Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 46 700 euros

Será o Hyundai Kauai Electric (64 kWh) o melhor Kauai de todos?

Com 204 cv, o Hyundai Kauai Electric é, para já, o Kauai mais potente de todos. Mas será que este é a melhor opção dentro da gama do crossover sul-coreano?

O mundo automóvel moderno é engraçado. Se há 7-8 anos alguém me dissesse que iria estar perante um crossover elétrico como é este Hyundai Kauai Electric e me estaria a perguntar se seria a melhor opção dentro da gama (que inclui também motores a gasolina, gasóleo e híbrido), diria a essa pessoa que estava louca.

Afinal de contas, há 7-8 anos os poucos elétricos existentes pouco mais serviam do que para ser usados como um meio de transporte (quase) exclusivamente urbano, por causa de uma autonomia deveras limitada e uma rede de carregamento inexistente.

Ora, seja pelo Dieselgate (como nos diz o Fernando neste artigo), seja por imposições políticas, a verdade é que nos últimos anos os automóveis elétricos deram “saltos de gigante” e hoje são, cada vez mais, uma alternativa à combustão.

VÊ TAMBÉM: E-GMP. A plataforma que vai eletrificar o Hyundai Motor Group
Hyundai Kauai Electric
Na traseira as diferenças face aos restantes Kauai são praticamente inexistentes. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Mas será que isso faz com que o Hyundai Kauai Electric seja a melhor opção dentro da gama do crossover sul-coreano? Nas próximas linhas podes descobrir.

Agradavelmente diferente

Não é preciso uma observação muito atenta para perceber que o Kauai Electric é diferente dos restantes Kauai. Desde logo no exterior destaca-se a ausência da grelha dianteira e a adoção de jantes com um design mais preocupado com a performance aerodinâmica.

Já no interior, que recorre em larga escala a materiais duros cuja montagem merece elogios dada a ausência de ruídos parasita, temos um visual diferente, com a ausência da caixa de velocidades a permitir subir a consola central e com isso ganhar (muito) espaço de arrumação.

Devo admitir que tanto no exterior como no interior gosto do Hyundai Kauai Electric. Aprecio o visual menos agressivo da dianteira e no interior prefiro o visual mais moderno e tecnológico que esta versão 100% elétrica tem face aos “irmãos” com motor de combustão.

Hyundai Kauai Electric
No interior as diferenças face aos restantes Kauai acentuam-se. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: “É o novo normal”. Testámos o Opel Corsa-e… o Corsa 100% elétrico

Elétrico e familiar

Apesar de o design interior ser diferente, as cotas de habitabilidade do Kauai Electric são praticamente idênticas às dos restantes Kauai. Como é que conseguiram? Simples. Colocaram o pack de baterias na base da plataforma.

Graças a isso, o crossover sul-coreano tem espaço para transportar com conforto quatro adultos e apenas a bagageira viu a capacidade decrescer um pouco (passou de 361 litros para uns ainda aceitáveis 332 litros).

VÊ TAMBÉM: Mazda MX-30 contra Honda e. Qual é o melhor para ti?

Dinamicamente igual

Como seria de esperar, é na experiência de condução (e utilização) que o Hyundai Kauai Electric mais se distingue dos seus irmãos.

No capítulo dinâmico, as diferenças nem são muitas, com o Kauai Electric a manter-se fiel aos pergaminhos dinâmicos já reconhecidos às restantes versões.

Hyundai Kauai Electric
Os pneus ecológicos demonstram dificuldade em lidar com a entrega imediata de binário, levando a que a trajetória facilmente se alargue quando aumentamos bastante o ritmo. A solução? Trocar de pneus. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Kauai Hybrid ameaça Kauai Diesel. Ainda restam argumentos ao Diesel?

Com um acerto de suspensão capaz de conciliar bastante bem conforto e comportamento, o Hyundai Kauai Electric conta ainda com uma direção direta, precisa e comunicativa. Tudo isto contribui para um comportamento dinâmico seguro, previsível e até… divertido.

