Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Indústria

Sucessor do Alpine A110 será elétrico e desenvolvido com a Lotus

O futuro da Alpine não se fica pelo sucessor elétrico do A110. Fica a conhecer os ambiciosos planos para a marca francesa até 2025.

O Alpine A110 significou o regresso da marca francesa de desportivos à ribalta… e que regresso(!) — uma refrescante pedrada no charco onde as dimensões compactas e o baixo peso tinham mais protagonismo que pura potência.

Parecia ser o início de uma bela história, uma nova oportunidade para a Alpine, mas não foi preciso esperar muito para se colocar em dúvida a sobrevivência da marca no futuro. Não só a casa mãe (Renault) estava a passar por dificuldades — e deu início a um profundo programa de redução de custos —, como a pandemia que ainda tanto afeta o planeta deitou por terra as expetativas comerciais para o novo modelo, obrigando a rever profundamente os planos futuros.

Mas ontem, com a apresentação do Renaulution — o novo plano de recuperação e estratégico para o futuro de todo o Grupo Renault — o futuro da Alpine não só ficou assegurado, como a sua importância dentro do grupo será maior do que até agora.

VÊ TAMBÉM: “Vive la Renaulution”! Tudo o que vai mudar no Grupo Renault até 2025

Adeus, Renault Sport

A Alpine passará a ser uma das quatro unidades de negócio anunciadas — as outras serão a Renault, da Dacia-Lada e a Mobilize —, significando a “fusão” da Alpine Cars, da Renault Sport Cars e da Renault Sport Racing (divisão de competição) numa entidade só. Além disso, a presença da Renault na Fórmula 1 passará a ser feita pela marca Alpine já este ano.

Teremos assim uma Alpine mais forte e com maior exposição mediática no palco global, como é referido em comunicado: “uma entidade que combina o “know how” único da engenharia da Renault Sport Cars e da Renault Sport Racing, a fábrica de Dieppe, a exposição mediática da Fórmula 1 e a herança da marca Alpine”.

Alpine A521

“A nova entidade Alpine combina três marcas com ativos e áreas de excelência distintas, em prol de uma empresa única e autónoma. O ‘know-how’ da nossa fábrica de Dieppe, e a excelência da engenharia das nossas equipas de F1 e da Renault Sport, brilharão com a nossa gama 100% elétrica e tecnológica, ancorando assim o nome ‘Alpine’ no futuro. Estaremos nas pistas e nas estradas, de forma autêntica, com a mais elevada tecnologia e seremos disruptivos e apaixonados.”

Laurent Rossi, Diretor-geral da Alpine
VÊ TAMBÉM: O que vale o novo Alpine A110S em pista? Nós já sabemos

Alpine 100% elétrica

Mesmo tendo em conta que a Fórmula 1 não tornar-se-á 100% elétrica durante a década que agora se inicia — a aposta continua a estar na hibridização e no futuro uso de biocombustíveis —, e que a disciplina terá “um papel central na estratégia desportiva da marca”, os futuros modelos de estrada da Alpine serão apenas elétricos — mesmo o sucessor do Alpine A110 será elétrico…

Alpine A110s
Alpine A110s

O sucessor do Alpine A110 ainda está a alguns anos de distância — nada foi anunciado em termos de calendário ou especificações —, mas quando surgir será apenas e só elétrico. Nesse sentido a francesa Alpine juntou esforços com a britânica Lotus para desenvolver um novo desportivo 100% elétrico (entre outros domínios possíveis de cooperação). Para já, Alpine e Lotus estão a elaborar um estudo de viabilidade para as áreas de engenharia e conceção.

Tendo em consideração o foco das duas marcas na leveza das suas propostas, será interessante ver como tal se traduz com a adoção da pesada tecnologia elétrica.

As novidades não se ficam por um novo desportivo “de raíz”. Foram anunciados mais dois novos Alpine para os próximos anos: um (inesperado) hot hatch e um (aos anos anunciado) crossover — naturalmente, ambos 100% elétricos. Ambos aproveitarão o potencial das sinergias dentro do Grupo Renault e com a Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, não só para otimizar os custos, como para atingir a meta da rentabilidade da marca em 2025 (que inclui o investimento em competição).

Renault Zoe e-Sport
Renault Zoe e-Sport, 2017. 462 cv e 640 Nm; 3,2s dos 0-100 km/h; menos de 10 segundos para chegar aos 208 km/h. O que tivemos mais perto da Renault sobre o que poderia ser um (mega) hot hatch elétrico.

Começando pelo futuro hot hatch elétrico, este posicionar-se-á no segmento B, assentando sobre a plataforma CMF-B EV da Aliança. As suas dimensões não deverão ficar longe daquelas que vemos no Zoe ou no Clio, mas o novo Alpine hot hatch não deverá ser uma versão mais desportiva destes modelos, mas sim algo distinto.

O crossover elétrico de marca Alpine, do qual já existem rumores e anúncios há muitos anos, parece agora estar mais próximo que nunca. Assentará sobre a nova plataforma CMF-EV que vimos no concept Mégane eVision e no Ariya, o novo SUV elétrico da Nissan. Tal como nos outros dois modelos anunciados, ainda não foram avançadas especificações nenhumas ou uma possível data de lançamento.

Mais artigos em Notícias