Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 58 702 euros

Across. O SUV híbrido plug-in com 75 km de autonomia elétrica que faltava à Suzuki?

A imagem exterior não disfarça: este Suzuki Across é uma espécie de "irmão gémeo" do Toyota RAV4 e não faz muito por o esconder. Convence de igual forma?

A Suzuki tem uma história de sucesso assente em modelos pequenos, uns mais citadinos do que outros, outros capazes de ir onde muito poucos achavam possível. É nessa linha que nos lembramos de modelos como o Vitara ou o Samurai, ou mais recentemente o Ignis e o Jimny. Mas sem fazer grandes ruídos, a marca japonesa acaba de introduzir na sua gama um SUV… com mais de duas toneladas, o Across.

Uma massa elevada justificada por este SUV ser um complexo híbrido plug-in; de facto, este é o primeiro híbrido plug-in da Suzuki.

Mas antes de falarmos disso, vamos já abordar o “elefante” na sala: certamente já repararam que este Across parece um Toyota RAV4. Bem… há uma razão para isso: este Suzuki é, em praticamente tudo, um Toyota RAV4 e, sejamos sinceros, não faz muito por esconder essa familiaridade.

VEJAM TAMBÉM: Suzuki Swift foi “refrescado” e já sabemos quanto custa
Suzuki Across
As maiores diferenças para o Toyota RAV4 estão na dianteira, já que, para além do logótipo da Suzuki, este Across também exibe novos faróis e um pára-choques redesenhado. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

É o resultado da parceria que foi assinada em 2017 entre a Toyota e a Suzuki, mas os contornos só ficaram definidos há cerca de dois anos. Daqui “nasceram” dois novos Suzuki, o Across que aqui vos trazemos (híbrido plug-in) e a carrinha Swace híbrida (baseada no Toyota Corolla Touring Sports).

Por se tratarem de dois modelos híbridos, têm um impacto imediato (positivo) na redução da média de emissões da frota de modelos vendidos pela Suzuki na Europa, o que permite à fabricante nipónica cumprir as cada vez mais exigentes metas de emissões.

Ataque a um novo segmento

Explicadas que estão as semelhanças visuais entre o Across e o RAV4, é altura de perceber o que este SUV tem para oferecer à Suzuki. E acreditem que tem muito mais a dar do que muitos podem imaginar, a começar logo no facto de “abrir” um novo segmento à marca nipónica, o dos SUV médios.

Suzuki Across
Na traseira, não fosse o logótipo da Suzuki e seria difícil distingir este Across do seu “irmão gémeo”, o Toyota RAV4. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Com 4,30 m de comprimento, o Suzuki S-Cross era o maior modelo da Suzuki até chegar este Across e lhe roubar esse título, graças aos seus 4,63 m. O tamanho adicional reflete-se muito positivamente no habitáculo, que oferece espaço abundante para quem lá viaja, seja nos bancos da frente ou nos lugares traseiros, que são imensos.

E este é mesmo o primeiro grande trunfo deste Suzuki Across: o espaço. O disponível para os joelhos nos bancos traseiros é notável e faz maravilhas pela responsabilidade familiar deste SUV, que pode acomodar, de forma muito confortável (mesmo!), dois adultos ou duas cadeiras de criança nos bancos posteriores.

Na bagageira temos 490 litros de capacidade à nossa disposição, um número interessante se tivemos em conta outros modelos com características semelhantes e só não é mais generoso por causa da bateria, que está montada sob o piso da bagageira.

Porém, o piso da bagageira consegue “esconder” ainda um pneu sobressalente com jante de liga leve, um detalhe que continua a ser cada vez mais “raro”.

A NÃO PERDER: Suzuki Jimny. Cinco portas e novo motor turbo? Parece que sim

Até 75 km 100% elétricos

Mas o maior trunfo deste Suzuki Across é a sua mecânica híbrida (não há mais nenhuma versão disponível), que combina um motor a gasolina atmosférico de 2,5 litros com quatro cilindros e 185 cv com dois motores elétricos: um dianteiro, que produz 134 kW (182 cv) e 270 Nm, e um traseiro, que debita 40 kW (54 cv) e 121 Nm.

Painel de instrumentos com computador de bordo a mostrar consumo
Consumo de energia elétrica andou quase sempre em torno dos 14 kWh/100 km, um registo interessante para um SUV com este “porte atlético”. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

No total, este Across apresenta-se com uma potência máxima combinada de 306 cv e é capaz de percorrer até 75 km totalmente elétricos, registo que faz dele um dos híbridos plug-in mais competentes do mercado.

É bom dizer que neste teste não conseguimos atingir os 75 km anunciados pela Suzuki, mas ficámos acima dos 60 km. E nem foi preciso andar sempre em cidade para alcançar este registo.

