Nissan Juke Hybrid. É o mais económico, mas é o Juke certo a ter?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 33 350 euros

Nissan Juke Hybrid. É o mais económico, mas é o Juke certo a ter?

O Nissan Juke Hybrid marca a chegada das motorizações híbridas ao crossover japonês, mas será este o melhor Juke que podemos escolher?

Depois de termos testado o Juke Kiiro, voltámos a encontrar-nos com o crossover nipónico para conhecer a sua inédita versão híbrida, o Nissan Juke Hybrid, aqui na versão de topo Tekna, a mais equipada.

Além de se estabelecer, naturalmente, como a versão mais económica do modelo japonês, a nova proposta híbrida traz com ela mais novidades, como uma aparência retocada.

Mas será o «Juke a ter»? É que apesar dos menores consumos e maior potência, o Juke Hybrid é também substancialmente mais caro relativamente aos restantes Juke.

A NÃO PERDER: Renault Captur E-TECH (híbrido plug-in). O mais económico é também o mais caro. Vale a pena?
Nissan Juke Hybrid vista traseira 3/4 © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Igual a si próprio

Começando pelas revisões estéticas, admito que as aprecio. É verdade que são tímidas — novos para-choques dianteiro, grelha e spoiler  — mas quando o colocamos ao lado de um Juke «antigo» as diferenças são evidentes.

Já no interior, o Juke continua a ser um exemplo de ergonomia, exceção feita ao posicionamento do comando dos modos de condução e do “e-Pedal”, e conta com um estilo moderno, mas o sistema de infoentretenimento já pede uma renovação e a montagem carece de maior rigor.

Nissan Juke Hybrid vista geral do tabliê
O habitáculo do Juke conjuga um estilo atual com uma boa ergonomia, cortesia dos comandos físicos que continuam a marcar presença. Contudo, o ecrã central podia estar mais virado para o condutor e não para o passageiro.

Como já vimos noutras propostas híbridas, também o Juke Hybrid viu a capacidade da sua bagageira ser reduzida quando comparado com os Juke somente a combustão, passando de uns muito bons (para a classe) 422 l para uns mais razoáveis 354 l, mas no dia a dia esse decréscimo quase que passa despercebido.

Descubra o seu próximo carro:

Mecânica conhecida

A cadeia cinemática híbrida do Juke Hybrid não recorre à mesma tecnologia e-Power da Nissan que vemos no maior Qashqai. Ao invés, foi buscar a sua cadeia cinemática a outro membro da Aliança, o Renault Clio E-Tech.

Esta combina um quatro cilindros em linha com 1.6 l naturalmente aspirado de 94 cv de potência e 148 Nm, com um motor elétrico de tração de 36 kW (49 cv) e 205 Nm, juntando-se ainda um motor-gerador elétrico de 15 kW (20 cv), um inversor e uma bateria arrefecida por via líquida de 1,2 kWh de capacidade.

No total, o novo Juke Hybrid anuncia uma potência máxima combinada de 105 kW ou 143 cv, mais 29 cv que o 1.0 DIG-T

Destaque para a transmissão, que é feita através de uma caixa de velocidades multimodal de baixa fricção. Esta tem quatro relações para o motor de combustão e duas relações para o motor elétrico, não possuindo uma embraiagem convencional — recorre a embraiagens de patilhas e não anéis sincronizadores convencionais para mudar de relação.

Como tudo isto se traduz no «mundo real»?

Uma vez ao volante do Juke Hybrid somos agradavelmente surpreendidos pela suavidade de funcionamento do sistema híbrido, que nos permite fazer grande parte das manobras em modo elétrico e em total silêncio.

Nissan Juke Hybrid pormenor motor
Depois de uma longa espera, o Juke tem finalmente uma versão eletrificada. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Uma vez em andamento, a resposta do conjunto híbrido revela-se bastante positiva.

