Notícias Eletrificado e muito rápido. E-Ray é o primeiro Corvette híbrido de sempre

Apresentação

Eletrificado e muito rápido. E-Ray é o primeiro Corvette híbrido de sempre

São os sinais dos tempos: a Chevrolet acaba de apresentar o Corvette E-Ray, o primeiro "Vette" híbrido e com tração integral da história.

Chevrolet Corvette E-Ray

A atual geração do Chevrolet Corvette, a C8, vai ficar definitivamente para a história: foi o primeiro Vette com motor central traseiro, o Z06 foi o primeiro a recorrer a uma cambota plana e por isso o seu V8 soa como se fosse o de um Ferrari e o E-Ray, que acaba de ser revelado, é o primeiro Corvette híbrido e de tração integral de sempre.

Não faltam por isso motivos de interesse em torno do primeiro Corvette eletrificado, que passa diretamente a ser o Vette de produção que mais rápido acelera — mais rápido até que o Z06 —, cumprindo o sprint dos 0 aos 96 km/h (60 mph) em 2,5s.

A aceleração impressiona também no clássico “quarto de milha” (402 m), com o novo Corvette E-Ray a cumpri-lo em apenas 10,5s, terminando-os a uma velocidade de 209 km/h. A velocidade máxima não foi, para já, anunciada.

A NÃO PERDER: V8 Ferrari comprado no eBay foi a referência para o V8 do Corvette Z06
Chevrolet Corvette E-Ray perfil

Um «super híbrido»

Disponível nas configurações Coupé e Cabrio — respetivamente, 1712 kg e 1749 kg a seco, sendo o Corvette mais pesado de sempre —, o Corvette E-Ray recorre ao bloco V8 LT2 de 6,2 litros que já conhecemos do Corvette Stingray, que entrega 502 cv de potência e 637 Nm de binário máximo.

Mas no E-Ray o V8 é coadjuvado por um motor elétrico montado no eixo dianteiro (anima apenas as rodas dianteiras e não está ligado ao eixo traseiro), que oferece 120 kW (163 cv) e 165 Nm adicionais, para uma potência máxima combinada de 655 cv (481 kW), dando ainda, pela primeira vez na história do Corvette, tração às quatro rodas.

Chevrolet Corvette E-Ray

A alimentar o motor elétrico temos uma bateria de iões de lítio com apenas 1,9 kWh de capacidade. Esta está posicionada no túnel central que separa os dois ocupantes, para garantir a melhor distribuição de massas possível.

A pequena capacidade da bateria faz deste E-Ray um full hybrid e não um híbrido plug-in, ou seja, não é preciso ligá-lo à tomada para a carregar — esta é carregada através da recuperação de energia em desaceleração ou travagem.

Além de permitir que o V8 possa funcionar em mais contextos com metade dos cilindros «desligados» — poupando combustível —, a máquina elétrica dá alguma autonomia em modo elétrico ao Corvette E-Ray (4-5 km), o suficiente para “sair de uma zona residencial sem fazer qualquer ruído”, como explica a própria marca norte-americana, podendo atingir os 72 km/h antes do V8 «acordar».

Eletrificação não é a única novidade

Mas não pensem que o motor e o sistema híbrido foram os únicos elementos na ordem de trabalho dos engenheiros que desenvolveram o Corvette E-Ray. Este “super híbrido” conta ainda com travões Brembo com discos carbocerâmicos, jantes de 20” à frente e 21” atrás que podem ser de alumínio ou fibra de carbono e a suspensão Magnetic Ride Control 4.0.

LEIAM TAMBÉM: Não há Corvette Diesel, mas não lhe falta o símbolo das velas de incandescência

A juntar a isso este Vette eletrificado é ainda 9,14 cm mais largo do que um Stingray convencional — tal e qual o Z06 —, o que permite usar os mesmos pneus do Z06 (Michelin Pilot Sport e Pilot Sport 4S com 275 mm de largura à frente e 345 mm atrás) para melhor gerir o binário adicional.

A largura superior dá igualmente uma presença ao E-Ray ainda maior em estrada, e apresenta algumas diferenças visuais relativamente ao Stingray, a começar pela dianteira, que é ligeiramente diferente, e a terminar na traseira, que ganhou novas saídas de ar.

Mas a diferença mais óbvia está mesmo na pintura. É que este E-Ray está disponível com 14 cores distintas e pode ser decorado com uma faixa em azul “Electric Blue” que é exclusiva desta versão.

E os preços?

O Corvette E-Ray vai fazer a sua estreia comercial nos Estados Unidos da América — ainda não há confirmação se chegará ou não à Europa — na segunda metade deste ano, ainda que a Chevrolet não tenha anunciado uma data específica.

Contudo, sabe-se que os preços vão começar nos 104 295 dólares (cerca de 96 400 euros) para o Coupé e nos 111 295 dólares (aproximadamente 103 000 euros) para o Cabrio.

Sabe esta reposta?
Quanto tempo demorava a Audi RS2 a cumprir os 0-100 km/h?
Oops, não acertou!

Pode encontrar a resposta aqui:

As carrinhas desportivas mais radicais de sempre: Audi RS2