GSi do presente. Opel recupera sigla GSe e mostra o Astra mais potente da gama

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

GSi do presente. Opel recupera sigla GSe e mostra o Astra mais potente da gama

A Opel já mostrou as versões GSe do Astra e Astra Sports Tourer, que chegam com uma estética arrojada e mais orientadas para a dinâmica.

A sigla GSe está de regresso à Opel e mais uma vez para identificar as versões topo de gama e mais desportivas de um modelo da marca germânica, neste caso o Astra.

As versões híbridas plug-in Astra GSe e Astra Sports Tourer GSe recuperam assim uma sigla muito importante dentro da marca de Rüsselsheim, mas que aqui surge adaptada aos tempos modernos da eletrificação.

Se antes a sigla GSe significava “Grand Sport Einspritzung” (Grand Sport Injeção) agora passa a significar “Grand Sport electric”, ao mesmo tempo que se assume como uma submarca dentro da Opel, que quer tornar-se 100% na Europa até 2028.

A NÃO PERDER: Opel Corsa-e Rally. «Pilotámos» o primeiro carro de ralis elétrico
Opel Commodore, Monza e Manta
Commodore GS/E em primeiro plano e os Monza GSE e restomod Manta GSe ElektroMOD, os Opel que até agora tinham recebido a sigla GSe.

O que muda nas versões GSe?

As versões GSe do Astra de cinco portas e da carrinha Astra Sports Tourer distinguem-se dos restantes Astra da gama por contarem com uma imagem mais arrojada e por proporcionarem um maior foco na experiência de condução.

Do ponto de vista estético, no exterior, destacam-se as jantes de 18” herdadas do protótipo Manta GSe ElektroMOD, o para-choques dianteiro específico e toda a secção frontal, isto já para não falar do logótipo GSe que surge na porta traseira.

Opel Astra GSe sigla
A sigla GSe passa a significar “Grand Sport electric”. Opel Automobile GmbH

No interior as ambições desportivas são realçadas pelos bancos com acabamento em Alcantara, que são específicos das versões GSe e contam com certificação AGR.

Afinação específica para o chassis

Em comparação com os seus “irmãos” Astra, as novas versões GSe são mais ágeis e mais eficazes, prometendo um maior foco na dinânica e nas performances.

LEIAM TAMBÉM: Manta GSe ElektroMOD. Ao volante do “restomod” elétrico e de caixa manual da Opel

Para isso contam com um chassis dedicado, rebaixado em 10 mm face às versões ditas normais do modelo, com travões com maior poder de travagem e com uma afinação específica — mais desportiva — para a direção.

Opel Astra GSe frente Opel Automobile GmbH

Já as molas e os amortecedores hidráulicos em ambos os eixos também são exclusivos destas versões, sendo que os amortecedores KONI contam com tecnologia de amortecimento seletivo de frequência.

As configurações do ESP são também exclusivas dos modelos GSe, com o limite de ativação ajustado para corresponder ao comportamento dinâmico de condução que se espera de uma versão com responsabilidades desportivas como esta.

E o motor?

As novas versões GSe do Astra e Astra Sports Tourer estão disponíveis com apenas uma motorização, híbrida plug-in, com uma potência máxima combinada de 225 cv e um binário máximo combinado de 360 Nm.

Estes números resultam do “casamento” entre um motor a gasolina de 1.6 litros de quatro cilindros com 180 cv, um motor elétrico (montado na dianteira) com 110 cv e uma bateria de iões de lítio (montada em posição central) com 12,4 kWh de capacidade.

A Opel não comunicou a autonomia elétrica desta versão nem as prestações que estes Astra GSe conseguem fazer, mas o Peugeot 308 Hybrid 225, com a mesma motorização, anuncia até 64 km de autonomia elétrica.

Quando chega e quanto vai custar?

A Opel ainda não anunciou a data de chegada destas versões ao mercado nacional nem quanto vão custar.

Porém, e se tivermos em conta que a sigla GSe vai definir o topo da gama do Astra, podemos assumir que vão posicionar-se acima dos 43 075 euros da variante GS Line híbrida plug-in de 180 cv do Astra (5 portas).

Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançada a segunda geração do Opel Corsa?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Corsa Eco 3. O «rei dos consumos» que a Opel não produziu

Mais artigos em Notícias