Audi A3 Sportback 35 TFSI S line. No meio é que está a virtude?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 39 467 euros

Audi A3 Sportback 35 TFSI S line. No meio é que está a virtude?

Posicionada no meio da oferta a gasolina do Audi A3 Sportback, será a variante 35 TFSI com um sistema mild-hybrid a opção mais equilibrada?

Atualmente quem procura um Audi A3 Sportback S line — a linha de equipamento de cariz mais desportivo — conta com três opções a gasolina: duas a gasolina mild-hybrid e uma híbrida plug-in.

Na base encontramos a variante 30 TFSI equipada com um três cilindros de 1,0 l mild-hybrid e 110 cv — versão que já testámos. Já no topo temos o 45 TFSIe, um híbrido plug-in com uma potência máxima combinada de 245 cv.

Entre essas duas encontramos o 35 TFSI, aqui em teste, equipada com uma motorização mild-hybrid com quatro cilindros, 1,5 l de capacidade, que entrega 150 cv e 250 Nm.

A NÃO PERDER: Volkswagen T-Roc foi renovado. Mas mudou o suficiente para se manter competitivo?
Audi A3 35 TFSI © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Promete melhores performances que o 30 TFSI e consumos similares, e apesar de não conseguir igualar a performance e o potencial de consumos baixos do 45 TFSIe, é vários milhares de euros mais acessível. “É no meio que está a virtude”, diz o adágio popular — será verdade neste A3 Sportback 35 TFSI?

Anda bem…

Por vezes os números são cruéis. Quando comparamos as especificações técnicas do Audi A3 Sportback 35 TFSI com a do 30 TFSI podemos ser levados a crer que a diferença de prestações entre a versão com 150 cv e a de 110 cv é residual.

Isto porque no 35 TFSI os 0 aos 100 km/h cumprem-se em 10,1s enquanto no menos potente 30 TFSI é preciso apenas mais meio segundo, ou seja 10,6s. Contudo, uma vez ao volante do 35 TFSI facilmente percebemos que os números no papel não «contam a história toda».

O maior binário (250 Nm contra 200 Nm) e o facto deste estar disponível mais cedo, a partir das 1500 rpm em vez das 2000 rpm no 30 TFSI, fazem do A3 Sportback 35 TFSI uma proposta mais agradável de conduzir, facilitando os arranques, mas, acima de tudo, as retomas de velocidade, facilitando imenso as ultrapassagens.

Se quando testei o 30 TFSI com o 1.0 l de 110 cv já tinha ficado impressionado com as suas capacidades estradistas, no A3 Sportback 35 TFSI estas foram exacerbadas. Os 150 cv permitem impor (e manter) ritmos bastante interessantes em autoestrada, a caixa automática (de dupla embraiagem) de sete relações é rápida e solícita, mas a maior surpresa adveio dos consumos.

Descubra o seu próximo automóvel:

… e gasta pouco

Levem o A3 Sportback 35 TFSI para um percurso em estrada e autoestrada e não é difícil alcançar médias de 5,0-5,5 l/100 km. Aliás, com um pé direito mais leve consegui mesmo chegar aos 4,8 l/100 km.

Ora, estes valores até são melhores do que os do menos potente 30 TFSI. Quando o testei não consegui valores melhores que os 5,8 l/100 km. A maior disponibilidade do maior 1,5 l que equipa o 35 TFSI é o grande «culpado» destes excelentes consumos, algo que já tinha comentado quanto teste o Volkswagen T-Roc equipado com este motor.

Ao ter mais binário mais cedo também permite recorrer menos à boa caixa automática. Além disso, consegue manter um regime de funcionamento ideal com mais facilidade e exige uma menor carga de acelerador para manter o ritmo em todas as circunstâncias.

E face ao híbrido plug-in?

Como é óbvio, apesar de contar com um sistema mild-hybrid, não há muito que este A3 Sportback 35 TFSI possa fazer contra a versão híbrida plug-in no campo dos consumos e das prestações.

Contudo, há que ter em conta que essa vantagem só se mantém quando carregamos frequentemente a bateria de 13 kWh que alimenta a «máquina elétrica» do 45 TFSIe.

Quando a bateria acaba, o 1.4 TFSI que o equipa vai ter de lidar com quase 300 kg a mais que não vão beneficiar os consumos nem as prestações — algo que o Miguel Dias pode comprovar no A3 Sportback 40 TFSIe (que, de momento, já não está disponível como S line).

 

Além disso, o híbrido plug-in, ao «arrumar» as baterias por baixo da bagageira, perde 100 l de capacidade: 280 l contra os 380 l do A3 Sportback 35 TFSI. Se os 380 l estão na média do segmento, os 280 l ficam abaixo da maioria das propostas do segmento abaixo.

Igual a si mesmo

Seja qual for a versão escolhida, há algumas características que são inatas ao Audi A3 Sportback.

