Desde 45 094 euros

Golf GTI. Testámos o “pai dos hot hatch”. Ainda ensina alguma lição?

Ao fim de oito gerações e 45 anos o Volkswagen Golf GTI continua a ter argumentos para ser uma das referências do segmento? Fomos descobrir.

Se houvesse um dicionário do mundo automóvel, dificilmente a descrição de um hot hatch contaria com o nome do Volkswagen Golf GTI, tal é a importância do modelo germânico.

Ao longo de cerca de 45 anos de história, o Golf GTI tem sido, desde a sua primeira geração, uma das referências entre os hot hatch — excetuando a década de 90, onde a sigla GTI não foi muito feliz. É grande a “responsabilidade” que recai sobre a nova geração do desportivo alemão.

Mas será que o novo Volkswagen Golf GTI faz jus aos seus antepassados? E será que a Volkswagen continua a dominar a “receita” de fazer um desportivo capaz de também lidar facilmente com as rotinas do dia a dia? Altura de o colocar à prova.

A NÃO PERDER: Volkswagen Golf R (320 cv). Este é o Golf de produção MAIS POTENTE de sempre
Volkswagen Golf GTI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Sóbrio, é claro

O novo Golf GTI segue “à risca” — literal e metafórica — a receita estreada em 1976. Longe do aparato visual dos Honda Civic Type R e Renault Mégane R.S., nem por isso o Golf GTI deixa de captar atenções.

Para tal conta com um spoiler traseiro, umas vistosas jantes de 19”, uma dupla saída de escape, para-choques específicos e, claro está, a risca vermelha (à frente), além dos omnipresentes logótipos (de letras vermelhas, como não podia deixar de ser) que denunciam que este Golf não é igual aos restantes.

Já no interior temos os bancos com padrão em xadrez (uma homenagem ao original), o volante desportivo e o “Digital Cockpit” com um visual específico como principais chamarizes. Tudo o resto é idêntico aos restantes Golf, desde a qualidade geral acima da média até à ergonomia… melhorável que caracteriza esta geração.

A NÃO PERDER: Agora também como híbrido plug-in. Testámos o Kia XCeed PHEV

Múltiplas personalidades

Feitas as apresentações, é hora de abordar aquilo que mais interessa no Volkswagen Golf GTI: a experiência de condução. Será que continua a ser capaz de conjugar desportividade com usabilidade?

Numa palavra só: sim! O Golf GTI continua a juntar o melhor de dois mundos. Comecemos em modo “passeio”, ou seja, o modo mais civilizado, o ideal para os modos de condução selecionáveis “Eco” ou “Comfort” (o “Individual” permite-nos criar um modo à la carte).

LEIAM TAMBÉM: Skoda Superb Break TDI 190 cv testada. O que oferece para além de muito espaço?

Nessas circunstâncias, quando queremos andar com mais calma, este Golf GTI presenteia-nos com uma agradável facilidade de condução e com um nível de conforto notável, enfrentando longos trajetos com o mesmo à vontade de um Golf TDI. Nunca se torna cansativo ou mostra qualquer “desconforto” por estar a ser usado desta forma.

É claro que sempre que precisamos de fazer uma ultrapassagem ou encontramos um encadeado de curvas depressa percebemos que este Golf é diferente — a facilidade com que faz a primeira e o à vontade com que lida com o segundo não deixam de surpreender.

Já quando queremos explorar a veia desportiva do Volkswagen Golf GTI, temos de selecionar o modo “Sport”. Não só a sonoridade se torna mais notória (e agradável) como todo o carro parece “acordar”.

Volkswagen Golf GTI
No modo “Sport” o Volkswagen Golf GTI torna-se bastante rápido sem se tornar demasiado desafiante para os condutores menos experientes. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
A NÃO PERDER: Já conduzimos o novo Volkswagen ID.3 em Portugal

A direção já de si direta, precisa e rápida passa a responder ainda com maior prontidão do que um sensor de movimento, a resposta ao acelerador torna-se (quase) imediata e o Golf GTI parece “disparar” como se de um pequeno foguete se tratasse. Já a caixa DSG passa a mudar de relação mais tarde e a responder de forma (ainda) mais rápida.

Tudo isto faz com que as curvas (e as retas) se sucedam a velocidades bastante elevadas. Os movimentos da carroçaria são muito bem controlados pela suspensão (que nem nestas alturas se torna desconfortável), os travões aguentam um uso intensivo sem acusarem fadiga e os limites (bem elevados) quando chegam traduzem-se sempre em reações progressivas.

Volkswagen Golf GTI
As jantes de 19” da unidade que testei são opcionais, mas desempenham um importante papel no visual do Golf GTI. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Se é tão divertido de conduzir como os Civic Type R ou Mégane R.S.? Não. Mas é muito fácil conduzi-lo depressa, explorar as suas capacidades sendo “senhor” de uma invejável eficácia. No fundo, abdica de alguma diversão para se tornar à “prova” de mãos menos experientes.