Tabliê Suzuki Across
Habitáculo é robusto e relativamente bem organizado. Tudo está onde deve estar. Isolamento acústico surge em muito bom nível. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Se o tivéssemos feito, não tenho qualquer dúvida de que a meta dos 75 km tinha sido alcançada e até… superada! Basta ver o que consegue o Toyota RAV4 Plug-in com a mesma mecânica: até 98 km 100% elétricos em ciclo urbano.

TÊM DE VER: Toyota RAV4 Plug-in. Quase 100 km sem gastar gasolina na cidade

Como funciona o sistema híbrido?

A principal missão do motor a gasolina é carregar a bateria de iões de lítio, com 18,1 kWh de capacidade, e auxiliar o motor elétrico dianteiro. Já o motor elétrico traseiro é o único responsável por alimentar as rodas traseiras.

Como tal, e mesmo não existindo qualquer ligação física entre o motor térmico e o eixo traseiro, este Across conta com tração às quatro rodas, um sistema 4×4 eletrónico denominado E-Four, que permite variar a repartição do binário dianteiro/traseiro num intervalo de 100/00 a 20/80.

Ainda assim, este Across atua a maior parte do tempo como um SUV de tração dianteira. Só quando há uma grande solicitação de potência ou uma perda de tração notória é que o motor traseiro é chamado a intervir.

Contudo, as vantagens deste sistema são óbvias e estão relacionadas como uma melhor estabilidade em estrada, sobretudo em condições de aderência mais precárias.

LEIAM TAMBÉM: Suzuki Vitara mild-hybrid testado. O que se ganhou com a eletrificação?

A energia é bem gerida…

Mas tal como acontece com o Toyota RAV4, o grande segredo do Across está na forma como ele gere a energia e a mecânica que tem à sua disposição.

Graças à transmissão e-CVT da Toyota, este Across conta com quatro modos de funcionamento distintos: EV, onde anda apenas com recurso à eletricidade, mesmo nas acelerações mais elevadas; HV, onde o motor a combustão entra em ação sempre que se pisa com força o acelerador; Auto EV/HV, que tal como o nome sugere faz uma gestão automática do sistema; e o modo carregador de bateria, onde o motor a combustão serve de gerador para recarregar a bateria.

ecrã do sistema de infoentretenimento
Ecrã central de 9” tem leitura algo confusa e requer habituação. Mas os botões (físicos) de acesso rápido merecem ser destacados. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Convence em estrada?

O Across arranca sempre no modo elétrico — só a partir dos 135 km/h é que o motor a gasolina é “chamado” — e nesse modo, o seu funcionamento é sempre muito silencioso e agradável. Aliás, neste capítulo, o Across marca pontos: mesmo com o motor a gasolina em ação, o habitáculo está muito bem insonorizado.

A NÃO PERDER: O Suzuki Ignis foi renovado. A grande novidade? Está por baixo do capot

Chegámos ao final deste ensaio com consumos médios de 4,4 l/100 km, um número muito interessante se tivermos em conta o “poder de fogo” deste SUV, o espaço que oferece e claro, o facto (impossível de ignorar) de pesar mais de duas toneladas.

Painel de instrumentos com computador de bordo a mostrar consumos
Durante este ensaio chegámos a fazer consumos médios bem acima dos 5 l/100 km, mas acabámos nos 4,4 l/100 km. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Contudo, foi em estrada que este Across mais surpreendeu. A primeira coisa que notamos é a autonomia elétrica, que já elogiei em cima. A segunda é o conforto de rolamento, mesmo com jantes de 19” “calçadas”.

A posição de condução é muito satisfatória e apesar da massa, este Across nunca se mostra lento e nunca acusa o seu tamanho. É mais ágil do que se pode pensar e os movimentos da carroçaria em curva estão relativamente bem disfarçados (mas existem, naturalmente…). Gostava apenas que a direção fosse ligeiramente mais precisa.

E as capacidades fora de estrada?

Ostentando o símbolo da Suzuki, espera-se que este SUV tenha uma palavra a dizer quando o levamos para fora de estrada. Uma vez que se trata de uma proposta com tração integral, está disponível um modo adicional Trail, otimizado para algumas “aventuras” fora de estrada.

RELACIONADO: Suzuki Jimny ou Hummer H1, qual o mais rápido?

E tal como o nome deste modo sugere, num trilho pouco exigente, não vão ter qualquer problema em atingir o destino. Mas não esperem conseguir ultrapassar grandes obstáculos. Este sistema integral eletrónico é muito competente, sobretudo em asfalto, mas a altura ao solo e os ângulos acabam por limitar a transposição de obstáculos mais ambiciosos. Mas também não foi bem para isso que ela foi feita, certo?

Suzuki Across
Fora de estrada, o maior limite acaba por ser a altura ao solo. E atenção para não riscar as jantes de 19”… © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A somar a este modo encontramos ainda mais três níveis de condução distintos — Eco, Normal e Sport — sendo que todos eles são compatíveis com os vários modos de funcionamento do sistema híbrido plug-in.

