Desde 55 950 euros

Testámos o Kia Sorento HEV. O SUV híbrido de 7 lugares a ter?

Com sete lugares e uma motorização híbrida, o Kia Sorento HEV apresenta-se como o topo da gama da marca sul-coreana em Portugal. Mas é uma opção válida?

Com cerca de três milhões de unidades vendidas e mais de 18 anos no mercado, o Kia Sorento apresenta-se na sua quarta geração como uma montra da evolução da Kia nas últimas duas décadas.

Topo de gama da marca sul-coreana no mercado nacional, este SUV de sete lugares “aponta as suas armas” a modelos como os Skoda Kodiaq, SEAT Tarraco, Peugeot 5008, ou o “primo” Hyundai Santa Fe.

Para descobrir se tem argumentos para os seus rivais pusemo-lo à prova na sua versão híbrida, o Sorento HEV, com 230 cv de potência máxima combinada, e no nível de equipamento Concept, para já a única disponível no mercado nacional.

A NÃO PERDER: Toyota RAV4 Plug-in. Quase 100 km sem gastar gasolina na cidade
Kia Sorento HEV
O sistema híbrido conta com um funcionamento bastante suave e a transição entre os dois motores é (quase) impercetível. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Grande por fora…

Com 4810 mm de comprimento, 1900 mm de largura, 1695 mm de altura e uma distância entre eixos de 2815 mm, o Sorento é aquilo a que podemos apelidar como “um carro grande”.

Devo admitir que inicialmente as suas dimensões me causaram alguma apreensão ao circular pelas estreitas ruelas lisboetas. Contudo, foi aí que começou a brilhar uma das melhores qualidades deste Sorento HEV, nomeadamente, alguns dos equipamentos instalados de série.

Painel de instrumentos do Kia Sorento HEV
Quando ligamos os piscas o mostrador da direita ou da esquerda (consoante a direção para onde vamos) é substituído pela imagem das câmaras presentes nos espelhos. Uma mais valia em cidade, no momento de estacionar e nas autoestradas. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Ciente das dimensões do seu SUV, a Kia dotou-o de mais câmaras exteriores que as usadas nalgumas curtas metragens independentes (até temos câmaras que projetam no painel de instrumentos o que está no “ângulo morto” quando ligamos o pisca) e de repente navegar em espaços exíguos com o Sorento torna-se bem mais fácil.

A NÃO PERDER: Testámos o Volkswagen Tiguan 2.0 TDI Life com 122 cv. É preciso mais?

… e por dentro

Já no interior, as avantajadas dimensões exteriores permitem ao Sorento estabelecer-se como um dos SUV mais indicados para as famílias numerosas, ombreando com propostas mais tradicionais na facilidade de acesso aos bancos traseiros, como a Renault Espace.

VEJA TAMBÉM: Ansiedade com a autonomia? Nenhuma. Testámos o elétrico Kia e-Niro

Mas há mais. Lembram-se da história do equipamento de série? A oferta é generosa, elevando o Kia Sorento HEV a um patamar entre as referências do segmento neste capítulo. Temos bancos aquecidos (os dianteiros também são ventilados) rebatíveis eletricamente, tomadas USB para as três filas de bancos e até comandos de climatização para os ocupantes da terceira fila.

Tudo isto num interior ergonomicamente bem conseguido (a mistura de comandos físicos com os táteis prova que não é preciso abdicar de nenhum deles), com materiais de qualidade que são agradáveis não só à vista como ao toque e uma montagem à altura do que de melhor se faz no segmento, comprovado, também, pela ausência de ruídos parasitas.

Consola central do Kia Sorento HEV
O comando rotativo à frente, de maiores dimensões, controla a caixa de velocidades e o mais pequeno trás permite selecionar os modos de condução: “Smart”, “Sport” e “Eco”. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
A NÃO PERDER: Testámos o BMW X1 híbrido plug-in. O melhor dos X1?

Adepto de longas viagens

Apesar das muitas câmaras que tornam fácil “navegar” na cidade com este expansivo SUV e do sistema híbrido que mantém os consumos contidos neste meio (a média andou pelos 7,5 l/100 km), escusado será dizer que é fora dela que o Sorento se sente como “peixe na água”.

Estável, confortável e silencioso, o Kia Sorento HEV mostra-se um ótimo companheiro de viagem. Nesse contexto o modelo sul-coreano volta a destacar-se também pelos consumos, conseguindo médias entre os 6 l/100 km a 6,5 l/100 km sem dificuldades que podem descer até aos 5,5 l/100 km quando nos empenhamos.

VEJA TAMBÉM: Agora também como híbrido plug-in. Testámos o Kia XCeed PHEV

Já quando chegam as curvas, o Sorento pauta-se pela serenidade. Sem pretensões ao título de “SUV mais dinâmico do segmento”, o modelo da Kia também não desilude, mostrando-se sempre seguro e previsível, precisamente o que se espera de um modelo de cariz familiar.

Para tal contribuem uma direção precisa e direta, e uma suspensão que consegue controlar satisfatoriamente os 1783 kg que o topo de gama da Kia “acusa” na balança.

Bagageira com terceira fila de bancos colocada
A bagageira varia entre os 179 litros (com sete lugares) e os 813 litros (com cinco lugares). © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por fim, no campo das prestações, os 230 cv de potência máxima combinada não desiludem, permitindo impulsionar o Sorento HEV com decisão até velocidades “proibidas” e tornando manobras como as ultrapassagens meras “formalidades”.

