Peugeot 308 SW Diesel. Testámos a 308 «devoradora de quilómetros»

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 37 120 euros

Peugeot 308 SW Diesel. Testámos a 308 «devoradora de quilómetros»

A marcha da eletrificação é inabalável, mas esta Peugeot 308 SW continua fiel ao motor Diesel. Continua a ser a opção certa para fazer longas distâncias?

Como bem sabem, a nova Peugeot 308 SW conta na sua gama com eficientes motorizações híbridas plug-in.

Contudo, e ao contrário de alguns concorrentes, o construtor francês recusa-se a apresentá-las como a única opção para aqueles que procuram consumos baixos ou precisam de fazer muitos quilómetros, mantendo nesta nova geração a opção Diesel, o 1.5 BlueHDi.

Mas será que ainda faz sentido optar pelo Diesel? Não conseguirão as versões híbridas plug-in fazer esquecer o motor a gasóleo? Para descobrir passámos alguns dias com a Peugeot 308 SW 1.5 BlueHDi e «devorámos» quilómetros atrás de quilómetros — mais de mil…

A NÃO PERDER: Leon Sportstourer FR TDI testada. A receita não é nova, mas ainda faz sentido?
Peugeot 308 SW vista traseira 3/4 © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A «rainha» das atenções

Diz-me a experiência de alguns ensaios que, normalmente, os modelos mais recentes da Peugeot conseguem captar as atenções por onde passam e a nova nova 308 SW não foi exceção. Por onde passou eram muitos olhares e até os elogios, que recebeu em mais do que uma ocasião.

O interior não fica atrás na capacidade de atrair atenções. A nova 308 SW mantém-se fiel ao i-Cockpit, mas continua a obrigar a alguma adaptação. Principalmente para quem, como eu, prefere colocar o volante numa posição mais alta, algo que na 308 SW acaba por prejudicar a leitura do completo e apelativo painel de instrumentos.

Ainda no interior, os materiais revelaram-se agradáveis à vista e ao toque. Já a montagem está em bom plano, mas não impediu a presença de alguns ruídos parasita em piso mais degradado — ainda há alguma margem de progressão neste capítulo.

Quanto ao espaço disponível, sobretudo em comprimento atrás, apesar de ter mais 55 mm de distância entre eixos que o 308 berlina, a 308 SW não consegue equiparar-se às referências do segmento. Há espaço para as cadeiras das crianças? Sim, há e para dois adultos também mas, por exemplo, na Skoda Octavia viaja-se com mais desafogo nos lugares posteriores.

A bagageira, por outro lado, está entre as maiores da classe, com 608 l de capacidade. E dá a esta Peugeot 308 SW com motor Diesel uma clara vantagem às 308 SW Hybrid, que vêm a sua capacidade de bagageira reduzida para 548 l.

Descubra o seu próximo carro:

Apetite (muito) moderado

É impossível falar acerca da Peugeot 308 SW 1.5 BlueHDi sem abordar os consumos que faz. Se é verdade que as versões híbridas plug-in anunciam médias de consumos tão baixas como 1,1 l/100 km, sabemos que esses valores só são alcançáveis com a bateria de 12,4 kWh a ser carregada muito frequentemente e em condições de circulação em que o modo elétrico seja maioritariamente usado.

Em contraponto, nesta 308 SW com motor Diesel para alcançar consumos baixos basta… conduzi-la. Acoplado a uma caixa automática de oito relações bem escalonada e suave, o 1.5 BlueHDi permite consumos tão baixos como os 4,1 l/100 km que o computador de bordo registou numa viagem pelo Alentejo.

Peugeot 308 SW interior
Confortáveis e com bom apoio lateral, os bancos dianteiros «convidam» a fazer longas viagens. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Mesmo com passageiros, bagageira cheia e ar condicionado sempre ligado o computador de bordo não me mostrou valores acima dos 5,5 l/100 km. Aliás, até mesmo em cidade, onde os motores a combustão estão em desvantagem, as médias andaram entre os 6,0 l/100 km e os 6,5 l/100 km.

Mas não pensem que os únicos elogios que o 1.5 BlueHDi merece dizem respeito à sua falta de apetite. Para começar, este é tão suave que só a frio é que nos relembra da sua «dieta» feita à base de gasóleo.

Além disso, com 300 Nm de binário logo disponíveis às 1750 rpm a sua resposta torna a condução da 308 SW particularmente relaxada. Como é óbvio, as prestações permitidas pelos seus 130 cv estão longe daquelas que os 180 cv e 225 cv das versões híbridas plug-in proporcionam, mas também não deixam a 308 SW ficar mal vista.

É que apesar da potência extra, as versões híbridas plug-in também são bem mais pesadas — entre 1734-1762 kg contra 1475 kg —, e, principalmente quando a carga da bateria se esgota, esta versão Diesel acaba por conseguir «equilibrar o duelo» no tópico das prestações.

Motor 1.5 BlueHDI
Só a frio é que o 1.5 BlueHDi se mostra algo ruidoso. Nas restantes situações pauta-se pelo ruído moderado e suavidade de funcionamento. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Estradista por natureza

Tendo em conta os baixos consumos do motor Diesel, a 308 SW «convida» a fazer longas viagens, revelando aí mais algumas das suas qualidades: um bom nível de conforto, uma estabilidade a toda a prova e uma boa insonorização.