Uma delas é a robustez do seu habitáculo que o coloca como uma das referências do segmento neste campo. Outra são as aptidões estradistas, destacando-se a estabilidade a velocidades elevadas e o bom compromisso entre conforto e comportamento.

Audi A3 35 TFSI
Não é o mais divertido do segmento, mas o A3 Sportback não desilude no campo da dinâmica e impressiona pela estabilidade em autoestrada. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Infelizmente, a parca dotação de equipamento de série típica das propostas premium alemãs também «diz presente» neste Audi A3 35 TFSI S line.

Equipamentos que já começam a ser oferecidas de série em propostas de um segmento abaixo como o cruise control adaptativo, o espelho eletrocromático ou até a câmara de marcha atrás, não estavam presentes nesta unidade e isso é algo difícil de compreender.

É o carro certo para si?

Depois de ter andado vários dias ao volante deste Audi A3 Sportback 35 TFSI, volto a recordar o adágio popular “é no meio que está a virtude”.

É verdade que é 5000 euros mais caro que a variante 30 TFSI, mas o que ganhamos em agradabilidade ao volante, prestações e consumos quase que «amortiza» o diferencial de preço.

Já quando comparado com a versão híbrida plug-in, convém avaliar muito bem o tipo de percursos que habitualmente faz e se tem possibilidade de carregar a bateria sempre que necessário.

Para quem anda maioritariamente em estrada e autoestrada e não tem possibilidade de carregar a bateria frequentemente, esta versão 35 TFSI apresenta-se como um bom compromisso entre eficiência e prestações — mas a performance bastante superior do 45 TFSIe pode deixar saudades.

O A3 Sportback 35 TFSI tem a vantagem de ser mais barato, com preços a começar nos 39 467 euros para o S line, face aos 43 767 euros pedidos pela versão híbrida plug-in 45 TFSIe equivalente. Quanto ao 35 TDI, de igual potência ao 35 TFSI, é ainda mais caro que o 45 TFSIe em cerca de 1800 euros.

Preço

unidade ensaiada

43.227

Versão base: €39.467

IUC: €139

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1498 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: 2 a.c.c.; 4 válv./cil.
    • Distribuição: Inj. Direta, Turbo e Intercooler
    • Potência: 150 cv entre as 5000 e as 6000 rpm
    • Binário: 250 Nm entre as 1500 e as 3500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática de sete velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4343 mm / 1816 mm / 1449 mm
    • Distância entre os eixos: 2636 mm
    • Bagageira: 380 litros
    • Jantes / Pneus: 225/45 R17
    • Peso: 1395 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 5,9 l/100 km
    • Emissões de CO2: 134 g/km
    • Vel. máxima: 224 km/h
    • Aceleração: 10,1s
  • Equipamento
    • Travão de estacionamento electromecânico
    • Retrovisores na cor da carroçaria
    • Audi drive select
    • Suspensão dinâmica desportiva
    • Faróis LED Standard
    • Regulação manual para os bancos dianteiros
    • Vidro do para-brisas em vidro com isolamento térmico
    • Ar condicionado automático com 2 zonas de regulação
    • Painel de instrumentos digital 10,25''
    • Rádio MMI Plus
    • Audi phone box Light
    • Audi pre sense front
    • Cruise Control com limitador de velocidade programável
    • Alerta de saída da faixa de rodagem
    • Sensor de luz e chuva
    • Sistema de aviso da pressão dos pneus
    • Sistema Start-Stop e sistema de regeneração da energia da travagem
    • Volante desportivo multifunções Plus em couro com 3 raios e patilhas
    • Espelhos retrovisores exteriores com regulação elétrica e aquecidos
    • Spoiler traseiro S
Extras
Pintura metalizada — 850 €; Head-up display — 975 €; Faróis LED Matrix com assinatura luminosa digital e indicadores dinâmicos de mudança de direção — 1935 €.
Avaliação
8 / 10
Tendo em conta o posicionamento do Audi A3 Sportback, esta versão 35 TFSI «assenta-lhe como uma luva». Com melhores prestações e até consumos no «mundo real» que a versão 30 TFSI, esta variante quase que faz esquecer a versão de entrada. Acima dele, só mesmo os híbridos plug-in que «obrigam» a carregar a bateria para fazerem sentido, apesar da maior performance e potencial de consumos mais baixos, para compensar o preço mais elevado e a bagageira mais pequena. De resto, o A3 Sportback continua a ser um valor seguro na classe, só se lamentando a limitada oferta de equipamento de série.
  • Consumos
  • Qualidade de montagem
  • Equilíbrio conforto/comportamento
  • Estabilidade em autoestrada
  • Preço
  • Lacunas no equipamento de série
  • Espaço interior igual ao do antecessor
Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançado a primeira geração do Audi TT
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Testámos o Mazda3 com sistema “mild-hybrid”. Que mais valias traz?

Mais artigos em Testes, Ensaio