Desde 46 839 euros

Skoda Superb Break iV. O antídoto para os SUV familiares híbridos plug-in?

Testámos a carrinha Skoda Superb Break iV na versão híbrida de ligar à ficha e com o nível Sportline. Será esta a fórmula perfeita para o topo de gama da marca checa?

Existem cada vez mais propostas que tentam combinar o melhor de dois mundos — combustão e eletrões — e a Skoda Superb Break iV, a sua versão híbrida plug-in, é um dos exemplos mais recentes.

Os híbridos plug-in são uma boa alternativa para quem quer “aderir” à mobilidade livre de emissões durante as tarefas diárias, sem ter que ficar refém das limitações que um 100% elétrico ainda acarreta em autonomia e tempos de carga.

Por outro lado, desde que foi apresentado, em 2001, o Skoda Superb tem vindo a assumir-se como uma proposta capaz de agradar tanto a famílias como a executivos, fruto da sua versatilidade e do espaço que oferece, sobretudo na variante Break.

A NÃO PERDER: Enyaq iV. Já conduzimos o primeiro SUV elétrico da Skoda
Skoda Suberb Break IV Sportline
Com 4,86 m de comprimento, a carrinha Superb continua a fazer da oferta de espaço o seu principal argumento. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Continuam a ser os seus principais trunfos, mas já não são os únicos. Longe disso. Nesta versão híbrida plug-in, são combinados com a possibilidade de efetuar 55 km elétricos e de ter mais de 200 cv de potência ao dispor, argumentos importantes e que ajudam a reforçar o seu estatuto dentro da marca checa.

Testámos a Superb Break iV com o nível de equipamento mais elevado, denominado Sportline, e quisemos perceber se esta é a configuração que faz mais sentido para o topo de gama da Skoda. A resposta está nas próximas linhas…

LEIAM TAMBÉM: Skoda Fabia. Tudo sobre o novo, maior e mais tecnológico utilitário checo

Imagem não mudou

Visualmente o Skoda Superb Break iV — é esta a designação oficial — destaca-se dos seus irmãos com apenas motor de combustão apenas pela presença da sigla “iV” na traseira e pela tomada para carregar a bateria escondida atrás da grelha do radiador.

Skoda Suberb Break IV Sportline
A secção dianteira é moldada por um para-choques com um padrão em favo de mel, um detalhe exclusivo da versão iV. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

O para-choques dianteiro apresenta ainda entradas de ar específicas com um padrão em favo de mel. De resto, nada de novo. Mas isso está longe de ser um defeito, ou não tivéssemos nós já elogiado a imagem da Skoda Superb Break quando a testámos na versão 2.0 TDI de 190 cv.

A imagem deste modelo está longe de ser tão expressiva quanto a das propostas dos rivais alemães, mas sobriedade é precisamente aquilo que muitos procuram num automóvel deste segmento. E para os que estão divididos entre estas duas posturas, importa dizer que o nível de equipamento Sportline lhe dá algum atrevimento.

Skoda Suberb Break IV Sportline
Designação do modelo a preto é um apontamento que acrescenta mais exclusividade. Abertura e fecho elétrico da bagageira é equipamento de série nesta versão. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A “culpa” é, em parte, dos acabamento em preto brilhante que podem ser encontrados nas jantes de 18’’, na moldura dos vidros, nas barras de tejadilho e na moldura da grelha dianteira. Seguindo a mesma linha, todo o “lettering” também se exibe na cor preta.

RELACIONADO: Testámos a Skoda Octavia Break iV (híbrida plug-in). Alternativa ao Diesel?

Interior: espaço para toda a família

Já no interior, e além da presença de menus específicos no infoentretenimento relativos ao funcionamento do sistema híbrido, a maior diferença para o modelo “convencional” resume-se à capacidade da bagageira, que acabou reduzida em face do armazenamento das baterias.

Skoda Suberb IV Sportline
A bagageira pode ter perdido capacidade, mas continua a ser… gigante. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Em vez dos 670 litros habitualmente disponíveis nas Superb Break puramente a combustão, nesta variante híbrida plug-in este valor caiu para os 510 litros, um registo ainda assim muito positivo e capaz de responder às exigências de uma viagem em família.

A NÃO PERDER: De 25 000 até 35 000 euros. As 17 propostas da Škoda para as empresas

Mais impressionante ainda é o facto de haver espaço para um piso duplo onde é possível arrumar os cabos de carregamento e o habitual kit de reparação de pneus.

Skoda Suberb IV Sportline
Designação iV serve para identificar todas as propostas eletrificadas da marca checa do Grupo Volkswagen. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
LEIAM TAMBÉM: Imaginar um Skoda Octavia com motor central traseiro

Infoentretenimento de última geração

O sistema de infoentretenimento, cujo terminal é um ecrã de 8’’ ou 9,2’’ (conforme a versão), convence desde o primeiro momento em que o utilizamos.

