Highlander Hybrid. Testámos o maior SUV da Toyota na Europa

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Já disponível

Highlander Hybrid. Testámos o maior SUV da Toyota na Europa

O novo Toyota Highlander assume-se como o maior SUV da marca à venda na Europa e já chegou até nós, apenas e só como híbrido.

É uma novidade absoluta para nós, mas na realidade esta geração do Toyota Highlander, conhecida originalmente em 2020, é a quarta do modelo — a primeira geração foi conhecida em 2000.

Até à geração anterior a sua comercialização estava limitada, sobretudo, aos mercados norte-americano, japonês ou russo.

Agora, com a sua entrada na Europa, o Highlander assume automaticamente o papel de maior SUV da Toyota, com os seus 4,96 m de comprimento; maior até que o já de si vasto Land Cruiser.

VEJAM TAMBÉM: Toyota Yaris Cross testado. Demorou a chegar, mas tem argumentos para vingar?

 

Porém, ao contrário do invencível Land Cruiser, o Highlander tem outras prioridades na «vida» que conseguir trepar por montes e vales.

As emissões de carbono deste teste serão compensadas pela BP
Saiba como pode compensar as emissões de carbono do seu automóvel Diesel, gasolina ou GPL.

Trata-se de um SUV com uma vocação muito mais familiar e estradista, algo que é denunciado até pela base onde assenta, a GA-K, a mesma que serve o RAV4 ou o Camrynada de longarinas e travessas por aqui…

Apenas como híbrido

A proximidade com o RAV4 continua na motorização que equipa este SUV, com o Highlander a estar disponível na Europa apenas com uma motorização híbrida convencional (não se liga à tomada), que combina um 2,5 l de ciclo Atkinson, com dois motores elétricos, para uma potência máxima combinada de 244 cv.

Um dos motores elétricos (de 40 kW ou 54 cv) está montado sobre o eixo traseiro e garante ao novo Toyota Highlander tração às quatro rodas, mas este SUV continua a ser mais sobre autoestrada do que fora de estrada.

Toyota Highlander

Sendo híbrido, a expectativa é de que seja também económico e apesar do seu tamanho XL e das duas toneladas que acusa na balança, registou valores muito interessantes entre 6,7 l/100 km e os 7,1 l/100 km.

SUV para famílias numerosas

As suas credenciais familiares podem ser constatadas pelo espaço a bordo e conforto de rolamento, ambos sempre em doses generosas.

A sua vastidão exterior permite a existência de três filas de bancos e até sete lugares, mas verdade seja dita, a última fila é mais indicada para crianças ou adultos de menor estatura.

Já na segunda fila o espaço é generoso em todas as direções, com os bancos a poderem deslizar longitudinalmente em 18 cm e a permitirem alterar a inclinação das costas.

De notar ainda que a segunda fila tem bancos aquecidos (os dianteiros além de aquecidos são ventilados) e cortinas nas janelas, para que as longas viagens que este Highlander parece convidar sejam as mais confortáveis possíveis.

Não faltam espaços para arrumação e a bagageira pode ir de uns comedidos 268 l (com sete lugares), passar para uns muito mais aceitáveis 569 l (cinco lugares) e ir até a uns vastos 1909 l (dois lugares).

Regresso ao passado?

Apesar do novo Toyota Highlander vir recheado de tecnologia — nem falta um retrovisor central digital —, o ambiente a bordo parece vir de outros tempos, mesmo tendo a nossa unidade um grande ecrã tátil de 12,3″ a dominar o tabliê.

Toyota Highlander

Essa sensação advém da presença dos muitos botões, algo que outros tentam fazer desaparecer a todo o custo e dos grafismos algo datados do sistema de infoentretenimento.

É o carro certo para mim?

É um americano em estradas portuguesas, não tenham dúvidas disso, mas já fazia falta. Tem sete lugares, é confortável, muito versátil e apresenta-se com um sistema híbrido com provas dadas.

Se a isso somar-mos a qualidade de construção típica dos modelos da marca nipónica e uma lista de equipamento bem recheada, temos um SUV com trunfos suficientes para se sobrepor ao irmão RAV4.

