Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Entrevista

Francesca Sangalli da CUPRA: “Queremos nos distinguir e não ser vistos como o desportivo convencional”

Estivemos à conversa com uma das designers responsáveis pelo CUPRA Born, Francesca Sangalli, diretora de Cores & Materiais da SEAT e CUPRA.

A revelação do Born, o primeiro elétrico de sempre da CUPRA, motivou uma breve conversa com Francesca Sangalli, a responsável máxima pelo departamento de Cores & Materiais da SEAT e CUPRA, onde falámos um pouco mais em detalhe sobre a identidade do modelo e da própria marca.

O CUPRA Born representa um importante marco na muito jovem marca espanhola (apenas três anos de vida), que já tem nos planos a adição de mais elétricos — o próximo será a versão de produção do Tavascan.

Mas por enquanto é o Born o foco da nossa atenção e para lá de todas as características anunciadas do novo modelo — que já abordámos em espaço próprio — aprofundámos mais os temas que guiaram a concepção do modelo.

VEJAM TAMBÉM: Carlos Galindo, diretor de marketing da CUPRA. “Podem esperar o inesperado”
Francesca Sangalli, diretora de Cores & Materiais na SEAT e CUPRA
Francesca Sangalli e membros da sua equipa junto com o CUPRA Formentor.

Sendo o primeiro 100% elétrico da CUPRA — o Ateca é puramente a combustão, enquanto o Formentor e o Leon adicionam a estes variantes híbridas plug-in —, queríamos perceber se a abordagem ao Born foi distinta destes outros modelos. Sangalli foi clara:

"Os códigos da CUPRA são mais do que para elétricos e não queremos criar algo diferente do que já vimos nos modelos de combustão. A CUPRA tem certas características que são comuns a todos os modelos — é uma linguagem de design".

Francesca Sangalli, diretora Cores & Materiais da SEAT e CUPRA

Ou seja, desde as cores aos gráficos ou às texturas, a marca tem um ADN que une os seus modelos, independentemente do que os motiva, se uma cadeia cinemática 100% elétrica, como no novo CUPRA Born, se uma cadeia cinemática 100% a combustão, como no CUPRA Ateca.

Uma harmonização que pode ser justificada por toda a indústria estar a caminhar, inevitavelmente, para um futuro totalmente ou maioritariamente elétrico, apesar de nem todas as marcas estarem a seguir esta abordagem, distinguindo claramente os seus modelos elétricos dos outros a combustão.

Francesca Sangalli, diretora de Cores & Materiais na SEAT e CUPRA

Cobre

Se há um detalhe visual pela qual a CUPRA tem vindo a ficar conhecida é o uso do tom cobre, uma cor que a acompanha desde o início. Podemos vê-la aplicada em várias partes do exterior e interior, que podem ir do símbolo da marca a outros realces no exterior, ou em molduras e frisos no interior.

Temas como dinamismo e desportividade têm sido visualmente explorados pela CUPRA, pelo que a opção pelo tom cobre não deixa de intrigar — não faria mais sentido optar por um tom que mais rapidamente associamos a esses temas, como o vermelho?

Sendo uma marca nova, “a CUPRA deu-nos oportunidade (designers) de explorar e usar novos códigos”, diz-nos Francesca Sangalli, sendo importante para a marca distinguir-se das demais, pelo que a procura por um tom específico, que rapidamente associássemos à marca, ia de encontro a esse objetivo: “aparece em todos os CUPRA para serem reconhecidos como CUPRA”.

"Queremos nos distinguir e não ser vistos como o "desportivo" convencional. O nosso público-alvo é também diferente do tradicional entusiasta dos automóveis que adora conduzir."

Francesca Sangalli, diretora Cores & Materiais da SEAT e CUPRA

Além do mais, “o cobre é um material condutor elétrico”, como nos recorda Sangalli, pelo que essa associação entre a marca e o seu futuro elétrico pode ser reforçada.

CUPRA Born
VEJAM TAMBÉM: CUPRA Formentor VZ5. O mais potente dos Formentor vai ter 5 cilindros

Sustentabilidade

A sustentabilidade é um tema omnipresente na indústria automóvel de hoje e Francesca Sangalli diz-nos que também na CUPRA (e SEAT) estão cada vez mais “focados em usar materiais mais sustentáveis e na reciclabilidade”. Exemplo disso é o Born recorrer a fibras têxteis feitas a partir de plástico reciclado, usadas na parte central dos revestimentos dos seus bancos tipo baquet.

Bancos CUPRA Born

Este material chamado de SEAQUAL® Yarn, é obtido através da recolha dos plásticos — lixo marinho das praias, do fundo oceânico e da superfície, ou aí depositado através de rios e de estuários —, e resulta de uma parceria com a SEAQUAL® INITIATIVE. Após recolhido, este lixo plástico passa por um programa de limpeza, sendo depois transformado em vários tipos de material, como as fibras têxteis usadas no CUPRA Born.

Descubra o seu próximo carro:

Mais artigos em Notícias