Skoda Suberb IV Sportline
Ecrã central tem leitura muito boa. Comandos de acesso rápido são muito práticos, especialmente em condução. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A versão que testámos estava equipada com o ecrã de menor dimensão, mas ainda assim a experiência de utilização foi muito satisfatória, sobretudo porque este terminal central é combinado com um painel de instrumentos totalmente digital.

Destaque ainda para a presença — de série — da tecnologia SmartLink que permite que as aplicações do smartphone sejam controladas através do ecrã do sistema de infoentretenimento, através dos sistemas Android Auto e Apple CarPlay. Este último funciona sem fios.

Skoda Suberb IV Sportline
Construção do habitáculo é praticamente irrepreensível. O sentido prático típico dos Skoda está presente, mas detalhes como o volante e os bancos dianteiros desportivos ajudam a subir o “tom”. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Sistema de assistência exclusivos

A Skoda Superb Break iV conta com dois sistemas de assistência exclusivos: o Trailer Assist e o Area View.

O primeiro trata-se de um assistente de manobras de reboque, que permite estacionar de marcha-atrás de forma simples e segura, com o condutor a poder selecionar a direção e o ângulo em que pretende inverter o reboque, utilizando o botão rotativo de regulação dos espelhos retrovisores exteriores como se fosse um joystick (o sistema assume a direção).

Skoda Suberb IV Sportline
Front Assist com sistema de travagem de emergência está disponível de série. Versão testada contava ainda com sistema de reconhecimento dos sinais de trânsito, um opcional de 70 €. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Já o segundo, Area View, utiliza quatro câmaras para fornecer ao condutor uma vista panorâmica de 360º do veículo no ecrã central, facilitando o estacionamento e as manobras em estradas estreitas.

Mecânica híbrida com 218 cv de potência

A Superb Break iV foi o primeiro modelo de produção em série da Skoda equipado com propulsão híbrida plug-in, combinando um motor a gasolina e um propulsor elétrico.

Skoda Suberb IV Sportline
Dois motores: um 1.4 a gasolina e outro, bem mais pequeno, elétrico. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Desta forma, ao 1.4 TSI de 156 cv — com quatro cilindros em linha — surge associado um motor elétrico de 116 cv (85 kW). O resultado final são 218 cv de potência máxima combinada e 400 Nm de binário que são enviados às rodas dianteiras através de uma caixa DSG de seis velocidades.

Tudo isto permite à Skoda Superb Break iV cumprir os 0 aos 100 km/h em 7,7s e alcançar os 225 km/h de velocidade máxima ao mesmo tempo que anuncia consumos de 1,2 l/100 km, consumos de energia elétrica de 14 a 14,5 kWh/100 km e emissões de CO2 de 27 g/km.

A NÃO PERDER: Skoda Kodiaq foi renovado. Kodiaq RS troca Diesel por gasolina
Skoda Suberb IV Sportline
Sistema de infoentretenimento conta com grafismos específicos desta versão iV que nos mostram todas as informações relativas ao funcionamento do sistema híbrido. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A alimentar o motor elétrico encontra-se uma bateria de iões de lítio com 13 kWh (10,4 kWh úteis) que permite uma autonomia em modo 100% elétrico de até 55 km (ciclo WLTP).

E o carregamento?

Quanto ao carregamento, numa tomada elétrica convencional a Skoda afirma que esta Superb Break iV demora uma noite inteira a “encher” a bateria. Já numa Wallbox com uma potência de 3,6 kW, o tempo de carregamento desce para as 3h30min.

RELACIONADO: Skoda Superb 2.0 TDI 150 cv testado. O que vale o carro do “Sr. Ministro”?

O que vale a Superb Break iV em estrada?

Se no papel esta Skoda Superb Break iV convence, é quando a levamos para a estrada que todas as dúvidas desaparecem, dando lugar a apenas uma coisa: certezas.

Skoda Suberb Break IV Sportline
Spoiler traseiro — de série nesta versão Sportline da Superb Break iV — reforça o caráter desportivo desta versão. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A primeira grande surpresa chega-nos “pela mão” do sistema híbrido, que apresenta um rendimento exemplar. O motor 1.4 TSI de 156 cv “chega e sobra” para as “despesas” quando a bateria se esgota e o motor elétrico sai de cena, e encaixa na perfeição com esta caixa DSG de seis velocidades.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o Skoda Kamiq mais potente a gasolina. Vale a pena?

Sobe sempre a “montanha” das rotações com muita convicção e é nos registos altos que se mostra mais confortável. Já nos regimes mais baixos, qualquer hesitação que possa existir é imediatamente disfarçada com a atuação do motor elétrico.

