Audi A6 Avant híbrida plug-in já nos deixa dizer adeus ao Diesel?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 73 072 euros

Audi A6 Avant híbrida plug-in já nos deixa dizer adeus ao Diesel?

Conseguirá a Audi A6 Avant híbrida plug-in fazer-nos «esquecer» da A6 Avant Diesel? Vamos para a estrada.

A Audi A6 Avant com motor Diesel deixou-nos impressionados no segundo episódio da série “Hit The Road” da Razão Automóvel, pelas suas qualidades estradistas e por ter percorrido toda a EN 2 com apenas um depósito — será que a A6 Avant híbrida plug-in aqui em teste daria uma boa substituta?

Afinal, à medida que as propostas Diesel vão desaparecendo, são muitos os construtores que apresentam as variantes híbridas plug-in como uma alternativa para quem precisa de percorrer muitos quilómetros com economia de combustível.

No «papel» parecem ter realmente todos os argumentos para o conseguir, mas será que no «mundo real» confirmam-se todas as promessas?

A NÃO PERDER: Kia Sorento PHEV testado. É o mais potente e caro dos Sorento, mas será a escolha certa?
Audi A6 Avant 50 tfsi e Quattro dianteira © Fernando Gomes, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Sóbria, como sempre

No capítulo visual, não há muito que denuncie a motorização híbrida plug-in desta A6 Avant 50 TFSIe. As diferenças resumem-se à porta de carregamento e aos logotipos específicos na traseira.

No interior a história repete-se e ainda bem que assim é. O interior tem uma aparência sofisticada e a robustez é notável, que se sente até no toque dos comandos.

Mesmo quando nos deslocamos apenas com recurso ao motor elétrico, o silêncio a bordo é sepulcral e não há sinal de ruídos parasita — tudo no interior da proposta alemã indica que esta foi «feita para durar».

Além disso, o interior da A6 Avant prova ainda que é possível substituir os comandos físicos por ecrãs táteis sem prejudicar em demasia a ergonomia, como comprova o ecrã secundário, abaixo do ecrã de infoentretenimento, que permite controlar a climatização.

Descubra o seu próximo carro:

Grande, mas não é a que tem mais espaço

Com quase cinco metros de comprimento (precisamente 4,93 m), a Audi A6 Avant está longe de poder ser considerada pequena, algo que ficou ainda mais evidente na primeira vez que a estacionei e me apercebi de que esta unidade não tinha câmara traseira.

Apesar das avultadas dimensões e de oferecer níveis interessantes de espaço a bordo, este não é referencial. Propostas como a Skoda Superb Break iV, por exemplo, oferece mais espaço por dentro, apesar de ser um pouco mais pequena por fora.

Sim, há espaço suficiente para quatro adultos, mas o túnel central revelou-se demasiado intrusivo e a eletrificação «custou» muitos litros à bagageira. Dos 565 l originais passou para 405 l, pouco mais que o oferecido pelo Audi A3.

A «rainha» da autoestrada

Quando o Fernando Gomes testou o Audi A6 40 TDI apelidou-o “The Lord of the Autobahn”. Ao fim de alguns dias ao volante da A6 Avant fiquei com vontade de lhe «copiar» o título para este teste.

A A6 Avant parece deslizar sobre o asfalto tal é o nível de conforto e isolamento a bordo e «convida-nos» a percorrer largos quilómetros em autoestrada sem parar, tal é a ausência de esforço com que o faz.

Audi A6 Avant 50 tfsi e Quattro jantes
São menos «vistosos», mas os pneus de perfil mais alto relembram-nos de que o ar continua a ser o melhor amortecedor e a presença de mais borracha entre nós e o asfalto traduz-se em menos ruído a bordo. © Fernando Gomes, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Com 299 cv e 450 Nm de potência máxima combinada, o sistema híbrido plug-in da A6 Avant 50 TFSIe faz-nos esquecer que tem 2085 kg e depressa nos leva até ritmos mais adequados às autobahn alemãs do que às autoestradas portuguesas.

VEJAM TAMBÉM: Mercedes-Benz EQE. Já guiámos o “Classe E” 100% elétrico

A disponibilidade imediata do binário do motor elétrico (350 Nm) recorda-nos, em parte, da ampla disponibilidade de binário dos Diesel a baixos regimes, onde o acesso à performance faz-se sem esforço e permite ultrapassagens lestas.

Audi A6 Avant 50 tfsi e Quattro bancos dianteiros
Apesar do visual simples os bancos dianteiros são confortáveis. © Fernando Gomes, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Mas não se pense que a proposta alemã só sabe «andar a direito». Com um eficaz sistema de tração integral quattro, a A6 Avant «despacha» curvas a um ritmo bem mais elevado do que seria de esperar, nem parecendo tratar-se de um modelo tão grande e pesado.

É verdade que a unidade ensaiada não contava com o sistema de amortecimento variável, mas, ao contrário do que aconteceu com o cruise control adaptativo ou a câmara traseira, este foi um equipamento do qual não senti falta tal é o bom compromisso entre conforto e comportamento assegurado pela suspensão passiva.

E os consumos?

Comecei este texto a questionar se esta versão híbrida plug-in nos permite «esquecer» os Diesel. Se no campo das performances a variante eletrificada leva vantagem, no campo dos consumos a disputa é mais «equilibrada» do que à partida se poderia pensar.

Sim, com a bateria carregada é possível acabar com médias na casa dos 1,5 l/100 km (e médias de consumo elétrico na casa dos 20 kWh/100 km), mas o que mais interessa é perceber que consumos são possíveis quando acaba a bateria.

