Peugeot e-2008 testado. Um SUV compacto elétrico pode ser o único carro da família?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 37 520 euros

Peugeot e-2008 testado. Um SUV compacto elétrico pode ser o único carro da família?

Líder do mercado nacional, o Peugeot 2008 tem no e-2008 a sua versão «à prova de futuro». Mas será que pode ser o único carro de uma família?

Versão elétrica do líder de vendas do mercado nacional em 2021, o Peugeot e-2008 dá-nos um vislumbre do futuro de um dos segmentos que mais tem reunido as preferências dos europeus nos últimos anos.

Se nos segmentos superiores as baterias de grande capacidade já permitem aos elétricos desempenharem o papel de único automóvel de uma família, será que entre os B-SUV já podem tomar o lugar das versões com motor de combustão?

Altura de o descobrir. «Encostei» o meu carro do dia a dia com motor de combustão e no seu lugar veio este Peugeot e-2008.

LEIAM TAMBÉM: Renault Captur E-TECH (híbrido plug-in). O mais económico é também o mais caro. Vale a pena?
Peugeot e-2008
Assim de repente ninguém diria que este e-2008 é movido a eletrões. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Fez as deslocações diárias casa-trabalho-casa, viajei com ele e, ao final de quase uma semana, já tinha a resposta à pergunta que serve de mote a este ensaio. Mas antes vamos conhecê-lo melhor.

Descubram as diferenças

Distinguir o e-2008 das variantes com motor de combustão não é particularmente fácil. No exterior ainda vamos tendo alguns logótipos específicos, uma grelha mais fechada e a ausência das saídas de escape para «denunciar» esta versão.

Já no interior só mesmo os menus específicos no painel de instrumentos e no sistema de infoentretenimento permitem distinguir o e-2008 dos restantes 2008.

Ainda no interior e sem ser uma referência no campo da habitabilidade, a verdade é que não falta espaço habitável para o Peugeot e-2008 desempenhar as funções de único carro de uma família.

VEJAM TAMBÉM: Ansiedade com a autonomia? Nenhuma. Testámos o elétrico Kia e-Niro

Atrás há espaço para dois adultos ou duas cadeiras de criança e a bagageira com 405 l parece até maior, fruto das formas regulares e do fácil acesso. Sim, é verdade são menos 30 l face às versões com motor de combustão (nestas tem 434 l), mas na prática mal se nota a diferença.

Convivência fácil

Se tanto no exterior como no interior o Peugeot e-2008 é praticamente igual aos restantes, mal o colocamos em funcionamento somos relembrados de que com este 2008 não temos de nos preocupar com o preço dos combustíveis.

O silêncio a bordo deixa evidente o bom isolamento do ruído de rolamento e a entrega imediata do binário relembra-nos uma das melhores qualidades dos modelos elétricos: performance acessível.

Descubra o seu próximo carro:

Já em estrada, o volante pequeno convida a «atacar» as curvas com mais afinco, mas o acerto da suspensão e de todo o chassis convida a toadas mais calmas. Sempre seguro e previsível, o e-2008 aposta mais no conforto, deixando a «veia dinâmica» para o «primo», o Opel Mokka-e.

O que todo este conforto do Peugeot e-2008 faz é dar-lhe qualidades convincentes como estradista, algo que aliado à boa capacidade de gestão da carga das baterias permite enfrentar viagens mais longas sem receios.

Peugeot e-2008
Apesar de ser 100% elétrico o Peugeot e-2008 revelou-se um bom estradista, com elevados níveis de conforto e refinamento a bordo. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Nos primeiros dias ao volante do Peugeot e-2008, talvez por algum receio, carregava-o sempre mais cedo do que o necessário, mas com o acumular dos quilómetros pude perceber que os 341 km de autonomia anunciada não andam muito longe da realidade, mesmo quando saímos do meio urbano e enfrentamos «estrada aberta», como foi o meu caso na maioria das vezes.

No final do teste o computador de bordo anunciava uns convincentes 14 kWh/100 km de média, alcançados com uma condução calma, mas longe de ser particularmente cuidada para a obtenção de consumos baixos.

