Chega em março de 2020

O Mitsubishi Space Star está de “cara lavada” e nós já o conduzimos

Lançado em 2012, o Mitsubishi Space Star recebe a sua maior renovação até à data. Conhece as novidades do pequeno, mas grande para o segmento, citadino nipónico.

Em L'Isle-Adam, França

O pequeno, mas grande para o segmento Mitsubishi Space Star, foi lançado já no “distante” ano de 2012, tendo recebido uma importante renovação em 2016. Para 2020, recebe nova renovação, a maior até à data — do pilar A para a frente é tudo novo.

O Space Star passa a estar melhor integrado na restante gama Mitsubishi, adotando o mesmo “ar de família”, ou seja, recebe o Dynamic Shield que caracteriza a face dos outros modelos da marca dos três diamantes. As novidades passam também pelos faróis em LED, e pela nova assinatura luminosa em “L” das óticas traseiras.

Para rematar o exterior, há um novo para-choques traseiro e as jantes são de novo desenho — apenas de 15″ para mercado português.

Mitsubishi Space Star
A evolução, desde o lançamento do original, em 2012.
VÈ TAMBÉM: Ao volante do SEAT Mii electric. O primeiro de uma nova era

No interior as alterações cingem-se a novos revestimentos e os bancos (com algumas áreas revestidas a pele) recebem também novos padrões.

Mais assistência ao condutor

As novidades não são só “estilo”. O renovado Mitsubishi Space Star reforçou a listagem de equipamentos de segurança, sobretudo os de assistência ao condutor (ADAS). Passa a ter travagem autónoma de emergência com deteção de peões, sistema de alerta de saída de faixa de rodagem, máximos automáticos e uma câmara traseira — de notar a qualidade acima da média deste item.

View this post on Instagram

A post shared by Razão Automóvel (@razaoautomovel) on

Por baixo do capot, tudo na mesma

De resto, o hardware que conhecíamos do Mitsubishi Space Star transita para o renovado modelo. O único motor disponível para Portugal continua a ser o três cilindros 1.2 MIVEC de 80 cv — existe noutros mercados um 1.0 de 71 cv —, e pode ser associado ou a uma caixa manual de cinco velocidades ou a uma transmissão de variação contínua, vulgo CVT.

Ao volante

O primeiro contacto dinâmico com o Space Star aconteceu em França, mais precisamente nas imediações da pequena cidade de L’Isle-Adam, a menos de 50 km de Paris. Para lá chegar, a rota escolhida passava, essencialmente, por vias secundárias — e pisos longe de estarem perfeitos —, atravessando pequenas vilas de ruas estreitas e cruzamentos de parca visibilidade.

Mitsubishi Space Star 2020

A experiência de condução em si revelou um carro fácil de conduzir — excelente manobrabilidade, o diâmetro de viragem é de apenas 4,6 m — e orientado para o conforto. O acerto da suspensão é macio, lidando bem com a maioria das irregularidades, mas a permitir que a carroçaria adorne de forma mais pronunciada em condução mais apressada.

Peca pela posição de condução, sempre demasiado alta e pela falta da regulação em profundidade do volante. Os bancos revelaram-se confortáveis, ainda que não ofereçam muito apoio. No entanto, são aquecidos, algo incomum no segmento.

Mitsubishi Space Star 2020

O 1.2 MIVEC revelou-se voluntarioso e um bom parceiro para o Space Star. Faz muito bom uso da sua capacidade superior à da maioria dos mil da concorrência e do baixo peso do Space Star — apenas 875 kg (sem condutor), um dos mais leves, senão o mais leve do segmento —, permitindo uma condução despachada, seja com a caixa manual ou a CVT. No entanto, não é a unidade mais refinada ou silenciosa do segmento, sobretudo nos regimes mais elevados.

A caixa de cinco velocidades manual é precisa q.b., apesar de que seria desejável um curso mais curto, mas o que chega a ser desconcertante é o pedal de embraiagem, que parece oferecer pouca ou nenhuma resistência. Já a CVT, bem… é uma CVT. Não abusem do acelerador e até revela um nível de refinamento interessante, ideal para uma condução despreocupada em cidade, mas caso necessitem da totalidade dos 80 cv, o motor vai-se fazer ouvir… bastante.

Mitsubishi Space Star 2020

O Mitsubishi Space Star promete consumos e emissões baixos — 5,4 l/100 km e 121 g/km de CO2. Dado a condução algo errática a que os modelos estão sujeitos nestes primeiros contactos dinâmicos, nem sempre é possível averiguar as declarações das marcas. Mesmo assim, no caso do manual, o computador de bordo registou 6,1 l/100 km após o trajeto inicial.

Quando chega e quanto custa?

O renovado Mitsubishi Space Star tem data de chegada prevista para março de 2020, e tal como acontece hoje em dia, estará apenas disponível com uma motorização e nível de equipamento — o mais elevado, que é bastante completo e inclui, entre outros, ar condicionado automático, sistema keyless e sistema de info-entretenimento MGN (Apple CarPlay e Android Auto incluídos).

As opções resumem-se, essencialmente, à escolha da transmissão — manual ou CVT —, e… à cor da carroçaria.

A Mitsubishi ainda não avançou com preços definitivos para o novo Space Star, referindo apenas que é de esperar um aumento na casa dos 3,5% relativamente ao atual. Relembramos que o atual custa 14 600 euros (caixa manual) — com o aumento, esperem um preço a rondar os 15 100 euros.

A NÃO PERDER: Irreconhecível. Será o próximo Mitsubishi Evolution um crossover elétrico?

Primeiras impressões

6 / 10
Apesar da nova cara e do reforço no capítulo da segurança, o Mitsubishi Space Star já começa a acusar a idade — foi lançado originalmente em 2012. É o maior dos segmento A, pelo menos em comprimento. É inclusivamente mais comprido (por pouco) que o Suzuki Swift, do segmento acima, o que se reflete positivamente nas cotas internas. Mas por outro lado, e tendo como referência alguns rivais coreanos ou alemães, o Space Star não revela o mesmo rigor de construção ou o mesmo refinamento mecânico. Mexe-se bem, permitindo uma condução despachada e é confortável, acima da média. Em Portugal teremos apenas acesso a uma versão, mas sendo a topo de gama, a lista de equipamento é bastante recheada.

  • Manobrabilidade

  • Motor voluntarioso

  • Conforto

  • Equipamento

  • Rigor de montagem

  • Refinamento mecânico

  • Posição de condução

Data de comercialização: Março 2020


Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos