AMG, Rimac ou Lucid. Qual será a base do futuro Aston Martin elétrico?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Antevisão

AMG, Rimac ou Lucid. Qual será a base do futuro Aston Martin elétrico?

A Aston Martin está a avaliar «candidatos» para o fornecimento da base elétrica para o seu próximo 100% elétrico, que chega em 2025.

A Aston Martin anunciou recentemente um plano de investimento de aproximadamente 759 milhões de euros, que será usado não só para pagar parte da dívida da empresa como para acelerar a estratégia de eletrificação, que se vai traduzir num novo modelo elétrico em 2025.

A marca com sede em Gaydon vai lançar em 2024 o seu primeiro modelo híbrido plug-in, um ano antes da chegada do seu primeiro 100% elétrico desde o lançamento gorado do Rapide E.

Mas sobre o próximo modelo totalmente elétrico da Aston Martin, os detalhes são muito escassos. De acordo com os britânicos da Autocar, Lawrence Stroll, o presidente da empresa, não recusa a ideia de ser um superdesportivo ou um hipercarro de «bandeira».

A NÃO PERDER: Aston Martin. Novo logótipo para nova era eletrificada
Aston Martin Valkyrie
Aston Martin Valkyrie © João Faustino / Razão Automóvel

Contudo, ainda não está sequer definida a plataforma em que este Aston Martin elétrico vai assentar, sendo que para já existem três fortes possibilidades.

AMG, Lucid ou Rimac?

A primeira, e provavelmente a mais óbvia, passa por recorrer à plataforma dedicada para veículos elétricos que a Mercedes-AMG está a desenvolver e que foi antecipada pelo Vision AMG.

Este é o caminho mais natural para a empresa britânica, dado as ligações existentes entre as duas empresas: os V8 da Mercedes-AMG são usados nos seus carros, assim como o sistema de infoentretenimento.

A somar a isso, importa lembrar que a Mercedes-Benz tem uma participação de 9,7% na Aston Martin, pelo que esta relação já existe e pode ser sempre reforçada.

A segunda passa pelo fornecimento de uma arquitetura elétrica por parte da Lucid Motors. Como é que a jovem Lucid entra no campo das hipóteses? O Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita (PIF), o novo e segundo maior acionista da Aston Martin, também detém uma participação na empresa norte-americana tal como na McLaren.

Lucid Air
Lucid Air

Atualmente a Lucid apenas comercializa o Air, que assenta numa plataforma com arquitetura de 900 V. Mas no passado esta empresa já forneceu baterias para o campeonato de Fórmula E e planeia aumentar nos próximos anos significativamente a sua produção (e dimensão).

LEIAM TAMBÉM: Quantos protótipos foram precisos até chegarmos ao primeiro Rimac Nevera de produção?

Depois existe também a possibilidade da Rimac, a empresa croata que Lawrence Stroll até já descreveu como sendo uma potencial parceira de futuro, como escreve a Autocar.

Rimac Nevera
Rimac Nevera

E a confirmar-se a vontade da «Aston» em construir um superdesportivo ou um hipercarro elétrico, importa lembrar que a Rimac tem um dos hipercarros elétricos mais impressionantes da atualidade, o Nevera.

São muitas as dúvidas ainda em torno do futuro da marca de Gaydon, mas uma coisa é certa, possibilidades não faltam para o futuro da centenária Aston Martin.

Fonte: Autocar

Sabe responder a esta?
Em que ano foi apresentado o Renault 5 Turbo?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Renault 5 Turbo celebra 40 anos. A história (quase) completa

Mais artigos em Notícias