azul da nossa unidade, pelas jantes de 19” ou pelas pinças de travão vermelhas, o modelo checo não passa despercebido como outros Octavia.

Aliás, ao longo dos dias que esteve comigo pareceu-me até ser mais capaz de captar atenções do que o Golf GTI.

O facto de a Skoda ser associada a propostas mais racionais pode contribuir para este fator, mas não posso deixar de elogiar o trabalho da marca checa em tornar este Octavia bem mais chamativo.

VEJAM TAMBÉM: DS 4 Rivoli PureTech 225. Tem o que é preciso para rivalizar com os alemães?

Já no interior, os bancos desportivos cumprem bem a função de nos manter «no lugar» quando o ritmo aumenta, e o tabliê com acabamentos a imitar carbono e camurça não nos deixa confundir este Skoda Octavia com os restantes.

Já a robustez do habitáculo e a agradabilidade dos materiais são aquelas a que nos habituámos nos restantes Octavia e, verdade seja dita, não vos posso dizer que a diferença face ao Volkswagen Golf GTI seja particularmente significativa.

Outro campo no qual o Skoda Octavia RS se impõe ao Golf GTI e à maioria da concorrência é na habitabilidade. As cotas internas são mais generosas e o melhor é nem comparar as bagageiras — os 600 l do Octavia «esmagam» os 374 l do Golf e devem provocar inveja até a algumas carrinhas.

É o automóvel certo para si?

Se há algo que posso elogiar ao Octavia RS é o facto de nos conseguir cativar com uma dinâmica competente e boas prestações ao mesmo tempo que se revela capaz de cumprir na perfeição o papel de «carro da família».

Face ao «primo» germânico perde (marginalmente) nas prestações e compreendo que um Volkswagen Golf GTI afigura-se como uma proposta mais atrativa caso as exigências «familiares» não estejam nas prioridades do potencial comprador.

Contudo, para quem já está noutra fase da sua vida e não quer abdicar da performance ou de uma experiência de condução mais cativante, o Skoda Octavia RS apresenta-se como uma das melhores propostas do mercado.

No fundo, não se trata tanto de ser melhor ou não do que o Golf GTI, dependendo bem mais das necessidades familiares de cada um.

Preço

unidade ensaiada

49.549

Versão base: €45.749

IUC: €242

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1984 cm3
    • Posição: Dianteira longitudinal
    • Carregamento: Injeção mista direta/indireta + turbo + intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válv. por cilindro (16 válv.)
    • Potência: 245 cv entre 5000-6500 rpm
    • Binário: 370 Nm entre 1600-4300 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: DSG de 7 relações
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4702 mm / 1829 mm / 1457 mm
    • Distância entre os eixos: 2681 mm
    • Bagageira: 600-1555 l
    • Jantes / Pneus: 225/45 R19
    • Peso: 1526 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,8 l/100 km
    • Emissões de CO2: 154 g/km
    • Vel. máxima: 250 km/h
    • Aceleração: 6,7s
  • Equipamento
    • Front Assist com sistema de travagem de emergência
    • Hill hold control
    • Lane assist
    • Monitorização da pressão dos pneus
    • Apoio de braços dianteiro
    • Ar condicionado Climatronic
    • Bancos dianteiros reguláveis em altura com apoio lombar
    • Cruise Control + Speedlimiter
    • Driving Profile Selection
    • Start&Stop com recuperação de energia da travagem
    • Travão de mão elétrico com função auto-hold
    • Cockpit Virtual
    • Sistema de infotainment com Bolero 10”, voice control e conectividade Apple
    • Volante multifunções Sport em pele com patilhas da caixa
    • Câmara traseira
    • Espelhos retrovisores exteriores elétricos, aquecidos e retráteis
    • Faróis de nevoeiro dianteiros
    • Faróis dianteiros full LED Matrix, AFS 1
    • Faróis traseiros LED
    • Jantes de liga leve 18''
    • Sensor de luz e chuva
    • Sensores de parqueamento dianteiros e traseiros
Extras
Bancos dianteiros ajustáveis eletricamente com memória — 975 €; Bancos dianteiros aquecidos com controlo individual — 230 €; Bluetooth com LTE e carregamento por indução — 285 €; Espelhos retrovisores exteriores elétricos, retráteis com anti encadeamento, sensor de luz e chuva e memória — 465 €; Jantes de liga leve 19" — 630 €; Park Assist com sensores de parqueamento dianteiros e traseiros — 325 €; Sistema de Infotainment Columbus com ecrã 10" — 890 €.
Avaliação
8 / 10
O Skoda Octavia RS é a prova de que não é preciso abdicar da performance e aptidões dinâmicas apenas porque a família cresceu. À plataforma e mecânica do Volkswagen Golf GTI, o Octavia RS acrescenta uma série de argumentos racionais. Em troca perdemos uma aparência mais jovial e, claro está, o «pedigree» associado aos mais de quarenta anos da sigla GTI.
  • Espaço
  • Versatilidade
  • Prestações
  • Comportamento dinâmico
  • Sonoridade artificial
  • Ausência dos comandos físicos da climatização
Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelado o protótipo Skoda Tudor?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Nada está a salvo. Skoda Tudor, o protótipo que até seria roubado

Mais artigos em Testes, Ensaio