Já a entrega de binário é aquela a que já nos habituámos nos elétricos. Os 385 Nm estão logo disponíveis bem como os 204 cv (150 kW), razão pela qual o modelo sul-coreano é um forte candidato a “rei dos semáforos” (e não só).

VÊ TAMBÉM: Novo Fiat 500 em vídeo. O melhor 100% elétrico do segmento?

Modos de condução, para que os quero?

Com três modos de condução — “Normal”, “Eco” e “Sport” — dificilmente o Kauai Electric não se adapta a diferentes estilos de condução. Apesar de o modo “Normal” cumprir bem a sua função (surge como um compromisso entre as duas personalidades do Kauai Electric), devo admitir que é nos extremos que se encontram as “personalidades mais interessantes”.

Começando pelo modo que mais me parece “casar” com o carácter do Kauai Electric, o “Eco”, este caracteriza-se por não ser demasiado castrador, ao contrário do que por vezes constatamos noutros modelos. É verdade que as acelerações se tornam menos lestas e tudo nos incita a poupar, mas nem por isso nos tornamos num “caracol das estradas”. Além disso, neste modo é possível fazer consumos de 12,4 kWh/100 km e ver a autonomia real ser até superior aos 449 km anunciados.

Hyundai Kauai Electric
Apesar da boa ergonomia da maioria dos comandos, o seletor dos modos de condução podia estar noutra posição. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Parece de brincar, mas é a sério. Já conduzimos o Citroën Ami

 

Já o modo “Sport” torna o Kauai Electric numa espécie de “bala sul-coreana”. As acelerações tornam-se impressionantes e se desligarmos o controlo de tração, os 204 cv e 385 Nm fazem “gato-sapato” dos pneus dianteiros, que revelam dificuldades em conter todo o ímpeto dos eletrões. O único senão surge no gráfico dos consumos, que sempre que insisti numa condução mais empenhada subiram para a casa dos 18-19 kWh/100 km.

Hyundai Kauai Electric
A qualidade de construção não merece reparos, com a robustez do Kauai Electric a saltar à vista quando circulamos em mau piso. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

O melhor é que selecionados os outros dois modos e adotada uma condução mais calma depressa desciam para os 14 a 15 kWh/100 km e a autonomia subia para valores que nos levam quase a perguntar: gasolina para quê?

Por fim, a ajudar não só à interação homem/máquina como a aumentar a autonomia, os quatro modos de regeneração selecionáveis através das patilhas na coluna de direção (quase) permitem abdicar do pedal do travão. Em condução económica fazem-nos andar à vela ou recarregar as baterias em desaceleração consoante as necessidades e numa condução empenhada permitem quase simular o efeito das “saudosas” reduções de relação de caixa à entrada das curvas.

Hyundai Kauai Electric © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Testámos o SEAT Tarraco 2.0 TDI. É este o motor certo?

Vamos às contas

Ao fim de cerca de uma semana aos comandos do elétrico da Hyundai, devo admitir que apenas um fator me leva a não o indicar como a melhor opção dentro da gama do crossover sul-coreano: o seu preço.

Apesar de conseguir ser bem mais económico do que qualquer um dos seus irmãos e de ter mais potência que todos eles, a diferença de preço é bastante considerável, tudo por causa do custo da tecnologia elétrica.

Hyundai Kauai Electric
Aquele que é o melhor atributo do Kauai Electric (a sua cadeia cinemática elétrica) é também a razão pela qual este é tão caro. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Já conduzimos o Lexus UX 300e em Portugal. Tudo o que precisas de saber

Para teres uma ideia das diferenças de preço basta fazer algumas contas. A unidade que ensaiámos apresentava-se no nível de equipamento Premium, estando disponível a partir de 46 700 euros.

A versão equivalente mais potente a gasolina conta com o 1.6 T-GDi com 177 cv, caixa automática e está disponível a partir de 29 694 euros. Já a variante mais potente a gasóleo com caixa automática, o 1.6 CRDi de 136 cv, no nível de equipamento Premium custa desde 25 712 euros.

Por fim, o Kauai Hybrid, com 141 cv de potência máxima combinada custa, no nível de equipamento Premium, desde 26 380 euros.

