Apresentação

Tradicional na forma, mas eletrificado. O DS 9 é o novo topo de gama da marca francesa

A DS Automobiles passa a coroar a sua gama com o DS 9, que assume a mais tradicional das tipologias, um sedã de três volumes de generosas dimensões.

O novo DS 9 passa a ser o topo de gama da marca francesa… e (felizmente) não é mais um SUV. Trata-se da mais clássica das tipologias, um sedã de três volumes e aponta diretamente ao segmento D. No entanto as suas dimensões — 4,93 m de comprimento e 1,85 m de largura —colocam-no praticamente no segmento acima.

Por baixo dos seus três volumes encontramos a EMP2, a plataforma do Grupo PSA que serve também o Peugeot 508, ainda que aqui se encontre numa versão alongada. O que isso significa é que o novo DS 9, tal como os outros modelos que derivam da EMP2, é um tração dianteira com motor em posição transversal dianteira, mas também pode ter tração integral.

Híbridos plug-in para todos os gostos

A tração integral é cortesia de um eixo traseiro eletrificado, como já vimos no DS 7 Crossback E-Tense, só que ao invés dos 300 cv do SUV, no novo DS 9 a potência subirá para uns ainda mais sumarentos 360 cv.

VÊ TAMBÉM: Salão de Genebra 2020 CANCELADO mas… as novidades continuam aqui!

A eletrificação não estará apenas presente na versão de topo do novo DS 9… Efetivamente, serão três as motorizações eletrificadas, todas elas híbridas plug-in, denominadas E-Tense.

A versão de 360 cv não será, no entanto, a primeira a ser lançada. O DS 9 chegará até nós, em primeiro lugar, numa mais acessível variante com uma potência total combinada de 225 cv e tração dianteira, resultado da combinação do motor 1.6 PureTech com um motor elétrico de 80 kW (110 cv) e um binário de 320 Nm. A transmissão é efetuada através de uma caixa automática de oito velocidades, a única opção disponível em todos os DS 9.

DS 9 E-TENSE
A base é a EMP2, e o perfil é bastante idêntico ao que podemos encontrar no 508 longo, vendido exclusivamente na China.

Mais tarde, surgirá uma segunda variante híbrida plug-in de tração dianteira, com 250 cv e maior autonomia — motorização que acompanhará o lançamento do DS 9 na China, país onde será exclusivamente produzido. Por fim, existirá ainda uma versão puramente a gasolina PureTech com 225 cv.

A “metade” elétrica

Na primeira variante a ser lançada, a de 225 cv, a máquina elétrica é alimentada por uma bateria de 11,9 kWh, o que resulta numa autonomia em modo elétrico entre os 40 km e os 50 km. Neste modo zero emissões, a velocidade máxima é de 135 km/h.

O modo elétrico é acompanhado por mais dois modos de condução: Hybrid e E-Tense Sport, que ajusta o mapeamento do pedal do acelerador, caixa de velocidades, direção e suspensão pilotada.

Além dos modos de condução, existem outras funções como a função “B”, selecionada através do seletor da transmissão, que reforça a travagem regenerativa; e a função E-Save, que permite poupar a carga existente na bateria para usar mais tarde.

DS 9 E-TENSE

O novo DS 9 vem com um carregador de bordo de 7,4 kW, bastando 1h30min para carregar a bateria em pontos de carregamento domésticos ou públicos.

VÊ TAMBÉM: 3008 Hybrid4. Já conduzimos o híbrido plug-in de 300 cv da Peugeot

Bancos aquecidos, refrigerados e com massagem… atrás

A DS Automobiles quer dar aos passageiros traseiros o mesmo conforto que encontramos à frente, pelo que criou o conceito DS LOUNGE que tem como objetivo oferecer “uma experiência de primeira classe a todos os ocupantes do DS 9”.

DS 9 E-TENSE

Espaço não deverá faltar atrás, graças aos vastos 2,90 m de distância entre eixos do DS 9, mas as estrelas são os bancos. Estes podem ser aquecidos, refrigerados e com massagem, tal como os da frente, uma estreia no segmento. O apoio de braços central atrás também foi alvo da atenção da DS Automobiles, estando revestido a couro, integrando espaços de arrumação e fichas USB, além dos comandos de massagem e iluminação.

A personalização é também um dos argumentos do DS 9, com as opções “DS Inspirations”, que oferece vários temas para o interior, alguns batizados com o nome de bairros da cidade de Paris — DS Inspiration Bastille, DS Inspiration Rivoli, DS Inspiration Performance Line, DS Inspiration Opéra.

Suspensão pilotada

Vimo-la no DS 7 Crossback e fará parte também do arsenal do DS 9. A DS Active Scan Suspension recorre a uma câmara que lê a estrada, vários sensores — nível, acelerómetros, grupo propulsor —, que regista todos os movimentos, preparando previamente o amortecimento de cada roda, tendo em conta as irregularidades do piso. Tudo para elevar os níveis de conforto, ao mesmo tempo com elevados níveis de segurança.

VÊ TAMBÉM: Testámos o DS 3 Crossback. Qual escolher? Gasolina ou gasóleo?

Tecnologia

Como não podia deixar de ser, e para mais sendo o topo de gama da marca, também o DS 9 vem munido de um arsenal pesado tecnológico, sobretudo aqueles que se referem aos assistentes de condução.

Sob a designação DS Drive Assist, vários componentes e sistemas funcionam em conjunto (cruise controlo adaptativo, assistente à manutenção da faixa de rodagem, câmara, etc.), dando ao DS 9 a possibilidade de condução semiautónoma de nível 2 (até velocidades de 180 km/h).

O DS Park Pilot permite estacionar de forma automática, após a deteção de um lugar (passando por ele até 30 km/h) e sua respetiva seleção através do ecrã tátil por parte do condutor. O veículo pode estacionar paralelamente ou em espinha.

Sob a denominação DS Safety encontramos também várias funções de ajuda à condução: DS Night Vision (visão noturna graças a uma câmara de infravermelhos); DS Driver Attention Monitoring (alerta de cansaço do condutor); DS Active LED Vision (adapta-se em largura e alcance às condições de condução e à velocidade do veículo); e DS Smart Access (acesso ao veículo com smartphone).

Quando chega?

Com apresentação pública marcada já para a semana no Salão de Genebra, o início de comercialização do DS 9 iniciar-se-á ainda durante o primeiro semestre de 2020. Os preços também ainda não foram divulgados.

 

Mais artigos em Notícias