Quanto ao motor, este 2.0 TSI (o ubíquo EA888) de 245 cv assenta “como uma luva” ao Golf GTI e às suas aspirações de agradar a “Gregos e Troianos”, revelando-se progressivo e agradável de usar, com potência desde os baixos regimes e sem uma entrega demasiado abrupta.

Volkswagen Golf GTI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por fim, no campo dos consumos, em condução calma facilmente alcançamos médias de 7 a 7,5 l/100 km (com muita calma consegui 5,9 l/100 km) e quando nos entusiasmamos estas sobem para lá dos 10 l/100 km, chegando a registar médias de 12 l/100 km.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o Volkswagen Golf 1.5 eTSI. Tem o que é preciso para continuar a liderar?

É o carro certo para si?

Cerca de 45 anos depois do seu lançamento o Volkswagen Golf GTI, mesmo não sendo o mais potente ou rápido deste nicho, não deixa de ser uma das referências entre os hot hatch.

Volkswagen Golf GTI
Uma das mais icónicas siglas do mundo automóvel. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

No fundo, o Golf GTI é como umas calças de ganga, adaptando-se a várias situações. Já os rivais japonês e francês que referi recordam-me mais um bom fato de treino: ótimos para cumprir as funções para que foram desenhados, ressentem-se um pouco quando são levados para fora da sua “zona de conforto”..

Descubra o seu próximo carro:

Preço

unidade ensaiada

48.918

Versão base: €45.094

IUC: €239

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1984 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção mista direta/indireta + turbo + intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válv. por cilindro
    • Potência: 245 cv entre as 5000-6200 rpm
    • Binário: 370 Nm entre as 1600-4300 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: DSG de 7 relações
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4287 mm / 1789 mm / 1478 mm
    • Distância entre os eixos: 2627 mm
    • Bagageira: 374 litros
    • Jantes / Pneus: 235/35 R19
    • Peso: 1463 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 7,4 l/100 km
    • Emissões de CO2: 168 g/km
    • Vel. máxima: 250 km/h
    • Aceleração: 6,2s
  • Equipamento
    • Ar condicionado automático "Climatronic"
    • Bancos dianteiros com regulação do apoio lombar
    • Bancos dianteiros com regulação em altura
    • Cockpit Digital
    • Cruise Control Adaptativo ACC
    • Dynamic Light Assist para faróis em LED Matrix
    • Faróis com regulação automática, com luzes de curva dinâmicas
    • Faróis de nevoeiro em LED
    • Faróis IQ.LIGHT LED MATRIX, com luzes diurnas em LED e indicadores de mudança de diração dinâmicos
    • Interface USB-C
    • Jantes de liga leve 17''
    • Lane Assist semi-automático
    • Reconhecimento de sinais de trânsito
    • Retrovisor interior com função anti encandeamento
    • Retrovisores exteriores rebatíveis eletricamente
    • Seletor de perfil de condução
    • Sensor de chuva
    • Sistema "Front Assist", com proteção de pedestres e ciclistas
    • Sistema "Side Assist"
    • Sistema Bluetooth com carregamento por indução
    • Sistema de ajuda ao parqueamento
    • Sistema de deteção de fadiga
    • Sistema de navegação "Discover Media"
    • Sistema Start&Stop com recuperação da energia de travagem
    • Travel Assist + Emergency Assist
    • Travão de parque elétrico com função Hild Hold Control
    • Vidros traseiros escurecidos
    • Voice Control
Extras
Câmara traseira — 304,06 €; Suspensão adaptativa DCC para jantes de 19'' — 786,61 €; Pacote Business — 1386,80 €; Jantes de liga leve 19'' — 1346,26 €.
Avaliação
8 / 10
Nesta oitava geração, o Volkswagen Golf GTI faz justiça ao título de "desportivo compacto mais vendido de sempre". Com um visual à altura (mas sem ser excessivamente vistoso), uma assinalável relação entre consumos e prestações e um comportamento dinâmico que impressiona, o Golf GTI não desilude os seus antepassados nem quem o escolhe. É um desportivo que enfrenta com o mesmo à vontade uma estrada de serra como a hora de ponta, que fica tão bem estacionado no paddock de um circuito como numa grande superfície. Continua a ser uma das principais opções a ter em conta entre os hot hatch.
  • Comportamento dinâmico
  • Relação conforto/comportamento
  • Prestações
  • Consumos
  • Ausência de comandos físicos para a climatização
  • Sonoridade melhorável
Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Volkswagen Golf R32?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Glórias do Passado. Volkswagen Golf R32, o primeiro R

Mais artigos em Testes, Ensaio