Ensaio Testámos o BMW X3 xDrive30e. Um bom híbrido plug-in mesmo quando acaba a bateria?

Hibrido Plug-in

Testámos o BMW X3 xDrive30e. Um bom híbrido plug-in mesmo quando acaba a bateria?

Para já, o BMW X3 xDrive30e é o mais próximo que existe de um X3 elétrico. Mas será que tem argumentos mesmo quando a bateria acaba?

BMW X3 xDrive30e
© João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Uma espécie de elo de ligação entre os X3 “normais” e o novo iX3, o BMW X3 xDrive30e é um dos (muitos) modelos híbridos plug-in da marca bávara e tenta aliar o melhor de dois mundos.

Por um lado, temos um motor elétrico e entre 43 km e 51 km de autonomia puramente elétrica (ciclo WLTP) para usar — uma mais valia, sobretudo, quando circulamos no meio urbano.

Por outro, contamos com um quatro cilindros em linha a gasolina, com 2.0 l e 184 cv, que nos permite encarar viagens mais longas sem nos termos de preocupar acerca de onde estará o próximo posto de carregamento.

VÊ TAMBÉM: Coronavírus, emissões, eletrificação. Entrevistámos Oliver Zipse, CEO da BMW
BMW X3 30e
© João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

No papel isto até pode parecer a conjugação perfeita, mas será que na realidade o X3 xDrive30e cumpre com tudo aquilo que promete? E quando acaba a bateria? Será que vê os seus argumentos drasticamente reduzidos ou continua a ser uma proposta a ter em conta?

Ora, como é óbvio só há uma forma de descobrir as respostas a estas questões e por isso mesmo pusemos à prova o novo BMW X3 xDrive30e.

É híbrido plug-in? Quase nem reparava

Começando pela estética deste X3 xDrive30e, a verdade é que só os mais atentos se deverão aperceber de que esta versão juntou eletrões à sua dieta.

Com exceção de um discreto logótipo e da porta de carregamento, a variante híbrida plug-in do X3 é praticamente igual às restantes, pautando-se pela sobriedade e pelo facto de ainda contar com o famoso “duplo rim” com dimensões que podemos considerar “normais”.

Pessoalmente aprecio o estilo algo clássico do modelo da BMW, com este a conseguir manter-se sóbrio, mas simultaneamente imponente (foram várias as cabeças que vi rodar à sua passagem) sem parecer antiquado ou muito visto.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Peugeot 3008 Hybrid4. O que vale o Peugeot mais potente de sempre?

No interior? “Respira-se” qualidade

Tal como no exterior, o interior do BMW X3 xDrive30e é praticamente idêntico aos das versões puramente a combustão. Desta forma temos um habitáculo com um visual sóbrio e onde a qualidade é palavra de ordem.

Este recorre a materiais macios e agradáveis ao toque, com uma montagem que se revelou robusta. Mesmo quando circulamos numa estrada de terra no silencioso modo elétrico, o X3 xDrive30e faz jus à fama da marca neste capítulo.

BMW X3 30e
Com um estilo tipicamente BMW, o interior do X3 xDrive30e apresenta também a típica qualidade reconhecida à marca alemã. © João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Performance sueca. Testámos o Volvo XC60 Polestar Engineered

Já no capítulo ergonómico, de notar que o X3 xDrive30e manteve-se fiel aos comandos físicos — são ainda bastantes os botões que vemos no interior — e isso traduz-se num menor período de habituação à sua utilização. É que além do sistema de climatização e do rádio, também o sistema de infotainment conta com um comando físico (o famoso iDrive), uma mais valia na hora de navegar nos seus muitos menus e sub-menus.

No entanto, há um capítulo no qual esta versão híbrida plug-in perde face às suas congéneres somente alimentadas a gasolina ou gasóleo e é, precisamente, no espaço. Se em termos de cotas de habitabilidade se manteve tudo na mesma, havendo espaço para quatro adultos viajarem confortavelmente, o mesmo não aconteceu na bagageira.

É que ao acomodar a bateria de 12 kWh de capacidade debaixo dos bancos traseiros o depósito de combustível teve de ser reposicionado por cima do eixo traseiro. O resultado? Os outrora 550 litros de capacidade da bagageira desceram para 450 litros, sendo que nesse espaço é ainda preciso albergar o pesado (e grande) carregador.

