Nissan Juke Kiiro testado. Série especial limitada dá mais nas vistas mas é o Juke a ter?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 26 150 euros

Nissan Juke Kiiro testado. Série especial limitada dá mais nas vistas mas é o Juke a ter?

O Nissan Juke Kiiro capta mais atenções do que os outros Juke, mas está limitado a apenas 350 unidades. Valerá a pena «correr» para ter um?

A exclusividade não costuma ser um dos argumentos dos B-SUV, ao estarem, hoje, entre as escolhas mais populares do mercado. Uma excepção poderá ser este Nissan Juke Kiiro, uma série especial limitada a 350 unidades para o mercado nacional.

Revelado há uns meses, o mais exclusivo dos Juke marcou o regresso do SUV nipónico à garagem da Razão Automóvel.

Esta série especial dá ao Juke uma aparência distinta e «carrega-o» de equipamento, e no caso do «nosso» Juke Kiiro, vem ainda equipado com a caixa automática DCT (dupla embraiagem) de sete velocidades, que promete deslocações urbanas mais confortáveis.

A NÃO PERDER: Testámos o renovado SEAT Arona 2022. Tudo o que mudou no SUV espanhol
Nissan Juke Kiiro © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Não passa despercebido

Um dos destaques da série especial Kiiro é a sua aparência única. A nova cor “Ceramic Grey” é exclusiva desta versão, complementada por contrastantes detalhes em amarelo, e vem ainda com jantes pretas de 19” e um padrão específico nas capas dos retrovisores exteriores e no tejadilho — não se confunde com os restantes Juke.

A sério, são alterações de pormenor, mas quando colocamos o Juke Kiiro ao lado de um Juke «normal» a verdade é que essas diferenças não passam despercebidas e, acima de tudo, ajudam a ressalvar o visual jovial que continua a ser imagem de marca do SUV japonês.

Igual a si mesmo

Por dentro, o Juke Kiiro destaca-se igualmente pelos apontamentos em amarelo e ainda pelos bancos estofados em couro preto e cinza metálico. Em tudo o resto o Juke continua igual a si mesmo.

A ergonomia está em bom nível, o estilo também, mas a montagem tem margem para progredir. Já o sistema de infoentretenimento podia ter um grafismo mais moderno e ser mais responsivo, mas é fácil de usar e completo.

Por fim, no campo da habitabilidade o Juke Kiiro não anda longe das referências. Apesar de não ser das propostas mais focadas nas tarefas familiares — nesse campo o «primo» Renault Captur faz melhor —, nem por isso o Juke deixa de ser uma opção a ter em conta para uma jovem família.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o Dacia Duster TCe com 130 cv. O que valem mais 30 cv?

A bagageira com 422 l permite partir em viagem sem ter de abdicar de bagagem, mas podia haver mais espaços de arrumação no habitáculo e, acima de tudo, espaços um pouco maiores.

Fazer jus aos pergaminhos

Dinamicamente o Nissan Juke continua a ser das propostas mais competentes do segmento. É verdade que abdicou de algum do «fator diversão» característico do seu antecessor, mas o que perdeu em divertimento ganhou em eficácia, estabilidade em autoestrada e conforto de rolamento.

Nissan Juke Kiiro
Já não é o mais divertido do segmento, mas o Juke continua a não desiludir no campo da dinâmica. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Já no que respeita ao seu motor, o 1.0 DIG-T, cumpre, mas não deslumbra. Com 114 cv e 200 Nm de binário, não seriam de esperar prestações impressionantes, mas a verdade é que propostas como o 1.0 Ecoboost do Puma ou até o 1.0 TSI do T-Roc se revelam mais expeditas e mais económicas.

Em parte tal deve-se à caixa automática de dupla embraiagem presente na unidade testada. É suave no seu funcionamento, mas não se revelou particularmente rápida, algo que fica ainda mais evidente quando selecionamos o modo de condução “Eco”.

Aliás, acerca deste modo “Eco” o maior conselho que posso dar é que seja usado somente em autoestrada e a velocidades de cruzeiro, pois nas restantes situações acaba por tornar a resposta do conjunto motor/caixa demasiado lenta e, por conseguinte e contrariamente ao esperado, reflete-se em consumos mais altos.

Já no modo “Sport” a resposta da caixa e até do acelerador ficam mais bruscas, pelo que o modo “Normal” acaba por ser, de longe, o que melhor explora as capacidades do motor e da transmissão ao mesmo tempo que é neste que conseguimos os melhores consumos

Por falar em economia, neste capítulo o Juke não impressiona — com certeza que o novo Juke Hybrid será mais capaz neste campo. No final do teste o computador de bordo anunciava uma média de 6,6 l/100 km, valor alcançado em percursos maioritariamente feitos em autoestrada e estrada nacional.

