Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 33 195 euros

Toyota Yaris Cross testado. Demorou a chegar, mas tem argumentos para vingar?

O Yaris Cross marca a entrada «a sério» da Toyota no segmento B-SUV. Tem argumentos para bater os rivais mais experientes?

Posicionado abaixo do C-HR, o Toyota Yaris Cross é a aposta da marca japonesa num dos segmentos que mais tem crescido nos últimos anos na Europa: o dos B-SUV.

É uma aposta algo tardia, o que não deixa de ser curioso, pois a Toyota foi uma das pioneiras neste tipo de veículos: nos anos 90 com o primeiro RAV4 (sim, começou como um pequeno SUV) e em 2009 lançou o «esquecido» Urban Cruiser, um ano antes do Nissan Juke, o B-SUV que acabou por definir o segmento.

Tendo em conta o «tempo extra» que teve para preparar o Yaris Cross, será que a nova proposta da Toyota tem argumentos para bater as referências do segmento? Para descobrir pusemo-lo à prova.

A NÃO PERDER: Renault Captur E-TECH (híbrido plug-in). O mais económico é também o mais caro. Vale a pena?
Toyota Yaris Cross
É na traseira que encontramos os maiores «elos de ligação» estilísticos entre o Yaris Cross e o Yaris. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel
As emissões de carbono deste teste serão compensadas pela BP
Saiba como pode compensar as emissões de carbono do seu automóvel Diesel, gasolina ou GPL.

Mais do que um «Yaris de saltos altos»

Apesar de partilhar o nome com o bem sucedido utilitário, o Yaris Cross consegue ter uma personalidade própria, para mais com a pintura bicolor dourada e preto da unidade ensaiada que considero particularmente interessante, na minha opinião, é claro. A destacar ainda a distância ao solo (160 mm) que lhe confere um visual particularmente aventureiro.

Já no interior, o tabliê é em tudo idêntico ao do Yaris, destacando-se a robustez e a proliferação de espaços de arrumação. Também positiva é a manutenção dos comandos físicos para o sistema de climatização e das teclas de atalho para o novo sistema de infoentretenimento da Toyota, cujo funcionamento, apesar de melhor do se via noutras propostas da marca, podia ser mais responsivo.

Se até aqui o Yaris Cross faz «jogo igual» com a concorrência, tanto no que à oferta de equipamento diz respeito como no campo da robustez e dos materiais (maioritariamente duros), o mesmo não pode ser dito no capítulo da habitabilidade.

Apesar do acréscimo de dimensões face ao Yaris traduzir-se em maiores cotas internas, face aos seus rivais o Yaris Cross é mais acanhado nos bancos traseiros, não ajudado pela reduzida amplitude de abertura das portas, o que também dificulta a tarefa de colocar cadeiras de criança naqueles lugares.

Por falar nos bancos traseiros, apesar de confortáveis, os seus encostos de cabeça são fixos e altos, o que acaba por prejudicar a visibilidade traseira.

Já na bagageira, o Yaris Cross «redime-se» e apresenta-se com 397 litros de capacidade, um valor bastante positivo, destacando-se ainda a modularidade da mesma, com um piso duplo, mas dividido em dois que nos permite baixar somente um dos lados da bagageira.

O «novo normal» da Toyota

Cada vez mais focada em fazer automóveis “não aborrecidos” — como Akio Toyoda, o presidente da Toyota, tem repetido regularmente —, a Toyota conseguiu fazer do Yaris Cross uma das propostas mais interessantes de conduzir do segmento.

A conjugação entre um amortecimento mais duro (sem ser, contudo, desconfortável) e de jantes de 18” com pneus de perfil mais baixo permitem ao Yaris Cross um comportamento bastante competente e até… divertido.

Toyota Yaris Cross © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Ok, a direção é leve e não tão conseguida como a do Puma, mas é precisa e direta, e a verdade é que o modelo nipónico não anda tão longe assim da proposta da Ford no campo dinâmico.

A NÃO PERDER: Crossover por fora, monovolume por dentro. Opel Crossland renovado ainda é opção a ter em conta?

Contudo, não há «bela sem senão»: a insonorização podia ser melhor. Os pneus de perfil mais baixo fazem-se ouvir, assim como os ruídos aerodinâmicos ou o som do motor de combustão, principalmente em autoestrada.

Descubra o seu próximo carro:

O valor da experiência

Por falar no motor, o três cilindros de 1,5 l surge associado a um motor elétrico e à transmissão e-CVT, formando assim o sistema híbrido. Longe de ser uma referência nas performances (nem se esperava que fosse com os seus 116 cv de potência combinada), este impressiona, acima de tudo, pela eficiência e pela suavidade de funcionamento quando circulamos em meio urbano.

Toyota Yaris Cross
As portas traseiras têm uma abertura e uma amplitude algo reduzidas, dificultando a tarefa de colocar cadeiras de bebé nos bancos traseiros. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Como que a provar a experiência da Toyota no «mundo» dos híbridos, este 1.5 Hybrid, já conhecido do Yaris, permitiu-me médias de 4,7 l/100 km (curiosamente em percursos maioritariamente feitos em autoestrada e estrada nacional), enquanto em cidade estes andaram entre os 5,5 l/100 km e os 5,7 l/100 km.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o Hyundai Bayon 1.0 T-GDi Premium. Será que o Kauai se deve “preocupar”?

Tal deve-se, em grande parte, ao facto deste motor ser capaz, segundo a Toyota, de circular até +70% em cidade em modo 100% elétrico. Como é óbvio, não consegui contabilizar de forma exata a percentagem de quilómetros feitos em modo elétrico, mas admito que em meio urbano raramente ouvi o motor de combustão.

Face à concorrência, que na larga maioria recorre apenas a motores de combustão (por vezes associado a um sistema mild-hybrid) ou até híbridos plug-in, o Yaris Cross apresenta-se como uma «solução de compromisso», e atenção, não é no mau sentido.

VEJAM TAMBÉM: Dacia Duster ECO-G (GPL). Com o preço dos combustíveis em alta, será este o Duster ideal?

É que esta solução híbrida permite efetivas poupanças sem «exigir» o carregamento frequente da bateria, como acontece nos híbridos plug-in.

É o carro certo para si?

A Toyota levou algum tempo a entrar «de cabeça» no segmento B-SUV, mas quando o fez aplicou toda a sua experiência a fazer SUV ao seu «benjamim».

Apesar de não ser o mais espaçoso do segmento, o Toyota Yaris Cross compensa esse facto com uma mecânica que o transforma numa das propostas mais interessantes para quem se desloca maioritariamente em meio urbano.

Fora dessa utilização o SUV nipónico também não desilude, sendo apenas «traído» pela insonorização, sobretudo do motor, em regimes mais elevados. Contudo, quando olhamos para o computador de bordo e vemos os consumos averbados depressa nos esquecemos desse pormenor.

Preço

unidade ensaiada

33.195

Versão base: €33.195

IUC: €137

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 1490 cm3
    • Posição: Dianteiro Transversal
    • Carregamento: Injeção indireta
    • Distribuição: DOHC, 4 válv./cil.; 12 vál.
    • Potência: Motor combustão: 91 cv às 5500 rpm; Motor elétrico: 80 cv; Potência máxima combinada: 116 cv
    • Binário: Motor combustão: 120 Nm às 3600 rpm; Motor elétrico: 141 Nm; Binário máximo combinado: N.D.
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática, e-CVT — Variável Contínua Controlada Eletronicamente (engrenagens planetárias)
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4197 mm / 1765 mm / 1560 mm
    • Distância entre os eixos: 2560 mm
    • Bagageira: 397 litros
    • Jantes / Pneus: 215/50R18
    • Peso: 1360 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5 l/100 km
    • Emissões de CO2: 113 g/km
    • Vel. máxima: 170 km/h
    • Aceleração: 11,2s
  • Garantias
    • Mecânica: 7 anos ou 160 000 km
  • Equipamento
    • Antena tipo barbatana de tubarão
    • Jantes em liga leve de 18'
    • Pneu suplente temporário
    • Puxadores exteriores das portas à cor da carroçaria
    • Barras de tejadilho
    • Tejadilho Night Sky
    • Spoiler traseiro à cor da carroçaria
    • Vidros traseiros escurecidos
    • Alavanca de velocidades em pele
    • Ar condicionado automático (2 zonas)
    • Banco do condutor com ajuste em altura manual
    • Banco do condutor com ajuste lombar elétrico
    • Banco do passageiro frontal com ajuste em altura manual
    • Bancos dianteiros aquecidos
    • Bancos em pele
    • Bancos traseiros rebatíveis a 40:20:40
    • Espelhos de cortesia nas palas de sol
    • Espelho retrovisor interior eletrocromático
    • Espelhos retrovisores exteriores, elétricos, retráteis e aquecidos
    • Porta da bagageira elétrica com sensor de movimento
    • Sensor de chuva
    • Sistema "Smart Entry & Start"
    • Travão de estacionamento eletrónico
    • Vidros elétricos
    • Volante em pele ajustável em altura e profundidade
    • 8 colunas de som
    • Câmara auxiliar traseira
    • Ecrã TFT de 7''
    • Ecrã TFT de 7''
    • Sistema de som JBL
    • Head-up display
    • Aviso de saída de faixa de rodagem
    • Controlo de Assistência ao Arranque em Subida (HAC)
    • Cruise Control Adaptativo (ACC)
    • Faróis com nivelamento manual
    • Faróis de nevoeiro dianteiros LED
    • Faróis LED
    • Luzes de Máximos com Controlo Automático
    • Reconhecimento de Sinais de Trânsito
    • Sinal de Travagem de Emergência
Avaliação
7 / 10
O Toyota Yaris Cross foi especialmente pensado para os europeus e isso é evidente quando o conduzimos. O comportamento dinâmico merece elogios, a eficiência da motorização híbrida também e até o estilo lhe permite destacar-se positivamente num segmento onde a concorrência abunda. Muito bem equipado nesta versão especial de lançamento Premier Edition, o Yaris Cross peca apenas por alguns detalhes tecnológicos (como a responsividade do infoentretenimento ou a qualidade da imagem da câmara traseira) e ainda por uma habitabilidade traseira e correspondente acesso que está abaixo da média do segmento.
  • Comportamento
  • Equipamentos de assistência e ajuda à condução
  • Eficiência do sistema híbrido
  • Estilo
  • Versatilidade da bagageira
  • Espaço na segunda fila e acessibilidade
  • Responsividade do sistema de infoentretenimento
  • Encostos de cabeça traseiros altos prejudicam a visibilidade
  • Câmara traseira
Sabe responder a esta?
Em que ano surgiu a segunda geração do Toyota Paseo?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Ainda te lembras dos pequenos coupé dos anos 90?

Mais artigos em Testes, Ensaio