Skoda Suberb IV Sportline
Compartimento que permite carregar o smartphone sem recurso a qualquer fio é muito útil. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Contas feitas, e apesar de este ser um modelo com algumas responsabilidades ambientais, as performances estão mais do que garantidas. E tudo sem prejudicar os consumos médios, que surpreenderam bastante, sobretudo depois da bateria se esgotar: em percursos mistos, por cidade e fora dela, consegui médias de 6,2 l/100 km; em autoestrada, numa viagem de mais de 300 km a bom ritmo, ficou-se pelos 5,7 l/100 km.

Mas porque é um híbrido plug-in, tão importante quanto os consumos é a autonomia 100% elétrica. E aqui, mais um “teste” superado: a Skoda anuncia 55 km livres de emissões por carga e consegui “arrancar” 52 km puramente elétricos em cidade.

Skoda Suberb IV Sportline
Bancos dianteiros contam com apoio lombar (de ajuste elétrico no banco do condutor e manual do passageiro) e apesar do corte desportivo, são bastante confortáveis. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Comportamento dinâmico está à altura?

Apesar da designação “Sportline” no nome, este modelo não tem qualquer responsabilidade desportiva a defender. Ainda assim, os 218 cv que oferece e o facto de contar de série com uma suspensão adaptativa faz com que esta carrinha responda relativamente bem sempre que adotamos um estilo de condução mais agressivo.

Skoda Suberb IV Sportline
O modo Sport está (literalmente) à distância de um botão. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Com cinco modos de condução disponíveis, entre eles um modo Sport que pode ser ativado através de um botão na consola central (não, não é preciso abrir menus ou submenus no infoentretenimento para o fazer…), temos acesso a toda a potência disponível (218 cv e 400 Nm) e esta carrinha surpreende pelo “poder de fogo” e pela aderência em curva.

A NÃO PERDER: Testámos o novo Škoda Octavia (4ª geração). O melhor de sempre?

No modo Hybrid, o sistema eletrónico regula a interação entre o motor a gasolina e o motor elétrico. Já no modo E, a Superb Break iV é alimentado exclusivamente pela bateria. Neste modo, que é o que está pré-definido sempre que ligamos o carro, o sistema emite um som (“E-Noise”) para o exterior, para avisar os peões.

Skoda Suberb IV Sportline
Virtual Cockpit de 10,25” tem leitura excelente. Igualmente excelente é a autonomia total desta proposta, que com as baterias cheias ronda os 850 km. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A direção tem um acerto muito equilibrado e um peso muito satisfatório. É suficientemente direta para que a experiência ao volante seja apreciável e combina bastante bem com o acerto mais firme da suspensão no modo Sport.

RELACIONADO: Skoda cria uma aplicação que “ouve” o carro para detetar avarias

Para uma proposta com esta configuração e com este peso (quase 1800 kg), o rolamento em curva está relativamente bem controlado. Contudo, o peso faz-se sentir na hora de travar. E por falar em travagem, o pedal do travão exige alguma habituação, já que no primeiro momento trava menos que o esperado. É preciso um pisar mais firme para encontrarmos uma resposta equivalente.

Skoda Suberb Break IV Sportline
Visual exterior da Skoda Suberb Break sai reforçado com o nível de acabamento Sportline. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Devora quilómetros…

Pode não ter a capacidade de devorar quilómetros da Skoda Superb Break TDI de 190 cv, mas acreditem que neste capítulo também se exibe a muito bom nível. É certo que a montagem das baterias obrigou a diminuir a capacidade do depósito de combustível (de 66 para 50 litros), mas isso não afetou em demasia a autonomia (total) desta carrinha, que está fixada nos 850 km.

Se o acerto da suspensão no modo Sport convida a explorar os 218 cv do motor, no modo Confort são eliminadas todas e quaisquer irregularidades do asfalto, com as qualidades de estradista deste Skoda a virem ao de cima.

A NÃO PERDER: Este é o Skoda Kamiq mais barato que podes comprar. Será preciso mais?

É o carro certo para si?

Se chegaram até aqui, não é surpresa para ninguém se vos disser que fiquei rendido a esta variante híbrida plug-in da carrinha Skoda Superb Break.

Skoda Suberb IV Sportline
Apesar de discreta, a designação Sportline está presente no exterior… © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Sem perder o sentido prático que sempre caracterizou os modelos da marca checa, esta Skoda Superb Break evoluiu, deixou-se “contaminar” pela eletrificação e isso fez-lhe muito bem.

Não quero parecer demasiado poético, mas em comparação com um SUV de tamanho equivalente e com mecânica híbrida plug-in, esta carrinha Skoda Superb Break iV tem menor resistência aerodinâmica, tem mais capacidade de carga, gasta menos e tem menos rolamento em curva.

