Mercedes-Benz C123. O antecessor do Classe E Coupé faz 40 anos

Foi no Salão de Genebra de 1977, há exactamente 40 anos, que a Mercedes-Benz apresentou o C123, o coupé do popular W123.

A Mercedes tem uma longa experiência em coupés. Quão longa? O C123 que vêem nas imagens celebra este ano o 40º aniversário sobre o seu lançamento.

Ainda hoje podemos retroceder ao C123 e encontrar ingredientes que influenciam o aspecto dos seus sucessores, como o recém apresentado Classe E Coupé (C238) – ausência do pilar B, entre outras semelhanças que vamos descrever mais abaixo.

A gama média da Mercedes sempre foi profícua no número de carroçarias disponíveis. E os coupés, derivados das berlinas, eram as expressões mais especiais destas. O C123 não é excepção. Derivado do conhecido W123, um dos Mercedes mais bem sucedidos de sempre, o coupé surgiu um ano depois da berlina, apresentado no salão do Genebra de 1977.

1977 Mercedes W123 e C123

Deu-se a conhecer inicialmente em três versões – 230C, 280C e 280CE -, e a informação disponbilizada à imprensa, em 1977, referia:

Os três novos modelos são um refinamento bem sucedido da série média 200 D e 280 E que tanto sucesso tiveram durante o ano passado, sem renunciar à sua moderna e afinada engenharia. Os coupés apresentados em Genebra são destinados a entusiastas automóveis que valorizam a individualidade visual e entusiasmo visível no seu veículo.

Estilo mais distinto e elegante

Apesar da aproximação visual à berlina, os C123 distinguiam-se pela procura de um estilo mais elegante e fluído. O C123 era 4.0 cm mais baixo e 8.5 cm mais curto em comprimento e distância entre eixos que a berlina.

A superior fluidez da silhueta era conseguida através da maior inclinação do pára brisas e do óculo traseiro. E, por fim, mas não menos importante, a ausência do pilar B. Não só permitia uma melhor visibilidade para os seus ocupantes, como alongava, aligeirava e dinamizava o perfil do coupé.

Efeito conseguido em toda a sua plenitude quando todas as janelas se encontravam abertas. A ausência do pilar B manteve-se até aos nossos dias, visível, igualmente, no mais recente Classe E Coupé.

Mercedes-Benz Coupé der Baureihe C 123 (1977 bis 1985). Foto aus dem Jahr 1980. ; Mercedes-Benz coupé in the C 123 (1977 to 1985) model series. Photograph dated 1980.;

Também a geração 123 viu importantes avanços no campo da segurança passiva, começando por uma estrutura bastante mais rígida que a do seu antecessor. O C123 apresentava igualmente estruturas de deformação programada, muito antes de serem a norma na indústria.

Em termos de segurança as novidades não ficam por aqui. Em 1980 a marca disponibilizou, opcionalmente, o sistema ABS, estreado dois anos antes no Classe S (W116). E, em 1982, o C123 já podia ser encomendado com airbag para o condutor.

Um coupé com motor Diesel

Em 1977, o Diesel tinha reduzida expressão no mercado europeu. A crise do petróleo em 1973 deu um impulso às vendas do Diesel, mas mesmo assim, em 1980, significava menos de 9% do mercado. E se era mais fácil encontrar Diesel num veículo de trabalho do que num familiar, o que dizer de um coupé… Hoje em dia coupés Diesel é a norma, mas em 1977, o C123 era proposta praticamente única.

1977 Mercedes C123 - traseira 3/4

Identificado como 300 CD, este modelo tinha curiosamente o mercado norte-americano como destino. O motor era o invencível OM617, de 3.0 litros e cinco cilindros em linha. A primeira versão não dispunha de turbo, debitando apenas 80 cavalos e 169 Nm. Foi revisto em 1979, passando a debitar 88 cv. Em 1981, o 300 CD foi substituído pelo 300 TD, que graças à adição de um turbo disponibilizava 125 cv e 245 Nm de binário. Ena…

Nota importante. Naquela altura, a denominação dos modelos da Mercedes ainda correspondia à cilindrada real do motor. Portanto, o 230 C era um 2.3 litros de quatro cilindros com 109 cv e 185 Nm, e o 280 C um 2.8 litros com seis cilindros em linha com 156 cv e 222 Nm.

Tanto o 230 como o 280 foram complementados com uma versão CE , equipado com injecção mecânica Bosch K-Jetronic. No caso do 230 CE os números elevaram-se até aos 136 cv e 201 Nm. O 280 CE apresentava 177 cv e 229 Nm.1977 Mercedes C123 interior

O C123 permaneceria em produção até 1985, atingindo quase 100 mil unidades (99.884), das quais 15.509 correspondiam ao motor Diesel. A variante do C123 que menos unidades gerou foi a 280 C com apenas 3704 unidas produzidas.

O legado do C123 continuou com os seus sucessores, nomeadamente o C124 e duas gerações do CLK (W208/C208 e W209/C209). Em 2009 o Classe E voltou a ter um coupé, com a geração C207, e o seu sucessor, o C238 é o novo capítulo desta saga com 40 anos.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Pub