É o carro certo para si?

Confortável, espaçoso q.b. e com um visual atual, o Nissan Juke tem na versão Kiiro uma boa forma de captar atenções num segmento onde a oferta é muita e promete crescer nos próximos anos.

Como seria de esperar, as qualidades há muito reconhecidas do Juke continuam presentes e fazem desta proposta uma boa opção para quem procura um B-SUV, principalmente para quem não abdica de um comportamento dinâmico eficaz.

Nissan Juke Kiiro © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

 

O conjunto motor/caixa é que podia ser um pouco mais solícito, mas continua a ser possível optar pela transmissão manual, a melhor opção, pelo menos, para quem não anda quase exclusivamente em meio urbano.

O Juke Kiiro em particular, apesar de ser um dos Juke mais caros com esta motorização, compensa com uma oferta muito generosa de equipamento de série e, se são fãs da combinação cromática — a única disponível —, acaba por ser uma das opções mais interessantes da gama.

Descubra o seu próximo carro:

Preço

unidade ensaiada

27.750

Versão base: €26.150

IUC: €104

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 999 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta, turbocompressor
    • Distribuição: 2 a.c.c.; 4 válv. por cilindro (12 válv.)
    • Potência: 114 cv às 5000 rpm
    • Binário: 200 Nm às 3000 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática de 7 vel. (Dupla Embraiagem)
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4210 mm / 1800 mm / 1595 mm
    • Distância entre os eixos: 2636 mm
    • Bagageira: 422-1088 l
    • Jantes / Pneus: 225/45 R19
    • Peso: 1286 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6 l/100 km
    • Emissões de CO2: 139 g/km
    • Vel. máxima: 180 km/h
    • Aceleração: 11,1s
  • Equipamento
    • Travão de mão elétrico com função Autohold
    • Cruise Control inteligente adaptativo
    • Sistema de Anti-colisão frontal com Assistência em cruzamentos e reconhecimento de peões e ciclista
    • Assistente inteligente de Manutenção de Faixa
    • Sistema de faróis inteligentes
    • Assistente de arranque em subida
    • Sensor de pressão de Pneus
    • Chassis Control: Controlo Inteligente da Trajetória e Controlo Inteligente de Carroçaria
    • Alarme
    • Ecrã de infoentretenimento de 8"
    • Apple CarPlay e Android Auto
    • Sistema de reconhecimento de voz com comandos en volante
    • Bluetooth® (telefone e som)
    • Nissan Connected Services (app)
    • Compatibilidade com Assistente Pessoal Amazon Alexa e Google Assist
    • Compatibilidade com Wi-Fi
    • Ecrã Nissan Drive Assist (computador de bordo com ecrã TFT em cor de 7")
    • Câmara de visão traseira + Sensores de estacionamento traseiros
    • Chave inteligente
    • Modos de Condução (ECO, Normal e Sport)
    • Retrovisor Interior com anti-encadeamento automático
    • Sensor de chuva
    • Jantes em liga leve SUTEKI BLACK de 19"
    • Carroçaria Two Tone: Katana Grey + Teto Midnight Black
    • Faróis Full LED (Frente, Trás, Diurnos e de Nevoeiro Traseiros)
    • Espelhos retovisores aquecidos e abativeis eletricamente
    • Vidros traseiros escurecidos
    • Spoiler traseiro
    • Ar condicionado automático
    • Volante e punho de mudanças de velocidades em pele
    • Bancos dianteiros desportivos
    • Banco do condutor ajustável em altura, profundidade e encosto reclinável
    • Chão da bagageira com fundo duplo
    • Patilhas no volante
Avaliação
7 / 10
Com a chegada da versão Kiiro o Nissan Juke vê reforçada a sua capacidade de captar atenções ao mesmo tempo que se apresenta com uma apetecível dotação de equipamento de série. Peca pelo motor algo «justo» e uma caixa automática que podia ser mais rápida na sua ação, mas o Juke Kiiro mostra ter ainda muitos argumentos neste muito competitivo segmento.
  • Equipamento de série
  • Habitabilidade
  • Estilo
  • Conforto
  • Consumos
  • Visibilidade traseira
  • Caixa de velocidades algo lenta
Sabe responder a esta?
Em que ano é que o Nissan Micra foi eleito carro do ano em Portugal?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Nissan Micra. Vencedor do Carro do Ano 1985 em Portugal

Mais artigos em Testes, Ensaio