Conduzimos o «monstro português» da TIL Motorsport, o AMG GT R PRO de 850 cv

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Tuning

Conduzimos o «monstro português» da TIL Motorsport, o AMG GT R PRO de 850 cv

A convite da TIL Motorsport fomos até ao circuito do Estoril para testar um «super» Mercedes-AMG GT R PRO. E quando digo «super» não me refiro apenas à potência…

Em Autódromo do Estoril

A potência não é tudo. Parece uma afirmação absurda, quando está em causa o teste a uma versão ainda mais «musculada» do Mercedes-AMG GT R PRO, não é?

Mas foi precisamente esse «ponto de partida» para o convite de Stéphane Galvão, CEO da TIL Motorsport — uma nova empresa de preparação automóvel, com sede em Viana do Castelo, que é na prática o «braço armado» da Opus Innovation no mercado nacional —, mostrar que os “números” não são tudo.

“Retirar potência de um V8 de última geração é fácil. Mas preservar a fiabilidade mecânica, manter uma entrega de potência linear e o carro utilizável no dia a dia já não é tão simples. Tens de experimentar”, disse-me Stéphane Galvão ao telefone.

Como devem calcular, não se nega um convite assim.

VEJAM TAMBÉM: Resistir-lhe é inútil. Testámos o Mercedes-AMG GT Night Edition, o «lado negro da força»
Mercedes-AMG GT R Pro Til Motorsport
Capacete e luvas debaixo do braço e lá fui eu para o Circuito do Estoril, para conduzir o Mercedes-AMG GT R PRO da TIL Motorsport num dos track days promovidos pelo Driving Days Club da Motorsponsor.

Mais de 700 horas de desenvolvimento

Neste momento a TIL Motorsport conta com uma equipa de 18 técnicos dedicados à preparação de todos as vertentes de um desportivo: mecânica, afinação de chassis, suspensões e desenvolvimento de novos componentes.

Recursos que, em parte, são partilhados com a OPUS Automotive Gmbh que conta com mais de 20 anos de experiência no setor — e que recentemente adquiriu o antigo centro de testes da Mercedes-AMG Gmbh na Gottlieb-Daimler-Street, junto ao lendário circuito de Nürburgring.

Foi também na garagem da OPUS Automotive Gmbh que nasceu o AMG GT Black Series com mais de 1100 cv. Podem recordar esse modelo aqui.

“A cooperação entre a TIL Motorsport em Portugal e a Opus Automotive na Alemanha, vai permitir mais testes. Principalmente durante o inverno, quando as condições climatéricas junto ao castelo de Nürburg não são as melhores ” explicou-nos Stéphane Galvão — que também é proprietário de 50% do capital da empresa alemã.

Falando em concreto deste Mercedes-AMG GT R PRO, foram aplicadas mais de 700 horas no seu desenvolvimento. Destas, mais de 400 horas foram investidas em afinações de chassis e suspensão no cenário mais exigente: Nürburgring Nordschleife.

Mercedes-AMG GT R Pro Til Motorsport Til Motorsport / Opus Automotive

As restantes 300 horas, como já devem ter adivinhado, foram investidas no banco de potência, a testar os novos componentes e, naturalmente, a tentar encontrar a “curva de potência perfeita”, disse-nos Stéphane Galvão — que antes de dedicar-se à preparação automóvel, foi também ele gentleman driver em vários campeonatos monomarca.

A importância dos detalhes num desportivo

Stéphane Galvão explicou-nos que o interesse por track-days tem aumentado substancialmente nos últimos anos, principalmente em Portugal: “a procura por soluções especificas para utilização em pista é cada vez maior”.

E neste particular, um dos modelos «fetiche» da TIL Motorsport é precisamente o Mercedes-AMG GT. “Decidimos concentrar-nos no AMG GT R e GT R PRO, porque são modelos mais razoáveis que o Black Series, com o qual já trabalhámos”.

As alterações efetuadas pela TIL Motorsport têm tanto de substanciais como de discretas.

“Foi uma decisão consciente da nossa parte. Nas nossas empresas seguimos o lema de que a forma deve seguir a função. Além disso, quando falamos de modelos muito exclusivos, por vezes os proprietários não querem comprometer a originalidade do carro” explicou-nos este responsável antes de iniciarmos o nosso primeiro turno em pista.

Mercedes-AMG GT R Pro Til Motorsport
Há primeira vista, além das jantes «emprestadas» pelo AMG GT Black Series e do aileron traseiro oriundo do AMG GT4 de competição, pouco parece denunciar que esta é uma versão mais «musculada».

Assim, o trabalho mais importante acaba por ser aquele que “não é visível a olho nu”. Por exemplo, as suspensões Öhlins TTX, que surgem de fábrica no AMG GT R PRO, foram mantidas, mas foi feito um “intenso trabalho de afinação e alteração dos componentes internos para melhor controlo do chassis e um amortecimento mais consistente para utilização em pista”.

Em termos de afinação do chassis, também pouco sobrou das especificações de fábrica.

Graças a estar alterações, o AMG GT R PRO consegue agora equipar com as jantes exclusivas dos AMG GT Black Series e, por conseguinte, com os Michelin CUP 2 R.

Mercedes-AMG GT R Pro Til Motorsport
Todas as alterações focaram-se no incremento da estabilidade em aceleração e travagem, bem como no aumento do feedback transmitido ao piloto/condutor.

No motor, as alterações também foram substanciais, mas manteve-se grande parte dos componentes de fábrica. Os turbos foram «atualizados» — a TIL Motorsport não revela os pormenores —, os catalisadores foram aligeirados, os intercoolers ganharam maior capacidade de dissipação de calor e o software de controlo do motor e da caixa foi totalmente revisto.

Com estas alterações, a potência do motor V8 biturbo do AMG GT R PRO subiu para os 850 cv — a potência de série fica-se pelos 585 cv.

São quase mais 300 cv de potência face à versão de fábrica, mas isso não é o mais importante nas palavras de Stéphane Galvão: “num desportivo focado em pista, a entrega de potência é tudo. Podíamos ter retirado mais potência desta base, mas o nosso foco foi mesmo alcançar uma entrega de potência linear, o que é complexo e dispendioso. Como já disse, a potência não é tudo”.

Mais rápido. Muito mais rápido

Com o kit completo desenvolvido por esta joint venture luso-germânica, o AMG GT R é “10 segundos mais rápido que o GT R PRO de fábrica” afirma o CEO da Opus, Lukas Domogalla.

O que significa um tempo abaixo dos sete minutos para uma volta completa no Nürburgring Nordschleife.

Para o circuito do Estoril — onde eu testei este modelo — não tínhamos referência de tempo. Não sei quão mais rápido consegui ser com AMG GT R PRO, mas posso falar-vos das sensações.

O Circuito do Estoril ficou mais pequeno

Na semana em que testei o AMG GT R PRO da TIL Motosport, ainda tinha a memória fresca da experiência ao volante do Porsche 718 Cayman GT4 RS — que podem recordar neste vídeo e na ligação abaixo.

A primeira sensação que tive foi que as retas do Estoril ficaram mais pequenas.

Na reta principal, a travagem acontece a 200 metros, quando já seguimos a mais de 270 km/h.

Tivesse eu mais «coração» e acredito que podia raspar mais uns metros a esta referência. É que a estabilidade em travagem é tão grande, que nos convida sempre a esticar um pouco mais a nossa sorte. E senti-me muitas vezes com sorte…

Mercedes-AMG GT R Pro Til Motorsport

Nomeadamente na curva 2 — para mim uma das mais delicadas do Estoril — onde o primeiro input do volante é determinante para decidir o nosso destino: ir à gravilha; perder a traseira e embater no muro interior; ou sair em tração a mais de 140 km/h em direção à curva 3.

Felizmente, as duas primeiras opções nunca se concretizaram. É que sinceramente o eixo dianteiro do AMG GT nunca me inspirou muita confiança. Sempre acreditei que esta sensação fosse motivada pela posição de condução muito recuada — quase sentado em cima do eixo traseiro.

Com esta afinação da TIL Motorsport percebi que afinal era tudo uma questão de… afinação. As alterações efetuadas pela equipa luso-germânica dão uma certeza à direção que nunca tinha experimentado neste modelo.

E bem que precisamos de uma frente eficaz. É que este modelo, por ter uma configuração de motor central dianteiro, obriga-nos a «atacar» as curvas de forma diferente de um desportivo com motor central traseiro para conseguirmos ir mais rápido.

Mercedes-AMG GT R Pro Til Motorsport

Em vez de preservamos momento e tentar carregar o máximo de velocidade para o interior da curva — como por exemplo no Porsche 718 Cayman GT4 RS ou no Ferrari 296 GTB, que são os modelos mais frescos na minha memória —, para irmos rápido neste GT R PRO temos de travar mais tarde, apontar rápido à saída, endireitar o volante tão cedo quanto possível, e esmagar o acelerador para aproveitar toda a tração disponível. É um exercício exigente, mas muito divertido.

Com as ajudas de condução no mínimo, tudo isto é acompanhado por reações do eixo traseiro bastante vistosas para quem vê de fora. Para quem vai lá dentro, sai tudo de forma «natural».

Mercedes-AMG GT R Pro Til Motorsport Til Motorsport / Opus Automotive

Parte boa de tudo isto? No final do dia não precisamos de reboques nem de uma equipa de mecânicos. Podemos ir para casa ao volante do AMG GT R PRO, ainda que a experiência em pista esteja muito próxima da de um carro de competição.

É um modelo que não deixa ninguém indiferente à sua passagem. E agora, mais do que nunca, também não deixa indiferente o piloto de corridas que há dentro de cada um de nós.

Próxima paragem da Razão Automóvel, Nürburgring?

Mais artigos em Testes