Emissões

Suzuki Swift Sport perde cavalos, passa a semi-híbrido. Culpem as emissões

Depois do Vitara, também o Suzuki Swift Sport receberá a motorização semi-híbrida que promete reduzir os consumos e emissões de CO2 do pequeno desportivo.

Recentemente experimentámos a nova motorização mild-hybrid ou semi-híbrida 48 V da Suzuki no Vitara, o primeiro a recebê-la e a chegar até nós. No entanto, não será o único a tê-la… também o Suzuki Swift Sport recorrerá à mesma unidade.

O novo Swift Sport trocará assim o seu motor K14C pelo novo e mais eficiente K14D estreado no Vitara. E as notícias, à primeira vista, para os mais entusiastas, não parecem prometedoras.

Menos cavalos, mas…

Os 140 cv do Swift Sport atual serão reduzidos para “apenas” 129 cv (o binário, por outro lado, sobe ligeiramente dos 230 para os 235 Nm). No entanto, como referi, esta nova motorização é também mild-hybrid ou semi-híbrida.

VÊ TAMBÉM: CUPRA Leon chega em 2020 e será híbrido plug-in
Suzuki Swift Sport

O que é que isso significa? A acompanhar o K14D temos um motor elétrico com 10 kW, o equivalente a 13,6 cv, alimentado por uma bateria de iões de lítio de 48 V com meros 0,38 kWh de capacidade.

Entre as funcionalidades do sistema mild-hybrid, potenciadas pelos mais elevados 48 V (a Suzuki tem em comercialização, há vários anos, um sistema mild-hybrid 12 V em quase toda a sua gama), a mais interessante do ponto de vista da performance está na possibilidade de o motor elétrico contribuir com os seus 13,6 cv (e mais binário) para uma mais forte aceleração quando é necessário, atenuando assim a perda de 11 cv do motor de combustão — quase que parece um “clássico” overboost…

Será suficiente? É que além da perda de cavalos, ao adicionarmos o sistema mild-hybrid 48 V estamos também a adicionar lastro.

No caso do ligeiro Swift Sport (970 kg sem condutor) o aumento de massa será… ligeiro: mais 15 kg foi o anunciado para o Vitara, valor que se deverá refletir no Swift Sport. A confirmar-se, mesmo assim, o pocket rocket japonês permanecerá abaixo da barreira psicológica da tonelada — 985 kg (sem condutor) para ser mais preciso.

Ou seja, mesmo mais modesto em potência e mais generoso em massa, é de esperar que o futuro Swift Sport mild-hybrid mantenha prestações de muito bom nível, (esperemos que) similares às do modelo em comercialização.

Mais poupadinho?

Se no campo da performance estamos, ainda assim, algo reticentes sobre o futuro Swift Sport, já no que toca aos consumos (e emissões), existe o potencial do pocket rocket japonês passar a ser o mais poupado dos pequenos desportivos em comercialização.

Tudo devido ao trabalho da Suzuki no aumento da eficiência do seu motor de combustão interna turbocomprimido. A taxa de compressão passou dos 9,9:1 (K14C) para os 10,9:1, um valor bastante elevado para um motor turbo; o sistema de injeção direta foi também revisto, tendo novos injetores de sete orifícios (maior controlo da quantidade, tempo e pressão do combustível injetado); e o sistema VVT (abertura variável das válvulas) e também a ação da EGR foram revistos.

Suzuki Swift Sport 2018 Portugal6

Tendo em conta o que verificámos ao volante do Vitara (e com tração às quatro rodas), o novo K14D, em conjunto com o sistema mild-hybrid 48 V, cumpre o que promete, capaz de consumos bastante moderados — registámos pouco mais de cinco litros por cada 100 km, ainda que as condições tenham ajudado (estrada aberta, pouco trânsito, velocidades moderadas).

No Suzuki Swift Sport, já em si um modelo de apetite moderado, a maior eficiência do grupo motriz poderá ter efeitos majorados. Não é só quase 200 kg mais leve do que o Vitara, como aerodinamicamente oferece menos resistência (menor área frontal, distância ao solo reduzida) — prometedor…

Fica a dúvida de que forma o novo K14D, mais o sistema mild-hybrid, poderá afetar a experiência de condução deste pequeno desportivo. Teremos de aguardar mais alguns meses para o descobrir.

Suzuki Swift Sport 2018 Portugal6

Quando chega?

A introdução do K14D mild-hybrid 48 V faz parte de um esforço mais vasto por parte da Suzuki na eletrificação da sua gama com o objetivo de reduzir as emissões de CO2. A guerra às emissões já obrigou a tomar decisões difíceis, como o suspender da comercialização do marcante Jimny no continente europeu.

O Vitara mild-hybrid 48 V chega esta semana a Portugal e será seguido, em março, pelo maior S-Cross equipado com o mesmo motor. Ainda não foi anunciada uma data exata para o início de comercialização do Suzuki Swift Sport mild-hybrid, mas foi avançado que acontecerá durante a primavera.

Além da introdução do sistema mild-hybrid 48 V, veremos em 2020, igualmente, a introdução da segunda geração do sistema mild-hybrid 12 V, a começar com a renovação do pequeno Ignis, também prevista para a primavera. Este será acompanhado em junho por um atualizado Swift que receberá o mesmo sistema.

A eletrificação na Suzuki será reforçada, muito provavelmente ainda durante este ano, com mais dois modelos híbridos inéditos. Estes serão versões do Toyota Corolla Sports Tourer e do RAV4 graças à parceria celebrada com o gigante japonês.

Sabes responder a esta?
Qual a posição do motor do Hyundai RM19?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Tração traseira e motor “atrás das costas”. Já conduzimos o Hyundai RM19

Mais artigos em Notícias