E por falar em RAV4, as comparações acabam por ser inevitáveis. Mas este Highlander, mesmo não estando tão confortável para sair de estrada, destaca-se por ser um estradista mais completo e isso fica evidente quando o levamos para a autoestrada, que parece ser o seu território de eleição.

Não é barato, é certo, a direção merecia ter mais feeling e o ruído do binómio motor/caixa consegue ser muitas vezes incomodativo, mas este é um SUV de sete lugares muito competente, que certamente não vai desiludir quem o quiser conduzir e… comprar.

Preço

unidade ensaiada

75.484

Versão base: €74.590

IUC: €239

Classificação Euro NCAP: N/D

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cil. em linha
    • Capacidade: 2487 cm3
    • Posição: Motor de combustão: dianteira transversal; Motor elétrico 1: dianteira transversal; Motor elétrico 2: traseira transversal
    • Carregamento: Injeção mista direta e indireta; Bateria: hidretos metálicos de níquel
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válv. por cilindro (16 válv.)
    • Potência: Motor combustão: 190 cv às 6000 rpm; Motor elétrico 1: 134 kW (182 cv); Motor elétrico 2: 40 kW (54 cv); Potência máx. combinada: 244 cv.
    • Binário: Motor combustão: 239 Nm entre 4300-4500 rpm; Motor elétrico 1: 270 Nm; Motor elétrico 2: 121 Nm; Binário máx. combinado: N.D.
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: Automática: e-CVT
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4966 mm / 1930 mm / 1755 mm
    • Distância entre os eixos: 2850 mm
    • Bagageira: 268-579-1909 l
    • Jantes / Pneus: 235/55 R20
    • Peso: 2015 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 7,1 l/100 km
    • Emissões de CO2: 160 g/km
    • Vel. máxima: 180 km/h
    • Aceleração: 8,3s
  • Equipamento
    • Sistema "Smart Entry & Start"
    • Espelhos retrovisores exteriores elétricos, aquecidos e retráteis
    • Sensor de luz e chuva
    • Teto panorâmico
    • Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros inteligentes
    • Sistema de Pré-Colisão
    • Aviso de saída de faixa de rodagem com assistência na direção
    • Sinal de Travagem de Emergência
    • Alerta de Ângulo Morto
    • Faróis de nevoeiro dianteiros LED
    • Assistência de Condução Inteligente
    • Deteção Traseira de Aproximação de Veículos
    • Controlo de Assistência ao Arranque em Subida
    • Controlo de Estabilidade do Veículo (VSC)
    • Lava faróis
    • Faróis Bi-LED
    • Câmara panorâmica 360
    • Controlo de Estabilidade para Reboques
    • Toyota Touch® 2
    • Ecrã multimédia de 12.3"
    • Sistema de som JBL com 11 colunas de som
    • Volante em pele e aquecido
    • Ar condicionado automático
    • Carregador sem fios para smartphone
    • Head Up Display
    • Banco do condutor com regulação elétrica
    • Espelho retrovisor interior digital
    • Para-brisas aquecido
Extras
Pack Styling: 894,51 €;
Avaliação
7 / 10
É certo que este SUV foi feito, sobretudo, com o mercado norte-americano em mente, mas esta motorização híbrida permitiu-lhe atravessar o Atlântico e chegar até nós. E sabem que mais? Ainda bem. Tem espaço para toda a família, muito equipamento, um sistema híbrido muito competente e é um estradista nato. É certo que os dois bancos da terceira fila são mais indicados para crianças, que o motor (associado a esta caixa) faz um ruído algo incomodativo e que o preço é elevado, mas este é um SUV familiar que já fazia falta na gama da Toyota em Portugal e que não deve ser esquecido.
  • Espaço
  • Equipamento
  • Conforto de rolamento
  • Eficácia do sistema híbrido
  • Ruído do motor/caixa
  • Direção demasiado assistida
  • Preço
Sabe responder a esta?
A longa colaboração entre a Toyota e a Yamaha no desenvolvimento de motores começou com que modelo?

Mais artigos em Testes, Ensaio