VÊ TAMBÉM: EQC 400 4MATIC testado. O primeiro 100% elétrico da Mercedes-Benz

Económico com bateria…

Como seria de esperar, enquanto a bateria que alimenta o motor elétrico de 109 cv integrado na caixa automática de oito velocidades Steptronic tem carga, o X3 xDrive30e consegue consumos notáveis, com a autonomia real em modo 100% a rondar os 40 km numa condução normal.

VÊ TAMBÉM: Hyundai Santa Fe 2.2 CRDi testado. Expetativas superadas

Recorrendo, sobretudo, ao modo híbrido, os consumos andaram na casa dos 4 a 4,5 l/100 km, com a boa gestão da carga da bateria feita pelo sistema híbrido plug-in a impressionar.

Ainda assim, o que mais impressiona enquanto temos bateria são mesmo as prestações. São 292 cv de potência máxima combinada e 420 Nm de binário máximo combinado, pelo que este BMW X3 xDrive30e move-se com agradável à vontade.

BMW X3 30e
Apesar de ser um SUV, a posição de condução do X3 acaba por ser um pouco mais baixa do que seria de esperar, algo que casa bem com as suas capacidades dinâmicas. © João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Testámos o Peugeot 3008 Hybrid4. O que vale o Peugeot mais potente de sempre?

… e sem ela

Se os consumos enquanto temos a bateria carregada vão ao encontro das expetativas, aqueles que alcançamos quando esta já não tem carga — na realidade, a bateria nunca descarrega totalmente, até para preservar a sua boa saúde —, surpreendem pela positiva.

Num percurso que se dividiu em cerca de 80% em estrada/autoestrada e 20% em cidade, o X3 xDrive30e efetuou consumos balizados entre os 6 e os 7,5 l/100 km, aproveitando todas as descidas ou desacelerações para recarregar a bateria, principalmente nos modos de condução “Normal” e “Eco Pro”.

BMW X3 30e
Apesar de ter tração integral e até um assistente para descidas mais acentuadas, o X3 xDrive30e prefere o asfalto a desbravar “maus caminhos”. © João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Testámos o Volvo XC60 B5. O que mudou em relação ao XC60 D5, que substitui?

Dinamicamente é um BMW, é claro

Se há capítulo no qual pouco importa se o BMW X3 xDrive30e tem ou não carga na bateria é no capítulo dinâmico, com o modelo alemão a fazer jus aos pergaminhos dinâmicos que são imagem de marca da BMW. Isto mesmo considerando as mais de duas toneladas de peso deste híbrido plug-in.

Temos uma direção direta e com bom peso (se bem que no modo “Sport” possa ser considerada um pouco pesada) e um chassis que permite uma condução interativa. Tudo isto contribui para que o BMW X3 xDrive30e consiga ser até divertido de conduzir.

BMW X3 xDrive30e
Sê honesto, assim de repente não conseguias distinguir esta versão híbrida plug-in das restantes, pois não? © João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Já quando abrandamos o ritmo o SUV alemão retribui com elevados níveis de refinamento e silêncio a bordo, mesmo quando circulamos em autoestrada, local onde se sente como “peixe na água”.

VÊ TAMBÉM: Oficial. Pela primeira vez na história, vai haver uma BMW M3 carrinha

É o carro certo para mim?

O melhor elogio que podemos fazer ao BMW X3 xDrive30e é que este é, mais do que um híbrido plug-in, um típico BMW, juntando a todas as qualidades reconhecidas aos modelos da marca alemã as mais valias deste tipo de mecânica.

Bem construído e confortável, nesta versão o X3 xDrive30e conquista aptidões urbanitas que lhe eram desconhecidas (cortesia do motor elétrico). Quando saímos da cidade temos um bom sistema híbrido plug-in que nos permite alcançar bons consumos ao mesmo tempo que nos divertimos aos comandos de um dos mais dinâmicos SUV do segmento.