A NÃO PERDER: Testámos o sereno (mas rápido) C5 Aircross Hybrid, o primeiro híbrido plug-in da Citroën

É o carro certo para si?

Nesta quarta geração do Sorento a Kia criou uma das propostas mais interessantes e atrativas do segmento.

Com materiais de qualidade e uma robustez assinalável, o Kia Sorento HEV conta ainda com uma muito completa oferta de equipamento e com boas cotas de habitabilidade na sua lista de qualidades. A isto junta-se ainda uma motorização híbrida capaz de conjugar de forma bastante interessante consumos e prestações.

Kia Sorento HEV © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

O preço de 56 500 euros da nossa unidade parece elevado e é justificado pela vasta oferta de equipamento e, afinal, é um mais complexo híbrido (não plug-in), mas com um mix performance/consumos muito interessante.

O único rival direto é o “primo” Hyundai Santa Fe, com o qual partilha a motorização, com os outros rivais a recorrerem a motorizações híbridas plug-in (que o Sorento também receberá mais tarde) ou a motorizações Diesel que, na maioria dos casos, conseguem preços um pouco mais atrativos.

No entanto, com as campanhas existentes, é possível adquirir o Sorento HEV por menos de 50 mil euros e, sendo um Kia, vem com uma garantia de sete anos ou 150 mil quilómetros. Argumentos adicionais aos outros (fortes) que já possui para ser, definitivamente, uma das opções a ter em conta no segmento.

Preço

unidade ensaiada

56.500

Versão base: €55.950

IUC: €172

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1598 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta; Turbo; Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro (16 válv.)
    • Potência: Motor de combustão: 180 cv às 5500 rpm; Motor elétrico: 60 cv entre 1600-2000 rpm; Potência máxima combinada: 230 cv
    • Binário: Motor de combustão: 265 Nm entre 1500-4000 rpm; Motor elétrico: 264 Nm entre 0-1600 rpm; Binário máximo combinado: 350 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática de 6 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4810 mm / 1900 mm / 1695 mm
    • Distância entre os eixos: 2815 mm
    • Bagageira: 179 litros (com três filas de bancos); 813 litros (com duas filas de bancos)
    • Jantes / Pneus: 235/55 R19
    • Peso: 1783 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,7 l/100 km
    • Emissões de CO2: 153 g/km
    • Vel. máxima: 193 km/h
    • Aceleração: 8,6s
  • Garantias
    • Mecânica: 7 anos ou 150 000 km
  • Equipamento
    • BCA (Blind-Spot Collision Avoidance) traseiro
    • BVM (Blind-Spot View Monitor)
    • DBC (Downhill Brake Control)
    • FCA (Forward Collision-Avoidance Assist)
    • HAC (Hill Assist Control)
    • Head-Up Display
    • HDA (Highway Driving Assist)
    • ISLA (Intelligent Speed Limit Assist)
    • LFA (Lane Following Assist)
    • LKA (Lane Keeping Assist)
    • MCB (Multi Collision Brake)
    • PCA (Parking Collision-Avoidance Assist) traseiro
    • Sensores de luz e chuva
    • TPMS (Tire Pressure Monitoring System)
    • TSA (Trailer Stability Assist)
    • Apoio de pernas no banco do condutor (eléctrico)
    • Ar condicionado automático tri-zona
    • Banco do condutor com ajuste elétrico e memória
    • Banco do condutor e do passageiro com apoio lombar eléctrico
    • Banco do passageiro com ajuste eléctrico
    • Câmara de estacionamento 360o
    • Carregador wireless para smartphone
    • Comandos no volante + Sistema de reconhecimento de voz
    • Cluster digital com ecrã LCD de 12,3"
    • Cortinas traseiras
    • Cruise control adaptativo com Sistema Stop&Go
    • Ligações USB (1a, 2a e 3a fila)
    • Patilhas de mudança de velocidade
    • Porta-bagagens com abertura inteligente
    • Sistema de chave inteligente
    • Sistema de Navegação com touchscreen de 10.25''
    • Sistema de som Bose
    • Tomadas de 12 V (2a e 3a fila)
    • Espelho retrovisor electrocromático
    • Pedais em alumínio
    • Volante (aquecido)
    • Barras de tejadilho
    • Espelhos elétricos aquecidos e retrácteis
    • Faróis dianteiros Dual LED
    • Faróis de nevoeiro LED
    • Jantes de Liga leve 19"
    • Luzes LED traseiras
    • Sensores de parqueamento (traseiros / dianteiros)
    • Teto panorâmico com abertura elétrica
    • Vidros traseiros escurecidos
Extras
Pintura metalizada — 550 €.
Avaliação
8 / 10
Nesta quarta geração o Kia Sorento apresenta-se com argumentos suficientes para se estabelecer como uma das referências do segmento. Afinal de contas, destaca-se nos principais pontos valorizados pelo cliente-tipo deste segmento: muito espaço e conforto, robusto e económico. Junta a estes pontos fortes uma impressionante oferta de equipamento de série e a tradicional garantia de longa duração da Kia.
  • Espaço
  • Qualidade geral
  • Equipamento de série
  • Consumos
  • Preço (sem campanhas)
Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelado o SEAT Ronda?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Este SEAT Ronda foi usado como prova em tribunal. Porquê?

Mais artigos em Testes, Ensaio