Usei o e-2008 como o meu único carro durante alguns dias e o que percebi é que com os elétricos temos de «mudar o chip». Ou seja, primeiro temos de aprender a interpretar os valores da autonomia anunciada sem excesso de receios, mas também sem excessos de confiança.

Depois, é aprender a «navegar» o mundo dos carregamentos, aproveitando quando estes são mais baratos na rede pública e tentando ao máximo carregar em casa (se tal for possível). Se fizermos isto é possível usar um B-SUV como o único carro de uma família.

VEJAM TAMBÉM: Dacia Duster ECO-G (GPL). Com o preço dos combustíveis em alta, será este o Duster ideal?

Afinal de contas as qualidades intrínsecas ao 2008 estão todas presentes, sendo que nesta variante a elétrica, e no atual contexto que vivemos, nos permite poupar bastante nas deslocações diárias.

Cabos de carregamento
Tempos de carregamento: 0 a 80% em 30 minutos num carregador de 100 kW e uma hora num de 50 kW. Tomada doméstica de 3,7 kW de 0-100% demora 16 horas, numa de 7,4 kW demora 8 horas e num carregador de 11 kW fica-se pelas 5 horas. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

É o carro certo para si?

Espaçoso e confortável, o Peugeot e-2008 vem comprovar que não só nos segmentos superiores os elétricos começam a ser uma opção válida para desempenhar as funções de «único carro da família».

Quem não pode carregar em casa tem de fazer alguns cálculos. Tem algum carregador perto de casa? Se a resposta for positiva e a quilometragem feita semanalmente não ultrapassar os 300 km é bem possível usar o e-2008 sem problemas — permite carregar apenas uma vez por semana.

Sim, é (bem) mais caro que as versões equivalentes a combustão, mas oferece um potencial de poupança impossível de igualar pelas variantes a gasolina e gasóleo e ainda conta uma facilidade de condução invejável.

Preço

unidade ensaiada

41.970

Versão base: €41.020

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: Motor elétrico
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Bateria de iões de lítio de 50 kWh (46 kWh úteis)
    • Potência: 100 kW (136 cv)
    • Binário: 260 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Caixa redutora de uma relação
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4300 mm / 1770 mm / 1530 mm
    • Distância entre os eixos: 2605 mm
    • Bagageira: 405 litros
    • Jantes / Pneus: 215/60 R17
    • Peso: 1623 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 15,8 kWh/100 km; Autonomia: 341 km
    • Emissões de CO2: 0 g/km
    • Vel. máxima: 150 km/h
    • Aceleração: 8,1s
  • Equipamento
    • Faróis de nevoeiro em LED com função cornering
    • Vidros laterais e óculo traseiro aquecido e escurecidos
    • Visio Park + Ajuda ao estacionamento dianteiro
    • Pack Safety Plus : Pack Safety + Travagem de urgência automática com CVM & Radar
    • Faróis Peugeot Full LED technology
    • Retrovisores exteriores com função descongelamento, rebatíveis eletricamente e retrovisor interior electrocromático
Extras
Branco Nacré — 650 €; Acesso e ligação mãos-livres — 300 €.
Avaliação
7 / 10
Exige alguma habituação, mas o Peugeot e-2008 apresenta-se como uma proposta capaz de servir como único carro de uma família desde que estejam reunidas algumas condições. Espaçoso e confortável, o modelo gaulês faz uso de uma boa gestão das baterias capaz de ir além dos limites da cidade. Infelizmente, para quem não consiga carregar em casa ou não tenha nas proximidades um carregador público ainda não é uma opção totalmente viável, mas ultrapassados esses obstáculos, no que à sua utilização no dia a dia diz respeito, o e-2008 tem mais do que argumentos para desempenhar as tarefas familiares com brio.
  • Conforto (suspensão e bancos)
  • Refinamento acima da média
  • Consumos
  • Facilidade de condução
  • Preço
  • Ergonomia do interior
Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançado o Peugeot 405?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

E dura, dura, dura… o Peugeot 405 continua a ser produzido

Mais artigos em Testes, Ensaio