Antevisão

Novo Citroën C5 estava prometido para 2020. Afinal onde é que ele anda?

Estava prometido um sucessor do Citroën C5 em 2020, mas a grande novidade do ano para a marca francesa é o novo C4. Onde anda o futuro grande Citroën?

Quando em 2017 deixou de ser produzido sem deixar um sucessor, a marca francesa prometeu-nos, apesar de tudo, um sucessor do Citroën C5. Talvez o sinal mais claro de que um sucessor estava a ser desenvolvido tenha sido dado ainda um ano antes, em 2016, com a apresentação do concept CXperience.

O CXperience mostrava uma futurista berlina de grandes dimensões, com contornos que evocavam os grandes Citroën do passado (a escolha por uma carroçaria de dois volumes sendo o mais óbvio), sem no entanto cair no retro fácil — bem pelo contrário…

Sejamos pragmáticos: o mercado volta cada vez mais as costas às grandes berlinas, quanto mais às berlinas que não tenham o símbolo certo sobre o capot. Dispensar recursos nesse sentido é um risco, e para mais, quando a expetativa sobre um novo grande Citroën é a de que seja algo “fora da caixa”.

VÊ TAMBÉM: Ami não é o único. Citroën revela planos para eletrificação e anuncia novo… C4

A chegada do sucessor do Citroën C5 — que tomaria o lugar, também, do C6 — foi prometida para este ano, 2020, mas chegados ao ano em questão, e apesar de ainda estarmos a meio do ano, tudo aponta para que tal já não aconteça como prometido.

C4 tem prioridade

Na realidade, o foco da marca do “double chevron” para 2020 deverá estar no novo C4, que tomará o lugar do C4 Cactus — após o restyling assumiu o lugar de representante oficial da Citroën no segmento C, para preencher o vazio deixado pelo fim do C4. A nova geração do C4 deverá ser conhecida já no próximo mês, com as vendas a começarem no início do próximo outono.

Considerando o contexto em que vivemos, onde o mundo enfrenta uma difícil caminhada em direção à recuperação da economia, seria até justificável para a Citroën deixar projetos com um certo nível de risco de parte.

“Esplêndido”

Mas declarações recentes de Laurence Hansen, diretora de estratégia de produto da Citroën, proferidas num vídeo publicado nas redes sociais dão esperança de que o sucessor do Citroën C5 não está esquecido:

“Acreditem em nós, o carro existe e é esplêndido. É um carro realmente importante para nós”.

O que esperar do sucessor do Citroën C5? Tecnicamente não deverá haver muitas surpresas. O novo modelo assentará, quase de certeza, sobre a plataforma EMP2, a mesma que equipa o Peugeot 508 e o recentemente conhecido DS 9.

Além da base, deverá partilhar com os seus “primos” as motorizações. Sobretudo as híbridas plug-in, as que fazem mais sentido para conseguir cumprir as metas de emissões de CO2 impostas pela União Europeia.

A grande dúvida reside à volta do seu design. Há dois anos, declarações da marca iam no sentido de criar um modelo que reinventasse o segmento, um modelo que fosse tão moderno e atrativo ao mercado como os SUV o são hoje em dia.

Dentro do grupo parece haver espaço para um modelo “fora da caixa”. O Peugeot 508 mostrou-nos um caminho, o dos “coupés” de quatro portas, de desenho mais desportivo e menor altura. O DS 9 seguiu o caminho oposto, mais conservador e elegante. O sucessor do Citroën C5 pode mostrar um terceiro caminho na tentativa de salvar as berlinas, o da ousadia — um caminho já trilhado no passado pela marca…

Será que o concept CXperience servirá como referência, ou a Citroën prepara algo diferente? Teremos de aguardar, mas não sabemos ainda até mais quando… Por enquanto, nenhuma data foi anunciada.


A equipa da Razão Automóvel continuará online, 24 horas por dia, durante o surto de COVID-19. Segue as recomendações da Direção-Geral de Saúde, evita deslocações desnecessárias. Juntos vamos conseguir ultrapassar esta fase difícil.

Sabes responder a esta?
Qual o carro que conseguiu a velocidade mais elevada no teste do alce?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te deste? Citroën Xantia Activa V6

Mais artigos em Notícias