BMW X3 30e
© João Delfim Tomé / Razão Automóvel. Edição: © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Também na tradição da BMW surge o facto de alguns equipamentos serem relegados para a lista de opcionais que não o deveriam ser, como o assistente à manutenção na faixa de rodagem, o cruise control adaptativo ou o leitor de sinais de trânsito — para mais num modelo que vê o seu preço começar acima dos 63 mil euros.

Concluindo, para quem procura um SUV premium, com qualidade, espaçoso q.b. e que lhe permita circular em meio urbano sem gastar “rios” de combustível e de uma forma mais responsável ambientalmente, o BMW X3 xDrive30e é uma das principais opções a ter em conta.

Testámos o BMW X3 xDrive30e. Um bom híbrido plug-in mesmo quando acaba a bateria?

BMW X3 xDrive30e

8/10

Bem construído, confortável e dinamicamente (muito) competente, o BMW X3 xDrive30e é, antes de mais, um bom BMW. A isto junta o facto de ser um bom híbrido plug-in, contando com uma notável gestão da bateria que lhe permite consumos invejáveis e faz dele uma das principais opções a ter em conta no segmento.

Prós

  • Relação conforto/comportamento
  • Qualidade de construção e dos materiais
  • Relação consumos/performance
  • Gestão das baterias

Contras

  • Redução da capacidade da bagageira
  • Sistema de infotainment com demasiados níveis
  • Lacunas na lista de equipamento de série

Versão base:€63.220

IUC: €205

Classificação Euro NCAP: 5/5

€72.711

Preço unidade ensaiada

  • Arquitectura:4 cilindros em linha
  • Capacidade: 1998 cm3 cm³
  • Posição:Dianteira longitudinal
  • Carregamento: Injeção direta + turbo + intercooler
  • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
  • Potência:
    Motor combustão: 184 cv entre as 5000 as 6500 rpm
    Motor elétrico: 109 cv às 3170 rpm rpm
    Potência máxima combinada: 292 cv
  • Binário:
    Motor combustão: 300 Nm entre as 1350 e as 4000 rpm rpm
    Motor elétrico: 265 Nm às 3170 rpm
    Binário máximo combinado: 420 Nm

  • Tracção: Integral
  • Caixa de velocidades:  Automática de oito relações

  • Largura: 4708 mm
  • Comprimento: 1891 mm
  • Altura: 1676 mm
  • Distância entre os eixos: 2864 mm
  • Bagageira: 450 litros
  • Jantes / Pneus: 245/50R19
  • Peso: 2065 kg

  • Média de consumo: 1,9 l a 2,5 l/ 100 km
  • Emissões CO2: 43 a 57 g/km
  • Velocidade máxima: 210 km/h
  • Acelaração máxima: >6,1s

    Tem:

    • Sensores estacionamento dianteiros/traseiros
    • Ar condicionado automático
    • Proteção acústica para peões
    • Monitorização da pressão dos pneus
    • Sensor de chuva e de luz
    • Cruise Control

Pintura cinza Sophisto metalizada brilhante — 1000 €
Estofos em tecido/pele "Vivus" em Anthracite/Preto — 740 €
Pack X Plus (inclui: jantes de liga leve com pneus 245/50 R19
Transmissão automática desportiva Steptronic
Kit reparação de pneus
Alarme antirroubo
Sistema de acesso Comfort
Barras tejadilho alumínio Satinated
Frisos exteriores BMW Individual em alumínio satinated
Rede de separação na bagageira
Vidros com proteção solar
Pack de espelhos interior e exterior
Espelho retrovisor interior com função automática antiencandeamento
Bancos dianteiros desportivos
Apoio lombar para bancos dianteiros
Pack de arrumação
Frisos em preto brilhante com linha de realce em cromado com brilho pérola
Acabamento Galvanizado dos comandos
Luz ambiente interior
Luzes adaptativas LED
Luzes de nevoeiro em LED
Assistente das luzes de máximos
Assistente de estacionamento
Sistema de som HiFi
Serviços digitais Professional
BMW Live Cockpit Professional
Versão xLine
Pack Business Plus) — 9500 €

Sabe esta reposta?
Qual era a potência do BMW 333i (E30)?
Oops, não acertou!

Pode encontrar a resposta aqui:

BMW 333i (E30). O «primo do M3» que pouca gente conhece