É o carro certo para si?

Com esta parceria com a Toyota, a Suzuki não só ganhou acesso a um segmento onde não estava presente como passou a contar com um sistema híbrido plug-in muito competente e eficaz.

A NÃO PERDER: No Japão, o Suzuki Jimny tem direito a um museu só para ele

Nesta versão GLX (a única disponível no mercado nacional), o Suzuki Across apresenta-se, para mais, muito bem equipado e perfila-se como um carro de família de eleição.

Suzuki Across
Com 4,63 m de comprimento, o Across é o maior modelo do catálogo da Suzuki. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Dá cartas em estrada, mostrando sempre uma eficácia tremenda e níveis de aderência elevados, e não recusa uma incursão por maus caminhos, o que certamente vai agradar às famílias mais aventureiras.

A somar a isto, tem dimensões muito generosas, é potente, confortável e consegue percorrer até 75 km em modo totalmente elétrico.

Tudo isto são argumentos de peso a favor deste SUV nipónico, que tem no preço o seu principal contra, ainda que possa ser justificado pela elevada oferta de equipamento de série: 58 702 euros — com a campanha que decorre à data de publicação deste artigo, o Across apresenta-se com um valor mais competitivo.

Descubra o seu próximo carro

Preço

unidade ensaiada

58.702

Versão base: €58.702

IUC: €204

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 2487 cm³
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção mista direta/indireta
    • Distribuição: 4 válv. por cil. (16 válv.)
    • Potência: Motor a combustão: 136 kW (185 cv); Motor Elétrico 1: 134 kW (182 cv); Motor Elétrico 2: 40 kW (54 cv); Potência Máxima Combinada: 225 kW (306 cv)
    • Binário: Motor a combustão: 227 Nm; Motor Elétrico 1: 270 Nm; Motor Elétrico 2: 121 Nm; Binário Máximo Combinado: N/D
  • Transmissão
    • Tracção: Às quatro rodas
    • Caixa de velocidades: Automática e-CVT
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4635 mm / 1855 mm / 1690 mm
    • Distância entre os eixos: 2690 mm
    • Bagageira: 490-1604 l
    • Jantes / Pneus: 235/55 R19
    • Peso: 2015 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 1 l/100 km; Autonomia elétrica: 75 km
    • Emissões de CO2: 22 g/100 km
    • Vel. máxima: 180 km/h
    • Aceleração: 6s
  • Equipamento
    • Abertura remota da bagageira
    • 235/55R19 + jantes de liga leve com superfície polida
    • Pneu sobressalente (165/90D18 + jante de liga leve)
    • Faróis LED automáticos
    • Retrovisores exteriores aquecidos e rebatíveis eletronicamente
    • Volante em pele aquecido e ajustável em altura e profundidade
    • Painel de instrumentos com ecrã LCD a cores de 7''
    • Climatizador Automático (dual) com modo S-Flow
    • Ecrã táctil 9" com ligação smartphone / Bluetooth / DAB / Câmara de visão traseira
    • Bancos dianteiros com ajuste lombar elétrico
    • Banco do condutor ajustável eletricamente (8 ajustes)
    • Bancos traseiros reclináveis
    • Deteção de ângulo morto (BSM) / Alerta de tráfego posterior (RCTA)
    • Sistema Safety Sense
    • Sistema de alerta de pressão de pneus (TPWS)
    • Sensores de estacionamento à frente e atrás
    • Fixação ISOFIX para cadeiras de crianças nos bancos traseiros
    • Cabo de carregamento
Extras
Pintura metalizada (Cinza Metalizado).
Avaliação
8 / 10
Esta parceria com a Toyota deu à Suzuki acesso ao SUV mais vendido no mundo, o RAV4, e a um sistema híbrido muito competente, capaz de efetuar 75 km de autonomia 100% elétrica. Mas os trunfos deste SUV potente e com dimensões generosas vão muito além disso. É um familiar muito bem construído, muito espaçoso e com uma imagem robusta. Não esperem grandes "aventuras" fora de estrada, muito por culpa da altura ao solo. Mas em estrada, é muito confortável e sempre muito eficaz, fruto do sistema de tração electrónico às quatro rodas. Mas há um "contra", o preço. Apesar de muito bem equipado, é ligeiramente mais caro que o seu "irmão gémeo" da Toyota.
  • Conforto
  • Espaço
  • Autonomia Elétrica
  • Insonorização
  • Sistema de infoentretenimento
  • Direção podia ser ligeiramente mais precisa
  • Preço
Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Daihatsu Charade GTti?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Lembras-te deste? Daihatsu Charade GTti, o mil mais temido

Mais artigos em Testes, Ensaio