Peugeot 308 SW em movimento vista lateral
Previsível e confortável, a 308 SW mostra-se uma proposta particularmente pensada para as famílias. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Ainda acerca do conforto, o amortecimento consegue um bom compromisso entre o controlo dos movimentos da carroçaria e o isolamento das irregularidades do piso, mostrando que a «escola francesa» conhece várias formas de tornar um carro confortável.

No capítulo dinâmico, a direção tem um peso correto (nem demasiado leve, nem muito pesada) e é direta, mas sem ser «hiperativa», e os pneus de medida 225/40 R18 que equipavam a unidade ensaiada garantiam elevados níveis de aderência.

Sem ser tão interativa de conduzir como é, por exemplo, a Ford Focus SW, a Peugeot 308 SW é sempre previsível e segura, precisamente aquilo que se espera de uma proposta de cariz familiar. Já face às versões híbridas plug-in, o menor peso acaba por beneficiar a proposta Diesel com um pouco mais de agilidade.

É o carro certo para mim?

Se é daqueles condutores que é «presença habitual» nas autoestradas nacionais e para quem uma viagem de 200 km é tão usual como ir ao supermercado, então a Peugeot 308 SW com motor Diesel pode ser mesmo a melhor opção na gama.

No «mundo real» — no qual nos esquecemos de carregar a bateria ou onde não conseguimos andar assim tanto tempo em modo 100% elétrico — esta 308 SW relembra-nos que talvez estejamos a apressar em demasia o desaparecimento dos motores Diesel, pelo menos quando consideramos determinados tipos de utilização.

Além de conseguir bons consumos sem quaisquer compromissos, a Peugeot 308 SW 1.5 BlueHDi tem ainda mais duas importantes vantagens face à versão híbrida plug-in de 180 cv: tem uma bagageira maior e custa menos cerca de 2000 euros.

E com os consumos que consegue rubricar, esse dinheiro dá para percorrer muitos quilómetros.

Preço

unidade ensaiada

40.752

Versão base: €37.120

IUC: €149

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1499 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção directa common-rail + Turbo de geometria variável + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas/cilindro (16 válv.)
    • Potência: 130 cv às 3750 rpm
    • Binário: 300 Nm às 1750 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática de 8 relações
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4636 mm / 1852 mm / 1442 mm
    • Distância entre os eixos: 2732 mm
    • Bagageira: 608-1634 l
    • Jantes / Pneus: 225/40 R18
    • Peso: 1475 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5 l/100 km
    • Emissões de CO2: 132 g/km
    • Vel. máxima: 207 km/h
    • Aceleração: 10,9s
  • Equipamento
    • Faróis Peugeot LED com luzes diurnas em LED sob os faróis
    • Faróis Full Led Peugeot Matrix Led Technology
    • Acesso e ligação mãos-livres
    • Painel de instrumentos digital 3D com ecrã de 10''
    • Ar condicionado automático bizona com filtro de carvão ativo
    • Vidros dianteiros e traseiros elétricos e sequenciais com anti-entalamento
    • Vidros laterais traseiros e óculo traseiro escurecidos
    • Volante em couro Mistral com pespontos Adamite com leão cromado
    • Retrovisores rebatíveis electricamente
    • Driver Sport Pack
    • Bancos condutor e passageiro reguláveis em altura. Regulação lombar no banco do condutor.
    • Pack Drive Assist + Rear warning
    • Jantes em liga leve 18" Kamakura
Extras
Preto "Perla Nera" — 550 €; Kit de pedais e apoio de pés em alumínio — 82,82 €; Tecto de abrir panorâmico em vidro — 950 €; Carregamento por indução do smartphone — 150 €; Sistema Hi-Fi Premium FOCAL — 850 €; VisioPark 360 (Ajuda ao estacionamento 360º através de 4 câmaras: dianteira, traseira e laterais) — 350 €; Carregamento por indução do smartphone — 150 €; Portão motorizado "Easy Open" — 450 €; Jantes em liga leve 18" Portland — 100 €.
Avaliação
8 / 10
A Peugeot continua, por enquanto, a optar por dar aos clientes a primazia da escolha sem «forçar» a adoção de nenhuma tecnologia. Depois de ter conduzido a Peugeot 308 SW com motor Diesel só posso agradecer ao construtor francês por fazê-lo. É verdade que a 308 SW 1.5 BlueHDi não consegue andar em modo elétrico em cidade, e não tem as prestações das versões híbridas plug-in, mas a forma fácil com que obtemos bons consumos sem ter de fazer compromissos ou carregar baterias, vem mostrar que os motores Diesel continuam a ser um exemplo de eficiência e uma alternativa válida para os «papa-quilómetros».
  • Consumos
  • Conforto/comportamento
  • Imagem distinta
  • Capacidade da bagageira
  • Detalhes de ergonomia
  • Habitabilidade mediana nos bancos traseiros
  • i-Cockpit não se adapta a todas as posições de condução

Mais artigos em Testes, Ensaio