A A6 Avant 50 TFSIe anuncia 68 km de autonomia elétrica, algo impossível de cumprir em autoestrada — não fui além dos 40 km.

Uma vez esgotada a sua carga e passando a responsabilidade de locomoção ao motor de combustão (2.0 TFSI) acabei o teste com uma média de 6,5 l/100 km com muitos quilómetros percorridos no seu «habitat natural».

Aliás, numa tirada em autoestrada cheguei mesmo a conseguir médias de 5,9 l/100 km.

Audi A6 Avant 50 tfsi e Quattro motor
Temos vários modos de funcionamento do sistema híbrido plug-in: através de um menu podemos escolher se queremos recarregar a bateria com recurso ao motor de combustão, circular em modo 100% elétrico ou manter a carga da bateria num certo nível para usar mais tarde. © Fernando Gomes, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Já quando decidi explorar as capacidades dinâmicas da proposta da Audi vi os valores médios «escalarem» para perto dos oito litros, tudo isto com a bateria «nas lonas».

É o carro certo para si?

Com uma bagageira mais pequena e um custo de aquisição superior ao da versão com motor a gasóleo, a Audi A6 Avant híbrida plug-in parece-me mais indicada para quem no seu dia a dia tem de percorrer, obrigatoriamente, dezenas de quilómetros em centros urbanos.

Nesse cenário, o modo elétrico permite uma poupança muito superior a qualquer Diesel, mas a surpresa vem do seu apetite comedido em autoestrada, que pode ser ainda maior recorrendo ao modo híbrido (caso a bateria tenha energia para isso).

Audi A6 Avant 50 tfsi e Quattro logotipos
Este emblema é um dos poucos elementos que «denuncia» esta versão. © Fernando Gomes, Editado por Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Já para quem não tenha por hábito andar na cidade e passe mais tempo na autoestrada, o Diesel ainda tem uma «palavra a dizer». Afinal, os consumos mantêm-se baixos, a autonomia total é bem superior… e até a bagageira é maior.

Tal como noutros híbridos plug-in, esta proposta alemã acaba por ter um interesse acrescido para os clientes empresariais. Para estes há um conjunto de incentivos que permitem adquiri-la por um preço mais «simpático» e, quiçá, mais condizente com a algo reduzida oferta de equipamento de série.

Atualizado a 12 de agosto de 2022: o valor para a capacidade da bagageira foi corrigido. É de 405 l e não 360 l.

Preço

unidade ensaiada

77.302

Versão base: €73.072

IUC: €207

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1984 cm3
    • Posição: Dianteira longitudinal
    • Carregamento: Motor combustão: Injeção direta, turbo e intercooler. Motor elétrico: bateria de iões de lítio de 14,4 kWh
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro (16 válv.)
    • Potência: Motor combustão: 265 cv entre 5250-6500 rpm; Motor elétrico: 105 kW (143 cv); Potência máxima combinada: 299 cv
    • Binário: Motor combustão: 370 Nm entre 1600-4500 rpm; Motor elétrico: 350 Nm; Binário máximo combinado: 450 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Integral — sistema quattro
    • Caixa de velocidades: Automática (dupla embraiagem) de 7 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4939 mm / 1886 mm / 1459 mm
    • Distância entre os eixos: 2924 mm
    • Bagageira: 405-1535 l
    • Jantes / Pneus: 225/55 R18
    • Peso: 2085 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 1,1 l/100 km; Autonomia: 68 km
    • Emissões de CO2: 27 g/km
    • Vel. máxima: 250 km/h
    • Aceleração: 6,2s
  • Equipamento
    • Pacote MMI Navigation Plus
    • Jantes de liga leve 17'' com 10 raios
    • Audi drive select
    • Direção assistida progressiva
    • Faróis LED Plus
    • Regulação elétrica do apoio lombar em 4 vias para os bancos dianteiros
    • Regulação elétrica para os bancos dianteiros e função de memória para o banco do condutor
    • Vidro do para-brisas com isolamento térmico e acústico
    • Bagageira com abertura/fecho elétrico
    • Barras de tejadilho em Alumínio
    • Assistente de luzes de máximos
    • Cruise control com limitador de velocidade
    • Alerta de saída da faixa de rodagem
    • Sensores de estacionamento Plus
    • Volante desportivo multifunções em couro com raios duplos e patilhas
    • Espelho retrovisor interior com antiencandeamento manual
    • Espelhos retrovisores exteriores com regulação elétrica, aquecidos, rebatíveis e função de memória
Extras
Pintura — 425 €; Preparação para sistema de reboque — 245 €; Pacote qualidade do ar Plus — 545 €; Teto de abrir panorâmico — 2285 €; Encostos de cabeça reguláveis dianteiros — 185 €; Vidros traseiros escurecidos — 545 €.
Avaliação
7 / 10
Aos poucos, os híbridos plug-in têm-se estabelecido como alternativa aos Diesel e a Audi A6 Avant 50 TFSIe é um bom exemplo disso mesmo. Como é óbvio a escolha desta versão obriga a fazer uma avaliação do tipo de utilização que lhe vamos dar, mas para quem circula com frequência em meio urbano ou para clientes empresariais a escolha não será muito difícil.
  • Qualidade geral
  • Conforto
  • Consumos
  • Suavidade de funcionamento do sistema híbrido
  • Preço
  • Perda de capacidade da bagageira
  • Lacunas de equipamento
Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelado o Audi A2?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Glórias do Passado. Audi A2, à frente do tempo

Mais artigos em Testes, Ensaio