Enquanto no Juke a combustão o modo “Eco” limitava em excesso a resposta do motor, no híbrido a sua calibração mostrou-se mais conseguida, sendo até uma escolha muito equilibrada dado o bom compromisso prestações/consumos que permite.

Também no modo “Sport” houve melhorias evidentes. Enquanto que no Juke a combustão a maior sensibilidade da caixa e até do acelerador não ajudam a uma condução linear, no híbrido tal não acontece. A suavidade que pauta o conjunto híbrido nunca é «beliscada».

A NÃO PERDER: Volkswagen Taigo 1.5 TSI 150 cv. A versão mais potente compensa?

O que se torna evidente é que, apesar de «no papel» as melhorias nas prestações não serem significativas (10,1s contra 11,1s nos 0 aos 100 km/h, por exemplo), na prática a versão híbrida revela-se mais rápida e, acima de tudo, mais agradável de conduzir, principalmente em meio urbano.

Bem mais económico

Como seria de esperar, não é só no capítulo das prestações que a eletrificação do Juke compensa; as suas qualidades destacam-se, acima de tudo, no campo da economia.

Ao volante do Juke Hybrid nunca vi o computador de bordo marcar mais de 5,8 l/100 km — após explorar a «veia dinâmica» do Juke —, o que contrasta com o recentemente Juke a combustão que também testei, onde as médias nunca baixaram dos 6,6 l/100 km.

Quando devolvi o Juke Hybrid à Nissan, quase 1000 km percorridos depois, a média era de 5,1 l/100 km, um valor alcançado sem ter grandes preocupações com os consumos e com o mais variado tipo de trajetos: da autoestrada ao para-arranca urbano e também com carro cheio de passageiros e bagagem.

Ainda mais fácil de conduzir

Além de melhores consumos e prestações, a eletrificação trouxe ainda ao Juke uma maior facilidade de condução — não me interpretem mal. A versão a combustão já era particularmente «fácil de levar», mas em cidade o Juke Hybrid está «noutro campeonato».

Parte dessa agradabilidade de utilização deve-se ao sistema “e-Pedal” que aqui mais não é que um “modo B” da transmissão que aumenta a travagem regenerativa. Bastante suave, este sistema só peca pelo facto de a sua ativação ser feita num botão junto ao comando do travão de mão e não na alavanca da caixa de velocidades, como é usual.

O comportamento dinâmico o Juke Hybrid também merece elogios. Não é tão divertido como o antecessor — nem como um Ford Puma —, mas o que perdeu em divertimento ganhou em eficácia, estabilidade em autoestrada e conforto de rolamento, tudo características importantes num modelo que, provavelmente, desempenhará funções familiares.

Nissan Juke Hybrid vista lateral em movimento
O Juke Hybrid é mais pesado que a versão de combustão, mas o comportamento não se ressentiu. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

É o carro certo para si?

Apesar da superior performance, é no meio urbano que o Nissan Juke Hybrid se destaca e, caso seja esse o tipo de utilização que mais faz, o crossover japonês tem de fazer parte da lista de candidatos. A eletrificação tornou o Juke particularmente fácil e agradável de conduzir em meio urbano, mas sem se ressintir quando o levamos para a autoestrada. 

Além do mais, esta variante híbrida deu ao Juke um novo atributo: o de ser económico no consumo de combustível..

Contudo, nem tudo «são rosas«. Há, literalmente, um preço a pagar de aproximadamente mais 5000 euros em relação aos Juke correspondentes com motor de combustão.

Importa fazer contas, tendo em conta a quilometragem anual percorrida e o tipo de utilização para perceber se o «salto» compensa.

