Antevisão

Novo DS 4. Ataque francês renovado aos alemães A3, Série 1 e Classe A

O novo DS 4 será conhecido no início do próximo ano, com a DS Automobiles a antecipar várias características sobre o que esperar do novo modelo.

Em DS Tech Talk

Lembram-se do primeiro DS 4, que conhecemos ainda como Citroën DS4 (seria rebatizado de DS 4 em 2015)? Era um familiar compacto de cinco portas com genes de crossover — ficou conhecido pelas janelas das portas traseiras serem, curiosamente, fixas —, produzido entre 2011 e 2018, mas que acabou por não deixar um sucessor, lacuna que será, finalmente, colmatada brevemente.

O novo DS 4, cuja revelação final deverá acontecer no início de 2021, é antecipado agora pela DS Automobiles não só por uma série de teasers, como também pela divulgação precoce de várias características que farão parte do rol de argumentos para enfrentar a concorrência premium.

Concorrência premium? Isso mesmo. O DS 4 é a aposta da DS Automobiles para o segmento C Premium, logo este francês quer-se imiscuir entre os alemães Audi A3, BMW Série 1 e Mercedes-Benz Classe A, com aposta no luxo, tecnologia e conforto.

VÊ TAMBÉM: António Félix da Costa e DS TECHEETAH fazem a festa em Lisboa

EMP2, sempre a evoluir

Sendo parte do Groupe PSA, o novo DS 4 irá recorrer a uma evolução da EMP2, a mesma plataforma de modelos como o Peugeot 3008, Citroën C5 Aircross ou até o DS 7 Crossback.

Logo, fará parte da sua oferta de motorizações, além das típicas a gasolina e gasóleo, também (pelo menos) uma motorização híbrida plug-in. Trata-se da que combina o 1.6 PureTech a gasolina de 180 cv com o motor elétrico de 110 cv, totalizando 225 cv entregues apenas às rodas dianteiras através da e-EAT8, uma combinação que encontramos em modelos como o Citroën C5 Aircross, Opel Grandland X ou Peugeot 508.

Mas sendo uma evolução da EMP2 que já conhecemos, esta promete menor peso e refinamento — introduz materiais compósitos, tem elementos estruturais estampados a quente, e usa aproximadamente 34 m de adesivos industriais e pontos de solda —, como componentes mais compactos (unidade de ar condicionado, por exemplo), e componentes redesenhados para a direção e suspensão (maior responsividade durante a condução).

Também promete novas proporções, sobretudo na razão entre carroçaria/rodas — estas últimas serão de grandes dimensões —, e um chão mais baixo na segunda fila de bancos a sugerir mais espaço para os ocupantes.

Salto tecnológico

Se as fundações do novo DS 4 prometem elevar as qualidades dinâmicas e de conforto/refinamento, o arsenal tecnológico que trará não deverá ficar atrás. Desde a visão noturna (câmara infra-vermelhos) até aos faróis com tecnologia LED Matrix — composto ainda por três módulos, que podem rodar 33,5º, melhorando a iluminação em curva —, passando até por novas saídas de ventilação interiores. Por falar em iluminação, o novo DS 4 estreará igualmente uma nova assinatura luminosa vertical, composta por 98 LED.

Novidade absoluta é a introdução do Extended Head-up Display, uma “experiência visual avant-garde (que) é um primeiro passo em direção à realidade aumentada”, diz a DS Automobiles. A parte “extended” ou estendida, refere-se à área de visualização deste head-up display, que cresce até uma diagonal de 21″, com a informação a ser projetada oticamente 4 m à frente do para-brisas.

O novo Extended Head-up Display fará parte do também novo sistema de infoentretenimento, o DS Iris System. O interface foi redesenhado à imagem dos que encontramos nos smartphones e promete índices elevados de personalização, assim como uma usabilidade superior. Permitirá também comandos por voz (uma espécie de assistente pessoal) e gestos (auxiliado por um segundo ecrã tátil, que permite também funções de zoom e reconhecimento de escrita manual), além de poder ser atualizado remotamente (over the air).

O novo DS 4 será também semi-autónomo (nível 2, o mais elevado autorizado pelos reguladores), com a combinação de vários sistemas de assistência à condução a acontecer no denominado DS Drive Assist 2.0. Também aqui houve espaço para algumas novidades, como a possibilidade de efetuar ultrapassagens de forma semi-automática.

Tal como no DS 7 Crossback, também o novo familiar compacto da marca poderá vir com suspensão pilotada, onde uma câmara posicionada no topo do para-brisas “vê” e analisa a estrada onde circulamos. Se detetar irregularidades na estrada, atua antecipadamente sobre a suspensão, ajustando o amortecimento de cada roda, para garantir sempre os máximos índices de conforto aos seus ocupantes.

VÊ TAMBÉM: Tradicional na forma, mas eletrificado. O DS 9 é o novo topo de gama da marca francesa

Mais artigos em Notícias