Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

Novo Volkswagen Golf R. “O Golf de produção mais potente de todos os tempos”

O novo Volkswagen Golf R assume o seu lugar de topo de gama e ao vir com 320 cv de potência torna-se no mais potente Golf de produção de todos os tempos.

Afinal não são 333 cv, como nos tinha sido avançado por fontes internas na marca inicialmente e como tinha sido previsto num ecrã numa apresentação sobre a família de Golf de altas prestações. Porém não é impedimento para que o novo Volkswagen Golf R fique com o título do mais potente Golf de produção da história.

Sempre são 320 cv extraídos do ubíquo 2.0 TSI (EA888 evo4) e 420 Nm de binário (disponíveis a partir das 2100 rpm e assim mantém-se até às 5350 rpm), os mesmos valores que encontramos nos “frescos” Tiguan R e Arteon R. E tal como estes, o EA888 é combinado com uma caixa de dupla embraiagem (sete velocidades) e tração às quatro rodas.

Uma combinação que dá ao novo Golf R a capacidade de atingir os 100 km/h em apenas 4,7s — menos 0,2s do que o antecessor — e uma velocidade máxima eletronicamente limitada a 250 km/h. Porém, esta pode subir até aos 270 km/h caso optemos pelo Pack R-Performance.

VÊ TAMBÉM: Golf GTI demasiado “soft”? Golf GTI Clubsport de 300 cv é a resposta
Volkswagen Golf R 2020

Por falar neste, o Pack R-Performance não só eleva a velocidade máxima do hot hatch como adiciona um spoiler traseiro de maiores dimensões, aberto na direção do tejadilho, garantindo mais sustentação positiva sobre o eixo traseiro. Adiciona ainda jantes de 19″ (18″ de série) e dois modos de condução adicionais: Drift e Special, este último afinado especialmente para o circuito de Nürburgring.

Vetorização do binário

O sistema 4Motion (tração às quatro rodas) é o mesmo que encontramos, por exemplo, no Arteon R, o que significa que vem com o R Performance Torque Vectoring (vetorização de binário). Isto permite distribuir a força não só entre os dois eixos, como permite distribui-la entre as duas rodas do eixo traseiro — uma roda pode receber até 100% do binário.

O sistema é ainda otimizado mais no Golf R ao permitir a sua ligação com outros sistemas/componentes, como o diferencial autoblocante eletrónico XDS e a suspensão adaptativa DCC, via o sistema Vehicle Dynamics Manager (VDM). Diz a Volkswagen que garante “ótimas características de tração, comportamento neutro com o maior nível de precisão, agilidade máxima e, por último, mas não menos importante, máximo prazer de condução” — algo que teremos de comprovar ao vivo e a cores, brevemente…

TENS DE VER: Já conduzimos o novo Golf GTI. Rápido e mais ágil, mas ainda convence?

Chassis

As ligações ao solo do novo Golf R fazem-se através de um esquema MacPherson à frente e multibraços (quatro no total) atrás e vem com suspensão adaptativa de série (DCC). Está mais próximo do solo em 20 mm e, comparando com o antecessor, as molas e barras estabilizadoras são mais firmes em 10%. O camber negativo foi ainda incrementado (-1º20′) para permitir passagens em curva mais rápidas.

Os engenheiros da divisão R da Volkswagen também conseguiram reduzir as massas não suspensas, ao retirar 1,2 kg do sistema de travagem (apesar do diâmetro dos discos ter crescido em 17 mm relativamente ao antecessor). Mais massa foi retirada sobre o eixo dianteiro — 3 kg — pela adoção de uma subestrutura em alumínio.

Também houve mexidas no software de calibração da direção, com o novo Golf R a prometer uma resposta mais direta aos nossos comandos.

Special, o modo de condução para atacar o “Inferno Verde”

Como já foi referido, caso optemos pelo Pack R-Performance, ganhamos dois modos de condução adicionais aos habituais Comfort, Sport, Race e Individual: Drift e Special. Se o primeiro faz o que o seu nome diz — altera os parâmetros do controlo de estabilidade (ESC) e a forma como é distribuída a força pelos dois eixos —, o segundo, Special, foi especialmente otimizado para o circuito alemão mais famoso de todos, o Nordschleife-Nürburgring.

Entre os parâmetros alterados — passagens de caixa, ESC, etc… —, temos o nível de firmeza da suspensão que fica mais macio do que no modo Race, para melhor lidar com as imperfeições do “Inferno Verde”. A otimização específica para o circuito alemão garante, diz a Volkswagen, que o novo Golf R consegue ser 17s mais rápido que o seu predecessor nos (pouco mais de) 20 km de extensão no circuito.

Volkswagen Golf R 2020
VÊ TAMBÉM: BMW 128ti. Tração dianteira e 265 cv para “caçar” o Golf GTI

E mais?

Como é possível ver, o novo Golf R vem com aspeto diferenciado dos restantes Golf, mesmo os GTI, GTE e GTD, adotando um para-choques dianteiro de novo desenho que integra um splitter, quatro saídas de escape traseira — em opção está disponível um escape em titânio da Akrapovič que poupa 7 kg —, jantes de 18″ de desenho específico, pinças de travão a azul.

Volkswagen Golf R 2020

Por dentro vemos novos bancos dianteiros desportivos com acentos a azul, volante desportivo e pedais em aço inoxidável. Há ainda vistas específicas para o R tanto no sistema de infoentretenimento, como no painel de instrumentos digital.

VÊ TAMBÉM: “Vitamina S” em dose dupla. Audi apresenta os S3 Sportback e S3 Sedan

Quando chega?

O novo Volkswagen Golf R começa a chegar aos concessionários europeus já este mês, mas ainda não foram avançados preços para o novo porta-estandarte do modelo alemão em Portugal.

Mais artigos em Notícias