Preço

unidade ensaiada

33.350

Versão base: €33.350

IUC: €139

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1598 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção indireta
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: Motor combustão: 94 cv; Motor elétrico 1: 49 cv; Motor elétrico 2: 20 cv; Potência máxima combinada: 143 cv
    • Binário: Motor combustão: 148 Nm; Motor elétrico 1: 205 Nm; Motor elétrico 2: 50 Nm; Binário máximo combinado: N.R.
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática com múltiplas velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4210 mm / 1800 mm / 1595 mm
    • Distância entre os eixos: 2636 mm
    • Bagageira: 354-1237 l
    • Jantes / Pneus: 225/45 R19
    • Peso: 1362 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,0 l/100 km
    • Emissões de CO2: 114 g/km
    • Vel. máxima: 160 km/h
    • Aceleração: 10,1s
  • Equipamento
    • Alerta Inteligente de Fadiga do condutor
    • Sistema Inteligente de ângulo morto
    • Assistência inteligente ao estacionamento com alerta de trânsito
    • ProPILOT (inclui: assistente de manutenção na faixa de rodagem; Cruise Control inteligente; assistente de para-arranca no trânsito)
    • Cruise Control inteligente com adaptação aos sinais de trânsito
    • Sistema de anti-colisão frontal com assistência em cruzamentos e reconhecimento de peões e ciclista
    • Assistente inteligente de manutenção de faixa
    • Sistema de faróis inteligentes
    • Assistente de arranque em subida
    • Sensor de pressão de pneus
    • Aviso de travagem de emergência (Autohazard)
    • Chassis Control: controlo inteligente da trajetória e controlo inteligente de carroçaria
    • Identificador de sinais de trânsito
    • Alarme periférico
    • Travão de mão elétrico com função Autohold
    • Ar-condicionado automático
    • Volante e punho de mudanças de velocidades em pele
    • Banco do passageiro ajustável em profundidade e encosto reclinável
    • 2ª fila de bancos rebatível por partes (60/40)
    • Jantes em liga leve de 19''
    • Faróis de nevoeiro dianteiros LED
    • Faróis Full LED (Frente, Trás e de Nevoeiro Traseiros)
    • Luzes diurnas de condução LED
    • Espelhos retrovisores em cor preto com regulação elétrica e com intermitentes integrados
    • Espelhos retrovisores em cor preto ou cor do teto (Two tone), ajustáveis eletricamente e com intermitentes integrados e rebatível eletricamente
    • Espelhos retrovisores aquecidos e rebativeis eletricamente
    • Vidros traseiros escurecidos
    • Spoiler traseiro
    • Grelha dianteira com acabamento em preto Glossy
    • Compatibilidade com Assistente Pessoal Amazon Alexa e Google Assist
    • Compatibilidade com Wi-Fi
    • Câmara inteligente de visão 360º com deteção de objetos em movimento + sensores de estacionamento dianteiro e traseiro
    • Apple CarPlay + Android Auto
    • Bluetooth
    • Modos de Condução (ECO, Standard e Sport)
    • Ecrã Nissan Drive Assist (computador de bordo com ecrã TFT em cor de 8'')
    • Ecrã de infoentretenimento central de 8''
    • Sensor de chuva
    • Retrovisor interior com anti-encadeamento automático
    • Sistema de Navegação NissanConnect
    • Sistema de Som Bose Personal Plus® com 10 colunas (2 portas dianteiras + 2 tweeters de pilar A + 2 colunas em cada encosto do banco dianteiro + 2 portas traseiras)
    • Painel de instrumentos com informações de fluxo de energia na ecrã Drive Assist
Avaliação
7 / 10
Nota: 7,5. Bem mais económico, o primeiro Juke eletrificado é também mais agradável de conduzir, principalmente em cidade, e oferece melhores prestações. Não fosse o preço consideravelmente mais alto e não teria dificuldades em apontar o Nissan Juke Hybrid como a melhor opção dentro da gama do crossover nipónico — vai obrigar a fazer contas para perceber se compensa ou não.
  • Consumos
  • Suavidade de funcionamento do sistema híbrido
  • Conforto
  • Equipamento de série
  • Visibilidade traseira
  • Grafismo do sistema de infoentretenimento
  • Resolução da câmara 360º
  • Preço
Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Nissan Sunny GTi-R?

Mais artigos em Testes, Ensaio