É certo que estes argumentos podem não ter o mesmo peso para todas as pessoas que andam no mercado em busca de um modelo familiar capaz de percorrer algumas dezenas de quilómetros livres de emissões. Mas chega, pelo menos, para percebermos que há vida para além dos SUV.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o Skoda Scala. TDI ou TSI, eis a questão
Skoda Suberb IV Sportline
Assim como no interior… © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Mas respondendo à questão que pauta todas as conclusões dos ensaios da Razão Automóvel — É o carro certo para si? —, a única coisa que posso dizer é que tudo depende das necessidades de cada condutor.

Se o objetivo for apenas “somar” quilómetros em autoestrada, talvez seja interessante olhar para a Skoda Superb Break equipada com o motor 2.0 TDI de 190 cv e caixa DSG de sete velocidades, cujo preço arranca nos 40 644 euros da versão Ambition.

Mas se procuram uma proposta mais à prova de futuro, capaz de vos oferecer outro nível de prestações e de percorrer mais de 50 km puramente elétricos, então a Superb Break iV é a variante a considerar, se possível na configuração Sportline, que acrescenta mais equipamento e mais argumentos visuais ao conjunto.

Descubra o seu próximo carro

Preço

unidade ensaiada

47.834

Versão base: €46.839

IUC: €137

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1395 cm³
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta + Turbo + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válv. por cil. (16 válv.)
    • Potência: Motor combustão: 156 cv entre 5000-6000 rpm; Motor elétrico: 116 cv; Potência máxima combinada: 218 cv
    • Binário: Motor combustão: 250 Nm entre 1500-3500 rpm; Motor elétrico: 330 Nm; Binário máximo combinado: 400 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática de dupla embraiagem com 6 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4862 mm / 1864 mm / 1477 mm
    • Distância entre os eixos: 2841 mm
    • Bagageira: 510 litros (1800 litros)
    • Jantes / Pneus: 235/40 R19
    • Peso: 1752 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 1,2 l/100 km; Autonomia elétrica: 55 km
    • Emissões de CO2: 27 g/km
    • Vel. máxima: 225 km/h
    • Aceleração: 7,7s
  • Garantias
    • Mecânica: 4 anos / 80 000 km
  • Equipamento
    • Cruise Control com Speedlimiter
    • Front Assist com sistema de travagem de emergência
    • Apoio de braços dianteiro
    • Light Assistant com, comming/leaving home; tunnel/day e luz de circulação diurna
    • SmartLink+
    • Cockpit Virtual
    • Abertura e fecho eléctrico da bagageira
    • Espelhos retrovisores exteriores elétricos e aquecidos, com anti encadeamento e rebatíveis eletricamente, com memória
    • Kessy Full - abertura/fecho das portas sem chave
    • Jantes de liga leve 18" Zenith, preto com brilho
    • Driving Mode Select
    • Hill hold control (sistema de assistência em subidas)
    • Faróis traseiros LED
    • Pneus 235/45 R18 94W baixa resistência ao rolamento
    • Care Connect + Infotainment Online
    • PDC com "MANOEUVRE ASSIST" - sensores de estacionamento traseiros com travagem automática
    • Matrix Beam
    • Bancos dianteiros com apoio lombar, de ajuste elétrico no banco do condutor, e manual do passageiro
    • Iluminação ambiente no interior
    • Bancos desportivos à frente
    • Spoiler traseiro
    • Start/Stop com recuperação de energia na travagem
    • Sistema de monitorização da pressão dos pneus
    • Sensor de luz e chuva
    • Câmera traseira
    • Volante desportivo multifunções
    • Revestimento dos pedais em alumínio
    • Sistema de som com 8 altifalantes
Extras
Travel Assist - reconhecimento dos sinais de trânsito — 70 €; Câmera traseira — 385 €; Pintura metalizada (Preto Magic) — 540 €.
Avaliação
8 / 10
Espaçosa, muito bem construída e com qualidades de estradista notáveis. Tudo o que já gostávamos na Skoda Superb Break está presente nesta versão, que oferece outro poder de fogo (218 cv) e mais de 50 km livres de emissões. A "culpa" é do sistema híbrido que assenta na perfeição nesta proposta e que faz com que esta carrinha seja um carro de família ainda mais completo. Não tenho dúvidas de que é uma excelente alternativa aos SUV médios híbridos plug-in, até porque muitos clientes de SUV nunca chegam a tirar qualquer proveito dos centímetros extra de altura ao solo.
  • Conforto
  • Espaço
  • Funcionamento do sistema híbrido
  • Feeling do pedal do travão
  • Posicionamento da porta de carregamento
  • Perda de capacidade da bagageira face às versões apenas com motor de combustão
Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelado o protótipo Skoda Tudor?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Nada está a salvo. Skoda Tudor, o protótipo que até seria roubado

Mais artigos em Testes, Ensaio