Hyundai Kauai Electric © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: “Vive la différence”. Testámos o original e elétrico DS 3 Crossback E-Tense

Quer isto dizer que deves riscar o Kauai Electric das tuas opções? É claro que não, tens é de fazer contas. É que apesar do preço mais elevado este não paga IUC e é elegível para incentivos à compra de elétricos por parte do Estado.

Além disso, a eletricidade é mais barata do que os combustíveis fósseis, podes ter um dístico da EMEL para estacionar em Lisboa por apenas 12 euros, as manutenções são em menor número e mais acessíveis e compras um carro “à prova de futuro”.

Hyundai Kauai Electric
Em carregamento rápido é possível repor 80% da autonomia em 54 minutos e o carregamento numa tomada de 7,2 kW demora 9 horas e 35 minutos.

É o carro certo para mim?

Depois de já ter conduzido o Kauai com motor Diesel, a gasolina e híbrido, devo admitir que estava curioso para testar o Hyundai Kauai Electric.

As qualidades há muito reconhecidas ao Kauai, como o bom comportamento dinâmico ou a boa qualidade de construção, este Kauai Electric acrescenta valias como uma agradável serenidade ao volante, prestações balísticas e uma economia de utilização inigualável.

VÊ TAMBÉM: Vai fazer história como o Carocha? Testámos o Volkswagen ID.3 First Max (58 kWh)

Silencioso, espaçoso q.b. (nenhum dos Kauai é referência do segmento neste capítulo), agradável e fácil de conduzir, este Kauai Electric é a prova de que um carro elétrico pode ser o carro único de uma família.

Enquanto andei com ele nunca senti a badalada “ansiedade da autonomia” (e atenção que não tenho onde carregar o carro nem possuo o cartão para o efeito) e a verdade é que este se perfila como uma ótima escolha para quem quer um carro económico e fácil de usar e manter.

Se é o melhor da gama? Apenas o preço da tecnologia é que faz com que, na minha opinião, o Hyundai Kauai Electric não arrecade esse título, pois este prova que ter um elétrico já não obriga a concessões gigantescas.

Preço

unidade ensaiada

47.090

Versão base: €46.700

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: Motor elétrico
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Bateria de iões de lítio com 64 kWh
    • Potência: 204 cv (150 kW)
    • Binário: 395 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Uma relação fixa, sem embraiagem
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4180 mm / 1800 mm / 1570 mm
    • Distância entre os eixos: 2600 mm
    • Bagageira: 332 litros
    • Jantes / Pneus: 215/55 R17
    • Peso: 1760 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 15,4 kWh/100 km
    • Emissões de CO2: 0 g/km
    • Vel. máxima: 167 km/h
    • Aceleração: 7,6 s
  • Garantias
    • Mecânica: 7 anos sem limite de quilómetros
  • Equipamento
    • Cabo de carregamento Tipo 2
    • Carregador sem fios para smartphone
    • Chave Inteligente com botão de ignição
    • Ecrã de 10,25"
    • Espelhos exteriores com recolha elétrica
    • Estofos em pele e tecido
    • Faróis Traseiros em LED
    • Carregador On Board de 11kW trifásico
    • Sensor de chuva e luz
    • Sistema de Navegação
    • Sistema de som Krell
Extras
Pintura metalizada — 390 €.
Avaliação
8 / 10
Depois de conduzir o Hyundai Kauai Electric fiquei com a sensação de que se não fosse o seu preço este seria "o Kauai a escolher". Bem construído, agradável de conduzir e com uma gestão de baterias que permite conduzi-lo sem receio de ficarmos apeados sem bateria, o Kauai Electric é, na atualidade, um dos melhores elétricos que podes comprar sem entrar na "liga dos premium".
  • Autonomia
  • Gestão das baterias
  • Resposta do motor
  • Isolamento acústico
  • Agradabilidade de condução
  • Preço
Sabe responder a esta?
Qual é a cilindrada do Hyundai i20 N?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Hyundai i20 N. 204 cv, caixa manual e mira apontada ao Ford Fiesta ST

Mais artigos em Testes, Ensaio